Escolas adotam pagamento por hora

0

Atenção, Sintese: tem colégios na cidade aprontando uma sacanagem com os professores. O que fazem eles? Diante do argumento que em tempo de crise é preciso saber economizar, estão colocando mestres com muitos anos de casa no olho da rua, pagando os direitos trabalhistas que eles têm para evitar confusão, e admitindo gente mais nova só que trabalhando como horista. Isto é, as escolas estão pagando aos seus professores por hora trabalhada. Se o ensino sofrer solução de continuidade azar dos estudantes. Os horistas podem ser substituídos a qualquer momento…

Bandidos não gostaram da versão de Lochte

Neste episódio dos nadadores americanos que relataram um assalto na alta madrugada carioca, nas proximidades da Vila Olímpica, restou que eles puseram em dúvida os nossos assaltantes. Afinal eles teriam saído do assalto com relógios, carteiras de dinheiro, tênis e ainda celulares, o que simplesmente seria a confissão de incompetência desses bandidos chinfrins. Ainda bem que a polícia carioca salvou a reputação dos ladrões, toda a história contada por Ryan Lochte não passava de uma grande mentira. Os bandidos cariocas, como se sabe, são ouro, prata ou bronze em qualquer competição de ladroagem. Eu disse ladroagem. Na verdade, a história de Lochte foi o fim de uma noitada de muito uisque (ou até de maconha, quem sabe?) num posto de gasolina, onde eles vandalizaram o banheiro masculino. Se Lochte ainda tem mãe, bem que ela deveria puxar a orelha dele como a grande e merecida punição…

Afinal, Aracaju apareceu no noticiário

Afinal, Aracaju apareceu no noticiário da Olímpiada. No sábado, o jornal Folha de São Paulo, contou que a atleta de ginastica rítmica Jéssica Maier, natural de Timbó, Santa Catarina, faria aniversário de 22 anos, no domingo, disputando a final de GR. E lembra que passou mais de um ano concentrada em Aracaju respirando ginástica o tempo todo…

As mentiras das redes sociais

No domingo à tarde, as redes sociais espalharam o boato que a Polícia Federal estaria a procura do ex-presidente Lula para prendê-lo. Uma reunião de governo teria sido convocada para a tarde daquele domingo para discutir o assunto. Mas, como nenhum veículo de respeitabilidade no país confirmou tal noticiário alarmante, credite-se à boataria que toma conta de certos sites da internet a mais este “furo” às avessas…

Sintese acusa o Governo do Estado

Enquanto o Secretário da Fazenda, Sr. Jefferson Passos, palestrava na Assembleia Legislativa, sobre as contas do Estado, o Sintese distribuiu comunicado, com o seu timbre, anunciando que o “Governo Jackson desrespeita a Constituição ao deixar de deduzir R$ 77 milhões de impostos estaduais para o Fundeb e ao desviar R$ 311 milhões da Manutenção e Desenvolvimento do Ensino para o Sergipeprevidencia”,

– Ao comparar os dados oficiais publicados pela Secretaria de Estado da Fazenda com os do Banco do Brasil ficou claro que não houve a dedução dos 20% dos impostos estaduais para a conta do Fundeb. Como consequência, a Secretaria de Estado da Educação e os 75 municípios sergipanos deixaram de receber na conta do Fundeb no período de 2012 a julho de 2015 (até julho) R$ 77.036.525,87. Nestes últimos cinco anos a Secretaria da Fazenda fez a dedução dos impostos abaixo dos 20% em total desacordo com a Constituição Federal e a Lei do Fundeb, por essa ação da SEFAZ, só a SEED deixou de receber pouco mais de R$ 29 milhões e 600 mil.

… e para encerrar…

*** O Dr. Lúcio Prado Dias assume hoje cadeira na Academia Sergipana de Letras, em solenidade a se realizar na Sociedade Semear a partir das 20h. Ele será saudado pelo acadêmico Dr. Francisco Rollemberg.

                         ***

*** No próximo sábado a Academia Propriaense de Letras, Ciências, Artes e Desportos, recebe o Sr. Ailton Francisco da Rocha, que ocupará a Cadeira no. 23, cujo patrono é o cineasta e fundador do Ciclo do Recife, José Soares Silva Filho, o Jota Soares. A solenidade vai ser realizada a parti r d as 19h30 no Campus da Unit, na praça Santa Luzia. O novel Academico será saudado pelo Acadêmico Marcos Antônio de Melo.

Comentários