Ensaio sobre o Pop

0

A melhor coisa do mundo é ser Pop, porque você pode transitar por todos os mundos e ainda assim ser único, pertencer a uma tribo. Para ser pop não é preciso ter juventude ou dinheiro, basta querer aprender sempre que no consumo de massa, somos mão de obra-peso-pena. Hoje em dia com a globalização (odeio textos que possuem essa frase, mas, globalização é Pop então cabe aqui), as barreiras que diferenciavam o que era Comum e Cult caíram por terra, porque qualquer um pode espalhar qualquer coisa pela rede, é fácil virar notícia.

Na década de 90, o legal parecia não ser mais popular porque a exposição era coisa da década passada. As cores cítricas dos anos 80 e toda aquela parafernália de “Rock Nacional”, esse rótulo piegas, já tinham transbordado o saco de muita gente. Os grandes nomes que o mundo iria conhecer pelos próximos anos são filhos da década de 1980, artisticamente falando.

Viveu-se um período de experimentação, onde os catalisadores da criatividade estavam em alta. Mas o Pop parecia fadado ao esquecimento após 1990, porque como o seu público-Trash estava interessado em bandas cada vez mais “alternativas”, os ícones populares foram esquecidos. Daí acontece uma reviravolta e a MTV se populariza de vez, tornando o desconhecido em meras figurinhas carimbadas, tornando tudo o que existia em Pop.

O popular se alimenta sempre da repetição, dos mesmos passos, movimentos de câmeras, porque desconhece outra forma para sobreviver. Assim são lançados coletâneas, shows extras e muita divulgação colorida envolvendo o público numa rede de imaginação e brincadeira. Adultos tornam-se crianças, as produções (mega) comportam o lúdico e fazem gastar até o último centavo. Para se ter uma ideia da grandiosidade da coisa, assistir ao show de Madonna no Rio de janeiro, em dezembro de 2008, no melhor lugar, não sairia por menos de R$ 3.000 (envolvendo hospedagem, alimentação, ingresso e translado, e algum souvenir).

O Pop não é barato e para suportar a massa de artifícios, porque ele se alimenta da reinvenção e da mais nova tecnologia da informação do mundo, acaba imprimindo em seus produtos a bagatela da sobrevivência transformando a vida dos artistas em arte. Quanto mais sofrido o artista Pop for, maior será seu ganho, é de praxe! Quanto mais se lê que Amy Winehouse está drogada e bêbada, maior o rendimento para a gravadora. Se não, por que ela patrocinaria as loucuras da artista? O Pop precisa do sangue para fermentar em meio ao campo minado do consumo popular.

Quase Brega, porque exagera em suas doses e facilita o acesso, o Pop é o primo rico do sul que passa as férias com familiares nordestino para pegar uma cor – uma analogia tola perante a grandiosidade da ideia. Teve uma época em que conheci uma garota que ouvia e assistia todas as produções independentes da atualidade. Em sua cabeça, nada Pop para ela, essa era a única forma de se desvincular do mundo que a cercava. Servindo como antídoto para sua vida solitária. Quanto maior a suposta descoberta do novo, ela se julgava ser especial aos olhos alheios. Sentia-se única. Fui muitas vezes criticado por essa pessoa justamente por apresentar minhas raízes Pop, que são muitas e fundamentadas. Discutíamos  muito e nunca chegávamos a uma conclusão de fato.

Enquanto ser comum me colocava num lugar cativo e confortável, ser Cult a deixava desconfiada de suas crenças sobre o quanto era conflitante pertencer a algo que mais cedo ou mais tarde acabaria se tornado de todos (Pop). Eu fui até certo ponto persuadido a mudar minhas preferências consumistas, mas percebi que no final de tudo, o lago dela acabava escorrendo para meu rio de água doce, numa espécie de “Piscinão de Ramos” sem precedente e acessível. As referências “alternativas” dela acabavam na boca e nos olhos do povo.

Com a morte de Michael Jackson abriu uma vaga no mundo do Pop?

A ideia deste ensaio já vinha sendo gerada em minha cabeça há muitos meses. Mas nada como um choque mental e mortal para fazer aflorar cada linha escrita. Controverso em sua existência e substancial para a música popular mundial, Michael (porque todo mundo na faixa dos 30 se sente próximo dele mesmo, quase íntimo), conseguiu trilhar o céu e o inferno do existir, diversas vezes numa única vida, televisionada, vaiada e aplaudida quase sempre.

De criança abusada, seja pelo trabalho ou pelo contato físico com pessoas que ele não queria; seja vendendo cifras incalculáveis em forma de CDs; seja supostamente abusando de crianças ou contratando mães de aluguel para procriar, ele conseguiu chamar tanta atenção da mídia que acabou se perdendo no percurso. Trilhou algo grandioso que aos poucos quase acabou em dívidas e acordos com a justiça. Michael iria fazer 50 shows em Londres, em julho próximo. Não deu! Segundo suspeitas, ele não resistiu à fragilidade de seu próprio corpo. Já vinha apresentando um aparente cansaço (talvez mais mental que físico). Mas enfim… como parece que temos a vocação para santificar todos os que morrem, certamente em breve sairão as coletâneas póstumas e as raridades (o Pop ama raridades). Quem sabe até mesmo uma descoberta inverídica sobre sua passagem na terra. Mais uma. É a máxima do pobre “homem” triste, que teve tudo, sentiu as maiores alegrias e também tristezas. Ninguém saí ileso de um trauma, de um drama.

Ah, o Pop (é assim mesmo), precisa ser consumido aos poucos, porque se não, vicia. Tenho muito receio, e meus amigos sabem disso, de conhecer uma nova referência, porque já quero tudo, até compro biografias para me sentir mais próximo do ídolo em questão. Conviver com pessoas de diferentes gostos proporciona isso. É uma loucura trazer novos códigos para serem consumidos num mundo onde a novidade não tem mais o tamanho de antes. O que víamos com apreço ficou para trás. O Cult, o Clássico, o Alternativo se tornaram meramente representações de um futuro Pop.

Dizem que Madonna chorou sem parar ao saber da morte de Jackson. Será?

Talvez. Um reino dividido ao meio. Dois Ídolos-Pop-de-mundos-diferentes. Ele meio freak. Ela, puta-marketeira-mãe-de-quatro-filhos, sendo dois adotados sob os holofotes. O que sobra quando nos deparamos com a realidade da vida é somente a certeza da morte. É fato incontestável. Madonna pode ter chorado e até se internado numa clínica de repouso, porque a morte de Michael nada mais é que a certeza do lhe espera em breve. Ela sabe que uma rainha sozinha pode colocar um reino em ruínas.

Mesma idade. Ambos 50 anos. Mesma popularidade. Ela atuando até hoje, ele se escondendo entre máscaras médicas e uma peruca preta graúna. Juntos, o espetáculo do Pop armado entre sons e imagem. Souberam (sabem) fazer a coisa toda sem sair de cena. Diferente de sub-celebridades que aparecem por esqueceram a calcinha (Será que ele usava cueca?). Michael cresceu pelas mãos da Motown, já Madonna pela persistência em aparecer.

No mundo Pop aparecer significa desaparecer em seguida. É preciso se lutar pelo espaço, unir forças e saber a hora de parar para retornar triunfante. Madonna é mestra nesse quesito e está viva. Mesmo sozinha num reinado conhecido e frio. Michael ensaiava um retorno quando deixou esse planeta que parece não ter sido habitado por ele nunca. Uma Terra do Nunca de sofrimento. Ele deixou milhares de fãs órfãos de seu gingado e falsete, além de ingressos vendidos. Ele está morto. Os ingressos serão reembolsados. No Pop nada se perde. Tudo se repõe. Eu sinto muito por você, Michael.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais