Intestino irritável: como evitar e como conduzir seu tratamento

0

Os homens querem sempre ser o primeiro amor de uma mulher, mas as mulheres são donas de um instinto mais sutil: o que lhes agrada é ser o último romance de um homem ( Anônimo )

A síndrome do intestino irritável é uma doença que causa bastante desconforto intestinal e geralmente está correlacionada a fatores emocionais.

Devemos chamar a atenção que os desconfortos no aparelho digestivo podem estar associado a diversos motivos, sendo que um dos que mais se destaca entre eles é a síndrome do intestino irritável, um problema muito comum nos jovens e, principalmente, nas mulheres.

Dor abdominal e alterações intestinais são problemas que causam muito incômodo, e curiosamente podem estar ligados a uma doença puramente funcional, ou seja, pode não existir qualquer lesão ou tumor que esteja provocando o quadro abdominal.

Quando ocorre esta irritação dos nervos do intestino, podem acontecer duas situações: a primeira é a hipersensibilidade, o que significa que ao ser examinado manualmente pelo médico, através da palpação abdominal, quando então é estimulada a dor, o paciente se incomoda muito mais do que alguém que não tem a síndrome; o segundo efeito afeta os movimentos intestinais, e como sabemos que a enervação atingida controla o ritmo intestinal, poderá então ocorrer uma aceleração, desencadeando uma desagradável e inconveniente diarreia, ou então poderá de forma paradoxal desenvolver um retardamento, causando consequentemente uma prisão de ventre.

A produção excessiva de gases, que muitas vezes ocorre nesses pacientes, também poderá causar muito desconforto abdominal.

Entre os alimentos saudáveis que podem desencadear este quadro estão o feijão, a lentilha, o brócolis, o repolho e os cereais, porém muita atenção com medidas extremosas, porque mesmo quem tem a doença intestinal não deve excluir totalmente estes alimentos da dieta, apenas consumi-los de forma equilibrada.

Devemos salientar que a ocorrência de sintomas como distensão ou sensação de estufamento abdominal, períodos de diarreia ou de prisão de ventre, flatulência excessiva e sensação de esvaziamento incompleto após a evacuação, são sintomas que devem levar o individuo a procurar um médico.

Um conselho extremamente saudável é de que portadores deste distúrbio devem evitar farinha branca, refrigerantes e bebidas alcoólicas e investir em pro bióticos , sendo que a regra básica da alimentação saudável consiste na escolha de alimentos que supram nossas necessidades nutricionais, tornando-nos saudáveis e evitando, assim, doenças oportunistas ou que se desenvolvem por erros alimentares.

Atualmente se encara o alimento de forma ainda mais abrangente, ou seja além de ser nutritivo, ele deve ser funcional, possuir componentes que influenciam determinadas funções do organismo, ajudando na proteção e na manutenção da saúde, frisando sempre que a prescrição dietética deve ser feita exclusivamente por um Nutricionista.

Sintomas que levam a queixas frequentes de cólicas, abdômen inchado, gases, flatulência, crises de constipação, diarreia, além de uma referência maior a enxaquecas e dores crônicas são comuns em pessoas portadoras do distúrbio funcional conhecido como Síndrome do Intestino Irritável, que está relacionada a uma falha no movimento peristáltico -( ondas formadas dentro do intestino pra movimentação dos alimentos e do bolo fecal )- e também pela falta de coordenação do cólon e tubo digestivo.

Torna-se muito importante salientar que possuir a coordenação motora funcionando de maneira adequada é absolutamente necessário para gerarmos o bolo fecal e fazermos ele se movimentar adequadamente no intestino, sendo que essa coordenação depende do movimento peristáltico e de alguns agentes químicos que atuam nas fibras musculares, provocando contrações e nos ajudando a expulsar o bolo fecal, ressaltando ainda que esses agentes químicos ou mediadores, são tão importantes que a medicina hoje considera o intestino como um segundo cérebro.

Para entender o seu grau de importância, um estudo feito na França, e publicado pela Universidade de Paris, no ano de 2019, declarou que havia um aumento de 40% no risco de desenvolver depressão dentre os pacientes portadores da Síndrome do Intestino Irritável, que por sua vez, infelizmente atinge cerca de 20% da população mundial, tendo sua maior incidência no sexo feminino.

ALGUNS CUIDADOS QUE DEVEMOS TER COM O INTESTINO
O intestino acumula uma série de tarefas essenciais, entre elas, a nobre função de absorver nutrientes e eliminar toxinas, sendo que para isso torna-se fundamental possuir uma flora intestinal saudável, e para que isso seja obtido deve-se evitar: o uso de medicamentos laxantes continuadamente e sem orientação médica, o consumo excessivo de leite e derivados (por que em geral portadores dessa Síndrome costumam ter algum grau de intolerância à lactose) ,devemos também evitar o consumo de condimentos picantes, de alimentos refinados (como a farinha branca), industrializados com excesso de conservantes e corantes, formadores de gases (como repolho, brócolis, feijão, batata doce entre outros),doces em geral, ou alimentos ricos em açúcar, bebidas alcoólicas, refrigerante e bebidas gaseificadas.

Devemos recordar que para a proteção de nossa flora intestinal, devemos preferencialmente utilizar alimentos ricos em fibras não absorvíveis, pois eles favorecem a formação adequada do bolo fecal, é lógico no entanto que a orientação deve ser fornecida de acordo com a tendência de cada individuo, ou seja, ele pode apresentar com maior frequência episódios de constipação ou diarreia, para uns mais fibras absorvíveis, para outros, mais fibras não absorvíveis.

Equilibrar a flora intestinal, deixá-la com mais bactérias benéficas do que com bactérias maléficas, evitando alimentos que desequilibram a flora e acrescentando probióticos em sua alimentação diária é uma atitude protetora do intestino e do sistema imunológico.

A principal função dos alimentos acrescidos de probióticos é além de ajudar no equilíbrio da flora intestinal, diminuir reações alérgicas e doenças inflamatórias intestinais, portanto se eles forem utilizados de forma adequada e correta, com certeza irão ajudar a diminuir o Ph intestinal, estimulando a produção de antibióticos naturais pelo organismo , melhorando a barreira intestinal, e conseqüentemente, irá impedir a passagem de bactérias para o sangue.

Algumas espécies de probióticos auxiliam na digestão da lactose (açúcar presente no leite), reduzem a constipação e a diarreia, aliviando os sintomas dos portadores da Síndrome do Intestino Irritável, já outras estimulam o sistema imunológico, a produção de vitamina B e inibem a multiplicação de causadores de doenças, além de restabelecerem a flora.

É muito importante frisar que os laticínios, como por exemplo o leite fermentado e os iogurtes são as principais fontes desses micro-organismos, mas hoje eles já são vendidos, em forma de sachês em farmácias e drogarias, além do que observamos que na atualidade também encontramos alimentos, que não contêm lactose, enriquecidos com probióticos, sendo que a grande maioria dos médicos confirma que o seu consumo é seguro e livre para todas as faixas etárias.
Tratamento

O tratamento da síndrome tende a ser um conjunto de medidas, como por exemplo para controlar sintomas como o da dor, utiliza-se medicamentos antiespaslmódicos, no entanto, a parte mais importante do controle da doença pode ser simplesmente o cuidado com a alimentação. Além disso, algumas atitudes podem ajudar no tratamento da doença, como por exemplo manter atividade física regular, ter um padrão de sono adequado e uma dieta balanceada, que conjuntamente com certeza irão ajudar a melhorar sua qualidade de vida.

Por isso caros leitores, sejam pacientes com os dissabores da vida, evitem se aborrecer, e sigam a filosofia de um grande Sábio Chinês: “ Se duas pessoas discutem por algum motivo, e uma das duas tem que se irritar, com certeza será sempre a outra e nunca Eu a me irritar “.

Uma agradável semana a a todos e a todas…..com muita paz, luz e tranquilidade.

 

 

 

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais