Hospitais privados e entidades médicas

0

Há pouco tempo este blog publicou um artigo mostrando que Sergipe é um dos poucos estados da federação que os sindicalistas vão as ruas com protestos apenas contra o governo estadual. A iniciativa privada não tem problemas e Karl Marx certamente, se vivo, veria que sua teoria da mais-valia seria frustrada em Sergipe, onde os sindicalistas cobram do poder público, mas na iniciativa privada têm um silêncio ensurdecedor.

 

Na última quinta-feira, 17, o Jornal do Dia, publicou uma excelente matéria de autoria da jornalista Cássia Santana, mostrando o desrespeito dos hospitais privados com os doentes e os problemas com os planos de saúde, principalmente a Unimed. Na matéria são citados os hospitais da Unimed, o São Lucas e  Primavera. A equipe do jornal procurou as direções dos respectivos hospitais, mas não teve resposta.

 

Mas quando o problema é em um hospital público é um “Deus nos Acuda”. Aparecem dirigentes de tudo que é entidade representativa, de médicos ao porteiro de plantão. Fazem manifestação, convocam coletiva, representações junto ao Ministério Público Estadual, federal e tudo mais. Sem falar que tentam até entrar a força em hospitais públicos para ver o que está ocorrendo lá dentro.

 

As perguntas que ficam para estes dirigentes: Haverá uma entrevista coletiva com as lideranças usando adjetivos grosseiros contra tais hospitais como o fazem quando é o setor público? Que dirão tais lideranças com relação á Unimed onde alguns deles são sócios, como cooperados, e ao mesmo tempo fiscais? Vão entrar á força nos hospitais privados?

 

E o pior: será que eles não sabem o dia a dia de alguns hospitais privados. Dia desses, um leitor deste espaço, exatamente no dia daquele vento forte que atingiu Aracaju, teve uma febre repentina e foi para o São Lucas. Lá disseram a ele que não havia nem uma cadeira para que ele pudesse sentar enquanto esperava e lhe aconselharam a buscar outro hospital. Já pensou essa cena num hospital público? Seriam tantas entrevistas. Infelizmente, a retórica política eleitoral fala mais alto num assunto tão delicado e que merecia respeito de todos os segmentos. Se tivessem colocado no lugar de Rogério Carvalho o nome que ele desejavam certamente tudo seria de outra maneira. Ou não?

 

A quem interessar possa: não envie mais e-mail lembrando que este jornalista é humano e também precisa de atendimento médico. Ele sabe. E  também sabe que, felizmente entre os médicos, a grande maioria, tem verdadeira dedicação a profissão e ao juramento de Hipócrates, mas como em todo segmento existem as exceções, que muitas vezes se destacam com demagogia no meio da multidão ávida por falsos profetas.

 

 

Palanque pesado: para mulheres solução é a burca

Depois do comentário de ontem, 18, sobre o palanque pesado de Déda, vários leitores enviaram sugestões para os aliados históricos dividirem o mesmo espaço com os neo-aliados, alguns deles alvistas que não mudaram seus votos. Para as mulheres a solução é o uso da burca, aquela veste que cobre todo o corpo, o rosto e os olhos das mulheres em alguns países muçulmanos. Já pensou a deputada Ana Lúcia usando uma burca para não ver o mega-empresário sergipano da refinaria ao seu lado no palanque?

 

Óculos escuros, bem escuros para os homens

Como não cairá bem os homens usarem a burca, a solução para os aliados antigos e ideológicos é usar grandes óculos escuros, de preferência daqueles com a lente que reluz fortemente, para não vê quem está ao seu lado nos palanques. E tomar cuidado também no interior, quando chegar para comer na casa de certas lideranças políticas, para não pegar sobra de comida, a exemplo de galinha de capoeira e outras.

 

Palanque com judeus e árabes

Pelo jeito o palanque de Marcelo Déda será uma filial da faixa de Gaza, dividindo judeus e árabes. É bom orientar a empresa que foi contratada para montar os palanques para fazer um reforço grande, ou melhor, um reforço triplo, quádruplo…

 

Investimentos significativos

Chamou a atenção a exposição feita pelo secretário da Fazenda, João Andrade, na audiência pública na AL esta semana. O volume de investimentos do atual governo é significativo. Cerca de R$ 1 bilhão. Em 2003 o voluma de investimentos era de apenas R$ 170,9 milhões. No governo passado foram apenas R$ 798 milhões. Ou seja, o atual já superou em R$ 250 milhões num período de infração baixa e que teve uma crise mundial no ano passado. Somente no primeiro quadrimestre deste ano foram investidos R$ 125,9 milhões.

 

Plotagem de veículos em Frei Paulo

O prefeito de Frei Paulo, José Arinaldo Filho, explicou ao blog que realmente dois veículos doados pelo governo do Estado (uma Kombi e o Ônibus escolar) estavam sem a plotagem, mas não foi determinação dele. Pelo contrário, assim que foi informado pelo blog tratou de solicitar a imediata plotagem dos veículos. Ele lembra que é oposição ao governador, mas respeita todas as ações do ponto de vista administrativo.

 

Pesquisas

Na coluna Periscópio de ontem, 18, do JC, o advogado Emanoel Cacho, pré-candidato ao Senado pelo PPS, anunciou que vai denunciar “um esquema fraudulento e sujo de se fazer pesquisas em Sergipe”. Cacho presenciou a equipe de um instituto, em Lagarto, descendo de um Kombi e uma entrevistadora foi fazer a pesquisa com ele. Perguntou em quem ele votava para o Senado e ele disse o nome dele. Ela informou que o nome não constava na relação. Oxente! Mudou a forma de fazer pesquisa espontânea? Mesmo que fosse induzida ela tinha que oferecer os nomes. Adivinhe, caro leitor, qual foi o instituto? Depois o nome dele vai aparecer com 0,00% na pesquisa.

 

Acordo com João Alves

Sobre o acordo com João Alves, Cacho deixou claro que a possibilidade existiria se o ex-governador fosse candidato ao Senado Federal. Como ele será candidato ao governo o PPS já tem Nilson Lima.

 

Vice pode ser Rosa Maria

Supersticioso João Alves quer indicar como candidata a vice, uma mulher, como fez em 202, quando Marilia Mandarino foi eleita vice-governadora. Muitas lideranças defendem o nome da ex-prefeita de Canindé, Rosa Maria. A chapa majoritária teria ainda Albano Franco e Reinaldo Nunes, do PV, como candidatos ao Senado. E Antônio Leite? Foi rifado?

 

Pagamento antecipado em Socorro

Os servidores públicos de Nossa Senhora do Socorro estão comemorando muito a notícia de que receberão o pagamento dos salários antecipadamente no próximo dia 22. Normalmente o pagamento em Socorro é feito entre os dias 27 e 29 de cada mês, mas devido às festividades de São João, o prefeito Fábio Henrique autorizou o pagamento adiantado para que o servidor e seus familiares possam curtir as festas com mais tranqüilidade. Essa iniciativa valoriza os servidores e já havia sido realizada no ano passado.

 

Humildade e debate político

A opinião pessoal de Jorge Santana – que hoje exerce um cargo público – sobre algumas bandas de forró, cujo estilo ele não gosta, publicada no twitter foi transformada em um debate político por alguns. Mostrando humildade e traquilidade, Jorge Santana postou no twitter um pedido de desculpas as bandas, afirmando que não gosta do estilo, mas respeita o trabalho de todas.  Ferramentas sociais como o twitter, que são espaços para opiniões pessoais, no período eleitoral estão sendo patrulhadas por todos.

 

Mudanças I

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Jorge Santana, pelo trabalho que desenvolve no governo não precisa de elogios, mas este jornalista sempre acompanhou de perto o desempenho desta área deste o primeiro governo de Albano Franco. Foi uma mudança significativa, não só deixando de ser uma pasta por indicações políticas, mas também de postura em relação ao empresariado.

 

Mudanças II

A boca miúda os empresários contavam histórias “cabeludas” de uma espécie de “pedágio” que existia para conquistar os benefícios para instalação de indústrias em Sergipe. Isso tudo acabou e o reflexo está no número significativo de empresas que estão se instalando em Sergipe, inclusive dando um novo ânimo ao empresariado local. Como exemplo o empresário Ricardo Franco que resolveu implantar uma moderna indústria no interior. Tudo com transparência, sem pedágio e muito menos politicagem.

 

Material informa à população sobre regras eleitorais

A Procuradoria Regional Eleitoral em Sergipe (PRE/SE) divulga ontem, 18, duas cartilhas informativas sobre as Eleições 2010. O material foi produzido com o objetivo de esclarecer a população sobre as principais regras eleitorais, os atos ilícitos, os crimes e o que os eleitores podem fazer para exercer da melhor forma possível sua cidadania nestas eleições.  Uma excelente iniciativa da PRE/SE, com o texto e revisão do procurador Ruy Nestor Bastos Mello.

 

Agenda em Porto da Folha

O governador Marcelo Déda tem hoje uma série de inaugurações no sertão sergipano. Começa em Porto da Folha, pela manhã, com a inauguração do Telecentro Comunitário, do Centro Integrado de Segurança Pública e entrega de reforma de uma escola e a ordem de serviço para construção de uma quadra de esporte. Vai também aos povoados Linda França, onde assina uma ordem de serviço e ao povoado Lagoa Redonda, onde inaugura uma clinica de saúde.

 

Canindé de São Francisco

Já a tarde o governador vai a Canindé onde  onde inaugura a Rodovia SE 230 que liga Canindé a divisa com a Bahia, visita as obras da Rodoviária, inaugura o Centro de abastecimento de água, uma Casa de apoio aos portadores de necessidades especiais, uma Casa da Criança Cidadã e a praça procurador José Gomes de Andrade.

 

Arraiá do Povo

Este jornalista comprovou ontem, 18, a organização do Arraiá do Povo localizado na Orla da Atalaia. O espaço está bem melhor dividido com organização dos bares e uma área com arquibancada para exibição das quadrilhas juninas. O local tem atraído não só sergipanos, mas os turistas. Apenas um detalhe para quem gosta de tomar uma cerveja com qualidade: o monopólio da Coca Cola. Ninguém merece Kaiser, Sol ou Bavaria.

 

Desrespeito no Bompreço

Ontem, 18, no início da tarde (entre 14h e às 15h), consumidores ficaram revoltados no Hiper Bompreço da Avenida Gonçalo Rolemberg, no bairro São José. Um total desrespeito, poucos caixas (e os que funcionavam não estavam trabalhando e sim “tartarugando”), sem empacotadores. E os clientes que foram reclamar tiveram uma surpresa: não tinha gerente.

 

Posse de Belivado

Foi concorrida a posse de Belivaldo Chagas na Seed. . “A nossa política de educação continuará sendo aplicada, e o significado da chegada de Belivaldo Chagas expõe a prioridade que é dada à educação em nosso governo”, destacou Déda. Ainda de acordo com Déda, Belivaldo tem as prerrogativas e a visibilidade para mobilizar o povo sergipano em torno dos princípios de uma educação eficiente que ajude o povo sergipano a ascender socialmente. “Consolidando nosso projeto de educação, nossa meta é além de oferecer mais qualidade de vida, tornar o nosso estado cada vez mais competitivo oferecendo novas oportunidades à população”, afirmou o governador.

 

Reconhecimento

Déda também fez questão de reconhecer e agradecer o trabalho realizado pelo professor José Fernandes de Lima à frente da Secretaria de Estado da Educação (Seed). “Alcançamos resultados históricos na educação pública sergipana durante os três anos e meio da gestão do professor Lima, a exemplo da aprovação recorde de alunos no vestibular, das reformas realizadas nas unidades escolares, a implantação do ensino técnico profissionalizante no estado, além do esforço para implantação de uma política educacional efetivamente democrática voltada à formação de homens e mulheres plenos”, reconheceu o governador.

              

Missão cumprida

Já o professor José Fernandes de Lima fez questão de agradecer ao governador Marcelo Déda pela oportunidade e apoio durante os três anos e meio em que se dedicou à pasta. “Creio que a missão está cumprida. Temos resultados que mostram que avançamos na educação e procuramos fazer o máximo. Hoje mesmo, por exemplo, teremos a solenidade de formatura da primeira turma do ensino técnico profissionalizante que implantamos e que oferecerá uma nova perspectiva à nossa juventude”, lembrou o professor Lima.

 

Recorde na abertura de empresas I

Dados da Junta Comercial do Estado de Sergipe (Jucese) apontam que no mês de maio deste ano foram abertas 421 novas empresas, o melhor resultado para o período nos últimos oito anos. Os dados mostram ainda um crescimento de 19% em relação ao ano passado, quando foi registrada a abertura de 353 novos empreendimentos.

 

Recorde na abertura de empresas II

Entre os meses de janeiro e maio desse ano, foram criadas 1.824 novas empresas em Sergipe, o que representou um crescimento de 1,1 % em comparação ao mesmo período do ano passado, quando foram abertos 1.804 empreendimentos. Para Lauro Vasconcelos, diretor-presidente da Jucese, passada a crise econômica os empresários continuam acreditando e investindo na economia local.

 

Selo e carimbo dos Correios homenageiam João Ribeiro

A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, por intermédio da Diretoria Regional de Sergipe e a Academia Sergipana de Letras, prestarão uma homenagem ao ilustre escritor sergipano, João Ribeiro, com o lançamento do um selo personalizado e um carimbo comemorativo. A homenagem que correrá durante cerimônia organizada pela Academia Sergipana de Letras, com apoio do governo do Estado e dos Correios, será realizada nesta segunda-feira (21), às 16 horas, no Palácio Museu Olímpio Campos, localizado na Praça Fausto Cardoso, s/n, Centro, Aracaju/SE.

 

Assinatura do artistas plástico Elias Santos

Tanto o selo quanto o carimbo, que tem assinatura do artista Elias Santos, trazem a imagem de João Ribeiro. O selo, além da foto do homenageado, apresenta, ao lado, a imagem de uma das árvores-símbolos do Brasil, que é o Ipê Amarelo. A solenidade contará com a presença de personalidades do meio artístico-cultural, membros da Academia Sergipana de Letras, direção regional dos Correios, representantes do governo do Estado, políticos, intelectuais e filatelistas.

 

Celi entrega Edifício em Maceió

A cada ano a Construtora Celi reafirma sua solidez e credibilidade em outros mercados. Na noite da última quinta-feira, 17 de junho, a Celi fez a entrega do Edifício José Guilherme de Albuquerque, em Maceió. O empreendimento, cuja beleza e imponência impressionam, está localizado na área mais nobre e charmosa da capital alagoana: o bairro Stella Maris. A Celi está em Alagoas para oferecer qualidade em termos de moradia, segurança, lazer e conforto. O Edifício José Guilherme de Albuquerque é fruto da parceria com a alagoana Teto Planejamento e Incorporações. Sob o comando do empresário Joaquim Santana, a Teto atua no mercado há mais de 25 anos e é uma das mais tradicionais construtoras alagoanas.

 

Caminho certo

“Estamos felizes com mais uma entrega da Celi e esta, agora, em Maceió. É uma grande satisfação ver toda a grandiosa repercussão do Edifício José Guilherme de Albuquerque e a aceitação do público. Este é o resultado de que a Celi está no caminho certo e, seja qual for o Estado, a empresa procura sempre oferecer o que há de melhor para atender todos os anseios dos nossos clientes”, comemora Luciano Barreto, presidente da Construtora Celi.

 

Expectativas superadas

Para Ana Cecília Barreto Oliveira, vice-presidente de negócios imobiliários da Celi, o resultado dessa parceria, superou todas as expectativas. “Esta foi, sem dúvida, uma verdadeira soma de competências visando um só objetivo: proporcionar o melhor para os nossos clientes. Essa união na construção do José Guilherme de Albuquerque resultou em um projeto muito bem elaborado. Estamos felizes porque nossos propósitos foram alcançados”, comemora. Com projeto arquitetônico de Heitor Maia, o Edifício José Guilherme de Albuquerque ficou incrível e foi aprovado por todos os clientes. Ele possui apartamentos de 4 quartos sendo 1 suíte e 1 reversível para dependência de empregada, além de 3 tipos de plantas. O empreendimento conta também com ampla cozinha, área de serviço, varanda, chuveiros aquecidos por energia solar, salão de festas e play júnior, medidores individuais de água e gás e até duas vagas de garagem.

 

Apoio ao GACC/SE

Está de parabéns a SEGRASE – Serviços Gáficos de Sergipe – pelo apoio dado ao GACC/SE – Grupo de Apoio à Criança com Câncer em Sergipe. O Diretor presidente da gráfica estatal, Luiz Eduardo Alves de Oliva, sensibilizado com a causa apoiou a instituição doando panfletos e cartazes para a campanha Torcida GACC Copa 2010. E todos também podem ajudar comprando os produtos como camiseta, porta-latas, squeeze e bandeiras. Acima de 5 produtos a entrega é em a domicílio. Vale lembrar que haverá uma carreata neste domingo saindo da frente da casa de apoio do GACC (Av. Desembargador Maynard, 654,Cirurgia – tel.: 3211.5642) com direção ao Bar Coqueiral na passarela do caranguejo para torcer pela seleção brasileira.

Aguada recebe o Programa “A Prefeitura nos Bairros”

 

DO LEITOR

 

Sobre palanques

Do leitor Diogo Barbosa de Souza: “Muito bem elaborada a análise da coluna do dia 18/06, achei oportuno fazer algumas considerações, está correto quando diz que apoios políticos por si só não ganham eleições na verdade acho que no caso em tela a questão é de perda de votos, analisando apenas a chapa majoritária de Déda este estará de uma só vez automaticamente impedido de falar em ficha limpa, renovação bem como fazer qualquer crítica a saúde no governo passado.Em contrapartida se o palanque de Déda está muito pesado e variado, o de João Alves está esvaziado, o PSDB em Sergipe está praticamente morto, praticamente sem prefeituras e com apenas uma cadeira na assembléia enquanto seu “líder” passeia pela Europa pensando como sempre apenas na sua própria eleição, o PPS é provavelmente o partido com os egos mais inflados de Sergipe qualquer cidadão com um mínimo de discernimento sabe que Nilson Lima e Emanuel Cacho (isso é claro, se souber quem eles são) não possuem força eleitoral alguma, o PV resolve lançar candidatos para todos os cargos (Reynaldo Nunes certamente empolgado com os 328 votos que recebeu para vereador) e canta isso como se fosse sinal de força ou coerência (ainda não entendi bem) enquanto tentam sufocar Anderson Goes que foi a única novidade que apareceu nos últimos anos, e o DEM que se prepara para ver sua bancada federal dizimada”.

 

Caos no trânsito

Do leitor Luiz Brandi. Vamos falar de 02 problemas: 1 – Carroças no transito, em qualquer lugar e a qualquer hora. Hoje, 18, às 14,40 h  transitando pela Rua Cedro, do Batistão até a praça da SSP, tinha duas carroças emperrando o transito, e mais adiante da praça até a Br. de Maruim mais duas carroças puxadas por     homens. Até quando isto vai continuar acontecendo? Sei que é um problema social, mas não podemos continuar convivendo com isto. 2 – Ônibus e micros das Cooperativas:     Quem duvidar pode ir comprovar que na rua Santa Catarina, da linha do trem até a praça do Siqueira, eles fazem de tudo para ultrapassarem os colegas, e ao chegar no ponto de ônibus daquela praça, muitos são obrigados a estacionarem no meio da rua, e os passageiros saltam ali mesmo, e também a embarcarem com riscos de acidentes O que custa obrigar a todos os ônibus nas áreas urbanas, andarem sempre à direita, salvo para ultrapassarem algum obstáculo, e proibir um ônibus ultrapassar a um outro em qualquer circunstancia”.

 

Estatuto racial e cotas

Do leitor Romualdo: “Na última quarta feira o senado aprovou o estatuto racial, retirando do texto as cotas raciais, dando igualdade a todos, como bem preceitua a constituição federal. Indago: Como ficarão as universidades brasileiras que aprovaram o sistema de cotas? Sabemos que as universidades têm autonomia, mas a lei não permitiu o sistema, logo, se antes já foi uma quantidade significativa de ações judiciais, imagine agora que o texto não contemplou as cotas”.

 

Dois anos da Lei Seca

Do leitor André Machado: “Hoje fiquei surpreso e alegre com uma reportagem da Globo News, onde esta afirmava, que, nacionalmente, ocorreu uma redução de mortes no trânsito de 6,2%, enfatizando-se o Estado do Rio de Janeiro onde a redução chegou a 32%, salvando-se naquele Estado aproximadamente 4.875 vítimas. O que me entristeceu foi que quando fui pesquisar sobre os dados nacionais acabei levando um susto, pois o nosso Estado em vez haver uma redução, ocorreu o contrário, isto é, houve um aumento de 9,1% de óbitos. Nesta reportagem é notório o motivo do êxito do Rio de Janeiro, simplesmente campanhas educativas, e muita, muita fiscalização, que é realizada todos os dias, e na maioria das vezes em local aonde ocorrem a maior probabilidade de possíveis embriaguês, isto é, fiscaliza-se onde tem muitos bares, shows e vias de grande movimentação noturna.Quando passamos para o nosso Estado, parece uma piada, pois fiscalização praticamente inexiste. Trabalho na Segurança Pública e muitas vezes acabo exercendo minha função na Delegacia Plantonista, e durante estes dois anos de Lei nunca vi chegar um caso de embriaguês ao volante que tenha sido descoberta em uma fiscalização realizada pela Polícia Militar, o que não posso falar em relação a PRF, pois esta constantemente faz fiscalização e leva diversas presos, e quando estes se recusam, ao menos são multados administrativamente. Agora quanto a Polícia Militar, já vi sim, após acidentes, pois quando os policiais chegam ao local e encontram um dos envolvidos no acidente embriagado, fazem o teste de alcoolemia e levam para DEPLAN. Estes dados não se resumem aos momentos em que trabalho na DEPLAN, mas também aos colhidos juntos aos outros plantões em que colegas participaram e coadunam com a minha triste constatação. Pergunto aos gestores da Polícia Militar, até quando veremos diversos motoristas embriagados dirigindo impunemente em nosso Estado, quando veremos em nosso Estado ações como a que ocorrem no Rio de Janeiro? Quando o Estado entenderá que sai mais barato para ele educar, fiscalizar e punir, do que socorrer vítimas, do que enterrar vítimas. Quando o nosso estado entenderá que a vida é muito importante”.

 

Aracaju – Capital Brasileira da Qualidade de Vida?

Do leitor Clemisson Pimentel dos Santos: “Na condição de bom cidadão aracajuano – pagador de impostos e amante de minha terra – sinto-me na obrigação de lhe escrever este e-mail. Em 05 de Abril de 2008, Aracaju recebeu o título de Capital brasileira da Qualidade de Vida. Uma simples reportagem da TV Globo se transformou em slogan da prefeitura de Aracaju, sendo usado inclusive para alavancar a candidatura de Edvaldo Nogueira – então candidato à reeleição. Este slogan é usado de forma tão constante e duradoura que, passados 2 anos, observei, ontem (16 de Junho de 2010), a presidente do PC do B, Tânia Soares, falar mais uma vez na tal qualidade de vida, enfatizando que o título é consequência de ações da prefeitura de Aracaju em diversas áreas. Mas até que ponto este título é verdadeiro ou não passa de uma grande mentira contada várias vezes para se tornar uma verdade? Quem ler a reportagem da TV Globo com mais afinco vai perceber que a tal qualidade de vida nada tem a ver com as praças e pinturas de meio-fio que a prefeitura vem realizando na cidade. Tratam-se de hábitos saudáveis da população, como se exercitar, não fumar, não consumir bebidas alcoólicas etc. Obviamente, algumas ações da prefeitura influenciam na prática de tais hábitos, mas a prefeitura insiste em passar a ideia de que a qualidade de vida está relacionada à infraestrutura, saúde e educação de Aracaju. Ora, todos sabem que as cidades de melhor qualidade de vida de FATO, estão situadas no sul do país. Cidades com maior cobertura de rede de esgoto, melhor educação e melhor saúde que se desdobra em melhor IDH (Índice de Desenvolvimento Humano). Será que nossos políticos nunca visitaram Curitiba ou Florianópolis, por exemplo? Além disso, essa pesquisa da FGV – apesar de a instituição ser bastante respeitada – é extremamente duvidosa. A prova disso é que essa mesma pesquisa foi realizada recentemente e Aracaju ficou apenas com a 13ª colocação, perdendo até mesmo para Maceió que ficou em 7º lugar. Ora, como pode uma população mudar tanto de hábitos em apenas 1 ano? Será que agora a prefeitura vai enaltecer e vincular essa nova colocação com a infraestrutura, saúde e educação da cidade? Está na hora de a prefeitura deixar o marketing de lado e voltar a trabalhar. Aracaju evolui a passos de tartaruga. É inadmissível uma capital de apenas 544 mil habitantes sofrer com tantos problemas de infraestrutura como sofre a “capital da qualidade de vida”. Vejamos: trânsito extremamente estressante por conta de vias estreitas e mal-sinalizadas (a prefeitura não consegue nem re-pintar a sinalização horizontal da Av. Beira Mar); ruas e avenidas que só vivem alagadas quando chove por conta da drenagem ineficaz; vários canais (que se transformaram em esgotos) a céu aberto (13 de Julho e Jardins são os dois maiores esgotos disfarçados de bairros que existem na cidade); rede de esgoto pífia (menor que muitas cidade do interior da Paraíba); calçamento de ruas quase não existe, a não ser quando convém (ruas que ficam nos entornos de certos empreendimentos imobiliários); falta de conservação dos espaços públicos (as tão faladas ciclovias estão defeituosas em vários trechos); entre vários outros problemas que podemos notar no dia-a-dia da cidade. E quais obras a prefeitura faz para resolver estes problemas? Uma ponte de 103 metros sobre o rio Poxim cuja construção vai demorar mais de 1 ano? Praças e mais praças que custam os olhos da cara? Cadê a duplicação do viaduto do Detran anunciado na campanha de Edvaldo? Cadê a linha vermelha que seria construída com o governo do estado? Cadê o mergulhão na Avenida da Contorno? Cadê a cobertura dos canais na Farolândia e Bairro São José? E as obras no Santa Maria e Coqueiral? Será que é necessário esperar 4 anos pra ver metade dessas obras finalizadas?”

 

Nunca antes na história desse país I

Do leitor Dinho Santana: “Transcrevo aqui trechos do artigo publicado na coluna de seu xará Cláudio Humberto no último dia 13/06, do advogado criminalista professor de Direito Penal e Direito Processual Luciano Pontes Bandeira – OAB/BA 22.291; O crime organizado de braços dados com o poder – Crime transnacional – É certo que a sociedade como um todo buscou a sua evolução na aplicação da lei penal, e os resultados poderão ser vistos numa diversificada legislação que o direito brasileiro possui. Não se pode esconder que em muitos casos a lei é colocada em vigência, mas a sua eficácia é duvidosa e causa desconfiança em boa parte da população, perdendo, então, o que os doutrinadores chamam de segurança jurídica. Quanto mais à população se informa ou se prepara para combater o crime organizado, mais se tem a certeza de que as organizações criminosas estão envolvidas em todo tipo de delito que se possa imaginar: da boca de fumo na esquina às megaoperações de lavagem de dinheiro. Segundo estudos do Banco Mundial, algo em torno de 20% a 25% da economia global passam pelos cofres de organizações criminosas – aproximadamente US$ 12,5 trilhões. Dinheiro esse que circula em todos os países do mundo, e com os avanços tecnológicos, se torna mais difícil o seu controle por conta do chamado capital transnacional. A atividade criminosa ultrapassou as fronteiras e deixou de ser algo amador”.

 

Nunca antes na história desse país II

Continua Dinho na sua transcrição: “Tudo vira lucro – É muito dinheiro, movimentado por uma variedade quase incalculável de contravenções. Extorsão, chantagem e contrabando são as clássicas, operadas pelas máfias desde os seus primeiros passos, na Sicília do século XIX. Mas tem também o bilionário negócio do tráfico de drogas que tomou proporções assustadoras desde a década de 1960. E as atividades ilegais mais recentes, típicas destes tempos do mundo globalizado e ausência de fronteiras econômicas: tráfico de armas (inclusive nucleares) e seres humanos, fraudes eletrônicas, biopirataria, imigrações clandestina. A lista de delitos parece não ter fim. Até lixo tóxico vira lucro nas mãos dos mafiosos, tornando a vida da população mundial insuportável. As pessoas, os cidadãos de bem, depositam enorme esperança nas ações dos governantes para que o combate ao crime organizado seja efetivo, pleno e alcance os resultados esperados; porém, quando existe a falta de uma legislação bem elaborada, controle do capital criminoso que entra e sai do país e pessoas do mais alto escalão do poder envolvidas com as organizações criminosas, ou até mesmo chefiando essas organizações, a situação poderá tornar-se irreversível. Organizado, só o crime – No Brasil, o Código Penal Brasileiro, que teve a sua origem na década de 1940 tentou coibir a atividade delitiva implementada por grupos, bando ou quadrilhas através do art. 288 do referido diploma legal, o que na verdade não surtiu efeitos significativos até mesmo pelo que foi exposto até o momento, temos tais grupos em constante evolução e modernização. O combate ao crime organizado necessitava, como até hoje necessita, de instrumentos céleres, como polícia bem preparada e que usa a inteligência em suas investigações, mecanismos de controle do capital que entre e sai do país e um corpo de leis adequadas à realidade brasileira. O crime organizado, mesmo presente em todos os continentes do mundo, não é tratado pelos governantes brasileiros, bem como pela União, de forma adequada e sistematizada, onde algumas leis são introduzidas no ordenamento jurídico pátrio sem que provoquem efeitos positivos ou até mesmo que as organizações sofram baixas consideráveis; ao reverso, o crescimento dessas instituições criminosas se apresenta em escala geométrica, ao passo que as investidas do Estado se apresentam em escala aritmética”.

 

Nunca antes na história desse país III

Conclui Dinho a transcrição: “Dentro do poder – Embora possa parecer lúdico ou até mesmo fazer parte dos contos de ficção policial, no Brasil fica claro que as organizações criminosas estão realmente entranhadas nas mais diversas esferas do poder, quer seja no Executivo, Legislativo ou Judiciário. São escândalos de mensalões dos partidos políticos no Congresso Nacional e Distrito Federal, vendas de sentenças nos Tribunais de Justiça dos Estados, desvios de dinheiro através de ONG”s, Vereadores que recebem contribuições mensais de Prefeitos para votações, lobistas circulando por todos os gabinetes ou palácios de chefes do executivo, sem falar nas milícias formadas por bandidos e policiais que criaram no Rio de Janeiro um Estado dentro do próprio Estado. Isso é o que podemos chamar de Crime Organizado, mas legislação eficaz para o combate dessa prática delitiva não existe no corpo de leis vigente no Brasil. Para a população restou o medo, a desconfiança nas instituições, mortes e revolta. Quem poderia dar um alento ao povo, ascendeu ao poder e tomou de assalto a esperança de todos, pois nunca antes na história desse país se viram tantos homicídios, tráfico de drogas em todos os lugares, políticos corruptos, o Secretário Nacional de Justiça passeando com contrabandista em missão oficial e até assassino estrangeiro sendo tratado como ativista político”.

 

Nunca antes na história desse país IV

Comenta Dinho: “Acho justo tudo que diz o senhor Luciano Pontes, só pecando por omissão em não citar que para tudo isso aí colocado, muito se tem a contribuição da nacional Ordem dos Advogados do Brasil – OAB, com seus advogados “Fichas Sujas”, os quais dão sustentação jurídica as:  “vendas de sentenças nos Tribunais de Justiça dos Estados, desvios de dinheiro através de ONG”s, Vereadores que recebem contribuições mensais de Prefeitos para votações, lobistas circulando por todos os gabinetes ou palácios de chefes do executivo, sem falar nas milícias formadas por bandidos e policiais que criaram no Rio de Janeiro um Estado dentro do próprio Estado.” Somos reféns isso sim dos seus pares, pois não se consegue vislumbrar um único advogado punido pela ordem!… Faça-me o favor ou a todo um país… Desorganize o corporativismo da ordem e puna os “Fichas Sujas”, é justo e direito sem tomar de assalto a última esperança de não termos que optar pelo crime, que de “Organizado”, expõe a desorganização de um país tão marginal, onde a Ordem só faz critícar sem punir!” Luciano Pontes Bandeira – é advogado criminalista (OAB/BA 22.291) e professor de Direito Penal e Direito Processual.

 

Participe ou indique este blog para um amigo:

claudionunes@infonet.com.br

 

Frase do Dia

Todos sabemos que cada dia que nasce é o primeiro para uns e será o último para outros e que, para a maioria, é só um dia mais”. José Saramago, escritor português que faleceu ontem, 18, aos 87 anos.

 

 

 

 

 

 

 

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários