Definições políticas

0

O deputado federal Delfim Neto, com o senso de humor que lhe é natural, quando participava de uma reunião de empresários, mostrou toda a sua irreverência ao construir a seguinte frase: “não se preocupem, Lula já entendeu que não é mais petista”. É de uma genialidade bem característica de um sujeito como Delfim, que tem muita influência dentro do Congresso Nacional e na área de desenvolvimento e economia. Na realidade, o presidente Lula continua usando a estrela vermelha como botton, mas o seu estilo é de um político que adquiriu rápida experiência nas mais intrínsecas jogadas que lhe dêem mais força e poder. Faz tabela com qualquer um, independente da camisa que vista. O importante é marcar mais um tento para aumentar o placar a seu favor.

 

Desde quando era amaciado pelo marketeiro Duda Mendonça para disputar as eleições presidenciais de 2002, que Lula da Silva percebeu que ser petista era um fato casual. Uma opção de momento, que cresceu muito e deveria tomar rumos diversos para chegar ao poder. Aprendeu que jamais ultrapassaria os limites do ABC paulista, se mantivesse a fobia às coligações, sem pedir atestado de antecedentes a ninguém. E foi assim que se transformou no “Lulinha Paz e Amor”, abriu-se para empresários e banqueiros, ampliou as opções de alianças e se comportou como cordeirinho na campanha. Resultado: elegeu-se e tirou a máscara de salvador da pátria, dando continuidade a uma política neoliberal, mesclada com autoritarismo e atos que abalaram a estrutura de uma sociedade que se encheu de esperança, com a presença de um homem que saiu do operariado para o Planalto.

 

O Partido dos Trabalhadores, através de instruções da Executiva Nacional, proibia coligações, em todo o Brasil, com o PFL e PSDB. Uma discriminação que era seguida à risca pelos diretórios regionais, inclusive a ponto de intervenção em caso de desobediência. Pois bem, esta semana foi retomado o diálogo entre o presidente Lula e o senador Antônio Carlos Magalhães, um membro do PFL que sempre esteve na linha de frente de todos os Governos, inclusive na ditadura militar. Segundo nota publicada na Folha de São Paulo, essa reabertura das duas lideranças políticas tem mão dupla. “o senador ajuda a aprovar a reeleição das Mesas do Congresso Nacional e outros projetos de interesse do governo. Se tiver êxito, pode reforçar sua posição na disputa com Jorge Bornhausen dentro do PFL”.

 

Quando retornou à Bahia, após rediscutir com Lula as bases de seu apoio ao governo, Antônio Carlos Magalhães afirmou que pode arregimentar 12 senadores para um bloco de sustentação ao Planalto. Em troca, precisaria de um ministério e diretorias de estatais. Ninguém tenha dúvida que o presidente Lula da Silva cede às exigências de ACM e vai lhe dar posições estratégicas dentro do governo. Com isso provoca um racha dentro do PFL e enfraquece o bloco formado por este partido e o PSDB, base da oposição no Congresso. O governador João Alves Filho (PFL) se dá muito bem com o senador baiano e certamente colocará os seus parlamentares da área federal ao lado desse projeto de composição com o Governo Federal. Aliás, João já está se afinando com o Planalto, através de um trabalho realizado pelo deputado federal Ivan Paixão (PPS).

 

Se em Brasília um grupo forte do PFL, incluindo o governador João Alves Filho, se vincula diretamente ao Governo do presidente Lula, em Sergipe o distanciamento com o prefeito Marcelo Deda tende a reduzir. Não por vontade dos dois, mas por uma causa maior, que é exatamente o projeto de poder que parte do Planalto para baixo. Mesmo se mantendo o ranço existente há mais de 20 anos, no vôo entre Aracaju e Brasília as coisas tendem a ser menos amargas, porque os dois terão boa desenvoltura nos corredores do poder central. Em 2006, com absoluta certeza, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva será candidato à reeleição. Terá o voto dos grupos de João Alves Filho e Marcelo Deda, como aconteceu em 2002. Nisso os dois estarão unidos. Evidente que numa disputa estadual entre os dois, Lula da Silva será por Deda até a alma, mas sabe que também tem os votos de João e complica uma decisão pessoal de subir em palanque distinto, mesmo que o projeto de poder seja muito amplo.

 

Entretanto, sem essa abertura e sem evitar certos afagos, Lula põe em risco sua continuidade no Planalto e vai pensar muito para tomar uma decisão que possa lhe debitar votos. Com esse novo quadro, em que o PFL se inclui no governo do PT para ajudá-lo na reeleição, existem complicadores que inibem preferências e, assim, fica lógico que as eleições estaduais de 2006 terão grandes mudanças e uma nova história a se montar.

 

INFARTO

O ex-prefeito de Simão Dias, Manuel Matos (Caçulo), morreu de infarto fulminante, anteontem, quando participava de um comício no povoado Caraíbas de Baixo. Caçulo falava sobre a origem do povoado e lembrou do ex-deputado Abel Jacob. Nesse momento largou o microfone e caiu nos braços da filha, Mônica Matos, candidata a vice na chapa de José Valadares.

 

DIFERENÇA

Enquanto se chorava em Simão Dias, em Lagarto, cidade próxima, os eleitores do prefeito Zezé Rocha pulavam atrás de um trio-elétrico.É que o Tribunal Regional Eleitoral confirmou a sua candidatura à reeleição, pondo um fim na tensão que ainda existia no grupo político que lhe dá sustentação.

 

CABO ZÉ

O candidato José Raimundo Ribeiro disse que mesmo sendo mantida a sua impugnação pelo TRE, ele recorre para o TSE e continua em campanha sub júdice. Caso Brasília mantenha a impugnação, Cabo Zé lança sua mulher, Edna Ribeiro, para disputar a Prefeitura de lagarto.

 

DISTANTE

José Raimundo Ribeiro disse que não há força que o faça apoiar a candidatura do deputado estadual Walmir da Madeireira. Segundo informação sobre pesquisas em Lagarto, Zezé Rocha está na frente, José Ribeiro em segundo e Walmir Monteiro em terceiro, mas melhorando suas posições.

 

TRABALHO

O governador João Alves Filho (PFL) terá que refazer a sua bancada na Assembléia Legislativa, porque quatro deputados estão dispostos a votar contra o Governo. Todos quatro estão envolvidos em campanhas eleitorais e reclamam da falta de apoio do governador e sua equipe.

 

RESERVADO

Em um documento estritamente reservado entre aos secretários, o governador João Alves Filho faz uma série de reclamações e sugere mais dinamismo na ação administrativa. Abaixo, em Post Script, o governador lembra que a deputada Susana Azevedo (PPS) é a candidata a prefeita que tem a simpatia do Governo, sem sugerir qualquer empenho na campanha.

 

DESFAZ

Em outro comunicado, o governador João Alves Filho pediu aos seus auxiliares que não se empenhassem publicamente em candidaturas majoritárias e proporcionais. O cuidado do governador é que a presença de qualquer um dos auxiliares, principalmente em palanques, pudesse oferecer motivos para críticas e insinuações.

 

AUGUSTO

O deputado Augusto Bezerra (PMDB) pergunta: “por que a oposição está brigando tanto para impedir a construção da ponte que liga Aracaju a Barra dos Coqueiros”. E responde: “é porque sabe que ela é importante e vai fortalecer o governador”.

Segundo Augusto, ä oposição sabe tanto que a ponte é importante, que o deputado Jackson Barreto já disse que ela vai ser construída quando Deda for governador.

 

ALBANO

Quarta-feira passada o ex-governador Albano Franco (PSDB) esteve com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em seu escritório de São Paulo. Não falaram sobre Sergipe. O assunto que predominou foi a situação política e econômica do país. Conversaram também sobre a candidatura de José Serra (PSDB) a prefeito.

 

CONVERSA

Albano Franco disse que não vai se negar a conversar com o senador José Almeida Lima, nem com ninguém, sobre o PSDB. Comunicou que o presidente regional do partido, deputado Bosco Costa é que está conduzindo isso. Acha que as coisas devem acontecer depois das eleições.

 

LIBERAL

Sobre o Partido Liberal, o ex-governador Albano Franco disse que hoje não tem sentido uma troca do partido e que vai se manter no PSDB. Informou que logo no início do Governo o presidente do PL, Waldemar Costa Neto e o vice-presidente da República José Alencar, insistiam em sua transferência, mas já não fala mais sobre isso.

 

QUADRANGULAR

Uma pequena área de preservação do mangue, localizada na avenida Pedro Valadares, nos Jardins, está sendo utilizada para construção da igreja Quadrangular.Uma das empresas construtoras vinha mantendo esta área que teve parte tomada pelos evangélicos. Há necessidade de explicações.

 

BARRA

O vereador Jorge Rabelo, da Barra dos Coqueiros, disse que o deputado Fabiano Oliveira só parece na Atalaia Nova para fazer o Coco Folia. Fabiano desmente. Diz que o Coco Folia movimenta a ilha e, além disso, levou para lá, calçamento, saneamento básico, a orla e outros benefícios.

 

Notas

 

DESPESAS

O vereador Antônio Góis (PT) vai gastar R$ 5.594,60 em toda sua campanha para vereador. Ele enumerou as despesas com santinhos, praguinhas, out-door, banners, adesivos, faixas, bandeiras, pinturas, gravação de jingle, selos e postagem, carro de som e plotagem. O dinheiro advém de recursos próprios. Goisinho diz que essa é sua prestação de contas e se alguém em Aracaju encontrar algo diferente, “por favor, comunique ao Tribunal Regional Eleitoral, porque não é minha e sim uma provocação”, afirmou em tom de brincadeira.

 

SÉRIO

A questão do abuso do poder econômico para eleger-se vereador em Aracaju deve ser combatida a qualquer custo pelos órgãos competentes e denunciados por pessoas da sociedade, porque quem gasta acima do limite para conquistar um título está fazendo um jogo de aplicação financeira. Ora, se em quatro anos o sujeito não retira – em salário – o que está gastando agora, é porque pretende usar de algum meio para se beneficiar e cobrir os gastos. É bom ficar de olho em quem está fazendo campanhas milionárias.

 

ENCONTRO

Desportistas sergipanos estão se mobilizando pra entre com uma representação na Justiça, com o objetivo de impedir que a Igreja Universal realiza, dia 7 de setembro, um grande encontro de fieis no gramado do Batistão, que é tido como um dos melhores do Nordeste. O pessoal teme a sua destruição. A igreja se defende dizendo que vai disponibilizar uma proteção ao gramado e que seus fiéis não vão pisar diretamente no gramado. A liberação do encontro foi dada pelo Governo do Estado, que não volta atrás em sua decisão.

 

É fogo

 

O desfile de 7 de Setembro em Aracaju será bem aproveitado pelos candidatos, para a propaganda política.

 

A mesma coisa vai acontecer com o Coco Folia, na Atalaia Nova. A festa terá um numero maior de pessoas, em razão dos candidatos e seus cabos eleitorais.

 

Uma coisa já está certa: todo o grupo da oposição vai comparecer ao Coco Folia, porque a maioria dos seus freqüentadores é de Aracaju.

 

Tem servidores apelando que o Governo decrete ponto facultativo na segunda-feira, em razão do feriado de terça. Isso seria um grande absurdo.

 

O deputado estadual Mardoqueu Bodano (PL) está preocupado com o número elevado de policiais militares afastados de suas funções, por causa do estresse.

 

O deputado Augusto Bezerra quer uma mobilização nacional, para impedir que o Governo Federal comece o projeto de transposição das águas do rio São Francisco.

 

Foi só o boato a impugnação da candidatura do vereador Airton Sampaio Martins (PT) à Prefeitura da Barra dos Coqueiros.

 

As sessões plenárias da Assembléia Legislativa estão vazias e continuarão assim até as eleições. Discute-se o sexo dos anjos.

 

O Congresso Nacional também está absolutamente vazio e continuará assim na próxima semana, em razão do feriado de terça-feira.

 

A União Européia suspendeu a medida que exigia a realização de testes em pelo menos 20% dos frangos importados do Brasil.

 

A Semp Toshiba teve que enviar uma equipe de profissionais para a Ásia na tentativa de comprar mais componentes para a produção de TVs.

 

O Banco Central não deve retomar as compras de dólares no mercado, suspensas desde fevereiro, pois deseja que a queda da moeda norte-americana tenha efeito positivo sobre a inflação.

 

Por Diógenes Braynes

brayner@infonet.com.br 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários