Economia Criativa

0

ECONOMIA CRIATIVA: UM CONCEITO IMPORTANTE E INTERESSANTE (*)

 

“A economia criativa seria uma abordagem holística e multidisciplinar, lidando com a interface entre economia, cultura e tecnologia, centrada na predominância de produtos e serviços com conteúdo criativo, valor cultural e objetivos de mercado, resultante de uma mudança gradual de paradigma.”

Duisenberg[1]

 

Desde 2006, quando a importância da criatividade foi ressaltada na abertura do Fórum Econômico Mundial, em Davos, Suíça, que essa habilidade passou a ser olhada de uma nova forma. Até então a criatividade era considerada como válida apenas para os artistas e para as artes, pois a maioria das pessoas acreditava que não era importante para outros contextos.

Como resultado do despertar do Fórum Econômico Mundial, em 2008 o Parlamento Europeu decidiu que seria extremamente importante disseminar o conceito de criatividade e inovação na Europa como a única maneira de ajudar ao cidadão europeu se tornar mais flexível e entender o processo de mudança por que passa toda a Comunidade Europeia. Sem dúvida alguma, esse foi um passo muito importante, uma vez que, 35 países europeus se reuniram e começaram a trabalhar intensamente para que o conceito de criatividade e inovação pudesse ser melhor entendido e para que as pessoas compreenderem que a criatividade é uma competência essencial e que poderá ser desenvolvida.

A criatividade tem muitas definições, todavia, para mim, a definição mais simples e objetiva é aquela que diz: “criatividade é a habilidade de olhar para o ordinário e ver o extraordinário”. Em outras palavras significa dizer que é olhar para o que está sendo visto e enxergar aquilo que não está sendo visto.

Portanto, fica bastante coerente dizer-se que uma pessoa que resgatou e desenvolveu o seu potencial criativo possui realmente um diferencial de competência e a “a criatividade é um combustível renovável e cujo estoque aumenta com o uso. Além disso, a “concorrência” entre agentes criativos, em vez de saturar o mercado, atrai e estimula a atuação de novos produtores[2].”

Se considerarmos que a criatividade é uma competência que serve de amalgama para a economia criativa uma vez que gera a oportunidade de resgatar o cidadão e o insere na sociedade com o resultado do seu trabalho, daí a nova visão e importância da criatividade.

No entanto, percebemos que, mesmo no contexto da economia criativa, considera-se importante o conceito de criatividade; todavia, continuamos caminhando com o mesmo erro. Ou seja, como não resgatamos e desenvolvemos a criatividade daqueles que estão envolvidos com a economia criativa, as idéias geniais são únicas e, a partir daí outros copiam as idéias e a produção entra em série e nada de realmente novo e criativo continua acontecendo.

Eis o grande e novo desafio! Ensinar o conceito de criatividade para artesãos e pequenos empresários, certamente essa é uma fronteira inexplorada e que irá dar muitos frutos.

Acredito que será a única maneira de se renovar a produção artesanal, de se incluir a cultura no processo do artesão e, o seu produto, como vem acontecendo, não será milhares de peças iguais e produzidas em série, mas se transformarão em verdadeiras peças de artesanato impregnadas de valor cultural e de valor agregado para aqueles que adquirirem essas peças. Eis a diferença!

 

 

 

(*) Fernando Viana

www.fbcriativo.org.br

T



[1] Economia Criativa – Ana Carla Fonseca Reis – Itau Cultural, São Paulo, 2008

[2] Ana Carla Fonseca Reis

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais