Futuro incerto

0

O servidor estadual que espera um bom reajuste salarial ano que vem é bom ir tirando o cavalinho da chuva. Ao falar ontem para os deputados sobre as finanças do Estado, o secretário da Fazenda, João Andrade, jogou um enorme balde d’água no sonho dos servidores, ao informar que, pelo andar da carruagem, o próximo reajuste será equivalente à inflação do período. Isso quer dizer que as promessas de plano de carreira e coisas do gênero poderão ir para o beleléu. Até o reajuste do piso salarial dos professores está na berlinda e, a exemplo do que aconteceu este ano, poderá ser pago em várias parcelas. Pelo visto, 2012 será um ano de muitas manifestações e greves contra o arrocho salarial.

Uma saída

A decisão da Energisa de não montar este ano a enorme Árvore de Natal é o principal assunto nas rodas de conversa. Muitos acham que a empresa poderia procurar outro local para instalar a estrutura metálica. Entre os que pensam assim está o secretário de Turismo, Elber Batalha. Ele vai se reunir com a direção da Energisa para sugerir áreas onde a Árvore de Luz possa ser montada. O blog não acredita que a empresa mudará de opinião.

Na berlinda

Como já era esperado, a Executiva do PT aracajuano decidiu ir à Justiça pedir o mandato do vereador Robson Viana, que trocou o PT pelo PMDB. O Ministério Público Eleitoral também pretende denunciar o parlamentar por infidelidade partidária. Na legislatura passada Robson Viana perdeu o mandato por ter trocado o PSB pelo PT.

Quer mandato

E o suplente Fábio Reis deve ingressar na Justiça com o pedido de cassação do deputado federal Almeida Lima por este ter trocado o PMDB pelo PPS. Vai se fundamentar os argumentos do procurador regional eleitoral Ruy Nestor, que entende ter havido infidelidade partidária por parte do ex-peemedebista. Consultado sobre a situação, Almeidinha soltou os cachorros: “Nunca vi tanta babaquice. Babacas, idiotas. Que coisa ridícula. Vão trabalhar por Sergipe”. Misericórdia!

Novo shopping

A construção de um shopping próximo ao novo campus da Universidade Federal de Sergipe, em Lagarto, foi tema da reunião entre o governador Marcelo Déda (PT) e o empresário Zezé Rocha. Somando um investimento privado de R$ 80 milhões, o empreendimento ocupará uma área de 45.684 m² e irá gerar 2,7 mil empregos diretos e indiretos. O projeto prevê a instalação de 140 lojas, entre elas quatro salas de cinema.

Fim da greve

Depois de 22 dias em greve, os bancários do Banese retornam hoje ao trabalho. O fim do movimento paredista foi decidido ontem depois que a direção do banco aceitou implementar o plano de cargos e salários dos banesianos. Já no Banco do Nordeste, a greve continua ater que o BNB atenda as reivindicações dos empregados.

Mais tempo

Com o fim da greve dos bancários, a Caixa Econômica Federal resolveu ampliar seu horário de atendimento. Desde ontem, todas as agências do banco estão funcionando com o horário ampliado em pelo menos uma hora. A medida ficará em vigor até o próximo dia 28. Em nota, a Caixa diz que a ação visa proporcionar à população maior comodidade no atendimento após o encerramento da greve dos bancários.

Encontro escolar

Acontece hoje em Aracaju o 18º Encontro da Associação Brasileira das Escolas do Legislativo e de Contas.  Promovido pela Assembleia Legislativa, em parceria com Tribunal de Contas do Estado de Sergipe (TCE/SE), o evento visa proporcionar uma troca de informações acerca do Planejamento Estratégico dos departamentos de instrução pedagógica dos Legislativos, Cortes de Contas e Câmara de Vereadores de todo o país. Será a partir das 19h no plenário da Assembléia.

Voto impresso

Os ministros do Supremo Tribunal Federal concederam ontem uma medida cautelar que suspende, até o julgamento de mérito, a aplicação do voto impresso nas eleições de 2014. O voto impresso foi aprovado pelo Congresso Nacional por meio da Lei nº 12.034/2009, conhecida como minirreforma eleitoral. Os ministros se fundamentaram no argumento da Procuradoria Geral da República de que a impressão do voto fere o artigo 14 da Constituição, que garante o voto secreto.

Do baú político

De 1946 a 1947, Sergipe foi governado pelo interventor federal e coronel do Exército Antônio Freitas Brandão. Na divisão dos cargos entre as lideranças políticas locais, coube ao Partido Republicano indicar o Chefe de Polícia, tendo sido escolhido o jovem advogado Armando Rollemberg. Ao assumir, ele proibiu que se batesse em presos, decisão que foi cumprida quase à risca. Claro que aqui e acolá o sujeito levava um ‘sapeca iaiá’ daqueles. A novidade foi se espalhando e cruzou as divisas de Sergipe. Certo dia, estava Armando Rollemberg em seu gabinete, quando um policial entra para informá-lo sobre a prisão de quase uma dezena de ladrões, que vinham aterrorizando os sergipanos. Ele pede para falar com os marginais e começa perguntando sobre suas origens. Foi então que um deles disse serem da Paraíba: “Soubemos que aqui não se bate mais em preso e resolvemos mudar pra cá”. O chefe de Polícia manteve a ordem de não bater, porém, desde aquele dia, todo bandido de outro Estado era colocado no trem e liberado em Salvador, onde a Polícia descia a madeira sem dó nem piedade.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários