Ensaio sobre o falso plágio

0

Plágio é o ato de assinar ou apresentar uma obra intelectual de qualquer natureza (texto, música, obra pictórica, fotografia, obra audiovisual, etc) contendo partes de uma obra que pertença à outra pessoa sem colocar os créditos para o autor original.

A origem etimológica da palavra demonstra a conotação de má intenção no ato de plagiar; o termo tem origem do latim plagiu que significa oblíquo, indireto, astucioso. O plágio é considerado antiético (ou mesmo imoral) em várias culturas, e é qualificado como crime de violação de direito autoral em vários países.

Esses dois parágrafos citados acima foram copiados integralmente do site Wikipédia (diga-se de passagem, uma espécie de dicionário público, então livre para a cópia). Acusação é algo que precisa vir inicialmente a partir de alguma base concreta, para assim existir como tal, do contrário, só provoca decepção e tristeza. Vejo que quase sempre não estamos prontos para acatar uma vasta pesquisa antes de apontar o dedo e dizermos grandes ou pequenas barbaridades. É do ser humano ser fraco e incontrolavelmente superficial em suas relações e envolvimentos, principalmente no início de uma união.

Começo os ensaios de 2010, numa espécie de explicação, não justificativa (pois odeio). Logo no final de 2009 alguns comentários de textos meus foram por demais pernósticos e por que não dizer, bobos. Nunca retruquei-os porque acho que muito mais importante que bater boca com meus leitores, é o que escrevo enquanto ideia. Aceito todos os comentários, adoro as críticas que me fazem pensar e não me importo com as tolices dos invejosos. Enfim…

Depois de analisar como responder acusações que me surpreenderam e me deixaram impaciente, porém reflexivo com relação ao que escrevo aqui e em meus outros textos, consegui encontrar uma resposta focada nos preceitos de alguém que respeito, enquanto caminho intelectual: Jung.

Quando escrevo sobre sentimentos e ações, pondo meu ego em contraste com meu texto, aciono uma espécie de botão do inconsciente coletivo e comovo ou não quem se preza a ler minha escrita.

 Jung acreditava que todos os seres humanos estão ligados por um fio condutor, unindo-os independente de sua cultura, por exemplo, e que podem surgir num sonho, por exemplo. “Os sonhos realmente podem revelar situações muito antes de elas acontecerem. Muitas crises de nossas vidas têm uma longa história inconsciente, que pode transmitir a informação através do sonho”, diz a teoria de Carl Jung.

Eu utilizo o que escrevo, muitas vezes resultado do meu consciente ou até mesmo do inconsciente, para criar uma comoção popular e assim formar raízes que me servirão no futuro. Não cabe ao leitor desvendar esta futura intenção, porque o que interessa primeiro de tudo é a identificação com o texto, e assim conseguirei meu propósito, enquanto escritor e jornalista.

Wilde, Wolf, Capote, Young, Caio F., Kahlo, Schopenhauer, Tiburi, Araripe Coutinho, etc escreveram e escrevem suas dores, colocando suas almas em seus personagens ou assumindo pra si seus próprios sentimentos. Eles me servem de base para continuar seus legados, pois não existe identificação sem inspiração. Não existe teoria sem base para isso. Quando digo que minha boca é do tamanho do meu coração, não plagio ninguém porque pensamento é unânime aos que são corajosos, (não apenas aos consumidores) e sentimento é próprio do homem, me desculpe.

É claro que plagiar é algo que fere quem se dedica à escrita, e se fui incapaz esses últimos dias em trazer assuntos outros, é porque me deixei comover por quem não me compreende e nem tentou isso.

Encerro o primeiro ensaio de 2010, citando com aspas, mais um pouco de Jung. “Minha vida e minha obra são idênticas. O que sou e o que escrevo são uma só coisa. Minha vida é a história de um inconsciente que se realizou”.

Minha escrita está longe de terminar, porque assim eu o quero. Estou realizando a cada texto, parte de meu inconsciente. Obrigado aos que entendem este espaço ou se esforçam para isso. Um produtivo 2010 para todos nós!

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais