HENRI CLAY, SENSATO. OPOSIÇÃO, INÁBIL

0

 

Esta última semana foi frenética para o presidente da OAB/SE, Henri Clay Santos Andrade. Precisava definir se iria para o terceiro mandato com o apoio integral da maioria dos advogados ou lançar um nome de confiança do grupo. Dúvida esta vivida até as últimas horas do encerramento das inscrições. A estratégia estava na divisão da oposição o que aconteceu com a inscrição das chapas lideradas pela defensora pública Emília Correia e o advogado Eduardo Macedo. Visto por esta ótica a oposição perdeu uma grande chance de virar a página depois de 15 anos e oxigenar a Ordem com advogados novos compondo os conselhos federal e estadual. Faltou tato para que os oposicionistas passassem o rolo compressor e iniciassem uma nova era na advocacia sergipana como aconteceu em outrora. Mas faltou-lhe direção.

 

O jeito judicioso de Henri Clay o fez desistir do terceiro mandato, pois seria muito desgastante. Primeiro porque a família não mais desejava, pois a Ordem teria tomado muito tempo e também por problemas emocionais que acarretariam abalo na saúde, fato este comprovado no ano passado, quando foi obrigado a afastar-se por causa de um problema no olho. Segundo pelas declarações do cunhado, César Brito, presidente da OAB Federal, que criticou a possibilidade do presidente Lula ir para um terceiro mandato, alegando ser uma quebra de democracia o que seria uma inflexão ao pensamento de César. Desta feita, optou o presidente em dar a OAB o que é da OAB e seguir a posição de César dando a César o que é de César.

 

A Chapa 1 (Ética e Independência, OAB Segue em Frente), a da situação, tem como candidato à presidência Carlos Augusto Monteiro Nascimento que atualmente é conselheiro federal, e a vice Maurício Gentil. No contexto geral não traz grandes novidades na sua formação. O Conselho Federal praticamente é o mesmo, inclusive com a presença do Henri Clay, enquanto que no estadual houve pequenas mudanças para garantir um apoio mais eficiente das associações de advogados. Na verdade, foi à chapa montada para Henri Clay ir para o terceiro mandato. De pronto, observou-se tristeza em sua inscrição, pois não foi tão calorosa como as duas outras vezes que Henri Clay foi candidato. Não houve manifestação de apoio contundente; não houve euforia entre os candidatos; não houve a certeza da vitória. O fato é que acreditar que Carlos Augusto Monteiro receba a transposição dos votos de Henri Clay é uma utopia, pois atrás do presidente sainte havia uma série de pessoas poderosas com interesses personalizados na eleição do mesmo. Pesava o nome dos parentes afins como do ministro Carlos Brito, de César Brito, a simpatia do governador Marcelo Deda que foi decepcionado quando da indicação do desembargador Edson Ulisses de Melo. A realidade é outra. Até mesmo os apaixonados por Henri Clay que devem favores ao mesmo, agora encontram-se livres para optarem democraticamente para um novo presidente.

 

A Chapa 2 (OAB de Todos), encabeçada por Eduardo Macedo, tem como vice a advogada Aída Campos. Com propostas inovadoras e respaldo junto à classe, Eduardo Macedo possui uma história de cooperação junto a OAB, já tendo participado de diversas Comissões, ou seja, está preparado para o cargo. Entende também que as sugestões e posicionamentos dos advogados efetivamente sejam colocados em prática, abrindo um leque de entendimento com a classe. Parte então para uma democracia plena. Outro ponto positivo é a participação das mulheres e efetivamente a defesa das prerrogativas da advocacia que ficará a cargo da advogada Aída Campos, um baluarte da advocacia sergipana, que teve sempre presente nas lutas mais acirradas, onde envolvia a defesa do advogado e os direitos humanos. Ademais, há um grupo forte que nutre uma simpatia por Eduardo, pois ele trata-se do novo. A chapa está enxuta e tem uma boa perspectiva para mudar a Ordem. Alguns advogados mais antigos já apostam que esta vai ser a chapa da vez. “Não tem vícios. É nova. Eduardo é sereno!”, bradou em alto tom um dos ícones da advocacia sergipana, ontem em um restaurante da cidade.


A Chapa 3 (Em Defesa dos Advogados), liderada pela defensora pública, Emília Correa, tem como vice Maurício Sobral. Emília além de defensora pública é bem conceituada junto à classe. Apresenta há quase dez anos um programa sobre questões de direito e nas últimas eleições para o quinto teve cerca de 400 votos. Enquanto isso Maurício Sobral representa a juventude da OAB. Advogado bem sucedido transita na ala dos antigos e dos novos com muita tranqüilidade levanta a bandeira dos trabalhistas que não são poucos. Antes da inscrição Emília foi indagada sobre seus projetos e não soube concatená-los de forma precisa. Hoje, com um discurso bem diferente da semana passada diz querer trabalhar pela melhoria nos serviços do Judiciário e acredita que os defensores possam a vir apoiá-la em bloco o que a motiva para continuar pela disputa. Por outro lado, com a edição da nova Lei da Defensoria Pública, onde fora alegado que esta não mais precisará da OAB, pode causar-lhe problemas, pois os advogados militantes entenderam esta posição como uma afronta a OAB e, em especial à classe.

 

Por fim, cada Chapa tem um perfil diferente e cabe aos seus líderes terão que convencer os pares durante estes dias que antecedem a eleição. A comissão eleitoral já foi implantada e deve nos próximos dias analisar com a cautela devida a documentação das mesmas e oficializar a candidatura. Como a semana ainda não acabou há grupos que tentam ainda costurar uma possível união da oposição com a finalidade de derrubar a situação, escrevendo assim uma nova história da Ordem dos Advogados do Brasil. Discute-se neste momento presidência de Comissões, indicações para Conselhos e sucessão em 2.0013. Esperamos os novos acontecimentos e que vença o melhor.

 

 

Dica de Livros

EDITORA SARAIVA. CONSTITUCIONALISMO DIRIGENTE E PÓS-MODERNIDADE de MIGUEL CALMON DANTAS, é um dos mais detalhados e completos estudos sobre o tema do Constitucionalismo Dirigente no Estado Brasileiro.Apresenta uma análise desde as origens do constitucionalismo moderno no sentido de caracterizar a prevalência do legislador e a imunização do mercado com relação às constituições, até o caminho das normas programáticas, partindo da absoluta ausência de juridicidade até a vinculação positiva e negativa sobre o legislador, com 424 páginas, custa R$ 96. /// ROTEIROS JURÍDICOS – ANTROPOLOGIA JURÍDICA de GUSTAVO SMIZMAUL PAULINO, coleção abrange todas as matérias do curso de Direito e fornece de maneira sintética e em linguagem objetiva o conteúdo necessário para que o estudante assimile seus principais pontos, até mesmo os que normalmente são exigidos em concursos públicos, com 152 páginas, custa R$ 23. Pode (m) ser adquirido site: http: // www.saraiva.com.br, ou pelos telefones: (11) 3335-2957.

 

(*) é advogado, jornalista com diploma, radialista, coordenador do curso de Direito da FASER – Faculdade Sergipana, mestrando em ciências políticas e Diretor Chefe da Procuradoria do DETRAN/SE. Cartas e sugestões deverão ser enviadas para a Av. Pedro Paes de Azevedo, 618, Bairro Salgado Filho, Aracaju/SE. Contato pelos telefones: 8816 6163 // Fax: (79) 3246 0444. E-mail: faustoleite@infonet.com.br.

 

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários