ESTRATÉGIA PARA COMPOSIÇÕES

0

O governador João Alves Filho (PFL) passou a tarde de ontem tratando das mudanças que fará em sua equipe de auxiliares, aproveitando a desincompatibilização de secretários que vão disputar mandatos proporcionais. Deve concluir esse trabalho no máximo amanhã, para anunciar na próxima segunda-feira. Ontem foi um dia exaustivo. O governador pretende fazer uma renovação no seu pessoal de apoio, porque sabe o que vem pela frente e precisa manter a sua administração sem perder o rumo e levar adiante o projeto traçado para esse ano. Só depois que fechar a equipe é que o governador João Alves Filho vai iniciar a estratégia para composições políticas.

Como a partir de segunda-feira o país entra em clima de carnaval, é possível que só na segunda semana de março João inicie os primeiros contatos. É bom lembrar, entretanto, que o período carnavalesco serve para conversas sigilosas, porque serão feitas distantes da bisbilhotice dos repórteres. Mas essa não é a intenção do governador. Ele pretende manter o bloco que o elegeu em 2002, com possibilidade de incluir pequenos partidos que tomaram outra dimensão, como é o caso do PSC. Aparentemente estão traçadas as coligações. O que falta são definições de legendas como o PDT, que podem ter candidato próprio ao governo do estado. O restante continua vinculado ao governador, como é o caso do PMDB, que acusa reações contrárias, mas que não terá condição de partir para uma aventura eleitoral que possa reduzir a sua força em Sergipe.

O prefeito Marcelo Déda (PT) também conversa muito e, depois de 31 de março, terá todo o tempo que quiser para trabalhar sua campanha. Até o momento também mantém a seu lado os mesmos partidos que apoiaram José Eduardo Dutra ao governo do estado em 2002 e que continuaram unidos na reeleição de Déda. Com certeza vão estar no mesmo palanque em outubro deste ano. Aparentemente não existem novas legendas a conquistar, à exceção do PSDB. Os tucanos estão no centro da cobiça dos dois lados. Como se trata de uma legenda robusta, em condições de lançar candidatura própria, em razão da força eleitoral que detém, faz exigências. Não será fácil integrar o PSDB a qualquer coligação sem que se faça concessões. Ontem, o presidente regional do partido, deputado federal Bosco Costa, foi objetivo: “para coligação não teremos nenhuma conversa se não nos for oferecida a candidatura ao Senado”.

O Partido dos Trabalhadores já ofereceu formalmente essa vaga para o ex-governador Albano Franco (PSDB) e, embora seja essa a maior exigência do tucanato, nada foi fechado, o que sinaliza dúvida quanto a uma possível aliança, como diz o próprio Bosco Costa: “não vejo como se coligar como o PT. Temos candidato a presidente da República e o PT também. A disputa vai se acirrar e deve chegar aos estados”. O PMDB demonstra disposição, a nível nacional, de disputar o Planalto. O governador do Rio Grande do Sul, Germano Rigotto, já se licenciou do cargo para trabalhar full time a sua pré-candidatura, cuja prévia acontecerá dia 19 de março entre filiados de todo país. A candidatura peemedebista não pode ser considerada uma aventura suicida. Merece respeito e pode até surpreender. Mas o adversário do PSDB é o PT. Os dois partidos polarizam e, neste momento, ninguém arrisca um vencedor, mesmo diante das pesquisas mais recentes.

Um ilustre membro do PFL anunciou ontem que a legenda não terá compromisso com nenhum presidenciável, cujo partido não o acompanhe no estado. O governador João Alves Filho pode orientar seu pessoal a votar no candidato do PMDB, assim como fez com Ciro Gomes, em 2002, quando o atual ministro disputou a presidência pelo PPS. Com o acirramento da disputa pelo Planalto todos os votos são importantes. É possível que um descompromisso do PFL em Sergipe com o PSDB a nível nacional não será bom para os tucanos.

A questão das coligações, como se ver, ainda vai ter muito a conversar…

 

 

MUDANÇAS

Apesar de passar todo o dia de ontem no Deso, tratando da reforma no secretariado, o governador João Alves Filho (PFL) não concluiu as mudanças.

O anunciou, que seria hoje, ficou para segunda-feira.

Está praticamente certo que o economista Sergio Fontes deixará a Seplantec para assumir a Coordenação Política do governo.

 

CACHO

A reforma que o governador tratou ontem estancou no secretário da Justiça, Emanoel Cacho, que mantinha a sua candidatura a deputado federal.

Ontem à noite, depois de incansáveis conversas, é possível que Cacho desista da candidatura e aceite a Secretaria do Trabalho, em lugar de Walker Carvalho.

 

SEGURANÇA

Está certo que o advogado Flamarion D´Avila retorna à Secretaria da Segurança, depois de alguns anos distante dela.

Já a secretária da Segurança, Georlize Oliveira Costa Teles, será remanejada para a Justiça e Cidadania, até então ocupada por Emanoel Cacho.

 

TURISMO

Dentro das mudanças do secretariado, o governador João Alves Filho conseguiu fazer retornar à equipe o empresário Max Andrade, ex-secretário da Fazenda (PFL).

Max Andrade será o novo secretário de Turismo. Substitui a Pedrinho Valadares (PFL) que é candidato a deputado federal.

 

SOBRE VICE

O governador João Alves Filho (PFL) já sabe das pretensões do PSC: está reivindicando a vaga de vice na chapa majoritária.

João Alves pediu à cúpula do partido que aguardasse as composições que pretende fazer com outras legendas, para ver como é que fica.

 

FABIANO

Caso o PSDB decida lançar candidato próprio, o deputado Fabiano Oliveira já avisou que topa disputar o governo do Estado, desde que seja convidado.

Foi o que informou o presidente regional do PSDB, deputado federal Bosco Costa, que defende ardorosamente candidatura própria do partido que preside em Sergipe.

 

ALIADOS

Durante a reunião do PSDB, segunda-feira, o deputado Bosco Costa deixou clara sua posição: “se o partido tiver candidato próprio vou buscar aliados”,

Entretanto, se o PSDB optar por uma coligação, Bosco não dará um único passo para conquistar aliados e formar um novo bloco.

 

COMPLICADO

Bosco Costa acha muito complicado uma coligação com o PT: “temos candidato a presidente e o PT também. A campanha será muito acirrada”.

“Em razão da disputa nacional não vejo como se unir ao PT”, disse Bosco. Entretanto vê que no estado “o PFL trata o PSDB como inimigo”.

 

SEVERINO

Severino Bispo (PT), que atua na corrente Articulação na Base, é candidato a deputado federal e está visitando as bases que o apoiam.

Em março haverá um encontro entre Articulação na Base e Movimento PT, para decidir a opinião dos dois grupos em relação às eleições estaduais.

 

ENCONTRO

Severino diz que em abril o PT fará encontro de suas tendências, para anunciar as candidaturas. Será dada o posicionamento da Articulação na Base e Movimento PT.

“Uma coisa é certa: o PT é que vai decidir posição. Hoje nenhuma corrente do partido tem a hegemonia que detinha antes”, disse.

 

MARILZA.

A presidente do Tribunal de Justiça, desembargadora Marilza Maynard, está concorrendo à vaga na magistratura do Superior Tribunal Regional (STJ).

Ao quinto constitucional tem três advogados de Sergipe: Clóvis Barbosa, Luiz Antônio Teixeira e Eduardo Ribeiro.

 

CÉSAR

O secretário geral da OAB, César Britto, acha que Sergipe tem condição de ganhar duas posições no STJ. A escolha dos nomes dos advogados pela OAB será em abril.

César explica que a vaga aberta para advogados e promotores foi deixada pelo sergipano José Arnaldo da Fonseca. Com isso, Sergipe ficou sem um único lugar no STJ.

 

DENÚNCIA

Um alto empresário, do ramo de alimentos, está respondendo processo por sonegação de imposto. Deixou de recolher aos cofres públicos mais de 1,8 milhão de reais.

A denuncia já foi feita à 2ª Vara Criminal. No processo consta que o empresário usou firmas “laranjas” para sonegar impostos.

 

Notas

 

BOLSA

Através do prefeito Marcelo Déda e dos deputados federais Jackson Barreto (PTB) e Bosco Costa (PSDB), o presidente da Associação dos Prefeitos do Baixo São Francisco, Carlos Augusto Ferreira (de Brejo Grande) e o prefeito de Ilha das Flores, Ronaldo Calixto, foram levados ao ministro Patrus Ananias.

O objetivo era pedir ao ministro de Articulação Política a ampliação do Bolsa Família para a região. Saíram sorridentes com o resultado: Patrus Ananias determinou o recadastramento para ampliação do programa.

 

QUADRO

A opinião é de um estrategista político experiente: “o quadro que está posto em exposição para a sucessão estadual, não é o real”.Ensina que tudo vai correr de acordo com as condições e conveniências eleitorais de cada um: “muito coisa vai mudar e o quadro será diferente nas eleições”, garante.

Na realidade as coisas mudam quando se põe em risco o êxito eleitoral. No momento conversa-se muito e até há trocas de insultos, mas no momento em que o mandato está em risco, o partido fica de lado.

 

NEPOTISMO

O presidente da Câmara, Aldo Rebelo está negociando com os líderes partidários a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC), que, entre outras mudanças, inibe a prática de nepotismo no serviço público. Segundo ele, a matéria irá a plenário assim que houver consenso entre os partidos.
Sobre sua esposa e irmão, que trabalham na liderança do PCdoB na Câmara, Aldo disse que como deputado, como presidente da Casa e como ministro do Governo Lula, não contratou parentes ou amigos.
 

 

É fogo

 

Discurso de Almeida Lima (PMDB) no Senado Federal levanta a poeira dentro do partido. Foi muito forte.

 

Enquanto esteve em Brasília, o governador João Alves Filho não tratou de política com ninguém. Cuidou de problemas da administração.

 

O tucanato enloqueceu com a pesquisa da Sensus que põe o presidente Lula (PT) em boa posição junto ao eleitorado.

 

O presidente do PT, Ricardo Berzoini chega amanhã a Aracaju e participará de um jantar de adesão. O Diretório ainda não determinou a parte dos jornalistas.

 

O deputado federal Heleno Silva (PL) está mais cauteloso em suas declarações, mas dá sinais de que o seu partido lutará por uma posição majoritária.

 

Não dá para negar que Heleno Silva se constitui em uma liderança no interior, pelo trabalha que realiza em favor da região.

 

Os deputados estaduais iniciaram ontem o último semestre do quatriênio. As sessões, entretanto, devem esquentar depois do carnaval.

 

O prefeito de Estância, Ivan Leite (PSDB), não vê com bons olhos uma aliança com o PT. Vê incoerência diante da oposição firme que os tucanos fazem ao presidente Lula.

 

O prefeito de Maruim, Jeferson Santos Santana (PTdoB), está sendo acusado de ter praticado crimes eleitorais nas eleições de 2004.

 

Elber Filho, pré-candidato a governador pelo PDT, acha que o partido tem definir uma posição politicamente diferente do que fazem os adversários.

 

O Congresso Nacional fez uma nova reestimativa de receitas para tentar atender a todas as demandas no Orçamento de 2006.

 

O BNDES detalhou ontem a redução das taxas básicas de remuneração do banco, que caíram em média 30%.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários