Deso e a ética dos poderosos

0

Há mais de um ano este espaço vem alertando para os problemas financeiros da Deso. Começaram com os vários empréstimos concedidos por instituições financeiras que estão sendo pagos mensalmente e deixaram a empresa com um déficit mensal. Porém o mais grave é que nunca a Deso foi usada tão escancaradamente numa campanha eleitoral. A empresa foi a base eleitoral do então candidato César Mandarino, hoje deputado estadual. Com a força da esposa, Marília Mandarino, então vice-governadora, emplacou o irmão, Vitor Mandarino na presidência da empresa. A Deso então foi literalmente pelo cano sem dor e piedade.

 

Tudo vem sendo feito para que a empresa não seja passada a limpo. Até mesmo uma decisão inusitada do Tribunal de Contas, proibindo a Deso de contratar uma empresa para fazer uma auditoria. A auditoria está sendo feita e a sociedade sergipana aguarda com ansiedade para saber como foram empregados cerca de R$ 100 milhões nos últimos anos. E o pior, toda a quebradeira sobrou para a parte mais fraca: os servidores, principalmente os que chegaram há pouco tempo. Enquanto isso, o TC anunciou que faria uma auditoria. Se tem o respaldo legal, não tem o respaldo moral, já que vários diretores, inclusive o ex-presidente, Vitor Mandarino fazem parte do quadro do órgão. Não dá para comentar.

 

E o leitor pergunta: e que título é esse? Deso e a ética dos poderosos. Pois bem. É que passado um ano, o governo estadual deve a sociedade uma CPI da Deso. Não dá para dizer que a Assembléia não quis, já que a maioria esmagadora dos deputados é governista. Nos últimos dias a cúpula do PSC, depois de muitos “apelos” feitos pelo porta voz do partido na imprensa, começou a conversar com o governador através do deputado Eduardo Amorim. Como bem diz um dirigente, não “queremos cargos queremos saber se somos ou não governo”. É verdade. Na maioria das vezes os tentáculos entram e ficam estancados nos governos, não através de cargos, mas através de interesses empresariais. Quem não se lembra dos R$ 500 mil mensais no governo passado?

 

E a ética dos poderosos? Muitos deles gostam desta palavra: ética. Porém atuam de forma inversa, praticando a corrupção e os desmandos e, na imprensa, apelam para discursos moralistas com vozes suaves e pegajosas. Agora querem que os desmandos praticados na Deso sejam esquecidos em nome de uma tal “governabilidade”. Isso passa não só pela auditoria na Deso, mas também da viabilidade de algumas campanhas municipais, como por exemplo, a de Marília Mandarino, em São Cristóvão. E a tática é uma só: depois que o grupo liderado pelo prefeito Zezinho da Everest perdeu o fôlego, e dificilmente terá condições do mesmo concorrer à reeleição, a bola da vez é o deputado e ex-prefeito Armando Batalha. Para isso a ética dos poderosos usa seus meios de comunicação e táticas de guerrilha. Este espaço não tomará posição favorável a qualquer candidato, porém São Cristovão não merece, depois de tantos escândalos, que o clã dos Mandarinos, que foi derrotado em Itaporanga, chegue àquela cidade. Os são-cristovenses não merecem uma segunda Deso. Por conta de acordos espúrios e da corrupção, os homens de bem se afastam da política e, em contrapartida, os ratos tomam conta…

 

Prisão para envolvidos em escândalo em Pirambu

O MP deve pedir a qualquer momento a prisão de vários envolvidos nos escândalos de improbidade administrativa em Pirambu. A começar pelo prefeito Juarez Batista e várias outras pessoas. É só aguardar.

 

PT: eleições em Socorro e Itabaiana

Foram realizadas ontem, 16, as eleições dos diretórios municipais do PT de Itabaiana e Socorro, que tiveram segundo turno. Em Itabaiana venceu Olivier Chagas com 57 votos contra 48 de Gilmar Passos. Em Socorro, a vitória foi de professor Washington que obteve 233 votos, contra 164 da professora Teófila. Já o segundo turno nacional, o candidato à reeleição Berzoini venceu folgadamente em todo Estado.

 

Chico de Miguel internado

Desde ontem, 16, o ex-deputado e líder político de Itabaiana, Francisco Teles de Mendonça, o Chico de Miguel, encontra-se internado na UTI do Hospital São Lucas, com sérios problemas de saúde. Chico de Miguel é pai da atual prefeita de Itabaiana, Maria Mendonça.

 

Sobre a manifestação da CUT na AL

De uma leitora: “Essa manifestação da CUT na frente da Assembléia legislativa não passa de jogo de cena.  Pois se o Governador tem maioria parlamentar na Assembléia, a CPI do Deso, não é aprovada porque o Governador Déda não quer. Afinal de contas, Flávio Conceição foi o candidato do Governador Déda para o Tribunal de Contas. Também é preciso lembrar, que o presidente da CUT/SE Antônio Carlos Góis, é filiado ao PT, partido do Governador Déda; então é tudo jogo de cena. Também parece que o presidente da CUT/SE está fazendo esses movimentos de faz de conta, para estar na mídia, quem sabe, com intenção eleitoreira para 2008”.

 

Veículo da Sefaz

Ontem, 16, às 13h10, o Santana cinza da Secretaria da Fazenda, estava parado na rua do fundo da Passarela do Caranguejo, deixando algumas pessoas que foram desfrutar dos bares e da praia. A placa do veículo: IAA-5834.

 

Placa irregular em Fiat Uno branco

Ainda bem que a proprietária de um Fiat Uno branco tirou a placa irregular que usava. Ela já estava com placa fria da nova série de segurança, mas depois das medidas adotadas pela Secretaria de Segurança Pública fechando o cerco, o veículo voltou à placa normal. Também faz tempo que o carro, que fica estacionado no Condomínio Praias do Caribe, não abastece mais na vaga de garagem. De onde será que vinha o galão com o combustível?

 

Veículos à disposição dos delegados

A coluna recebeu dois e-mails de policiais militares cobrando que as mesmas denúncias que estão sendo feitas com veículos da PM, sejam feitas também com os delegados. É só enviar o uso abusivo que a coluna faz a apuração. Não tem protecionismo neste espaço. Os delegados têm que dar exemplo, principalmente não usando os veículos para viajarem para seus Estados de origem.

 

Fórum de Capela será instalado segunda-feira

Nesta segunda-feira, 17, o Presidente do Tribunal de Justiça de Sergipe, Desembargador Artêmio Barreto, vai instalar o Fórum Juiz Francisco Vieira de Andrade, em Capela. A solenidade, que está marcada para 16 horas, contará com a participação de servidores do Poder Judiciário e da comunidade capelense, além de diversas autoridades.

 

Carta da CNBB a religioso critica jejum I

Matéria da FSP de hoje, 16: “Apesar da nota pública em que pedia que fiéis apoiassem “em jejum e oração” a greve de fome de dom Luiz Flávio Cappio, bispo de Barra (BA), a CNBB criticou duramente a decisão do religioso e questionou o fato de ele não ter avisado à entidade de sua intenção de protestar contra a transposição do rio São Francisco. A carta com a cobrança, assinada pelo presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, d. Geraldo Lyrio Rocha, foi enviada na quinta e faz coro a texto enviado pelo Vaticano no mesmo dia. “Meu caro d. Luiz, você não é dono de sua vida. Sua vida, precioso dom de Deus, pertence a Ele, à igreja, ao povo da Diocese de Barra, à Ordem Franciscana e a todos aqueles que são atingidos pela graça de sua presença”, diz”.

 

Carta da CNBB a religioso critica jejum II

Ele se queixa: “Perdoe-me dizer-lhe com sinceridade, como lhe disse da outra vez, julgo que isso não poderia ser feito sem que você tivesse ouvido a igreja”. E finaliza: “Sinto-me no dever de lhe pedir que reveja sua decisão e suspenda o jejum”. Apesar de d. Luiz ter dito que o Vaticano não o “mandou” parar a greve, o texto é claro: “Em nome da Santa Sé, portanto, peço firmemente que Vossa Excelência não prossiga com esse gesto extremo”. A carta foi assinada pelo cardeal italiano Giovanni Batista Re, prefeito da congregação do Vaticano responsável pelos bispos.

 

Almeida Lima propõe “corte na carne da classe política”

Trecho de matéria da revista Veja: “Na madrugada de quinta-feira da semana passada, contudo, o Senado, pela primeira vez em anos, reagiu à letargia. Viram-se cenas extraordinárias como a reação do senador Almeida Lima, peemedebista de Sergipe, membro da tropa de choque de Renan e partidário da recriação da CPMF. Ele foi o último de 45 oradores a ocupar a tribuna. O que Almeida Lima disse foi uma surpresa para todos. “É hora de falarmos em cortes de despesa. É hora de falarmos em corte na própria carne da classe política”, disse ele ao sugerir a imediata supressão de todos os vice-prefeitos do Brasil, o que só em salários geraria enormes economias para o Tesouro”.

 

Almeida apareceu como vice-prefeito

Um detalhe. Almeida deseja cortar um cargo, o de vice-prefeito, que fez que ele surgisse para a vida pública de verdade, depois de passado alguns meses na AL, como suplente de deputado. Almeida assumiu a prefeitura em 1994, quando Jackson renunciou para ser candidato a governador. Se não tivesse o cargo de vice-prefeito Almeida não teria administrado Aracaju, e, com certeza, não seria senador. Ou seja, será que ele se arrependeu de ingressar na vida pública e quer corrigir o erro para que não apareçam outros “almeidinhas”?

  

Crítica ao artigo de Clóvis Barbosa no JC I

Da leitora Maria Eulália: “Intrigante e bem fundamentado o raciocínio do secretário Clóvis Barbosa, colocado no texto que ele publicou no Jornal da Cidade, 16 “As núpcias da princesa cigana”. Contudo, esse mesmo raciocínio é extremamente perigoso. Não sou advogada. Atuo na área da antropologia. Assim, gostaria que o respeitado secretário refletisse sobre a aplicação de sua tese em relação ao que fizeram com aproximadamente 130 milhões de mulheres, vítimas da infibulação, ou cliteridoctomia, ritual consistente na extirpação do clitóris, a fim de que a mulher não sinta prazer durante a relação sexual. Dr. Clóvis citou o caso de um nobre cigano para reforçar seu irretocável texto. Cito o caso da senegalesa Kady Koita, que teve o clitóris arrancado a sangue frio com uma faca pela avó, sob o argumento de que isso faz parte da tradição do Senegal. A isso se aplicaria o dito “erro de proibição” ou “valoração paralela na esfera do profano”, apresentado pelo Dr. Clóvis? Vamos ver como seu posicionamento seria avaliado pela deputada italiana Emma Bonino, que sonha com o fim da infibulação no mundo até 2010. Vamos ver como seu “discurso jurídico” seria recebido por Olynka Koso-Thomas, que preside uma entidade na África para dar um basta nas denominadas “práticas tradicionais””.

 

Crítica ao artigo de Clóvis Barbosa no JC II

Continua Maria Eulália: “Digo isso porque o Dr. Clóvis valeu-se da “tradição” para justificar atos infames, como o estupro daquela adolescente de 12 anos. Digo mais: enviem o texto do Dr. Clóvis para todas as mulheres do Djibuti, da Somália, da Etiópia, de Serra Leoa, Eritréia, Sudão e Egito, onde 20% das garotas são vítimas da infibulação. Acho que o Dr. Clóvis deveria ser menos teórico e mais prático. Enquanto ele escreve sobre temas jurídicos polêmicos e pouco disseminados, todos vêem sua omissão diante da consulta aos advogados pela escolha do próximo juiz do tribunal de justiça. Enquanto a bagunça atinge sua classe, o Dr. Clóvis está mais preocupado com o povo cigano. Por que será que ele não escreve sobre isso? Queria uma posição dele acerca de um assunto que lhe diz respeito, e não da sociologia. O Dr. Clóvis deve deixar a sociologia para os sociólogos, parando de ser indiferente com os seus pares. Como o Dr. Clóvis diz apreciar a boa literatura, cito-lhe um trecho de Alexandre Herculano: “a indiferença silenciosa, grave, quase benévola, é a manifestação legítima da morte de toda a crença”. Penso que o Dr. Clóvis crê na advocacia. Então, que ele escreva para ela, deixando a antropologia para os seus adeptos e adeptas. Quem precisa do Dr. Clóvis, neste momento, não é o povo cigano, mas “o povo da OAB”, que não sabe onde e com quem ele está”.

 

Propaganda eleitoral do Sintese

O MP deve também fiscalizar as propagandas políticas que alguns sindicatos estão fazendo, por exemplo, ontem, 16, num caderno especial o Sintese publicou meia página paga no JC, onde na frente, apareciam segurando uma faixa os deputados Ana Lúcia e Iran Barbosa. De uma leitora: “Sou leitora da sua coluna e acho importante o papel que você cumpre em denunciar a má utilização dos recursos públicos. Porém, acho que sua coluna também pode cumprir um papel fundamental na fiscalização da utilização pessoal e partidária dos recursos dos sindicatos. Um exemplo é o Jornal da Cidade de hoje, 16 de dezembro – domingo, em que, em meia página o Sintese faz sua propaganda, porém destacando a deputada Ana Lúcia e o deputado Iran Barbosa. Todos nós sabemos que o Sintese trabalhou intensamente, com recursos e pessoal para eleição dos dois deputados, entretanto, é inconcebível que o sindicato continue utilizando recursos da categoria para divulgação dos dois deputados. Cadê o Ministério Público?”.

 

Frase do Dia

O Duque de She dirigiu-se a Confúcio, dizendo: “Temos em nossa terra um homem direito. Seu pai furtou uma ovelha, e o filho depôs contra ele”. “Na nossa terra”, retrucou Confúcio, “ser direito é proceder de maneira diferente. O pai oculta a culpa do filho, e o filho a do pai. Gente direita é assim que se comporta”. Máximas de Confúcio. Apud Russel, Bertrand. Ensaios céticos. 2. ed. São Paulo, Nacional, 1957. p. 82.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários