Guerra civil à vista

0

O desejo da burguesia em derrubar a presidente Dilma Rousseff (PT) visando alterar a política econômica, a pequenez da oposição, que insiste no 3º turno das eleições, e o oportunismo da grande mídia, estão empurrando o Brasil para uma sangrenta guerra civil. Comandada pelo réu Eduardo Cunha (PMDB), a Câmara Federal forneceu a fogueira, devendo o Senado do denunciado Renan Calheiros (PMDB) patrocinar o combustível necessário à explosão do confronto. O alarmante desemprego, a crescente violência e o ódio destilado pelas redes sociais são os ingredientes restantes para deflagrar a luta de irmãos contra irmãos. Engana-se quem pensa que os opositores ao impedimento da petista aceitarão passivamente a derrubada da presidente. Movimentos organizados como o MST, CUT, quilombolas, artistas e estudantes vão às ruas lutar contra o que chamam de golpe e, inevitavelmente, se confrontarão com o braço armado do Estado e os partidários do impeachment. Portanto, está na hora de os verdadeiros líderes políticos, religiosos e empresariais, além da Justiça, tentarem evitar que se tencione ainda mais o já esgarçado tecido social brasileiro, antes que cheguemos a um caminho sem volta. Por mais justas que pareçam, as paixões políticas não justificam uma guerra civil.

Tá invocado

Não pronuncie o nome da deputada estadual Ana Lúcia (PT) na frente do governador Jackson Barreto (PMDB). Invocado com a oposição feita pela aliada petista ao seu governo, JB esquiva-se do assunto tão rápido quanto o diabo foge da cruz. “Hoje só falo sobre as obras do governo”, afirmou Barreto, ao ouvir um repórter citar o nome da parlamentar. Aff, Maria!

Namoro escondido

Embora não neguem o interesse político que um tem pelo outro, o senador Eduardo Amorim (PSC) e o deputado federal Valadares Filho (PSC) evitam falar sobre uma possível aliança política. Até parecem jovens namorando às escondidas dos pais. O parlamentar cristão insiste em negar que já tenha se encontrado com Vavazinho para tratar sobre as eleições em Aracaju: “Se alguém comentou isso foi porque quis criar algum fato”. Ôch, será?

Silêncio preocupa

E os empregados do comércio estão preocupados com o ensurdecedor silêncio dos patrões às suas reivindicações. Segundo a Federação representante da categoria, os empresários deram calado por resposta à pauta de reivindicações da convenção coletiva de 2016/2017. “Espero que o presidente da Fecomércio, deputado Laércio Oliveira (SDD), não desrespeite o entendimento mantido há anos por empresários e trabalhadores”, afirma Ronildo Almeida, representante dos comerciários.

Casa de condenados

Muita gente não sabe o que “a Assembleia faz por todos os sergipanos”, mas tem na ponta da língua os nomes dos sete deputados estaduais e dois federais cassados. Todos são acusados de terem botado a mão grande nas verbas de subvenção do Legislativo. Pra quem não lembra, segue a relação dos condenados: Augusto Bezerra (PHS), Paulinho Filho (PTdoB), Samuel Barreto (PSL), Gustinho Ribeiro (PRP), Jeferson Andrade (PSD), Venâncio Fonseca (PP), Zezinho Guimarães (PMDB), João Daniel (PT) e Adelson Barreto (PTB). Em outros processos, também foram sentenciados os deputados Luciano Bispo (PMDB) e Valmir Monteiro (PSC). Um horror!

Crise braba

Embora tenha uma excelente arrecadação, Canindé vive a sua pior crise, provocada, em grande parte, pela péssima administração do prefeito Heleno Silva (PRB). Sem capacidade para governar, a ponto de já ter ameaçado renunciar várias vezes, o pastor promete decretar situação de emergência financeira no município. Segundo ele, o que arrecada, mal dá para pagar a folha de pessoal. O sonho de Heleno Silva agora é disputar uma cadeira no Senado em 2018, “emprego” bem mais confortável. Resta saber o que o povo pensa disso!

Saúde doente

É grave a situação do hospital regional de Nossa Senhora da Glória. Segundo o deputado estadual Gilson Andrade (PTC), aquela unidade de saúde está a ponto de fechar as portas, pois não dispõe de quase nada para atender aos pacientes. “Esta é uma situação absurda, um desrespeito com a população do sertão. Que saúde é essa oferecida aos sergipanos pelo governo do estado?”, questiona. Lastimável!

Luto

Morreu ontem em São Paulo, o jornalista e produtor musical Fernando Faro, 88 anos. Nascido em Aracaju, ele foi para a capital paulista estudar Direito. Não chegou a completar o curso, pois passou a trabalhar como repórter de jornal. Sua atuação na televisão começou em 1951. Na década de 60, passou a produzir musicais, tendo trabalhado com artistas do naipe de Ney Matogrosso, Dorival Caymmi, Gal Costa, Chico Buarque, Marcos Valle e tantos outros.

Bom de borrachudos

Sergipe teve o 8º maior percentual de devoluções de cheques sem fundo em março último: 5,28%. Segundo Indicador Serasa Experian, o percentual de devoluções de “borrachudos” no Brasil, no mês passado, alcançou a marca histórica de 2,66%. Em Sergipe, o índice verificado em março foi maior que os 4,91% registrados em fevereiro. Em março de 2015, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no estado havia sido de 4,45%.

Sem prestígio

E Sergipe não conseguiu emplacar um único senador na comissão que analisará a admissibilidade ou não do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). Antônio Carlos Valadares (PSB), Eduardo Amorim (PSC) e Ricardo Franco (DEM) – ou seria Maria do Carmo Alves? – terão que se contentar em votar favoráveis ao impedimento da petista. Quanto desprestígio!

Recorte de jornal

Publicado no Sergipe Jornal, em 27 de outubro de 1926.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários