Igrejinha dos diabos!

0

Há anos que o padre Zezinho adverte em sua música para “que ninguém interfira no lar e na vida dos dois” e “que ninguém os obrigue a viver sem nenhum horizonte”. Só agora, contudo, a Igreja Católica resolveu punir o padre e também cantor Antônio Maria por ter abençoado o casamento do prefeito Sukita, que já tinha casado outra vez, mas não quis continuar vivendo sem nenhum horizonte, tendo procurado outra mulher para ser o seu “céu de ternura, aconchego e calor”. Irada, a Santa Madre Igreja puniu o padre cantor, proibindo-o por cinco anos de fazer qualquer celebração em Sergipe e de ganhar uns ‘trocados’ com seus hows musicais no Estado. A punição ao reverendo serve para mostrar, mais uma vez, que essa Igreja Católica é o diabo, a ponto de achar que, em pleno século XXI, o povo vai se assustar com ameaças de excomunhão. Certos estão os incrédulos, pois podem juntar os trapos quantas vezes desejarem, defender a legalização do aborto, fazer sexo a torto e a direito, usar preservativo, brincar carnaval o ano todo e, o melhor, votar em Dilma Rousseff sem ter que ouvir sermões ultrapassados e decorar ladainhas enfadonhas.

Quer apostar?

A coluna aposta uma mariola como não vai dar em nada a tentativa do procurador eleitoral Paulo Coutinho Barreto de cassar os futuros mandatos do governador Marcelo Déda (PT) e de seu vice Jackson Barreto (PMDB). Ele os acusa de terem usado recursos públicos para reunir em Palácio lideranças visando lhes pedir apoio eleitoral. Acusação mais grave foi feita há quatro anos, quando Déda participou de uma festa pública organizada pela Prefeitura de Aracaju. Na época, também foi denunciado de usar recursos públicos para se beneficiar política e, como todos sabem, não deu em nada.

Título indigesto

O médico Antônio Samarone deixa a Secretaria da Saúde de Aracaju e leva pra casa um título indigesto. Ao ouvir o vereador oposicionista Josenito Vitali (DEM) considerar Samarone um grande herói, o pedetista Fábio Mitidieri disse que “só se for herói da pereba”, numa alusão a afirmação do ex-secretário, que chamou o vereador Moritos Matos de perebento.

Missão difícil

Com ou sem pereba, o vice-prefeito Sílvio Santos (PT) vai ter muito trabalho para colocar a saúde de Aracaju em ordem. Indicado pelo prefeito Edvaldo Nogueira (PC do B) para substituir Samarone, Sílvio terá que acalmar os profissionais de saúde e conseguir recursos para abastecer os postos com remédios e outras coisas. Certamente, o novo secretário vai fazer todo tipo de promessa para que o futuro Congresso aprove o retorno da CPMF. Do contrário, terá que pedir uma ajuda financeira ao seu xará e milionário Sílvio Santos, o do Baú da Felicidade.

Petróleo e gás

Estão abertas as inscrições para a V Rodada de Negócios dos Segmentos de Petróleo, Gás, energia e Mineração de Sergipe, que será realizada nos próximos dias 24 e 25.  Os interessados poderão se inscrever através do site www.rodada.com.br. A coordenação da Rodada informa, ainda, que no dia 26 ocorrerão oficinas de orientação para o cadastramento com a Gestão local de Fornecedores da Petrobras; Cadastro Coorporativo da Petrobras CRCC; Vale; Transpetro e Votorantim Cimentos.

Sem mudanças

Assessores da presidente da Assembléia, deputada Angélica Guimarães (PSC), garantem que ela não pretende promover reboliços no Parlamento durante o curto período em que comandará a Casa. A parlamentar deverá, inclusive, reunir os diretores do Legislativo para discutir como pretende administrar a Assembléia até o começo do ano que vem.

Conversa mole

Não tem qualquer sentido o debate em torno de quem fará o futuro presidente da Assembléia, se o governador ou o presidente do PSC, Edvan Amorim. Alguns dizem, inclusive, que se o político cristão emplacar o substituto de Angélica Guimarães será uma derrota para Marcelo Déda (PT). Ora, e Amorim não é aliado do petista? Por esse raciocínio, o governador perdeu em 2007, quando Ulices Andrade (PDT) foi eleito para presidir o Parlamento. Derrota seria se os deputados elegessem presidente o deputado Venâncio Fonseca (PP) ou Augusto Bezerra (DEM).

Bar em Bar

Aberta ontem, prossegue até o dia 5 de dezembro a quarta rodada do Festival Bar em Bar. Além de deliciosas porções, bebida gelada e atendimento de qualidade, o festival traz como conceito principal os bares, espaços democráticos por natureza. Promovida pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), a ação conta com a participação de 26 bares e restaurantes de Aracaju, Laranjeiras, Canindé e Pirambu. Para conferir os estabelecimentos envolvidos acesse o site www.barembar.com.br.

Capitão do mato

É gravíssima a denúncia feita pelo deputado estadual Venâncio Fonseca (PP). Segundo ele, o sargento Petrúcio, responsável pelo policiamento de São Domingos, prendeu um cidadão, amarrou em uma árvore na principal praça da cidade e o espancou até cansar. Não importa a acusação que pese sobre a vítima do militar, mas este não tem o direito de fazer o que fez. Foram-se os tempos do pelourinho e do capitão do mato. Espera-se que, comprovada a denúncia, o comando da Polícia Militar puna o sargento com os rigores da lei.

Do baú político

Você sabia que o território de Aracaju poderia ser ainda menor do que é hoje? É que, em 1959, por pouco a Assembléia Legislativa não aprova a emancipação política do bairro Atalaia. O professor Ariosvaldo Figueiredo, em seu livro História Política de Sergipe – volune 4 – conta que  o deputado estadual Nepoleão Dória (UDN) apresentou um projeto criando o município de Atalaia. Com o apoio do vereador aracajuano João Alves Bezerra, o parlamentar udenista fez grande lobby para aprovar sua proposta, tendo convencido alguns colegas que a idéia era genial, embora não apresentasse argumentos que justificasem a separação territorial. Escolhido para relatar a matéria, o deputado Celso de Carvalho (PSD) elaborou um consistente parecer mostrando o absurdo da idéia, tendo conseguido o apoio da maioria dos parlamentares, que reprovaram o projeto absurdo de Napoleão Dória.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários