ENFIM, A DECISÃO

0

Foi um parto demorado, mas saiu. Depois de muitas dores, paciência, excesso e renuncia. Enfim, a única luz: ficar independente e voar. Voar? O tucanato tem pouco espaço para isso em Sergipe, mas vai tentar recuperar o tempo perdido. Ontem o ex-governador Albano Franco (PSDB) anunciou o que todos os setores políticos já haviam sido informados: o seu partido sairá sozinho com chapas proporcionais para deputado estadual e federal. Pela representatividade política que tem, o ex-governador Albano Franco deve puxar votos para a legenda e tentar eleger o maior número de deputados possível. A decisão mexeu um pouco com a estrutura do partido. O deputado estadual Fabiano Oliveira, que trabalhou até ontem para a reeleição, inicia uma nova etapa em seu projeto político e parte para uma candidatura à Câmara Federal, com um único objetivo: ajudar para a formação de um coeficiente eleitoral capaz de ajudar o amigo Albano Franco a eleger-se. O que poderá acontecer, apesar de pessoas ligadas a ele imaginar que apenas o seu nome os leva a uma eleição fácil.

O ex-governador Albano Franco sabe que não será fácil assim. Além disso, Albano deve ter consciência de que terá de comandar o processo eleitoral dentro do seu partido, porque é a liderança mais expressiva do tucanato sergipano. Estará disposto a isso? É possível que sim, porque escolheu o caminho mais tortuoso de trazer para si a responsabilidade de um partido forte, que tem candidato a presidente da República, mas se descuidou na busca de convicções ou no capricho de suas posições. Evidente que os partidos de oposição ainda podem tentar alguma coisa para reverter esse quadro, mas é certo que seus líderes demonstram insatisfação pela forma como o diálogo foi levado de um lado para o outro. O governador João Alves Filho (PFL) decidiu que não vai mais procurar o PSDB para qualquer tipo de conversa. Considerou que a posição tomada ontem pelos tucanos liberou a ele para fazer a composição que bem entender e ao ex-governador Albano Franco para tomar o rumo que considerar melhor para o grupo que o acompanha.

Evidentemente que a experiência política de Albano Franco o conduziu para a solução supostamente adequada para os seus dedicados aliados políticos, mas não vai melhorar em nada a dificuldade que eles terão para se manter deputados, tanto na Assembléia Legislativa quanto na Câmara Federal. Esse quadro criado pelos tucanos não merece estar à vista em nenhuma exposição. Se alguém procurar fazer uma melhor análise da situação, seria preferível o ex-governador Albano Franco sair candidato ao Senado em uma aliança branca com o Partido dos Trabalhadores. A situação em que se encontram é a mesma dessa coligação oficiosa com as oposições, porque um partido independente, dentro de uma legislação perversa, que impõe a verticalização, precisa ter um coeficiente eleitoral surpreendente, para – no mínimo – manter a bancada que tem no estado e em Brasília. Anunciar independência para fazer um deputado federal e dois estaduais não parece interessante a uma legenda que dominou a política sergipana por oito anos.

De qualquer forma o ex-governador Albano Franco tem consciência do que está fazendo. Além disso, mantém ao seu lado um grupo de aliados que lhe dedica total fidelidade e segue rigidamente sua decisão. Há uma responsabilidade grande no fato criado. O PSDB vai reduzir para dois o número de deputados na Assembléia Legislativa e dificilmente elegerá mais de um parlamentar para a Câmara Federal, mesmo com a presença de Fabiano Oliveira na chapa proporcional. Há dificuldade com lideranças do interior, já comprometidas com outros candidatos a deputado federal, porque imaginavam votar em Albano Franco para senador. Enfim, a sensação de independência ficará presa à necessidade de abrir caminhos tanto para a Assembléia Legislativa quanto para a Câmara Federal. Mas o jeito é enfrentar, correr atrás do prejuízo, recuperar o estrago feito em 2002, quando Albano foi ao sacrifício para facilitar a eleição do seu grupo. Em política não é permitido equívocos. Quando isso acontece fica muito mais difícil reencontrar o caminho de volta.

 

 

ALBANO

O ex-governador Albano Franco (PSDB) anunciou que o seu partido sairia independente para atender aos candidatos tucanos, que tinham pressa por uma decisão.

Segundo Albano “ninguém em Sergipe é mais democrático do que eu. Pode até empatar, mas desafio quem seja mais do que eu”.

 

CORAJOSA

Albano considerou a atitude do partido extremamente corajosa. E explicou: “sem um candidato a governador, todos sabem que fica mais difícil a eleição de deputados”.

O ex-governador desafiou João Alves e Déda a dizer que em algum momento tenha negociado cargos, empregos ou participações nesta administração ou na próxima.

 

ACABOU

O empresário Ricardo Franco (PSDB) declarou hoje, do Recife, que a decisão do partido sair independente é para valer: “não vai haver qualquer tipo de recuo”.

“Acabou! Agora é partir para a eleição e eleger nosso pessoal. Conversa nenhuma vai mudar mais esse quadro”, disse Ricardo Franco.

 

POSIÇÃO

Uma fonte da cúpula do PSDB admitiu, entretanto, que não se trata de uma posição definitiva, porque ainda tem exatos dez dias para conversar e rever a situação.

Ensinou que em política não se pode fechar as portas para um entendimento, porque sempre se busca o melhor para os candidatos da legenda.

 

ACORDO

Ontem, no início da noite, um político bem entrosado disse que o PSDB está fazendo balão de ensaio em anunciar uma saída independente.

Garantiu que tem informações de que já nesta quarta-feira haverá um novo diálogo com o PFL e podem fechar uma aliança sob juras da fogueira.

 

OPOSIÇÃO

Um membro da oposição disse que sexta-feira passada o senador Valadares, o ex-prefeito Marcelo Déda e o prefeito Edvaldo Nogueira sentaram-se com Albano Franco.

Foi discutida a situação de Albano para ser o candidato a senador, mas ele não levou adiante e ontem fez o anuncio de independência.

 

DÉDA

O pré-candidato do PT a governador, Marcelo Déda, vai continuar trabalhando para ter o PSDB do seu lado, mesmo com Albano Franco disputando a Câmara Federal.

Membros da oposição acham que a maioria dos membros da executiva tucana apóia o candidato petista a governador.

 

INFORMAL

O PPS decidiu ontem apoiar informalmente a candidatura de Geraldo Alckmin, do PSDB, à presidência da República.

Bom para o suplente de deputado federal Ivan Paixão (PPS) que não terá problema para apoiar a reeleição do governador João Alves Filho (PFL).

 

DECISIVA

A atuação firme dos membros do PSC de Sergipe fez que com o ex-governador Antony Garotinho (PMDB) desistisse de lançar candidatura própria para presidente.

O presidente regional do PSC, médico Eduardo Amorim, disse que proporcionalmente o melhor projeto de estruturação do partido esta em Sergipe.

 

BARREIRA

Segundo Eduardo Amorim, foi Sergipe quem levantou o problema da clausula de barreira, ao mostrar que, se não ficasse livre nos estados, o PSC não atingiria os 5%.

Outros diretórios pressionaram e valeu as observações feitas pelo partido em Sergipe, para que Garotinho desistisse de lançar candidato.

 

JOÃO FONTES

O candidato a governador pelo PDT, deputado federal João Fontes, não gostou porque o partido aprovou a candidatura do senador Cristóvam Buarque a presidente da República.

João diz que Cristóvam defende a política econômica de Lula e foi um dos que votaram a favor de sua expulsão do Partido dos Trabalhadores.

 

BRASÍLIA

O deputado federal João Fontes viaja hoje a Brasília e vai se reunir com membros da cúpula do PDT para mostrar como fica a situação do estado.

Fontes mantém sua candidatura a governador do estado, mas se mostra preocupado com os candidatos proporcionais. O PDT está sem chances de composição.

 

DUTRA

Com a desistência do PSDB em fazer uma aliança branca com o PT, o ex-presidente da Petrobrás José Eduardo Dutra é o candidato ao Senado.

Dutra inclusive já está em campanha e vai intensificá-la a partir de agora, porque o ex-governador Albano Franco (PSDB) é candidato a deputado federal.

 

 

Notas

 

EXAME DA OAB

O senador Gilvam Borges (PMDB-PA) voltou a defender ontem projeto de lei de sua autoria que propõe a extinção do exame da OAB como exigência para o ingresso no exercício da profissão de advogado. Segundo o senador, 1,5 milhão de pessoas ficam fora do mercado de trabalho por causa da OAB

A principal crítica ao projeto é do presidente da OAB, Roberto Busato, defende o exame e argumenta que ele impede o exercício da profissão por maus profissionais e por aqueles que seriam, na sua opinião, antiéticos.

 

MOTORISTA

Projeto de lei do deputado Edison Andrino (PMDB-SC), altera o Código de Trânsito Brasileiro para permitir que os jovens possam fazer o exame de habilitação para dirigir 2 meses antes de completar 18 anos. A iniciativa não tem a intenção de franquear a condução de veículos a menores de 18 anos.

Segundo Andrino, a alteração proposta determina que a permissão para dirigir somente será concedida ao candidato aprovado que já tenha 18 anos completos, desde que eles cumpram as exigências legais nos exames.
 

DIREITO

PEC em tramitação na Câmara estabelece que a não apresentação ou a rejeição das contas eleitorais por “vícios insanáveis” acarretará a perda ou suspensão dos direitos políticos do candidato. A PEC é do deputado Zé Lima (PP-PA). Na prática, a cassação dos direitos políticos vai alcançar todos os candidatos.

atualmente, segundo o deputado Zé Lima, todos os candidatos derrotados que têm as contas posteriormente rejeitadas, ou que não as apresentam à Justiça Eleitoral, ficam totalmente livres de qualquer punição.

 

 

É fogo

 

O deputado federal João Fontes (PDT) foi confirmado pelo partido como membro titular na CPI dos Sanguessugas.

 

A CPI vai investigar denuncias de que parlamentares recebiam propina para apresentar emendas destinadas à compra de ambulâncias.

 

“Tenho certeza que a CPI vai avançar nas investigações de todos aqueles deputado que, de uma forma ou outra, tiveram seus nomes ligados à máfia das ambulâncias”.

 

O deputado estadual Walker Carvalho, líder do PFL na Assembléia Legislativa, desafia o prefeito Edvaldo Nogueira a acabar com os parquímetros.

 

Já o deputado Jorge Araújo (PSDB) é favorável a disciplina do trânsito no centro e acha que deve se encontrar um meio termo para se manter os estacionamentos nas ruas.

 

O deputado federal José Carlos Machado (PFL) está empenhado em acabar com o pagamento de laudêmio nos terrenos de Marinha.

 

A deputada estadual Susana Azevedo também trabalha muito para acabar com o pagamento do laudêmio.

 

Apesar do domingo, o Forrocaju e a Vila do Forró estavam lotadas. O pessoal ficou até o dia amanhecer. Nem parecia domingo.

 

O clima de São João, acoplado ao da Copa do Mundo, movimenta todo o país. Tanto que pouca gente nota que o mês de junho já acabou.

 

O governador João Alves Filho continua recepcionando turmas de estudantes do ensino médio e curso pré-universitário em almoços no Palácio de Veraneio.

 

O TCU aprovou a aquisição de parte da carteira de crédito consignado, com desconto em folhas de pagamentos.

 

brayner@infonet.com.br

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários