Indignação gritante

0

Há uma indignação gritante, dos sertanejos, em relação a medidas emergenciais que devem ser adotadas em casos de catástrofes. Até o momento não chegou uma única ajuda do Governo Federal para as enchentes do Nordeste. O Governo do Estado está atuando dentro dos seus limites máximos. As Prefeituras Municipais utilizando as últimas forças para fazer alguma coisa em favor de uma gente ilhada, humilhada, faminta, sedenta, sem casa e exposta a todo tipo de doença. É muito difícil explicar, como um presidente Lula, que emergiu do povo, que saiu de suas origens, que conhece bem as dificuldades dos sertanejos para qualquer tipo de situação de emergência, burocratizar o socorro às vítimas de uma região problemática. É desumano esse tipo de comportamento dos Ministérios vinculados a área, porque ninguém se preocupou em visitar os locais, onde a água fez um estrago na vida de uma população que, durante todo o tempo, sofre o castigo das grandes estiagens. Hoje, pela primeira vez, o ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes, vai reunir as bancadas federais de todo o Nordeste, para ouvir informações sobre a situação do sertão nordestino. Parece brincadeira: só depois que centenas de dezenas de casas foram destruídas, milhares de pessoas desabrigadas, pontes caídas, estradas destruídas, doença, sede e fome, é que o ministro Ciro Gomes vai querer avaliar a situação do sertão nordestina. Logo Ciro Gomes, que é da região e conhece profundamente todas as dificuldades dos sertanejos, está reunindo as bancadas para saber dos estragos. Sinceramente, parece descaso. O momento não é mais de reuniões inúteis, mas de ações concretas. Mas de ações emergenciais. Não dá para burocratizar a miséria.Um cidadão que teve sua casa destruída, que está com fome, sede e frio, isolado em um povoado invadido pelas águas, está sem condições de esperar por resultados de reuniões, para que chegue a ajuda necessária. Este homem, com mulher e crianças, precisa de assistência urgente, porque além de ter que recompor toda a sua parca estrutura de vida, está exposto às doenças que normalmente situações de enchentes trazem e formam uma epidemia. Houve uma pausa nas chuvas, é verdade. Mais o trabalho é agora, porque a enchentes se foi mais deixou os problemas. O Governo do Estado fez a sua parte, as prefeituras continuam trabalhando dentro das condições mínimas que possuem e a situação está precariamente controlada. Mas ainda não chegou uma única ajuda do Governo Federal, qualquer migalha, que se notasse a presença de Luiz Inácio Lula da Silva, um cidadão que já conviveu com todo esse tipo de contradições climáticas, mas está ignorando a miséria que graça em uma região transformada pelo excesso de água. Qualquer outro presidente, mesmo aqueles que não têm o menor compromisso com a gente do sertão, já teria sobrevoado toda a região e utilizado de aviões da FAB para o transporte de alimentos, água e remédio. É quase inacreditável que um homem como Lula, que pisou no chão esturricado do semi-árido, não tenha a sensibilidade de retornar à suas origens para ver a miséria do excesso de água que provoca a destruição e morte. Seria trauma do passado? Ou vergonha de ter integrado um conglomerado de pessoas excluídas dos podres poderes, os quais ele hoje é a parte mais importante e em condições de oferecer soluções definitivas. Mesmo com Lula, um retirante do Nordeste, o sertão continua ao Deus dará. Dessa vez foi água em excesso, na próxima sol causticante, mas nunca o sertanejo viverá a normalidade climática que tanto almeja. Sempre dependente dos poderes, sempre pedindo socorro a alguém e sempre servindo de escada para eleger políticos incompetentes, profissionais da miséria para transformá-la em votos. Esse quadro tem que mudar, porque o sertanejo continua sendo um forte, mas tem que aprender a ser mais esperto na hora de escolher quem realmente merece o seu apoio e quem lhe dá assistência permanente. Chega de ser marionete nas mãos de quem não tem nenhuma responsabilidade com a sua eterna exclusão social. MEDIDAS O Governo Federal deve baixar hoje uma Medida Provisória (MP) mudando o processo de emergência para utilidade pública. A idéia é agilizar os procedimentos burocráticos, para facilitar o tramite do processo e dá rapidez à liberação de recursos. ESTRADAS A MP também vai permitir que órgão como o Denit (antigo DNER) passe a atuar em estradas vicinais e rodovias estaduais. A Defesa Civil também terá o poder de facilitar o trâmite, com direito a decretar estado de calamidade pública até mesmo de Brasília. MINISTRO O ministro da Saúde, Humberto Costa, deve vir a Sergipe amanhã, sobrevoar a área atingida, ao lado do governador João Alves Filho. O prefeito Marcelo Déda foi que trabalhou para isso e queria também trazer o presidente Lula, que hoje vai ao Piauí. O presidente não poderá vir a Sergipe. DÉDA O prefeito Marcelo Déda disse, ontem, que fez o seu papel para ajudar as cidades do interior, sem nenhuma conotação política. Acrescentou que oficialmente o governador João Alves Filho é que acompanhará o ministro e fará um relato da situação do Estado. REUNIÃO O ministro Humberto Costa vai sobrevoar toda a região atingida pelas enchentes provocas por chuvas e por vazão do rio São Francisco. Logo em seguida retorna a Aracaju e terá reunião com todos os prefeitos de cidades atingidas, para anunciar as primeiras medidas. BENEDITO O presidente regional do PMDB, Benedito Figueiredo, acha que não deve falar sobre candidaturas a prefeito, nem o deputado Augusto Bezerra deve se expressar. Para Benedito, “não tem jeito, o partido terá que tomar uma posição sobre as eleições municipais em conjunto”. PORTA ABERTA Benedito Figueiredo disse “pessoalmente não fecho as portas para ninguém” e acha que muita coisa pode acontecer. Lembrou que nas eleições estaduais houve a verticalização e o PMDB, que estava com Albano Franco, passou a apoiar João Alves Filho. NACIONAL Benedito Figueiredo quis mostrar que se o PMDB apóia Lula a nível nacional e a Executiva fechar com os candidatos do bloco petista, não há como fazer. Lembrou que o deputado Jorge Alberto tem interesses federais que divergem dos estaduais e tem que adotar uma posição no final. GASTOS O Governo do Estado já gastou mais de R$ 1 milhão para recuperação de estradas e pontes destruídas no sertão, além de alimentos e medicamentos. Só para a recuperação da ponte que liga Canindé do São Francisco a Poço Redondo custou R$ 200 mil. HELICÓPTERO O governador João Alves Filho (PFL) viajou ontem pela manhã para continuar dando assistência às populações atingidas pelas enchentes. Com a lotação do aparelho completa, dois auxiliares do Governo tiveram que ficar. Retornaram do aeroporto. Acharam ótimo… SÃO FRANCISCO A água do São Francisco já chegou ao teto dos bares da orlinha de Propriá. O pessoal já está se preparando para um avanço das águas no comércio. Em Brejo Grande a situação também é complicada, porque já existem desabrigados. O governador João Alves Filho também visitou a região de helicóptero. PONTE Uma ponte sobre o riacho Campos Novos, em Porto da Folha desabou e com ela um caminhão. A ponte ligava a sede ao povoado Lagoa do Rancho. O acesso a Porto da Folha por Monte Alegre ficou interrompido. Para chegar ao município o percurso é por Gararu. CODEVASF O deputado federal Jackson Barreto (PTB) insistiu para uma visita do presidente da Codevasf, Francisco Oliveira, para ver a situação do baixo São Francisco. Conseguiu convencê-lo a vir a Sergipe. Francisco desembarca hoje a Aracaju e segue amanhã para visitar a região, ao lado de Jackson, do senador Valadares e de Paulo Viana. Notas PRÉ CAJU O Pré Caju tem início amanhã. É uma festa que sempre serviu de ponto de discussão sobre as eleições do ano. Enquanto uma multidão pula diante dos trios, um grupo forte confabula sobre sucessão municipal. Na oposição, com a mais absoluta certeza, as conversas vão girar em torno do candidato a vice de Marcelo Déda (PT). Já está praticamente certo que o atual prefeito disputará a reeleição, embora ainda não tenha declarado isso publicamente. Como nenhum outro nome da oposição tentará ser cabeça de chapa, a questão do vice será o ponto das conversas. GOVERNO O pessoal integrante dos partidos que dão sustentação ao Governo, vai analisar o candidato do grupo, que já tem dois nomes declarados: Susana Azevedo, pré-candidata pelo PPS, e Gilmar Carvalho que vem trabalhando como candidato anunciado do Partido Verde. Pedrinho Valadares ainda é nome em discussão. Tem também a senadora Maria do Carmo Alves (PFL) que já declarou a possibilidade de disputar o pleito, caso encontre alguma brecha na legislação. A senadora ainda se mantém cautelosa, mas não é nome descartável. BASTIDORES As conversas mais sigilosas ficarão por conta da oposição, que se prepara para indicar o vice de Marcelo Déda. Os partidos que integram o grupo do prefeito não podem fazer declarações públicas quanto ao nome escolhido, porque corre o risco de provocar uma discussão que não interessa ao projeto eleitoral. Não haverá camisas e nem bonés com nomes de possíveis candidatos, para não parecer provocação, embora todos estejam na luta pela posição. Ninguém, entretanto, subestime a capacidade dos marqueteiros nestas horas. É fogo O presidente regional do PMDB, Benedito Figueiredo, viaja a Brasília, na próxima semana, para tomar um café com o presidente nacional do partido, Michel Temer. Benedito Figueiredo deve ouvir como conduzir o partido nas próximas eleições e a proximidade da sigla com o presidente Lula. O pré-candidato à Prefeitura, Gilmar Carvalho (PV) garante encher de verde o local aonde vai se realizar o Pré Caju. Ele adquiriu cinco camarotes. A pré-candidata Susana Azevedo (PPS) manteve os dois camarotes de todos os anos, mas vai preparada para distribuir bonés e camisas com o seu nome. Almeida Lima reafirma que os nomes dos candidatos aliados à Prefeitura de Aracaju não atraíram o eleitorado. O senador Almeida Lima diz que o seu partido, o PDT, terá candidato, que não precisa ser necessariamente filiado a ele. A deputada estadual Ana Lúcia Menezes (PT) defende o direito dos sem-terra em ter um curso superior. Não será surpresa se o deputado estadual Antônio dos Santos (PSC) fizer composição com a deputada Susana Azevedo (PSB). Os “peixinhos” do PSC, entretanto, não estão querendo uma composição proporcional com o PPS, com receio de serem afogados pela sigla. O PL e o PSC vão brigar muito para terem a preferência dos evangélicos nas eleições de outubro. O presidente regional do PL, Heleno Silva, espera eleger o maior número possível de vereadores na capital e interior. Um deputado estadual do Pará vem curtir o Pré Caju e como não encontrou camarote, foi presenteado com um pelo seu colega sergipano Fabiano Oliveira. Por Diógenes Brayner brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários