Entrevista/Fabiano Oliveira

0

“O PSDB tomou essa decisão de se lançar independente, para manter a unidade”

 

Provavelmente na segunda-feira, o PSDB anuncia o caminho a seguir nas eleições estaduais deste ano. Nesta entrevista, o deputado Fabiano Oliveira conta o que vem acontecendo nos últimos dias dentro do partido e diz que o PSDB deve anunciar que optou por uma coligação proporcional independente. Porém, ele informa que o candidato a governador do grupo também será anunciado conjuntamente pelos filiados. A seguir a entrevista concedida pelo parlamentar:

 

 

Cláudio Nunes – Qual a avaliação que o deputado faz da decisão que deve ser anunciada na segunda-feira do PSDB caminhar numa coligação proporcional sem apoiar formalmente nenhum candidato majoritário?


Fabiano Oliveira – A decisão pela independência do partido ainda será anunciada pelo presidente de honra, o ex-governador Albano Franco, ao lado do presidente do partido, deputado federal Bosco Costa, dos deputados estaduais, prefeitos e lideranças. O que valorizo muito nesta decisão do partido é a unidade. Uma unidade formada  através de um dialogo permanente dentro do partido, com as divergências colocadas à mesa. O PSDB é um partido forte que tem  um ex-governador, que foi senador por dois mandatos, ex-presidente da CNI,  um partido que tem um deputado federal, uma bancada estadual e lideranças em todo Estado. Este anuncio da independência é o caminho que vejo, que está quase decidido para a nossa independência. O partido deve sair com Albano Franco e Bosco Costa como candidatos a deputado federal e os quatro deputados estaduais com mandato buscando à reeleição, mais o ex-deputado José Teles e outros nomes que também virão de outras siglas que procuraremos aglutinar na proporcional.


CN – O que faltou para se concretizar o acordo com o PFL, já que o governador chegou a declarar na imprensa que já tinha 99% de chances para o acordo ser fechado?


FO – Nós estamos buscando desde o início a candidatura a senador do ex-governador Albano Franco. Por respeitar uma decisão da legislação, que é o caso da verticalização que não foi derrubada para as eleições deste ano a Executiva Nacional solicitou a Albano que ele não fizesse nenhum encaminhamento que prejudicasse o palanque para Geraldo Alckmin dentro do estado de Sergipe. Temos como prioridade a candidatura de Alckmin e vamos fazer um palanque forte dentro dos 75 municípios sergipanos, através dos serviços prestados pelo PSDB. Nós respeitamos o pedido da Executiva e por isso nós vamos fazer que com o partido marche com essa composição independente para não prejudicar a candidatura do presidenciável de Alckmin. Essa foi uma decisão quase que unânime dentro do PSDB sergipano.


CN – Nas conversas com o governador João Alves Filho, o seu nome foi citado no caso de uma composição para ocupar a candidatura de vice-governador. Segundo a imprensa o próprio governador desejava isso por conta de sua penetração na juventude na chamada Grande Aracaju. Como o deputado avaliou essa possível indicação?


FO – O PSDB é um partido que discute projetos, que discute Sergipe. Essa é uma demonstração que o partido tem homens com o dialogo permanente. Nós poderíamos fazer uma aliança tanto com o PFL quanto com o PT. Isso mostra que nós temos trânsito neste estado porque nós construímos este dialogo, sem perseguições. Albano Franco foi um governador que não massacrou, não pisou, que não humilhou e não perseguiu. Tenho o ex-governador como espelho e é a minha forma e estilo de fazer política. Fiquei feliz e lisonjeado com uma missão e responsabilidade muito maior de continuar exercendo esse trabalho, não só na Grande Aracaju, mas em todos municípios sergipanos. E a minha responsabilidade ao lado da juventude sergipana engrandece. Obviamente que não tenho problema com alguma agremiação partidária, não sou de criar ranços. Sou dialogo, disputo projetos através de divergências que são naturais na política. Sou um homem de partido, sou um soldado do PSDB, como coloquei até meu nome à disposição do partido se fosse necessário ser candidato a governador, obviamente sabendo me colocar no lugar devido, mas com minha postura e levando propostas e situações já que o PSDB já foi governo e tem experiências vitoriosas. Através do PSDB foi que entregamos o estado com governabilidade, com dinheiro em caixa e todos sabem a forma e o estilo de governar do partido. Como sou um soldado do partido acato essa decisão e estarei pronto para marchar junto com os companheiros e amigos do PSDB.


CN – Então o PSDB vai formar uma coligação proporcional e os prefeitos e as lideranças cada um vai fazer campanha para seu candidato a governador. Quem é o candidato que Fabiano vai pedir votos para governador?


FO – Este anuncio será feito por todos os membros em conjunto. Isso ficou combinado com todos os deputados e prefeitos. Esse anúncio será feito em conjunto não será isoladamente.


CN – Mas o deputado participou na última quinta-feira da solenidade de sanção da lei de proibição de cobrança em estacionamentos ao lado do prefeito Edvaldo Nogueira. Esse é o sinal do caminho que você vai seguir ou foi apenas uma convivência salutar com a Prefeitura?


FO – Sem dúvida que é uma convivência harmoniosa. Votei em Marcelo Deda para prefeito de Aracaju, votei em José Eduardo para governador nas eleições estaduais. Faço parte da bancada de oposição na Assembléia Legislativa e meu relacionamento e trânsito na Prefeitura, com o ex-prefeito Deda, e o ex-presidente da Petrobras, José Eduardo é sinal verde é transito livre. Não tive nenhum problema em participar da solenidade, onde fui prestar solidariedade ao vereador Elber Batalha Filho porque sei da competência deste jovem parlamentar que apresentou uma lei muito importante para a juventude e para os estudantes de Sergipe e não poderia me furtar de prestar minha solidariedade. Esse é o PSDB que consegue transitar e não criar arestas. Se tivesse uma solenidade desta dentro do Palácio do governo estadual e se tivesse benefício para os estudantes e a juventude também estaria presente.


CN – A coligação proporcional que será formada terá como principais nomes os companheiros do PSDB. Na conta de Fabiano quantos deputados essa legenda fará, não será uma disputa bem mais difícil?


FO – Não tenho dúvida. É uma eleição muito difícil será uma das mais acirradas de todos os tempos da história política de Sergipe, mas acima de tudo o PSDB  está mostrando o grande sacrifício que vai enfrentar não participando de chapa majoritária. O partido que teve muito próximo desta oportunidade, mas o PSDB essa decisão de se lançar independente, para manter a unidade. Mostra a responsabilidade de todos nós que teremos de aglutinar outros partidos para fortalecer a coligação proporcional. Este é o grande desafio porque nós já estamos mostrando a nossa decisão e nossa hombridade, porém quem estiver fazendo parte deste projeto que não esmoreça e que seja forte para trazer os partidos para se coligar na proporcional  junto com o PSDB.

 

 

Comentários