Jogada de marketing

0

As lideranças políticas estão preocupadas apenas em impedir debandadas de filiados para outros partidos e atrair potenciais candidatos para suas fileiras. A idéia é proteger com unhas e dentes os currais até o próximo dia 5, último dia para filiação de quem deseja disputar as eleições de 2014. Sabendo que muitos políticos ainda estão sem endereço e que outros pensam em trocar de time, os irmãos Edvan e Eduardo Amorim vão promover um grande evento para conquistar cristãos novos. Marcado para sexta-feira que vem na Assembléia Legislativa, o encontro reunirá filiados dos mais de 10 partidos comandados pelos Amorim em Sergipe, além de políticos de vários estados. Será uma grande jogada de marketing para mostrar força política, atrair ovelhas desgarradas e fortalecer o grupo com vistas às eleições de 2014.

Banese

Sobre a intenção do prefeito de Aracaju, João Alves Filho (DEM), de retirar do Banese a administração da folha dos servidores municipais, veja o que escreve o jornalista Luiz Eduardo Costa: “Ninguém se sente obrigado, por maior que seja o seu sentimento de sergipanidade, a manter contas num banco que a todos trata com uma arrogante ou desinteligente indiferença”. Sobre o assunto, leia o Baú Político.

Não rompe

Para tristeza da oposição, o PSB não romperá com o PT nos estados em que as duas legendas são aliadas. Foi o que garantiu ao Estadão o governador de Pernambuco, Eduardo Campos. Ele citou como exemplo Sergipe e a Bahia, onde o PSB é aliado dos governadores petistas Marcelo Déda e Jaques Wagner.

Cidadania

E quem recebe hoje o título de cidadão sergipano é o economista e professor Ricardo Lacerda. A solenidade, que promete ser das mais concorridas, está marcada para as 17h, no plenário da Assembléia Legislativa. Natural do Recife, Ricardo é professor da Universidade Federal de Sergipe e reside há 29 anos em nosso estado. Taí uma homenagem super merecida.

Mercado

Muito bom o caderno Mercado, que estreou neste domingo no Jornal da Cidade. Editado pelo jornalista Marcos Cardoso, o novo produto dominical do JC abre um generoso espaço para a pujante economia sergipana. Nem precisa dizer que o novo caderno foi muito festejado pelo PIB de Sergipe e profissionais ligados ao mercado econômico.

É Primavera

Conhecida como “estação das flores”, a primavera começou ontem, marcando a mudança no regime de chuvas e temperaturas na maior parte do Brasil. Segundo o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos, no Nordeste haverá pouca variação de temperatura. Nos meses de setembro, outubro e novembro, a maior parte da região está na estação seca, onde há baixos registros de chuvas.

Quatro patas

O governador Jackson Barreto (PMDB) tirou o final de semana para prestigiar eventos rurais. No sábado, esteve em Itabi participando da 34ª edição da Festa do Jegue, que reúne milhares de pessoas e movimenta a economia da região. Ontem, Jackson participou da Cavalgada de Laranjeiras, evento que reuniu mais de mil cavaleiros.

Restrição

O PT não deve fazer aliança política com quem não possui afinidades programáticas e de princípios com o partido. Quem pensa assim é a deputada estadual e candidatada a presidente do PT sergipano, Ana Lúcia. Ela acha que a legenda precisa passar por uma grande transformação política, ideológica e programática. Para tanto, a deputada defende o aprofundamento da democracia participativa interna.

Tá fora

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, Carlos Britto, não pretende mais participar da vida partidária. Entrevistado hoje pela Folha de São Paulo, o sergipano diz que saiu “muito juiz do Supremo. Isso apagou em mim aquela antiga chama político-partidária”. Britto torce para que a amiga Maria Silva consiga registrar o Partido Rede de Sustentabilidade: “Foram coletadas mais de 600 mil assinaturas. Se houver presteza da Justiça, tenho para mim que dá tempo”, afirma.

Do baú político

Esta não será a primeira vez que a Prefeitura de Aracaju transfere do Banese para outro banco o pagamento dos servidores municipais. Em artigo publicado no Jornal da Cidade, o advogado José Lima Santana lembra que em 1993 o então prefeito da capital, Jackson Barreto (PMDB), transferiu a administração da folha de pessoal para o banco Mercantil que, para evitar filas em sua agência da rua João Pessoa, montava postos de pagamento nas secretariais municipais. A decisão de Jackson foi tomada diante da revolta dos servidores, insatisfeitos com a ‘central de pagamentos’ instalada pelo Banese no Distrito Industrial de Aracaju e que foi apelidada de ‘curral’. Mas esta não foi única vez que o Banco do Estado de Sergipe discriminou os servidores públicos. Antes do ‘curral’, a instituição criou dois tipos de cheques. Para os clientes em geral havia o talão verde, e para o servidor um rosa, que era recusado por todo o comércio e foi prontamente batizado de cheque goiaba.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais