Governo, Alvistas e Dedistas

0

  Desde a semana passada a coluna vem recebendo diversos e-mails relatando situações em vários órgãos da administração estadual de servidores que não rezaram na cartilha do ex-governador e por votarem em Marcelo Déda (PT) para o governo estadual foram perseguidos e agora estão revoltados porque os seus superiores, que perseguiam eles por votarem no petista, estão conseguindo se manter nos cargos. Uns por indicações políticas de aliados do governador e outros por chegarem ao cumulo de terem colocado adesivos nos carros depois da campanha e saírem comemorando a vitória do petista, antes xingado em todos os cantos.

   O que parece é que nas várias situações que estão sendo passadas para a coluna, o governador não tem conhecimento. Aliás, isso ocorre em qualquer governo porque numa máquina estatal gigantesca fica praticamente impossível o administrador ter conhecimento de todos que são nomeados e mantidos em suas chefias. Porém, é fácil para os secretários tomarem conhecimento dos casos. Tem uma diferença que precisa ser levada em conta: em vários locais têm técnicos que estão nos cargos há vários anos e nunca perseguiram seus subordinados para votarem em “a” ou “b”. Mas tem também vários chefes que “vestiram” a camisa verde e não só isso, perseguiram servidores e fizeram ameaças para que os mesmos não votassem no PT. Para estes, mesmos que sejam técnicos é preciso adotar a exoneração como primeiro ponto.

  Um relato que serve para várias secretarias: “Sou funcionário público há 23 anos e, desde a eleição de 1994, sem estar  filiado a partido algum, tenho mostrado a cara. Assim, e por conta disso, tenho perdido oportunidades e vantagens (imagine que até tentaram me comprar com combustível!). Veja como sou um velho teimoso: preferi me sacrificar e ser mandado para o interior a ter que abrir mão da minha dignidade. E este sacrifício não é só meu: Além de não ter mais idade para os solavancos das estradas, tenho esposa, filhos e, para minha alegria, tenho até um netinho!  Mas vamos ao que interessa. Veja só o que acontece na minha repartição: Desde novembro  de 2004 (logo após as eleições) eu e mais 2 colegas “loucos” fomos “jogados” para um  setor (no interior) que, por conta das condições adversas, ninguém quer ir trabalhar.Ocorre que com a mudança e a chegada do “novo” presidente, este chegou com um discurso moderno, “prá frente”, etc., etc. e logo de chegada informou que não “iria perseguir ninguém, pois as eleições acabaram e agora tinha que governar para todos”. Assim  finalizou, “não haveria qualquer remanejamento, nenhuma caça as bruxas!” (quando ouvi isso um frio subiu pela espinha e pensei: E agora como fico?!). Passado esse susto,  veio outra decepção: A mudança que vi até agora foi a troca de todos os chefes da  seguinte forma:. Pegou os antigos (na grande maioria “alvistas de alta patente”) e

colocou como “assessor do chefe” que, na grande maioria, não sabe nem onde fica a sala  de cafezinho da repartição! Antes que me indague, adianto que não sou a favor do revanchismo, não sou a favor da caça às bruxas. Pois fui, e sou, uma vítima dessa prática nefasta. Sou sim a favor da  justiça! Se é errado perseguir os perseguidores de outrora, pior ainda deixar que as perseguições praticadas continuem a fazer seus efeitos. Tem gente que, nas vésperas das  eleições chamou este velho tolo para a “porrada lá fora” por conta de meu voto  declarado a Déda e que agora continuam “mandando”. Diante disso ouso dar um conselho a  meu querido governador: se não querem caçar as bruxas, por favor, venha salvar as  “Cinderelas” que estão “escondidas” trabalhando no chão das cozinhas enquanto tentam, a > todo custo, calçar os sapatinhos de cristal nos pés das filhas da bruxa má”.

    Esse relato mostra muito bem as decepções de vários servidores públicos que votaram em Déda e não querem cargos comissionados nem chefias. Querem apenas que os alvistas, que já foram albanistas no passado recente parem de continuar “mamando” nas tetas do governo estadual. Imagine você, caro leitor, trabalhar numa repartição onde era um dos poucos que declarou o voto em Déda, sofrendo das mais diversas perseguições e depois de tudo, ver que nada mudou, que seus algozes, estão da mesma forma.

  O governo está apenas começando e algumas peças estão sendo mudadas ao pouco. A coluna teve conhecimento que agora em fevereiro serão realizadas mais algumas dezenas de exonerações que ainda não foram efetuadas no terceiro escalão para que a máquina não sofresse solução de continuidade. Espera-se que os bons técnicos sejam mantidos, que os puxa-sacos tenham seu devido local (não precisa escrever qual) e que os servidores que foram perseguidos tenham, pelo menos, suas dignidades restabelecidas através de uma linha de trabalho que coloque em primeiro lugar o serviço público voltado para a população sergipana.

 

 

 Manutenção da Corregedora da Sefaz I

De um servidor da Sefaz: “Como leitor assíduo de sua conceituada coluna na Infonet, sinto-me no dever de denunciar um fato, no mínimo estranho. No dia 16 de janeiro próximo passado, o Secretário de Estado da Fazenda, Sr. Nilson Lima, apresentou aos servidores daquela pasta, a nova cúpula do referido órgão. Até aí nada de anormal, a não ser a manutenção da Corregedora Geral da Fazenda Silvana Maria Lisboa.Esta Senhora mantém-se no cargo há exatos 06 anos (desde o governo Albano Franco). A corregedora é responsável em apurar faltas funcionais dos servidores fazendários, entre outras atribuições. Espera-se no mínimo, uma pessoa centrada, que tenha sua carreira e vida particular, pautadas na ética. Não parece ser o caso. A Sra. Silvana, aproveitando-se do cargo de corregedora, empregou em março de 2006, seu filho Jairo Lisboa, um estudante de veterinária, na empresa Postdata. Este procedimento nada teria de anormal, se a referida empresa não fosse prestadora de serviço da Sefaz. O jovem rapaz presta serviços no Ceac-Sefaz de Aracaju, no bairro Siqueira Campos. Onde está a ética?”.

 

Manutenção da Corregedora da Sefaz II

Continua o servidor: “Estranhamente, a Auditora da Sefaz, Silvana Lisboa, foi mantida no cargo, mesmo utilizando o prestígio de seu cargo para fazer campanha nas dependências da Sefaz, bem como em sua casa de praia ,onde produzia festas em favor do ex-governador João Alves, juntamente com a ex-Superintendente da Sefaz, Sra. Lídia, esta sim com motivos de sobra para fazer campanha para o PFL, por ser ex-esposa de Roberto Alves, irmão do ex-governador. Lídia caiu e Silvana “passou a perna” em Déda! Não somos a favor de perseguições políticas, entretanto o Secretário Nilson Lima foi enganado por seus assessores, mantendo no cargo de Corregedora uma pessoa que ao invés de manter a neutralidade do cargo e a ética, usa-o em benefício próprio e de seus familiares.Espero que o respeitado jornalista mantenha a fonte dessas informações, em sigilo, conforme garante a Constituição da República, entretanto pode e deve checar todas as denúncias que agora fazemos, antes de publicá-las. Por fim gostaria de esclarecer que nunca fui alvo de investigação ou inquérito da referida Corregedora, entretanto não posso me calar diante deste fato que causou perplexidade e decepção na Sefaz”.

 

Coluna é sucesso por conta da interação com o leitor

O servidor da Sefaz, responsável pela denúncia, não precisava lembrar a este jornalista a necessidade de manter o sigilo da fonte. Esta coluna tem alguns processos judiciais e certamente terá outros. O único responsável pela coluna é o jornalista, já que a coluna é assinada. A coluna é sucesso por conta da interação existente com o leitor e, principalmente, a confiança das chamadas “fontes”. Quem acompanha a coluna desde antes da campanha deve lembrar que sempre era escrito: essa coluna não mudará sua linha independente de quem for o governador. Está aí a prova e a confiança dos leitores. Só para lembrar: a coluna não mudou, mas o leitor já reparou a mudança editorial de vários meios de comunicação e até de algumas colunas? Nada melhor do que um dia após o outro com uma lua no meio…

 

Obras no rio São Francisco terão início

Matéria da Folha de São Paulo de hoje: “Principal beneficiária do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) na área de infra-estrutura hídrica, a obra de transposição do rio São Francisco está marcada para começar no início de fevereiro em Cabrobó (PE).O ministro da Integração Nacional, Pedro Brito, anunciou que os editais serão lançados até o final do mês, mas as primeiras etapas independem do processo licitatório. O Exército já recebeu R$ 100 milhões e pode continuar na empreitada.Segundo o ministro, os entraves do megaprojeto estão superados. Além das liminares derrubadas pelo STF (Supremo Tribunal Federal), Brito avalia que os novos governadores do Nordeste darão apoio”.

  

Ministro do STF receberá outorga do TJSE

Hoje, o sergipano nascido na cidade de Propriá que exerceu diversos cargos importantes no Estado e atualmente é Ministro do Supremo Tribunal Federal, Carlos Ayres de Britto, receberá do Tribunal de Justiça de Sergipe o “Colar do Mérito Judiciário”. A cerimônia de outorga acontecerá às 18h no Memorial do Poder Judiciário, Palácio Sílvio Romero, na Praça Olímpio Campos.

  

Deso: negociações continuam estagnadas

Do boletim do Sindisan: “Mesmo após o atual presidente da Deso, Max Maia em reunião realizada no último dia 5 haver se comprometido em definir uma contraproposta, para apresentar ao sindicato, até o momento nenhuma proposta foi apresentada.Os Trabalhadores da Deso enfrentam o descaso nas negociações do acordo coletivo, num verdadeiro jogo de empurra desde a gestão anterior. A data-base da categoria é 1º de novembro e a pauta de reivindicações foi entregue no início de setembro. Ao servidor da Deso. A coluna está analisando uma lista sobre alguns usuários que estão inadimplentes há vários anos, muitos grandes empresas. Vai dar uma confusão grande…

  

Desculpa esfarrapada

Em toda rede de televisão é normal a mudança na programação, exibindo novos programas, acabando com outros, mudando os horários e tudo mais. Porém,  em Sergipe, quando estas mudanças são cogitadas começam a plantar notas em jornais. A última é a tentativa de jogar uma mudança que vai ocorrer para que a emissora fique “mais alinhada” ao novo governo. Uma desculpa esfarrapada, para justificar graves erros de um passado recente onde um programa foi tendencioso de tal forma que prejudicou toda audiência de uma emissora local. Em Aracaju, como diz Albano Franco, todo mundo se conhece e como…

 

Formatura do Instituto Luciano Barreto Junior

Hoje, o Instituto Luciano Barreto Junior comemora quatro anos realizando a formatura dos 912 jovens e adolescentes que participam do Projeto ‘Conectando com a Vida’, às 19h, no Espaço Emes. O Instituto representa a responsabilidade social da construtora Celi e já atendeu a mais de 2000 jovens que encontram nesta ação a oportunidade de um futuro melhor através da conquista e aprimoramento de conhecimentos multidisciplinares. O ILBJ possui dois núcleos e oferece cursos gratuitos através projeto “Conectando com a Vida” de Informática, Português, Matemática e Leitura, Cultura e Cidadania, Relações Interpessoais (palestras com Dr. Jácome Góes) e quem se destaca com as melhores notas, faz também o curso de inglês no Yázigi. Todos os cursos têm duração de um ano.O Projeto é destinado a adolescentes de baixa renda, com faixa etária de 15 a 25 anos, grau de escolaridade a partir da 5ª série, estudante de escola pública ou que tenha concluído em escola pública.

  

Ainda sobre publicidade governamental I

De um leitor sobre o texto publicado nesta coluna no final de semana de autoria do presidente do Sindicato das Empresas de Publicidade, Paulo Gusmão: “ Você falou em publicidade e lá vem Paulo Gusmão concordando de forma enviesada com sua tese, defendendo até “reserva de mercado”. Expõe todo um cacife da publicidade sergipana, que não duvido, e avança sobre a necessidade de uma “linguagem transparente com o governo estadual e municipal”. Pelas colocações de Paulo Gusmão parece que ele, repentinamente, resolveu inaugurar uma nova era. Onde estava o Sindicato quando da licitação dos R$ 30 milhões para a publicidade promovida por João Alves?”

 

Ainda sobre publicidade governamental II

Continua o leitor: “Eu mesmo não lembro de ter lido ou ouvido qualquer coisa sobre transparência com origem no Sinapse, em especial quanto às denúncias de que a licitação era um jogo de cartas marcadas. Mas lembro da manifestação de Paulo Gusmão sobre uma licitação da Prefeitura de Aracaju, em valores significativamente menores, onde ele já pedia a tal de “reserva de mercado”. O que acha o Sinapse da distribuição de verbas publicitárias por cotas e distante de qualquer avaliação de audiência ou similar? O que acha o Sinapse da política para a publicidade praticada nos últimos quatro anos? Ler Paulo Gusmão me lembrou um episódio recente onde o deputado federal José Carlos Machado cobrava transparência do novo governo estadual, sugerindo inclusive que Déda deveria imitar o governo federal e divulgar todos os gastos via Internet. Não é engraçado dar lições de bom uso dos recursos públicos? Não é engraçado também Paulo Gusmão,depois de um silêncio obsequioso, pregar transparência na publicidade do Estado?”

 

Frase do Dia

“A democracia é um ambiente mais saudável para o crescimento. Pouco me interessaria um aumento expressivo do PIB se isso implicasse, o mínimo que fosse, redução das liberdades democráticas, assim como não adianta crescer sem distribuir, não adianta crescer sem democratizar”. Trecho do discurso de Lula ontem, ao lançar o PAC. Com certeza, foi um recado para o presidente venezuelano Hugo Chaves, que começa a tomar medidas ditatoriais contra a imprensa.

 

 

 

 

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários