Flor do recesso

0

Sem muito o que fazer neste período de férias parlamentares, a classe política corre atrás de suposições para conseguir se manter na mídia. Portanto, o disse-me-disse sobre possíveis alianças com vistas à sucessão estadual em 2014 não passa de uma flor do recesso, que vem a ser o estardalhaço dado à informação sem muita relevância. Agora mesmo, petistas ocupam bons espaços na imprensa para contestar uma possível aproximação com os partidos mais à direita, como se isso fosse coisa do outro mundo. Não é. Em 1996, o então candidato a prefeito de Aracaju, Ismael Silva (PT), solicitou e conseguiu o apoio da senadora demista Maria do Carmo Alves. Ano passado, o PP de Paulo Maluf ajudou a eleger o petista Fernando Haddad prefeito de São Paulo. Portanto, enquanto durar o recesso parlamentar, o tom da prosa será o mesmo, embora todos saibam que esse zunzunzum não passa de blá-blá-blá.

Couro de fole

O preço da tarifa de ônibus da grande Aracaju parece até couro de fole. É um vai e vem dos diabos! Decisão judicial aumentou ontem a passagem dos atuais R$ 2,25 para R$ 2,35, porém a própria Justiça pode alterar esse valor novamente. Quem não entende nada é o coitado do usuário, obrigado a pagar um absurdo para andar em latas velhas e fedorentas, isso quanto elas estão circulando. Melhor mesmo é comprar uma bicicleta, ou um jegue manso.

Reação

O PSTU reagiu contra a derrubada da liminar que reduzia o preço da tarifa de ônibus da grande Aracaju. Em nota, o partido revela que “a decisão vai na contramão do que a população exige nas ruas. O juiz atendeu a reclamação de um pequeno grupo de empresários e se faz de surdo ao não ouvir o povo que é contra o reajuste por sofrer com ônibus velhos e sujos, superlotação, espera de 50 a 60 minutos e ter que pagar a segunda tarifa mais cara do Nordeste”, diz a nota.

Agrado

O governador Jackson Barreto (PMDB) empossa hoje à tarde os secretários Fábio Mitidieri (Trabalho), Ada Augusto Bezerra (Articulação Política e das Relações Institucionais) e o presidente do Ipesaúde, Lauro Seixas Lima. Com este ato, Barreto agrada os deputados estaduais Luiz Mitidieri (PMDB) e Augusto Bezerra (DEM), e o federal Rogério Carvalho (PT), padrinhos dos três empossados.

Desfalque

A oposição na Assembléia perdeu o barulhento vice-líder Augusto Bezerra (DEM). Com a indicação da irmã Ada Augusto como secretária estadual, o demista vai mudar o tom da conversa. Promete agir com independência, desde que isso não signifique contrariar o governo. Político tarimbado, deputado e líder da oposição, Venâncio Fonseca (PP) minimiza a baixa: “Cada parlamentar é responsável por seus atos”, diz.

Página virada

Em ampla matéria, o jornal Valor Econômico informa que o sergipano Carlos Ayres de Britto, ministro aposentado do Supremo, tem sido ‘paquerado’ para disputar eleições ano que vem por Sergipe, São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro. Tranquilo, ele revela que o livro da vida o ensinou a virar a página da política partidária. Tá certo Britto, que hoje dedica-se a proferir palestras e escrever artigos e poesias.

Greve acaba

Os fiscais de tributo estaduais encerraram ontem a paralisação iniciada há 11 dias. Eles reclamam melhores salários e condições de trabalho. A paralisação foi encerrada após o sindicato da categoria ter recebido notificação da Justiça considerado o movimento ilegal. Amanhã, os fiscais realizarão uma nova assembléia para deliberar sobre os próximos passos a serem tomados visando pressionar o governo.

Campanha

Com o slogan “Rádio e TV ao alcance da sua mão”, a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) lançou uma campanha para estimular o acesso das pessoas à programação do rádio e da TV aberta pelo celular. Segundo a entidade, em grandes eventos, as redes de telefonia não suportam a sobrecarga de dados. Por isso, o rádio e a TV tornam-se os maiores aliados de quem precisa de informação instantânea. É, pode ser!

Alguém sabe?

Quando será que Sergipe vai criar a Comissão Estadual da Verdade? Há quase três meses o governador licenciado Marcelo Déda (PT) prometeu instituir a comissão, porém de lá pra cá ninguém no governo fala mais no assunto. Será que estão com medo de alguma coisa? O que será?

Do baú político

A campanha eleitoral de 1996 pegou fogo em Aracaju, principalmente durante o 2º turno, disputado por João Augusto Gama (PMDB) e Ismael Silva (PT). Os dois aproveitavam os comícios e debates para fazer graves denúncias. Os petistas acusavam Gama e Jackson Barreto de estarem se lambuzando no mel de cabaú, referência ao apoio da família Franco. A turma do PMDB não deixava por menos e enchia a cidade com pichações tipo “até tu, Ismael?”, numa alusão ao apoio que ele obteve do DEM da senadora Maria do Carmo Alves, prefeiturável derrotada no 1º turno. Durante um debate na Universidade Federal de Sergipe, Ismael disse que Gama era apoiado “pelo ‘coronelzão’ Jackson Barreto”. Durante um comício, Jackson fez questão de se explicar: “Que calúnia, Ismael! Nem soldado raso eu fui, pois o Exército me dispensou por excesso de contingente”.

Resumo dos Jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais