FILOSOFANDO PELO SACO.

0

 

 

Cartas do Apolônio

 

 

Cascais, 24 de março de 2005

 

Caros amigos de Sergipe:

 

Ah, nada como tirar a mãe preta do cerrado e botar o rei congo no congado, seja lá o que isso queira dizer. O fato é que é ótimo estar de volta a este “Brasil varonil”. Vim para passear de tototó no aniversário da cidade, mas acabei dando com os costados no Saco do Rio Real.

O país continua abençoado por Deus e bonito por natureza, mas inegavelmente, o mau cheiro da 13 de julho piorou sobremaneira.

Fui recebido com pompa e circunstância pelos velhos amigos em pleno Aeroporto.Aliás, ao descer do avião, constatei o espantoso progresso das técnicas de dedetização no Brasil. Não fora isto, o Aeroporto Santa Maria já estaria definitivamente entregue às baratas.

Para fugir do assédio carinhoso de antigos credores e da turma do doutor Grampollinha que me ameaçava com uma saraivada de tomates, entrei rapidamente no possante Honda cor de ébano do boa prosa Gélio Albuquerque e zarpamos a todo vapor rumo à bucólica Praia do Saco do Rio Real, não sem antes dar um rápido passeio por Aracaju, que está a cada dia mais linda. 

Já na praia, encontrei o amigo Jorge Carvalho. Nos cumprimentamos e ele me  confidenciou que estava ali para descansar um pouco de suas estafantes aulas na Universidade. Lorota pura! Descobri mais tarde que na verdade, o nobre docente estava era fugindo de um aluno rebelde que tinha lhe jurado de morte por umas notas baixas que recebera. Bem feito! Quem manda reprovar o filho do Galindo?

Assim que acordei no outro dia, fui à varanda tomar champanhe com caviar, apenas no intuito de humilhar a vizinhança.

Deu certo, o Albano, vizinho da direita, fez cara de muxoxo e fechou a porta da sua bela casa à beira mar, construída irregularmente sobre as dunas.

Como amante da boa música portuguesa que sou, coloquei o novo CD do

Madredeus bem baixinho no som da sala.

Os outros vizinhos me responderam ligando o mini trio que estava estacionado na garagem deles. Puseram um disco de uma dessas bandas de forró, do qual Sergipe quer ser o país.  Eram os netos do Cabo Zé.

Resolvi então que o melhor mesmo a fazer era caminhar na praia. De fato, o dia estava bem propício.

Logo nos primeiros passos à beira mar, encontrei  um conhecido.

Minutos depois, cruzei com o mesmo sujeito na volta e ele me cumprimentou de novo. Fiz aquele sorrisinho sem graça, mas logo percebi que todos fazem assim por aqui. Comecei a ficar incomodado. 

Quando encontrava alguém pela segunda ou terceira vez, me abaixava para apanhar uns búzios ou desviava para um mergulho no mar.

Foi do oceano que avistei o disposto Samarone com a sua vistosa bermuda azul  e o ator Gilmar Carvalho com um lindo bermudão de seda com sapato e meias pretas. Te cuida, Glorinha Kalil!

O fato é que caminhando à beira mar, admirando toda a exuberância do Atlântico e a magia dos trópicos, senti uma imensa alegria e agradeci a Deus por ter tido o privilégio de estar tão ligado a esta gente e a este belo país.

Foi justamente quando uma importante questão filosófica que me acompanha há anos, voltou à tona:   Se Deus criou o homem à sua imagem e semelhança, tinha que falhar logo na hora de fazer o Nivaldo Fernandes?   

 

Até semana que vem.

 

Um abraço do

 

Apolônio Lisboa.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários