Gestão Pública: Política ou técnica?

0

Eis um dilema antigo e que continua a produzir intensas e intermináveis discussões: a gestão pública deve ser conduzida por técnicos, portanto meritocrática, ou subordinar-se aos interesses nem sempre republicanos dos partidos e dos políticos?

Invariavelmente a saída tem sido pela tangente, na linha do "um pouco de cada", mas em termos práticos a administração pública brasileira (federal, estaduais e municipais) tem mostrado, em larga escala, o predomínio da opção pelo loteamento dos espaços de governo para os aliados do processo eleitoral, gerando um passivo que chega a ser explosivo (vide a sucessiva queda de ministros do governo Dilma).

Na verdade são duas as causas da inviabilidade da gestão conduzida politicamente no Brasil: a absoluta falta de quadros técnicos nos partidos políticos (os partidos não conseguem atrair esse perfil de cidadão que opta por manter distância dessa geléia ideológica); e a opção desses mesmos partidos pela escolha de quadros da política (parlamentares, ex-parlamentares, ex-prefeitos, aparentados dos donos da sigla, derrotados em eleições etc) para ocupar os cargos de gestão.

Ora, a imensa maioria dessa turma (salvo raras e honrosas exceções que servem para justificar a regra) nunca administrou nada, sequer suas casas, portanto são completamente ineptos para gerir máquinas administrativas normalmente complexas, submetidas a imenso aparato regulatório e ao olhar cada vez mais aguçado dos órgãos de controle. Resultado: gestões desastradas, improdutivas e, o pior, cujas ações são predominantemente orientadas aos mais mesquinhos interesses eleitoreiros. Sem falar que quando assumem os cargos a primeira ação é desmontar as equipes que encontram para empregar em cargos comissionados seus cabos eleitorais, a maioria de baixíssima qualificação.

Esse modelo vem se repetindo em todos os governos, sofrendo menos aqueles governantes que conseguem reservar para sua conhecida "cota pessoal" o maior número possível de órgãos, sobretudo aqueles de maior importância.

A mudança desse cenário passa, indiretamente, por uma reforma política que reduza drasticamente o número de partidos políticos e, por via de consequência, da verdadeira confederação de siglas nanicas (de aluguel) que se aliam aos que têm chance de ganhar a eleição, em troca de generosos nacos de poder. Com menos partidos (as democracias bipartidárias como EUA e Inglaterra não têm esse problema) certamente o loteamento de cargos seria igualmente minimizado.

Déda e a “reforma” que pode piorar a obra
O brasileiro tem a mania de sempre arranjar um “jeitinho” para tudo. Quando vai reformar sua casa (retira-se deste contexto a classe rica) tem mania de fazer o famoso “puxadinho” sem orientação técnica. E as vezes a reforma acaba sendo pior para toda a obra.

Novo titular da Seed
No âmbito administrativo as vezes, um governante para “ajeitar” um ou outro aliado lança mão do famoso “jeitinho” que parece uma solução viável para o momento, mas no futuro mostra que a reforma piorou a obra. É o caso do que parte da imprensa vem divulgando sobre as mudanças que pode ocorrer no governo com a saída de Belivaldo Chagas da Secretaria da Educação para ocupar o cargo de conselheiro do TCE.

Nome técnico e político
A saída de Belivaldo é fato, porém pelo que a imprensa vem publicando o governador dará um “jeitinho” que criará problemas. Dizem que pretende deslocar o secretário de Planejamento e Gestão, Oliveira Junior para a pasta. Ninguém duvida da competência administrativa de Oliveira, mas a pasta da educação precisa não só de um nome técnico, mas também de alguém que tenha trânsito fácil entre os partidos governistas.

Planejamento e Gestão funciona
Além disso, Oliveira Junior conseguiu dar uma nova cara a antiga pasta da administração, através de uma gestão que vem dando resultados altamente positivos. Tirar alguém de um lugar que está dando certo e colocar num lugar que ele será, literalmente, “fritado” é fazer com que o famoso “jeitinho” prejudique o andamento do governo. Déda sabe e tem nomes com o perfil técnico-político para resolver o problema da Seed.

Sedurb vem funcionando plenamente
Outra mudança que vem sendo comentada pela imprensa é a possibilidade de troca de Sérgio Ferrari da Secretaria de Desenvolvimento Urbano passando para o comando da Deso. Seria outro erro estratégico grave, já que a pasta comandada por Ferrari hoje é responsável por dezenas de obras de pequeno e médio porte em todo o Estado. A Sedurb hoje é uma pasta com o perfil de obras, já que a área do planejamento foi para a antiga secretaria da administração, gerando a Planejamento e Gestão.

Obras pedidas pela comunidade
Com um detalhe: essas obas são frutos do PPA, ou seja, atendem aos anseios das comunidades. Em alguns casos, são obras pequenas, mas que há muitos anos foram prometidas por vários governantes. Ferrari é um “tocador” de obras, assim como Valmor Barbosa. Está na pasta certa.

Deso e os engenheiros da “Casa” I
Fala-se também que o engenheiro Osvaldo Nascimento, que é dos quadros da Deso pode assumir a empresa. Pelo que o blog vem ouvindo dos servidores daquela empresa a solução passa por um forte incentivo aos quadros já existentes, mas que nunca tiveram oportunidades. Como por exemplo, o diretor Carlos Melo, galgado com a entrada de Bosco Mendonça.

Deso e os engenheiros da “Casa” II
A solução seria colocar em toda direção quadros da própria empresa com o perfil de Carlos Melo. Passar a “bola” para eles com a consciência de que “precisam realmente vestir a camisa da empresa”, para tirá-la da atual situação. Ou seja, todos com o compromisso de trabalhar 24 horas pela empresa. O blog recebe quase que semanalmente e-mails de funcionários dizendo que tem diretor que chega para trabalhar diariamente a partir das 10h. Assim fica difícil.

Da omissão da Emurb e o excesso de zelo da SMTT
Enquanto a Emurb não fiscaliza uma obra na Igreja Quadrangular do bairro Jardins a SMTT, no mesmo bairro mostra um excesso de zelo. Há poucas semanas durante uma missa de formatura na Igreja Jesus Ressuscitado, ao invés de orientar o trânsito no local, muitos dos que participaram do evento foram surpreendidos, ao saírem da missa, com multas em seus veículos. Detalhe: a missa foi a noite, acabando por volta das 21h30.

Faleceu Antônio Ferreira do Nascimento
Foi enterrado ontem, 25, aos 85 anos, no cemitério Santa Isabel, em Aracaju, o senhor Antônio Ferreira do Nascimento, natural de Indiaroba. Ele teve oito filhos (dois já faleceram, Ediana e Helder), Iara, Jorge, Conceição, Denise, Marcos e Célia. Entre eles o professor e atual presidente da Segrase Jorge Nascimento. Antônio começou a vida profissional como militar do Exército Brasileiro, em Salvador (BA). Como descobriram que ele tinha ligação com o grupo que apoiava Luis Carlos Prestes foi “convidado” a deixar o Exército.

Exemplo de correção e determinação
No final da década de 50 do século XX, ele voltou a Sergipe e viveu em Aracaju onde se estabeleceu como mestre de obras e pequeno comerciante. Porém, nunca deixou a ligação com os companheiros do antigo “Partidão”, onde no período mais difícil colaborou na clandestinidade, inclusive distribuindo jornais do partido entre os camaradas e simpatizantes. Lúcido, Antônio Nascimento foi um exemplo de correção e determinação para toda a família e amigos. O sentimento do blog para todos os familiares.

Invasão de um metro e meio em rua do povoado Robalo
Há mais de um mês que o espaço vem publicando a revolta dos moradores do povoado Robalo com um muro construído pela construtora Cunha na rua Um. A informação recebida pelo blog é que fiscais da Emurb estiveram no local e constataram que a construtora invadiu cerca de 1 metro e meio da Avenida Um no Recanto das Chácaras – Robalo. Agora é esperar que a Emurb adote as providências rigorosas,  ou seja, que a rua volte a ter o seu espaço normal.

Operador da direita a esquerda
Um grande “operador” de um importante ex-governador, continua na mesma função. Agora está “operando” assessorando um importante movimento social da esquerda. O “operador” foi responsável por um recente escândalo numa ONG. Mas como “opera” muito bem o nome dele nem foi citado. É pelo jeito sem terra ou com terra, em Sergipe Del Rey o reisado muda, mas os “operadores” sobrevivem a qualquer invasão.

Mais um final de semana com quadriciclos nas praias
Mais um final de semana passou com os freqüentadores das praias transformando um momento de lazer em preocupação. Tudo por conta da falta de fiscalização nas areias das praias, onde a moda dos quadriciclos tomou conta colocando em risco principalmente as crianças. E um detalhe: boa parte destes veículos é pilotada por jovens menores de idade. O blog volta a repetir: as autoridades só tomarão as providencias para cumprir a lei quando alguém perder a vida.

Solução para quadriciclos
Está muito fácil resolver, basta fiscalizar os pontos críticos, e apreendendo os mesmos.

Alerta ao governador sobre fiscalização estadual no trânsito
O blog está investigando uma grave denúncia: que um adesivo de uma determinada categoria está servindo como uma espécie de “senha”, ou uma credencial para que esses veículos não sejam parados nas blitz realizadas pela Polícia Militar (CPTRAN e CPRV). É um alerta não só para o governador, mas também para o Ministério Público Eleitoral.

Choque na ativa
Na tarde do último sábado, 25, por volta das 16:30 horas, a guarnição do Batalhão de Choque composta pelo Sgt. Alexandre, Cb. Wellington, Sd. J. Matos e Sd. Meuber, fazia patrulhamento no Conjunto Almirante Tamandaré, quando perceberam dois homens em atitude suspeita trafegando em uma shineray azul. Ao efetuarem a abordagem os militares encontraram em poder de José Augusto Bastos, 21 anos, uma arma de fogo calibre 38, com duas munições, o qual se fazia acompanhar de Pedro Rodrigo dos Santos, 25 anos.

PELO TWITTER

www.twitter.com/Joscivanio  Já começaram as propagandas políticas, veladamente, mas já começaram. Eles não perdem tempo (mas perdem meu voto, com certeza).

www.twitter.com/netodograccho  Li no Face e compartilho: "A amizade acaba quando você percebe que só você é o amigo".

www.twitter.com/ManuSanthiago  Regra do Twitter: nunca discuta com pessoas que tenham menos de 500 seguidores e seguidos.

www.twitter.com/diegodacosta  acordei pensando em DEUS e no Desapego. JESUS, filho de DEUS, morreu por nós. Já pensou nisso hoje? Bom dia!

www.twitter.com/AntonioSamarone  "Estão desfraldadas as bandeiras do Fluminense" – Waldir Amaral. Bateu a nostalgia…

DO LEITOR

Atenção SMTT ou Emsurb
Do leitor Luiz Brandi: “Novamente falo dos vendedores de coco na faixa da esquina da rua Itabaininha com Laranjeiras, e hoje às 14,30h estavam os 03 imponentes atrapalhando o transito naquela via. Ironicamente, acho até que quando a SMTT proibir o estacionamento na rua Itabaianinha, conforme já anunciado, deveria regulamentar o estacionamento daqueles vendedores naquele local, eis que ninguém resolve aquela situação”.

Acesso ao Batistão ou “Casa de Ferreiro, espeto de pau” .Chega de Biguzeiros
Do leitor Joseilton Nery Rocha: “Cláudio, desejaria comentar a decisão da Diretoria do Confiança em relação ao acesso ao Batistão. A imprensa possui um papel preponderante na reafirmação do nosso futebol. Tem cumprido muito bem sua função de estimular dirigentes, patrocinadores e torcedores  no soerguimento do futebol sergipano. Então, deve apoiar a iniciativa tomada por Luiz Roberto de Santana, presidente do Dragão, pois acertou em impor restrições nas entradas do Batistão, nos dias de jogos em que seu clube é mandante.Lamento que a direção da ACDS não aceite limitações no número de convites destinados a quem não está trabalhando. Estariam estipulados 30 convites para os cronistas que não estivessem desempenhando suas funções nos dias de jogos. Ou seja o acesso ao camarote reservado para a imprensa estaria garantido dentro do limite estabelecido pelo Confiança quando mandante de jogos no Batistão. Porém, a ACDS não concorda. Entende que isso é ingerência, segundo Reginaldo Gouveia, seu vice-presidente. Isso significa que se, por exemplo, 100 cronistas desejassem assistir neste domingo Confiança versus Sergipe, o restante além dos convites para a crônica desportiva (70 cronistas) estaria ocupando os lugares dos torcedores que comprassem os ingressos para as cadeiras. Isso não é justo. A imprensa cobra profissionalismo. Nós os torcedores também cobramos. Todos queremos organização. Entretanto quando um dirigente busca rigor no acesso ao Batistão, logo a ACDS vem com corporativismo. Em qualquer competição séria exige-se identificação e limites profissionais. Ou será que num certame nacional um número ilimitado de profissionais da imprensa adentra um estádio de futebol? E por que aqui em Sergipe tem que ser diferente? Até nas entrevistas coletivas dos grandes clubes tem havido limitação de profissionais nas salas de imprensa. Isso se chama organização e controle. Chega de Biguzeiros FC (aqui se incluem integrantes de diversos segmentos). O profissionalismo no futebol exige organização e controle. Isso passa por rigor e transparência. A ACDS deve repensar sua posição. Ou então "casa de ferreiro, espeto de pau"!”

Sergipano sugere reportagem para Jornal Nacional da Rede Globo
Do leitor Messias Gonçalves: Caro Jornalista William Bonner.  Eu, assim como milhares de brasileiros, tenho como referência, o Jornal Nacional, como a própria Rede Globo de Televisão. Inclusive quando o objetivo é saber das noticias e dos fatos apresentadas dento do jornal citado, como as mais variadas séries de reportagens.
Temas como saúde, segurança e educação e mais recentemente o sobre o maio ambiente. Mas o que me levou a lhe escrever é diretamente voltado para o assunto: saúde. Todos nós sabemos que existem diversos fatores a contribuir com o estado em que se encontra a saúde pública no País.  Dizer que o fator financeiro influencia, acredito não ser primordial
Hoje qualquer cidade do interior deste País, oferece salários acima dos R$ 5.000,00, para 40 horas semanais, acredito, quando passam a fazer parte do PSF. Muitos chegam a participar dos concursos, quando aprovados apresentam toda documentação necessária, são nomeados e de repente, pedem demissão.
Porém, na minha modesta opinião, existe uma solução para amenizar toda essa situação. Embora não vejo a imprensa e nem as autoridades (toda a classe política), em todas as esferas. Principalmente prefeitos e governadores, que são os maiores responsáveis pela área nas suas cidades e nos seus estados.
Refiro-me a recusa por parte do governo brasileiro em referendar os diplomas de brasileiros e dos latinos, que cursaram e muitos ainda continuam cursando medicina, nas universidades em Cuba, Venezuela, Chile, entre outros. E olhe que crescemos ouvindo em Cuba, onde se aprende e onde se pratica a melhor medicina básica do mundo.
Inclusive a maioria desses brasileiros, vão estudarem lá, graças a convênios celebrados entre os países. A maioria, oriunda de movimentos sociais. As desculpas são as mais esfarrapadas. Na verdade o que ocorre é poder das entidades representativas dos médicos, inclusive com uma bancada forte no Congresso Nacional. O que eles não querem é perder o poder de barganha.
William, sinceramente eu acredito que podemos agilizar esse processo, com a ajuda da imprensa. Principalmente da Rede Globo e do Jornal Nacional. Esses profissionais podem ocupar justamente esses espaços nas cidades do interior. Inclusive quando da validação dos diplomas, já estariam definidos certos pontos, como não em menos do que dez anos por exemplos, ascenderem a outras especializações e até as chamadas “residências medicas”.
Seriam criadas cooperativas médicas, do tipo consórcios médicos, fazendo com que houvesse grupos desses profissionais, atendendo determinados números de municípios. Com esses atendimentos nos próprios municípios, com certeza, eliminaríamos os vícios de prefeitos, quando optam em fornecer ambulâncias, ônibus e carros o, diariamente, transportando via estradas federais e estaduais.
Peço que estude essa sugestão.
Informo que não sou um desses estudantes. A minha intenção é que acredito ser uma das soluções para esse grave problema enfrentado pela maioria dos brasileiros”.

Blog no twitter: www.twitter.com/BlogClaudioNun

Frase do Dia
"Toda arrogância é odiosa, mas a arrogância do talento e da eloqüência é uma das mais desagradáveis”. Cícero.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários