Icoaraci (PA) – Artesanato marajoara e sabor amazônico

0

Entrada da Feira do Paracuri

Você já ouviu falar nas cerâmicas marajoaras e tapajônicas da Feira do Paracuri? Pois bem. É em Icoaraci, a 20km da capital Belém, que esse artesanato é o protagonista das visitas de centenas de turistas que lá chegam. Na Feira de Paracuri se concentra a comercialização das peças em plena margem da baía do Guajará. Não deixe de visita-la pertinho do entardecer, onde o pôr do sol também ostenta um lugar no imaginário dos turistas.

A cidade está localizada na Grande Belém e é um dos distritos paraenses que mais se desenvolveu nos últimos anos industrialmente no ramo da pesca, da madeira, da mercearia e do palmito, do turismo, sendo considerada um centro comercial da região.

Em visita a capital paraense, não titubeie em deixar para comprar as réplicas das peças marajoaras e tapajônicas na denominada Vila Sorriso do Pará. Icoaraci se destaca como importante polo de artesanato em cerâmica, instalado precisamente no bairro do Paracuri, onde se produzem réplicas de vasos típicos de antigas nações indígenas, a partir de peças catalogadas pelo Museu Emílio Goeldi.

Orla agradável à beira da baía

O bairro do Paracuri também abriga o Liceu Escola de Artes e Ofícios do Paracuri "Mestre Raimundo Cardoso", criado para transmitir e preservar as técnicas de produção dos artefatos cerâmicos.

O bairro é o centro turístico mais visitado da cidade por lá apresentar uma boa infraestrutura de bares e ser um local bucolismo em plena zona metropolitana. Uma das margens da baía é cortada por um igarapé, onde se extrai a argila com a qual são feitos os artefatos, movimentado a economia local.

Na denominada Feira de Paracuri os objetos são expostos em bancadas e negociados diretamente com comerciantes que dão um bom desconto. Os traços variam de artista para artista e o turista observará que a depender das peças os preços acompanham o detalhe da obra, passando de artesanato popular para verdadeiras obras de arte.

Atracadouro é ponto de transporte

Um outro polo econômico do distrito que também vende os tradicionais souvenires amazônicos é a feira da Oito de Maio, situada no bairro da Campina, uma feira a céu aberto das mais movimentadas de Belém, sendo a mais frequentada de Icoaraci.

O município também é o centro cultural da região amazônica, já que preserva diversos grupos folclóricos de danças típicas (Asa-Branca, Vaiangá, Balé Folclórico da Amazônia, Grupo de Expressões Culturais Art Marajoara), de músicos (Mestre Verequete, Nazaré Pereira) e do poeta Antônio Tavernard, que lá viveram, entre outros expoentes da arte amazônica que ainda lá vivem, como Mestre Cardoso (ceramista) e professora Etelvina (dança folclórica), ambos pioneiros na arte em que atuam.

Paladar – No mesmo trecho da Feira de Paracuri o visitante se delicia com uma orla arborizada, ventilada, mas ao mesmo tempo calorenta.

Orla de Icoaraci

Mesmo assim, vale a pena solicitar ao garçom o cardápio de um dos bares à beira-rio e se servir dos tradicionais pratos típicos da culinária paraense (Tacacá, Maniçoba, Pato-no-Tucupi), com destaque para a Caldeirada com frutos dos rios amazônicos, seja nos restaurantes da orla, seja nos quiosques que circundam a praia do Cruzeiro.

Os sabores das ervas amazônicas são apreciadas em quase todos os pratos do Pará, a exemplo do jambu, servido no Tacacá e até mesmo no gosto apurado do caldo de Tucupi. Diferentes dos sabores baianos ou capixabas, os peixes são servidos com leves sabores de ervas, que dão um toque especial a culinária amazônica.

Visual – Quando o paladar está saciado com os sabores amazônicos, a sugestão é esperar o porquê de a região ter sido nomeada com a palavra tupi Ico-araci (sol do rio, onde o sol repousa).

Artesanato marajoara

Muitos turistas visitam a cidade ao fim da tarde para se instalarem no melhor local da orla e aguardar o tradicional pôr do sol. Ao entardecer, a paisagem ganha um filtro natural amarronzada, tornando único o espetáculo local, acompanhado do barulho da forte brisa e do balançar das folhas de açaizeiros nos quintais das residências.

Observe os barcos saindo das margens da baía em direção à ilha de Marajó e deixe o tempo passar. Icoaraci permite que o turista tenha a sensação que o tempo passa bem lentamente.

Dicas de viagem

  • O clima da cidade acompanha o da região e, por vezes, chove no fim da tarde. Mesmo com uma forte brisa, a sensação é de muito calor.

  • Icoaraci possui algumas hospedagens, mas a dica é visitar a cidade em sistema bate-volta partindo de Belém.

  • No aguardo do pôr do sol

    A capital paraense possui uma infraestrutura hoteleira nova e que agrada aos turistas que preferem o custo/beneficio ou hotéis luxuosos. O bairro concentra bons hotéis.

  • Os sabores da culinária amazônica puxam para os gostos mais primitivos das ervas e temperos naturais. O tacacá é servido em vários locais e a folha de jambu é opcional. Caso não goste da dormência provocada pela folha, a sugestão é solicitar o tacacá sem a folha.

  • Na capital paraense há restaurantes que tem atraído os olhares de especialistas da gastronomia por utilizarem gostos e sabores bem brasileiros em pratos internacionais.

  • Não é recomendado banhar-se nas praias ao longo da orla de Icoaraci. Caso queira conhecer os rios da região, consulte um agente de viagem e embarque até mesmo no porto da cidade.

Gastroterapia

Peixe com camarão no tacupi
Tacaca

A cozinha paranaense é considerada genuinamente brasileira por não possuir influências europeias nem africanas, mas indígenas. O pato no tucupi, o tacacá, a maniçoba, entre outras delícias como o açaí, são encontrados facilmente nos restaurantes da região.

Os sucos considerados regionais e exóticos combinam com os sabores leves dos pratos e muitas frutas são transformadas em sobremesas, a exemplo do açaí, bacaba, cupuaçu, castanha-do-pará, bacuri, pupunha, tucumã, muruci, pequi e taperebá.

Em visita a Icoaraci, não deixe de provar os peixes no molho do tucupi, caldo da mandioca previamente fervido com alho e ervas.

O tacacá é preparado com camarão também com tucupi e uma goma feita de mingau de massa fina e branca, resultado da lavagem da mandioca ralada, além da cobertura do jambu.  O tacacá é servido em cuias, acompanhado ou não com molho de pimenta-de-cheiro, e é encontrado geralmente nas esquinas de Belém, em barracas das famosas "tacacazeiras". É um prato originário dos índios.

Na Bagagem

Maceió (AL), festival e tocha olímpica

Manifestações folclóricas alagoanas

A prefeitura de Maceió, através da Fundação Municipal de Ação Cultural (FMAC)e da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer, vai receber o símbolo das Olimpíadas com evento realizado de 26 a 29 de maio na Praça Multieventos, reunindo cultura, esporte e gastronomia.

Durante quatro dias, 40 grupos de cultura popular e 26 bandas e grupos de artes cerâmicas do Estado vão integrar a programação da tocha olímpica, que também em parceria com Associação Brasileira dos Restaurantes e Bares (Abrasel/AL), realizarão o 1º Festival Sabores de Alagoas.

Em Aracaju (SE), a tocha olímpica passará nos dias 28 e 29 de maio. A programação ainda não foi divulgada.

Sergipe na telinha da Rede Globo

A cantora Maysa Reis e os sabores de Sergipe estiveram no programa Encontro com Fátima Bernandes, na Rede Globo, nesta terça-feira última, 19. O canguejo sergipano e o aratu da divisa com a Bahia foram vistos como sabores do Brasil. Sergipe apareceu bem na telinha.

Feiras gastronômica e de artesanato em Aracaju (SE)

Maio será o mês que a Prefeitura de Aracaju, por meio da Secretaria da Indústria, Comércio e Turismo (Semict), Fundat e Emsurb, lançará as "Feiras de Artesanatos e Comidas Típicas de Aracaju", que tem como objetivo possibilitar a valorização e o desenvolvimento do artesanato local, com melhoria das condições de vida, promoção do turismo e geração de renda.

A princípio, as feiras começarão a ser realizadas nos seguintes locais: Mirante da Treze de Julho / Bairro Inácio Barbosa / Orla do Bairro Industrial / Praça Fausto Cardoso / Praça General Valadão, em dias específicos a cada semana, tendo a fiscalização da Emsurb, da Vigilância Sanitária, e o apoio da Guarda Municipal.

6ª Feira Internacional de Arte Rio de Janeiro – ArtRio

A feira de artes mais badalada do país já tem data confirmada para sua 6ª edição acontecer no Pier Mauá. A Feira Internacional de Arte do Rio de Janeiro – ArtRio será do dia 29/09 a 02/10 de 2016 e ocupará 4 armazéns com importantes galerias do Brasil e do exterior, reunindo obras de grandes artistas do mundo todo.

Feira Internacional de Turismo do Mato Grosso

O Centro de Eventos do Pantanal, em Cuiabá, recebe a Feira Internacional de Turismo do Pantanal a partir de quarta-feira (20). O evento tem o objetivo de promover e divulgar os produtos turísticos do Estado em âmbito nacional e internacional e reúne gastronomia, artesanato, negócios, demonstração gratuita de esportes de aventura e apresentações culturais até domingo (24), das 18h às 22h. Durante os cinco dias de feira, a organização espera que mais de 100 mil pessoas passem pelo local.

Fotos: Sílvio Oliveira

Contato: silviooliveira@infonet.com.br

Siga-nos: www.facebook.com.br/tonomundo

Comentários