Luciano Bispo e o “engana que eu gosto

0

“O jornalismo é o exercício diário da inteligência e a prática cotidiana do caráter.” Cláudio Abramo.

Em entrevista ao Jornal da Cidade  (edição de 9 a 11 de abril ) o presidente da Assembleia Legislativa de Sergipe, Luciano Bispo, PMDB, afirma que devolveu ao Tesouro do Estado a importância de 15 milhões de reais, provenientes do não pagamento das verbas de subvenções como se tratasse de economia em benefício do povo sergipano.

Ele esqueceu de afirmar que diante da malversação na utilização da destinação das referidas verbas e o cerco por parte da justiça

não foi possível mantê-las, bandeira que ele sempre defendeu pela manutenção desde do início de sua gestão como presidente. É só  pesquisar na imprensa.

Só para lembrar: cada deputado possuía a prerrogativa de apresentar emenda a LOA de cada exercício no valor de um milhão e meio, como são vinte e quatro, totaliza-se trinta e seis milhões. Com tanto zelo porque não efetuou a devolução no valor de sua totalidade?

A imprensa noticiou que o custo total mensalmente gasto mensalmente com toda estrutura chega a 150 mil. Neste momento de crise onde está a sensibilidade do presidente Luciano Bispo em pedir aos colegas a redução das despesas em prol do bem estar da população.

O deputado Zezinho Guimarães diz que o Estado não é uma máquina de fazer dinheiro, por ocasião da apreciação do Projeto de Lei que envolve mais descontos dos servidores públicos do Estado, num apelo dramático para salvar o Sergipeprevidência.  Bispo poderia também pedir a cada deputado que divulgue na imprensa todo o gasto com a estrutura e os respectivos cargos.

Seria bem melhor do que o gasto excessivo dos últimos meses com campanhas nos meios de comunicação para “salvar” a imagem tão desgastada da Alese. Aliás, seria bom que o TCE e os próprios promotores pedissem quanto Bispo está gastando com toda a mídia.

Para ser transparente Luciano Bispo tem que informar o que foi feito com os outros 11 milhões de reais das subvenções de 2015. Se não podia gastar. Teria que devolver todos os 36 milhões.

Faz-se necessário, portanto, explicações, transparência e cortar na própria carne.

Secretário nacional do PT faz duras criticas a JB e defende candidatura própria ou apoio a Edvaldo
Pelo facebook na última segunda-feira, 02, o secretário Nacional de Juventude do governo federal, o sergipano Jeferson Lima – ligado a Márcio Macedo – alertou que o PT não pode fazer alianças nas eleições de 2016 com golpistas.  “Jackson Barreto não honrou a Democracia, não foi fiel com Lula, Dilma, Déda, Zé Eduardo Dutra e o PT que sempre foram corretos com o atual governador”, escreveu.

Todos golpistas
Jeferson Lima lembrou que de Sergipe quem defendeu a democracia fora os  deputados João Daniel e Fábio Mitidieri. “Os outros são todos golpistas!Irei defender na direção nacional do PT, pelos nomes colocados hoje para a disputa em Aracaju, candidatura própria ou aliança com Edvaldo Nogueira do PCdoB”, avisou.

Devolução de inativos tramita despercebida na Alese
O projeto de Lei do Executivo 34/2016, que está tramitando na Assembleia Legislativa de Sergipe, sobre as Diretrizes para a elaboração da Lei Orçamentária exercício de 2017 destaca mudanças quanto às despesas com inativos e pensionistas.  O que chama a atenção é um artigo repetindo a redação de um projeto aprovado na Assembleia Legislativa da Bahia que trata da devolução dos inativos a cada um dos poderes, para fins de verificação do limite de gastos com pessoal. Mas, não deixa claro se cada Poder terá condições de arcar com ônus dos seus aposentados. Matéria da Infonet: https://.infonet.com.br/politica/ler.asp?id=185959&titulo=noticias

Georgeo Passos precisa dizer aos servidores do Estado de que lado ele está
Chamou a atenção na matéria da Infonet a declaração do deputado Georgeo Passos. Ele precisa dizer aos servidores do Estado de que lado ele está: se a favor dos benefícios conferidos aos Poderes, ou  a favor dos servidores que aguardam ansiosamente pela implantação dos seus planos. O nobre deputado precisa deixar de atuar com dubiedade em relação  a alguns temas.

Georgeo Passos precisa dizer aos servidores do Estado de que lado ele está
Ele que tanto se diz preocupado com o futuro da previdência do Estado deveria ser um dos primeiros a assumir a defesa da devolução e folha dos inativos para cada um dos poderes. Ou será que ele está pensando no próprio umbigo, enquanto servidor do Tribunal de Justiça, que pode não ter recursos para conceder aumentos futuros? Se for isso, o que dizer dos servidores do Executivo que em sua maioria ganham bem menos?

Apoio dos sindicatos ao projeto
É preciso que os sindicatos apoiem o governo na iniciativa e ocupem as galerias da assembleia cobrando a adesão dos deputados contra o pagamento do Executivo pelas dívidas dos outros poderes com a previdência.

Marqueteiro de Zezinho desesperado
E desde que deixou a secretaria de Estado da Saúde, Zezinho Sobral, pré-candidato do PMDB a prefeito de Aracaju concede diariamente entrevistas nas emissoras de rádio. O discurso é que “ele precisa ser conhecido”. O marqueteiro esquece que ele já é conhecido como gestor é só falar no caos na saúde, no câncer, aparelho quebrado, em falta de remédio…

Sergás
Há poucas semanas a frente da presidência da Sergás, o advogado e ex-prefeito Wellington Paixão já vem implantando algumas ações. Um amigo que o visitou ontem, 03, disse que Paixão está com uma disposição de menino, é o primeiro a chegar a empresa.

Municípios que pagaram toda folha salarial dentro do mês
O blog pede as assessorias dos municípios sergipanos que informem quais as Prefeituras que pagaram a folha de pessoal de abril em dia. Leia-se folha pagamento dos servidores efetivos, comissionados, contratados, aposentados e pensionistas.

Atraso em Aracaju
Alguns professores da rede municipal de Aracaju denunciam que a Prefeitura de Aracaju, mesmo com os recursos do Fundeb, não pagou os salários deles de abril e nem mesmo informou alguma previsão. Um professor chegou a criticar a falta de pagamento e aos gastos com propaganda no dia 1º de maio afirmando que a PMA valoriza o servidor.

Sargento Vieira assume diretório do PDT de Aracaju
Faxaju (Munir Darrage): O sargento reformado da policia militar, Jorge Vieira da Cruz, é o mais novo presidente do Diretório Municipal do PDT em Aracaju.Vieira que recentemente foi para a reserva da policia militar, após assumir uma cadeira na Câmara Municipal de Aracaju, assinou pela primeira vez  sua filiação, 48 horas após a sua posse na CMA, conforme determina a legislação eleitoral, especifica aos militares.

Respeito a família militar
Contente, Vieira elogiou o presidente do diretório estadual, o prefeito de Socorro, Fábio Henrique ao lhe oferecer a presidência do partido que até então era dirigido pela deputada Silvia Fontes.Para Vieira, “o prefeito Fábio Henrique demonstrou com isso o respeito que ele tem com a família militar. Hoje, pela primeira vez, um policial militar assume a presidência de um partido do porte do PDT. Eu fico feliz em poder assumir a presidência do PDT e vou procurar engrandecer cada vez mais essa agremiação que me aceitou com os braços abertos”, afirmou o sargento Vieira.

Audiência sobre o Hospital S. José
A deputada Maria Mendonça (PP) destacou os avanços registrados ontem (3), em favor do Hospital São José, em Aracaju, durante reuniões ocorridas no Ministério Público do Estado (MPE), da qual participaram, também, representantes do Hospital, da Secretaria Municipal da Saúde e do Ipesaúde. “Foi bastante proveitosa, pois saímos de lá com algumas definições importantes e que garantem a manutenção dos serviços daquela unidade de saúde que presta relevante atendimento aos sergipanos”, comemorou a deputada.

Consenso
Na reunião, conduzida pelo promotor Antônio Forte de Souza Júnior, da Promotoria Especializada dos Direitos à Saúde, uma das decisões consensuadas, ressaltou Maria Mendonça, diz respeito ao pagamento por parte do Ipesaúde de R$ 1,5 milhão. Desse valor, R$ 300 mil já serão repassados nesta quarta-feira (4) e o restante até o próximo dia 12. Ficou definida, também, a retomada do atendimento aos usuários do plano, cujo acolhimento estava suspenso por conta do débito.

Prazo
Foi concedido, também, um prazo de 72 horas à representante da Prefeitura de Aracaju para que possa combinar com o gestor da pasta uma data para repassar ao Hospital os cerca de R$ 2 milhões devidos. Anteriormente, o gestor havia revelado o desejo de repassar metade desse valor até o final do mês, mas diante das dificuldades e da possibilidade de suspensão do atendimento a pacientes encaminhados pelo município, estabeleceu-se novo encaminhamento, no sentido de antecipar pelo menos parte do valor.

Valor divergente

Como o Ipesaúde só reconhece uma dívida estimada de algo em torno de R$ 2,5 milhões (R$ 4,5 milhões a menos que o calculado pela direção do Hospital), ficou consensuado que o Ministério Público colocará um técnico à disposição do Hospital para que em, no máximo 20 dias, tenha-se verificado o real montante devido. “Tanto o Ipes quanto o Hospital darão celeridade a esse processo para que, o mais breve possível, essa situação seja resolvida definitivamente”, afirmou Maria Mendonça.

Bom senso
Para ela, depois de várias conversas e apelos, hoje efetivamente, as conversas avançaram e sinalizaram para uma definição que não imponha mais prejuízos aos trabalhadores e, principalmente, aos pacientes que carecem do atendimento. “Torcemos que o bom senso prevaleça e que tudo se resolva. Vamos continuar acompanhando e atuando na expectativa de que haja um desfecho satisfatório para os sergipanos”, pontuou a deputada.

Governo de Sergipe e a memória de Ofenísia Freire
Depois que o blog publicou na última segunda-feira,02, a denúncia de que A Secretaria de Estado do Meio Ambiente ainda não pagou a premiação dos alunos da modalidade de cordel,  da IX Olimpíada Ambiental, realizada em 2015, apareceram mais reclamações. Parece que é praxe em algumas pastas do governo. Será que o governador sabe? Se não há dinheiro ou patrocínio, como se lança um edital com tal promessa? De quem é a (ir)responsabilidade?

Governo de Sergipe e a memória de Ofenísia Freire II
A SEED e a SECULT em 2013 lançaram o edital com o Prêmio Literário Ofenísia Freire.  Depois prorrogaram as inscrições . E quando deveriam ter publicado o resultado em março de 2014, prorrogaram de novo. Nunca publicaram o resultado, questionamentos foram feitos, mas nenhum sinal, nenhuma resposta, todos os questionamentos foram ouvidos e não tiveram resposta à altura.Cadê o resultado? Cadê o prêmio para quem teria vencido? Qual a transparência para quem se inscreveu? Onde está o respeito à memória da homenageada? É assim que deve se entender o tributo à professora Ofenísia Freire?

Trânsito
Ontem, 3, o superintendente de Transportes e Trânsito de Aracaju Nelson Felipe ocupou a Tribuna Livre da Câmara de Vereadores para tratar de assuntos relativos ao trânsito e ao transporte no município. A sessão fez parte das comemorações da IV Semana Municipal de Trânsito, alusiva ao Maio Amarelo – um movimento internacional pela redução de acidentes.

Mobilidade
Em seu discurso, o superintendente destacou a importância da participação de todos na construção de um trânsito mais seguro. “Precisamos falar sobre mobilidade urbana a todo instante. Todos nós fazemos parte do trânsito, independente se condutores, pedestres, ciclistas ou motociclistas. Mobilidade urbana é um tema que deveria interessar a todos”, disse.

Dúvidas
“Agradeço o convite do presidente da Câmara, vereador Vinicius Porto. A nossa participação na Tribuna Livre serviu para esclarecer dúvidas dos parlamentares a respeito do serviço de transporte oferecido em Aracaju e de alguns projetos de melhoria da mobilidade urbana, como as obras na Rotatória do Caju e o projeto do BRT. Acredito que, a partir de hoje, os nossos vereadores estão mais informados sobre o trabalho que vem sendo desenvolvido pela Prefeitura de Aracaju, por meio da Superintendência”, finalizou Nelson Felipe.

Frei Paulo: MPE de olho em três OSCIPS que firmaram contratos com  município I
O prefeito de Frei Paulo através de licitações realizou contratos com o Instituto Sócio Educacional(ISES) em 2014, Instituto Evangélico Restaurar em 2015 e agora a OSCIP IBGP Brasil em 2016.As três instituições estão na mira do ministério público por suspeita de irregularidades nas contratações.O blog teve acesso a ata de uma das audiências onde as pessoas que foram ouvidas informaram que estão prestando serviço ao município através da OSCIP IBGP Brasil, por intermédio do prefeito, e falaram ainda que já trabalharam para o município de Frei Paulo através do ISES em 2014 e Restaurar em 2015, também por intermédio de José Arinaldo de Oliveira Filho.

Frei Paulo: MPE de olho em três OSCIPS que firmaram contratos com  município II
Em ofício respondido ao MP-SE pelo procurador do município, Pedro Morais, foi informado à promotoria que a prefeitura de Frei Paulo não poderia fornecer os nomes dos contratados pelo Instituto Evangélico Restaurar por não ter as informações, pelo fato de que o contrato com a OSCIP venceu no final do ano passado. Mas como funcionam essas contratações e qual o motivo para que o município não tenha cópia dos nomes dos contratados? Afinal de contas é de interesse da prefeitura para saber como os recursos estão sendo aplicados e ter um controle do quadro funcional tanto dos contratados, como efetivos e comissionados.

Falta de Transparência na Prefeitura de Frei Paulo
O SindFrei ( Sindicato dos servidores públicos municipais de Frei Paulo), teve que ingressar com um Habeas Data, que corre em segredo de justiça, no TJ-SE pelo fato de que todas as vezes que solicitaram do município a lista constando os nomes e ficha técnica dos comissionados, contratados e efetivos do município não obtiveram resposta por parte da prefeitura.Desta vez o sindicato procurou a justiça para que possa ter acesso às informações e dados solicitados, já que o prefeito  e seus auxiliares desobedecem a Lei de Acesso a Informação.

Brechó solidário do trabalhador
A Associação dos Amigos da Oncologia – AMO realiza mais uma edição de seu Brechó Solidário, neste mês de maio, com o tema dedicado ao mês do trabalhador. O brechó começa nesta quarta-feira, 4 de maio, e segue até a sexta-feira, 6, sem fechar para almoço, de 9h às 17h. O brechó será realizado na Rua Permínio de Souza, 270, bairro Cirurgia, em Aracaju.O evento expõe e comercializa peças novas e usadas com preços que cabem no bolso de todo mundo. As mais variadas peças e estilos de calças, camisas, bolsas e sapatos vão agradar os públicos masculino e feminino com preços que giram entre R$ 5 e R$ 20.

12º Feirão da Caixa da casa própria será realizado em Aracaju
A cidade de Aracaju (SE) receberá, de quinta-feira (19) a domingo (22), a 12ª edição do Feirão CAIXA da Casa Própria. O Feirão de 2016 acontece juntamente com o 12º Festimóveis, numa parceria da CAIXA com a Pacific Eventos. Mais de 2.850 imóveis novos ou usados estarão em oferta no estacionamento do Ferreira Costa. O foco desta edição são os imóveis da habitação popular, cobertos pelo Programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV) e pelo Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), cujo teto máximo é de R$ 170 mil.

Ofertas
Segundo o superintendente regional da CAIXA, Marco Antonio Queiroz, “temos certeza que as construtoras trarão ótimas ofertas para o Feirão deste ano, de forma que o sergipano venha para a Feira não só com o sonho de achar um imóvel do seu perfil, mas com a real possibilidade de que este sonho se concretize com o fechamento do negócio”, comenta.Neste ano, o Feirão CAIXA da Casa Própria de Aracaju (SE) contará com a participação de 13 construtoras, além de 5 imobiliárias, que ocuparão os estandes do evento.

Atendimento
Para requerer o crédito para a casa própria, no Feirão, basta levar documento de identidade, CPF e comprovante de renda. Os interessados também podem obter informações em todas as agências da CAIXA ou pelo Serviço de Atendimento ao Cliente (0800 726 0101), disponível 24 horas por dia, inclusive nos finais de semana.

Legião Urbana dia 20 de Maio em Aracaju
Com os remanescentes da formação primeira da banda,  Marcelo Bonfá e Dado Villa-Lobos, a Legião Urbana fará um show no

 próximo dia 20 em Aracaju, dentro da nova turnê “Legião Urbana XXX”, com a participação de vários outros músicos convidados. O show será na Arena de Eventos, na Coroa do Meio e terá o show de abertura com a banda sergipana Mary Joe. E ainda tem a eletrohouse do DJ Cello.  Ingressos Central do Ticket, no Shopping RioMar.

PELO TWITTER

www.twitter.com/alanbarretoso   O que significa jornalismo livre?Quem nunca fez não entenderá!

www.twitter.com/rlnascimentos  Buscando se proteger da justiça brasileira, donos do whatsapp se filiam ao PSDB.

www.twitter.com/LGustavoCosta13  Engraçado , uma juíza proibiu o livre direito de manifestação  consagrado constitucionalmente e ninguém se revoltou .

www.twitter.com/tomleao  uma coisa boa, de ficar sem whatsapp por dois ou três dias: não ouvir aquele maldito assovio.

www.twitter.com/ClovisCBMelo  Parabéns para o juiz sergipano. Ninguém está acima da lei. A ninguém é dado o direito de facilitar atos criminosos.

TROVA

Mais uma do Trovador Ladislau

O auxílio-moradia       
Já tem nova serventia

Um feliz mimoseado,
Que mora numa mansão,
Quando  lhe chegou à mão
Esse auxílio inesperado,
Ele, que é muito tarado,
Disse: É a sopa no mel.
Já que não paga aluguel,
Faz do auxílio-moradia
Um auxílio-putaria
E o gasta todo em motel.

                     Trovador LADISLAU

ARTIGO

 Respeitem os Papa-jaca!     Moacir Poconé*

Da ordem do Juiz da Vara Criminal de Lagarto, Dr. Marcel Montalvão, que determinou o bloqueio do aplicativo Whatsapp em todo o Brasil, derivaram os mais lamentáveis e indignos comentários sobre nossa cidade, nosso Estado e nossa região, o Nordeste. Pessoas desconhecidas e até mesmo famosas usaram outras ferramentas, como o Twitter ou comentários de sites na internet, para expressar toda sua fúria diante da medida do magistrado sergipano.

Não se quer aqui discutir se tal medida foi acertada ou não. O fato é que, retirado do ar o aplicativo do momento, todos os holofotes se voltaram para a terra dos papa-jaca, como somos chamados. Fato semelhante ao que ocorreu, meses atrás, por decisão do mesmo juiz, quando decretou a prisão do vice-presidente do Facebook por não colaborar com investigações criminais, relativas ao tráfico de drogas. Porém, a medida tomada dessa vez afetou diretamente mais de cem milhões de pessoas que usam o aplicativo para os mais diversos fins, o que certamente provocou a avalanche de críticas e ofensas que invadiu o mundo virtual.
Menosprezo aos habitantes, chacota com o nível de desenvolvimento, preconceito intelectual, tudo se viu nas ondas da internet. Até mesmo famosos como o apresentador Marcelo Tas, conhecido por defender minorias e exigir respeito em seus programas, manifestou-se de forma pejorativa ao chamar o magistrado lagartense de “juizinho”. Esqueceu-se de que uma decisão judicial tomada seja ela em Sergipe ou São Paulo tem o mesmo valor e mesmos efeitos. E, mais ainda, o juiz Marcel Montalvão, nesse momento, é o titular da Vara Criminal de Lagarto. Caso estivesse na capital, Aracaju, a medida seria aceita mais passivamente? É conforme o valor da cidade e seu destaque, em nível nacional, que as decisões judiciais são mais ou menos absorvidas? Fosse um julgador do eixo sul-sudeste se acataria silenciosamente a ordem? Ou ao menos se respeitariam os habitantes da região, ficando os xingamentos restritos ao autor da decisão? O que se viu foi um comportamento preconceituoso e xenofóbico, próprio de pessoas com a mente pequena, talvez um novo reflexo da microcefalia que afeta o nosso país.

O certo é que o povo nordestino, sergipano e, mais especificamente, lagartense não pode ser tratado da forma que foi, apenas pelo fato de um juiz, nas atribuições do seu cargo, usar as ferramentas que julgou necessárias no combate ao crime organizado.  A cidade de Lagarto, bem como seus habitantes, merece ser respeitada. Somos os papa-jaca, com orgulho! Somos a terra de Sylvio Romero, de Laudelino Freire, de Diego Costa, dentre tantos outros ilustres filhos. Do Maratá e sua força empresarial. Do grupo Parafusos e sua força cultural. Do campus de Saúde da Universidade Federal de Sergipe. Da tradição da maniçoba e do arroz com galinha. Também de gente anônima, honesta, que trabalha decentemente e luta por seu lugar ao sol, com suas dificuldades e desafios. Gente que não vive alheia ao progresso e nem à tecnologia. Que tem acesso à internet e às redes sociais. Que é brasileiro, assim como qualquer outro nascido no território nacional. Sem superioridade, nem inferioridade. Apenas igual.

*professor e servidor do Tribunal de Justiça de Sergipe.

ARTIGO

As Embarcações Tototós no Estuário do Rio Sergipe e o Ofício de Canoeiro: Patrimônio Imaterial Sergipano    Ivan Rêgo Aragão*

No dia 14 de maio de 2016 encerrou a exposição temporária “Tototó no Rio Sergipe”. Alocada no Museu da Gente Sergipana, esta exposição é o resultado conjunto de instituições para a salvaguarda, divulgação e continuidade de um patrimônio que faz parte da paisagem cultural, memória, cotidiano e identidade das comunidades de Aracaju, Barra dos Coqueiros, Nossa Senhora do Socorro, Santo Amaro das Brotas e Laranjeiras. Tendo sido iniciada em 11 de agosto de 2015, em nove meses, a exposição foi visitada por mais de 40.000 pessoas, segundo informações do citado museu.

Patrimônio Cultural Imaterial

Relativos à ampliação do conceito de patrimônio, o IPHAN coordenou estudos que resultaram na edição do Decreto 3.551, de 04/08/2000, instituindo o Registro de Bens Culturais de Natureza Imaterial e criando o Programa Nacional do Patrimônio Imaterial (PNPI). Consequentemente, essas determinações consolidaram o Inventário Nacional de Referências Culturais (INCR). Segundo o IPHAN, o PNPI, viabiliza projetos de identificação, reconhecimento, salvaguarda e promoção da dimensão imaterial do patrimônio cultural, visto que, é um programa de apoio e fomento que busca estabelecer parcerias com instituições dos governos federal, estaduais e municipais, universidades, organizações não governamentais, agências de desenvolvimento e organizações privadas ligadas à cultura e à pesquisa. Como informa Castro e Fonseca (2008), por patrimônio cultural de natureza imaterial entendem-se os saberes, os ofícios, as festas, os rituais, as expressões artísticas e lúdicas, que, integrados à vida dos diferentes grupos sociais, configuram-se como referências identitárias na visão dos próprios grupos que as praticam.

Patrimônio Cultural Naval Brasileiro

Em 2008, o IPHAN lançou o projeto Barcos do Brasil cujo objetivo central se pautava na preservação e valorização do patrimônio naval brasileiro por meio de ações de proteção e diagnóstico de embarcações, paisagens culturais, acervos históricos e fomento às atividades relacionadas com os barcos tradicionais – pesca, culinária, artesanato, festejos, ofícios, transporte de pessoas e mercadorias. Embora Sergipe possuísse a canoa de tolda Luzitânia em Brejo Grande (SE) contemplada com ações de salvaguarda, recebendo o Prêmio Nacional Rodrigo Melo Franco de Andrade de 2011 na categoria “Preservação de Bens Móveis”, posteriormente, ações de inventariação e diagnostico foram realizadas pelo IPHAN sobre o modo de fazer bote em São Cristóvão e canoa em Indiroba, ambos os municípios sergipanos.

As Embarcações Tototós como Patrimônio Sergipano

Através do Decreto-lei 7.320/11, sancionado pelo então governador do estado de Sergipe, Marcelo Deda, as embarcações denominadas “tototós”, desde 20/12/2011, são Patrimônio Cultural e Imemorial do Estado de Sergipe. As tototós são embarcações simples, construídas em madeira, com cabine para seus passageiros, que viajam sentados, cuja principal função é o transporte de passageiros. Possuem cerca de três metros de largura e 15 metros de comprimento e são batizadas com este nome graças ao som característico emitido por seu motor e popa. Segundo consta pelos estudos e pesquisa, estas embarcações transitam no estuário do rio Sergipe a partir do ano de 1948 (SANTOS; ARAGAO; SOUZA, 2016).

Após três anos de receberem o reconhecimento de bens culturais singulares do estado, foi realizado um projeto para a salvaguarda do oficio de canoeiro, área de ocorrência e conhecimento dos bens associados a estas embarcações. Tendo como pontapé inicial, ações de medidas compensatórias pelos impactos causados aos sítios arqueológicos Alphaville I e II, empreendimentos localizados no município de Barra dos Coqueiros (SE), este projeto de pesquisa e salvaguarda envolveu instituições como IPHAN, Alphaville Empreendimentos e Museu da Gente Sergipana. As equipes da Integratio Consultoria de Belo Horizonte em parceria com a Rosa dos Ventos Consultoria e Pesquisa de Aracaju foram responsáveis pelo levantamento bibliográfico, documental e pesquisa de campo. Como meio de entender as referências, sentidos e significados que o patrimônio cultural naval em questão possui para a população do entorno, a metodologia utilizada pela equipe seguiu a proposta do Inventário Nacional de Referências Culturais – INRC (BRASIL, 2000).

Durante o trabalho in loco foram realizadas produção fotográfica, vídeo documentário e entrevistas com os canoeiros a partir das suas funções (proeiro, popeiro e carpinteiro náutico). A fim de inventariar as tototós, ainda em campo, foram aplicadas fichas do Sistema Integrado de Conhecimento e Gestão – SICG para cada uma das vinte e três embarcações existentes. Com a utilização do software livre Quantum GIS, foi possível elaborar mapas temáticos que contemplaram o universo da pesquisa. Como base cartográfica, foi utilizado o atlas digital de Sergipe contemplando a localização da bacia hidrográfica e da foz do rio Sergipe; municípios sergipanos com presença e roteiro de navegação das tototós pelo baixo rio Sergipe.

Produtos Gerados após o Projeto de Pesquisa

Após meses de pesquisas bibliográfica e documental, trabalho de campo e visitas técnicas, foram gerados produtos como resultados do registro das ações para o reconhecimento e salvaguarda das embarcações para além de um patrimônio sergipano, mas no contexto de um bem cultural brasileiro. Dentre as publicações, foram produzidas as cartilhas das tototós, livro da pesquisa do IPHAN, catalogo da exposição temporária no Museu da Gente Sergipana, bem como, texto publicado em capitulo de livro de abrangência nacional, todos com a mesma temática: as embarcações tototós e o oficio de canoeiro. Além disso, foi montada a exposição no hall do citado museu para que os visitantes sergipanos e brasileiros pudessem se informar sobre a existência destas.   

Medidas de Continuidade para as Tototós

O projeto de salvaguarda das embarcações tototós e do oficio de canoeiro ressaltou a contextualização histórica, social e econômica das Tototós; o ofício dos canoeiros; o modo de fazer a embarcação. Identificou os canoeiros detentores de conhecimentos ligados à fabricação e manuseio das tototós; os bens relacionados ao ofício dos canoeiros e o contexto ambiental no qual estão inseridas estas embarcações, bem como, a delimitação da abrangência geográfica do ofício. Além disso, ações de continuidade foram propostas, tais como: aplicação das medidas de segurança interna das embarcações e dos atracadouros; desenvolvimento de estudos dos roteiros que poderiam ser realizados pelas canoas; realização de cursos, palestras ou aulas práticas voltadas à qualificação do atendimento dos canoeiros; cursos de carpintaria náutica ou naval e a construção da sede da associação dos totozeiros; elaboração de roteiros de turismo pedagógico, histórico-cultural e ecoturístico pela mesma associação em parceria com as agências de receptivo de Aracaju e, por fim, campanha publicitária voltada a apresentar as tototós como opção econômica, limpa e prazerosa de passeio.

A Memória dos Canoeiros

O projeto desenvolvido de janeiro a outubro de 2014 para a salvaguarda do oficio de canoeiro, área de ocorrência e conhecimento dos bens associados às tototós, acabou por resgatar as memórias dos canoeiros das 23 embarcações. Proprietários, proeiros e popeiros como José Edenilson, Pedro Henrique de Almeida, Antônio Fonseca Ramos, Arnaldo Moura Santos, Cícero Romão Farias Batista, Henrique Praxede dos Santos, Elenilson da Cruz (Careca), Aldair de Jesus Pereira, Gilvan Ferreira dos Santos, Joselito Santos, Denise Jesus, Adriano Jesus, José Carlos Moura, Maria José da Conceição, Maria Núbia Tavares e José Américo, relataram suas lembranças vinculadas às vivências do trabalho e modo de vida no contexto das tototós.

*Professor do Instituto Federal de Sergipe, mestre em cultura e turismo e membro da equipe de pesquisa “Tototós do Rio Sergipe”.

Publicações Consultadas

BRASIL. Inventário Nacional de Referências Culturais – INRC. Brasília: IPHAN, 2000.
BRASIL. Projeto barcos do Brasil. IPHAN, 2008.
BRASIL. Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/ .  Acesso em: 21 jan. 2014.

SANTOS, G. N. dos; ARAGÃO, I. R; SOUZA, A. M. B. Patrimônio cultural naval, história e meio ambiente: a salvaguarda das embarcações tototós na região do estuário do rio Sergipe. In: CAMPOS, J. B; PREVÉ, D. R; SOUZA, I. F. de. (Orgs.). Patrimônio cultural, direito e meio ambiente: perspectivas sobre diversidades, cultura e memória. Vol. II. Curitiba: Multideia, 2016.

Blog no twitter: https://.twitter.com/BlogClaudioNun

Frase do Dia
“A verdadeira filosofia é reaprender a ver o mundo.”
Maurice Merleau-Ponty, filósofo francês, morreu em 04 de Maio de 1961 (nasceu em 14 de Março de 1908).

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários