Definição partidária

0

A política sergipana só demonstra um definição partidária, em Aracaju. Talvez seja assim em todos os estados, porque nas capitais ficam bem nítidas as posições políticas e partidárias das principais lideranças que influenciam e comandam cada estado. Aracaju, por exemplo, tem dois grupos absolutamente definidos: um é liderado pelo prefeito Marcelo Déda (PT), que se transformou na maior expressão de oposição ao Governo do Estado. O outro é pelo governador João Alves Filho (PFL), que se mantém no comando de um razoável grupo político já há alguns anos. O ex-governador Albano Franco (PSDB), que era um referencial na divisão política do estado, mantém uma boa posição no ranking. Lidera hoje uma pequena ala, mas certamente influencia muito para onde pender.

 

Cada um desses dois grupos que dividem posição, acomoda personalidades fortes da política sergipana e que já estiveram no comando das decisões. É o caso do deputado federal Jackson Barreto (PTB), que já esteve para Aracaju assim como o prefeito Marcelo Déda está hoje. Alguns incidentes de posicionamento fizeram com que Barreto perdesse e hegemonia da capital, passando-a para o atual candidato à reeleição. O senador Valadares (PSDB), já freqüentou outros campos, mas fixou-se na oposição e sempre teve uma participação firme no bloco, principalmente como articulador voltado para a conciliação. É lógica a sua tese de que um grupo só é forte se conseguir se manter unido.

 

O governador João Alves Filho (PFL) desde 1982, quando assumiu o Governo pela primeira vez, sempre comandou grupos políticos. Ao seu lado já estiveram Albano Franco, Antônio Carlos Valadares e Jackson Barreto. Os três tomaram rumos diferentes, sempre em oposição a João Alves Filho, como estão hoje. O governador continua mantendo a liderança maior do seu grupo, que tem nomes como Almeida Lima (PDT), José Carlos Machado (PFL), Ivan Paixão (PPS), Jorge Alberto (PMDB) e alguns outros. De todos o único que, com certeza, se manterá com o governador na disputa pela reeleição, será o deputado federal José Carlos Machado. Os demais podem tomar outro rumo, dependendo das composições políticas e de novas tendências que podem surgir nestes blocos, que se formam principalmente quando das eleições estaduais.

 

Dentro do atual quadro político, levando em consideração a campanha para as Prefeituras Municipais e Câmeras de Vereadores, ainda não se pode abrir uma perspectiva de como será a divisão de grupos para sustentar a disputa pelo Governo do Estado. O projeto que as oposições tinham para o interior falhou feio. Seria o de eleger um número significativo de prefeitos e vereadores, para um fortalecimento eleitoral nas regiões do estado. Não deu para fazer e os municípios continuam mantendo suas divergências históricas e hereditárias, que impede a formação de uma nova mentalidade política. Além disso, aconteceu uma variação de coligações que junta todo mundo em um mesmo palanque, sem qualquer prurido ideológico. Em Canindé do São Francisco, só para citar um nome, todos os partidos que divergem em Aracaju estão unidos lá, em nome de um só candidato.

 

Para estranhar, a oposição se divide com muita facilidade: em Simão Dias, por exemplo, PT e PSDB se uniram contra o PSB e PFL. Teoricamente, Déda e Albano estão contra a Valadares e João Alves. Em Estância, PSDB e PFL estão juntos contra o PT, que também enfrenta o PSB e assim vai acontecendo sucessivamente, dentro das disputas naturais de adversários históricos de cada cidade.

 

As eleições para o Governo do Estado têm tudo a ver com o interior. É verdade que o Partido dos Trabalhadores não consegue penetrar bem nos municípios, mas o bom desempenho do prefeito Marcelo Déda vai chegar com muita intensidade nas cidades interioranas e, com certeza, será uma das opções para a divisão do eleitorado, que segue, ainda com cabresto, as lideranças regionais que oxigenam a separação em relação aos candidatos a governador. Como está escrito na estrela petista que Déda será candidato à sucessão estadual, ficará tudo bem definido: quem não for João será Déda e a polarização se concretiza com uma plenitude que não abre perspectivas mais para ninguém. É possível que esse confronto esteja próximo e é certo que os dois se preparam para isso, cada um trabalhando a seu modo.

 

Evidente que em dois anos muita coisa pode se modificar e nunca é bom deixar de lembrar que cada eleição é uma história. Mas, à primeira vista, essa é a realidade mais concreta, embora já se esteja falando em uma terceira opção. Lógico que é bom esperar mais um pouco, porque em política o imprevisível bate à porta.

 

ALMEIDA

O senador José Almeida Lima (PDT) não quer falar mais sobre a questão de sua ida para o PSDB, porque tudo já está definido. Disse, também, que não vai mais conversar com o ex-governador Albano Franco (PSDB), porque ele está pondo uma certa dificuldade.

 

TENTATIVA

Almeida Lima disse, ainda, que tentou conversar com o ex-governador Albano Franco, porque lhe fizeram essa recomendação: “mas agora não interessa mais”. Disse que procurou Albano para que depois os adversários não voltassem a acusá-lo de autoritário: “mas Albano foi quem dificultou o diálogo”.

 

ALBANO

O governador Albano Franco (PSDB) já tratou desse assunto algumas vezes e disse que não deixaria o partido e teria uma conversa imediata com Almeida Lima. O intermediário seria o presidente regional do PSDB, deputado Bosco Costa, mas até o momento realmente não foi possível o encontro. Albano Franco está viajando…

 

BOM SENSO

Um aliado do governador Albano Franco, que pediu reservas, acha que está predominando o bom senso de todas as partes, para tratar do problema do PSDB depois das eleições. Considera que isso também está partindo do senador Almeida Lima e da própria executiva do Partido. “Nesse período eleitoral, outros interesses ascendem”, disse.

 

SECRETÁRIOS

Os secretários de Estado estão participando diretamente dos programas de rádio, para explicar críticas e dar a versão em defesa de sua pasta. A iniciativa foi da Secom, depois de um comentário feito em Plenário, de que apenas o secretário Carlos Batalha colocava a cabeça para defender o Governo.

 

VENTINHA-I

Um amigo íntimo do vereador José Carlos (Ventinha) considerou falhas as explicações da delegada Simony, sobre o assassinato do vereador. Primeiro a versão de que Ventinha estava dormindo pode ser desfeita, porque ele recebeu um tiro na nuca. Além disso, o vereador não dormiria em tão pequeno trecho.

 

VENTINHA-II

A mesma fonte disse que foi constatado que houve tiros de fora para dentro da camioneta e que o assassino não atiraria no motorista com o carro em movimento. Os tiros no motorista aconteceram com o carro parado, porque haveria um descontrole e acabaria com o veículo. A fuga do assassino também teria sido planejada e até agora a Polícia não o capturou.

 

CANINDÉ

O deputado Ulices Andrade (PSDB) revelou que está em combate: “as eleições municipais geralmente são uma guerra e a gente não pode perder a atenção”, brincou. Relatou que o seu irmão Orlando Andrade (Orlandinho) está com uma candidatura crescente em Canindé e tem o apoio de Jorge Carvalho.

 

SOBRE ROSA

Ulices Andrade disse que a prefeita Rosa Feitosa tem consciência de que não vai disputar as eleições, mas está levando a candidatura até o final para tentar fortalecer Junior Galindo. Segundo Ulices, “Rosa Feitosa está jogando de goleira: sabe que a bola vai entrar, mas pula para enganar a torcida”.

 

GUALBERTO

O deputado Francisco Gualberto (PT) defende que as vítimas de assaltos tirem segunda via dos documentos que são emitidos pelo estado, gratuitamente. Segundo o deputado, “ao pagar a segunda via o cidadão acaba pagando literalmente por uma falha que não foi dele, mas do estado”.

 

TROCA

Dois deputados da base de apoio ao Governo do Estado já decidiram que vão ingressar na bancada da oposição, na Assembléia Legislativa. Segundo uma fonte muito bem avisada, os dois já tiveram uma reunião com o líder das oposições, deputado Belivaldo Chagas (PSB).

 

ITAPORANGA

A filha do ex-deputado Antônio Francisco, Maria das Graças Souza Garcez, está liderando as pesquisas em Itaporanga D’Ajuda. A informação é que ela ganha as eleições. Gracinha disputa com o candidato Carlão, que tem o apoio do prefeito César Mandarino e da vice-governadora Marília Mandarino.

 

SENTIMENTO

Existe na cidade um sentimento de que Antônio Francisco não participou, como mandante, do crime do deputado estadual Joaldo Barbosa. O eleitorado admite que o filho dele, o ex-vereador Junior, foi quem preparou tudo e o pai terminou pagando porque era o primeiro suplente.

 

CEDRO

O advogado Cleber Gonçalves (Buchudo) está envolvido de corpo e alma na campanha do candidato do PTB, em Cedro do São João e discursa em praça pública. Gonçalves tem seu nome envolvido no assassinato do promotor Valdir de Freitas Dantas e está esperando a data para ir a júri popular.

 

SOCORRO

A fonte é da oposição: candidatos a vereador pela coligação que apóia Adelson Barreto à Prefeitura de Socorro, estão migrando para a candidatura de José Franco (PPS). A mesma fonte diz que os candidatos a vereador pela oposição não estão recebendo material de campanha e resolveram aderir.

 

Notas

 

COMPLICAÇÃO

O caso do PSDB, ao ser transferido para o senador José Almeida Lima, pode ficar complicado, em termos de manter todos os membros do partido, porque o próprio Almeida já declarou publicamente que manterá a mesma composição política com o governador João Alves Filho (PFL). Não haverá alteração. Essa não é e dificilmente voltará a ser a praia do governador Albano Franco e seu grupo político, mesmo sabendo que o PSDB é adversário, a nível nacional, do PT, de quem o próprio Albano passou a ser aliado.

 

CORRUPÇÃO

O vereador Antônio Góis (Goisinho) deve encaminhar ao TRE denuncia de prática de compra de votos direta e indiretamente: a distribuição de óculos, relógio e material de construção; showmícios com distribuição de prêmios, enfim, detalhar item por ítem, sem denunciar candidato algum. Segundo ele, se essa prática política continuar, vai colocar, publicamente, os nomes de quem está usando desses artifícios, para conseguir voto, “porque estou na Câmara para lutar por um processo democrático, com lisura no pleito”.

 

FONTES

O deputado João Fontes (Psol) estava no Rio de Janeiro, ontem, conversando com membros do seu partido e do PDT. Ele diz que tenta uma composição ampla, em todos os estados, para consolidar a candidatura da senadora Heloisa Helena (Psol-AL) a presidente da República. O Psol começa a trabalhar cedo. João Fontes disse que não pensa em se filiar no PDT, mas lembra que foi Leonel Brizola quem primeiro apareceu para oferecer a legenda aos expulsos do PT. O Psol pensa em atrair também os desgostosos do PT e de outras legendas.

 

É fogo

 

Secretários de Comunicação Social de todo o Brasil vão se reunir em Aracaju no dia 26, pra discutir problemas e experiências.

 

O deputado estadual Belivaldo Chagas (PSB) viajou a São Paulo para se submeter a um tratamento de saúde.

 

Duas mulheres disputam a Prefeitura Municipal de Itaporanga D’Ajuda pela oposição. O slogan é: “agora é que são elas”.

 

O Côco-Folia, festa realizada na Atalaia Nova, vai atrair todos os políticos de Aracaju e da Barra dos Coqueiros. Será uma loucura.

 

Em Nossa Senhora da Glória a disputa para a Prefeitura está acirrada. Qualquer um dos três candidatos pode surpreender.

 

Em Itabaiana também a disputa está pau-a-pau e tem incentivado grandes apostas. Os dois fazem uma campanha muito movimentada.

 

O candidato a prefeito pelo PT de Tobias Barreto, Dílson Agripino, está chateado com a cúpula do partido, que não o prestigiou em seu comício.

 

Em Tobias Barreto, o candidato do PT tem como vice João Pacífico (PMDB) e apoio total de parte do PFL.

 

Todos os candidatos de partidos de oposição estão reclamando da presença do presidente da Petrobrás, José Eduardo Dutra (PT), nos palanques.

 

Mesmo candidata à Prefeitura de Itabaiana, a deputada Maria Mendonça (PSDB) tem comparecido a todas as sessões da Assembléia Legislativa.

 

O crescimento de 5.7% do PIB brasileiro no segundo trimestre em relação ao mesmo período do ano passado ganhou fôlego com o aumento do consumo.

 

Os bons dados da economia já começam a ter reflexo no mercado de trabalho. O desemprego caiu pelo terceiro mês seguido.

 

Por Diógenes Brayner

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários