Já que o assunto é 2018

0

Essa eleição para a escolha da direção do PT em abril pode definir o futuro de Rogério Carvalho na política. Na presidência estadual do partido ele ganha poder para decidir o próprio destino. E o que reserva o destino, segundo seu sonho guardado desde 2014, é ser ungido um dos dois candidatos a senador pela coalizão governista.

Melhor ainda para ele se o outro na disputa senatorial fosse mesmo o hoje governador Jackson Barreto. Mas aí é mais do que sorte, é sortilégio, é ter nascido com a cara para a lua.

Jackson já disse que não vai, mas tem muita gente torcendo para que ele vá. Belivaldo Chagas, por exemplo, também sonha em ter Jackson como um dos postulantes ao Senado apoiando a sua candidatura a governador.

A chapa perfeita, diriam: Belivaldo, Jackson e Rogério, o PMDB, o PT e o PCdoB de Edvaldo Nogueira. Mas nem tudo é tão simples assim.
Márcio Macedo está fechado com Rogério e sonha em retornar à Câmara Federal. Mesmo sonho de Iran Barbosa e desejo de João Daniel. Mas Laércio Oliveira cabe nesse projeto? E Ricardo Franco?

Do outro Lado, Eduardo Amorim firma-se como candidato a governador e sonha que Antonio Carlos Valadares volte atrás no seu anúncio antecipado de não mais disputar a reeleição, após três mandatos na câmara alta. Três vezes oito, vinte e quatro anos.

E a outra vaga na disputa para o Senado caminha para cair no colo de André Moura. Como recentemente disse Laércio Oliveira, o ex-prefeito de Pirambu e marido da prefeita de Japaratuba é corajoso, não tem medo de desafios. Por isso está se tornando grande na política.

O amigo Eduardo Cunha e o governo Michel Temer o tornaram maior e isso o faz sonhar em subir mais um degrau.

Mas José Carlos Machado cabe nesse projeto? Certamente. E Wagner Júnior, neto de um dos quatro grandes da economia local, o empresário Luciano Barreto?

E Ricardo Franco? Será ele o fiel da balança, estando de um lado ou do outro? A estreia do filho de Albano Franco na cata ao voto poderá decidir a eleição. Ou não.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários