ELOGIOS QUE CURAM E CRÍTICAS QUE ADOECEM

0

O estrago que uma critica ácida pode fazer com a autoestima de uma pessoa é incalculável. No entanto, olhando pelo mesmo viés, o bem que uma validação sincera poderá  operar na autoestima dessa mesma pessoa é, também, incontável.
A escolha é sempre daquele, que tendo o poder, age de forma sensata influenciando positivamente, construindo com seu “mel”, com sua boa vontade e sua compreensão; ou violentamente destruindo com o seu fel — com a sua “autossuficiência” destrutiva — a intenção, o sonho ou os propósitos de outro.

Quantas ideias fantásticas, sonhos não realizados, projetos sequer iniciados, impedidos de nascer ou nascidos natimortos, simplesmente pelo temor de uma observação maldosa, de um cerceamento, de uma crítica gratuita?
E, às vezes há quem diga que existe uma crítica imune a esta depreciação que ora falo. Afirmam tratar-se, em alguns casos, de “crítica construtiva”. Pense bem para não fazer um juízo equivocado: você já viu uma crítica que não magoasse? Ela só será construtiva se houver muita boa vontade do criticado em assim entender, isto, convenhamos, é muito difícil. Crítica ou “crítica construtiva”, ou como queiram chamar, é uma apreciação desfavorável. É apontar falhas, censurar, avaliar pelo lado contrário, é julgar, é estar em crise. Logo, não é agradável.  Ninguém gosta de ser contestado, em suas ações, por isso, logo surge a defesa.

O resultado, às vezes, é logo percebido. Noutras oportunidades e, dependendo da situação, são destruidoras sementes plantadas que só medrarão num futuro. Porém em ambos os casos é sempre decisivo para o sucesso ou o fracasso, para o bem ou para o mal, para a pobreza ou para a riqueza, para a fé ou para a desilusão, para cima ou para baixo…

Mas atenção! Como é prejudicial, a crítica desmesurada, assim também, o elogio irresponsável, em excesso, não constrói. Pesquisas revelam que pessoas que vivem sob o império da crítica, do cerceio e da sujeição tendem a desenvolver padrões de comportamentos de incapacidade para decidir, de dependência dos outros para realizar, de submissão por medo de errar. Normalmente são pessoas frágeis, preocupadas em demasia e carentes.

Por outro lado, os superelogiados, via de regra, desenvolvem uma irresponsável autossuficiência, são prepotentes, arrogantes e têm muita dificuldade nos relacionamentos, pois não gostam de obedecer às normas e à ética dos relacionamentos, tornando-se pessoas de difícil trato. 

O ideal seria que tudo obedecesse sempre a um equilíbrio, apontando, no entanto, para a transcendência na busca do sonho, do novo, do bom, do belo e do útil para todos. Ou seja, a busca da construção, e nunca da destruição; do elogio responsável, mas nunca da crítica destrutiva; do enaltecimento, todavia nunca da recriminação; da valorização, porém nunca da depreciação.

Com toda a isenção, sobretudo, de autocrítica, pensem comigo: existe a censura construtiva? Aquela que edifica, transforma para melhor, para maior, para cima? Será que a crítica, mesmo a considerada “crítica construtiva”, constrói?
Antes de dar a sua opinião, faça uma avaliação criteriosa, isenta, sem unilateralismo. Avalie com calma, não responda por responder: o que realmente constrói; crítica ácida ou elogio sincero?

Para não correr o risco do elogio irresponsável nem da crítica destrutiva, seria ideal pensar bem na hora de fazer certas observações e procurar ver mais o lado bom daquilo ou daquele que, naquele instante, está a carecer de nossas observações, extraindo em primeiro lugar o que há de melhor, elevando as virtudes e, se possível, minimizando, dentro da ordem de prioridades, os defeitos. Pois, muitas vezes, tais distorções em nada contribuem ou interferem no todo.

Portanto, para que se importar com as críticas? Por que e para que criticar inconsequentemente as pessoas? A lei de ouro do comportamento é o equilíbrio.

No entanto, se não tiver jeito e você achar que é necessário criticar, pois assim agindo estará colaborando para o engrandecimento do outro seja caridoso e pratique outra regra de ouro: elogie em público e critique em particular. Não esqueça criticas adoecem, elogios curam.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais