Mamando nas tetas

0

Diferente do contribuinte, que trabalha de sol a sol o ano inteiro, deputados e vereadores estão de férias até fevereiro de 2014. Eles chamam de recesso parlamentar esse longo período em que ficam sem fazer nada, embora recebendo mensalmente gordos salários. Durante os meses em que dizem trabalhar, os políticos defendem principalmente os próprios interesses, sem contar que muitos deles são corruptos de carteirinha, que fazem da atividade política um meio para se locupletar. Para estes, a população que se lixe, pois só serve mesmo para reelegê-los em troca de cestas básicas. É claro que há parlamentares sérios, comprometidos com as causas populares, mas são tão poucos que passam desapercebidos e nem sempre conseguem se reeleger porque se recusam a comprar votos. Pior é que, enquanto não for feita uma reforma política nesse Brasil, políticos safados e corruptos vão continuar mamando nas tetas.

Pagamento

Após ter recebido o 13º, os servidores estaduais já estão colocando no bolso o salário de dezembro. O calendário de pagamento foi iniciado na última terça-feira e vai se estender até segunda da semana que vem, quando recebem os servidores das autarquias, fundações e os beneficiados pelo Fundo Estadual de Saúde.

Balões de ensaio

Tem muita gente colocando o nome da rua como futuro auxiliar do governo de Sergipe. Desde que o governador Jackson Barreto (PMDB) anunciou uma reforma do secretariado no início de 2014, balões de ensaio são lançados na imprensa. Quase todos os dias aparecem nomes dados como certos para ocupar esta ou aquela secretaria. Isto vai continuar até Jackson anunciar oficialmente a reforma nos 1º e 2º escalões do governo. Depois, alguns vão dizer terem recusado o convite.

Avaliação

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sintese) reúne a imprensa amanhã para divulgar as notas atribuídas pelos professores aos setores educacionais do estado e das 75 prefeituras sergipanas. Será a partir das 8h, na sede do sindicato, localizada na rua Campos. Seria interessante que, assim como pede aos professores nota sobre a educação pública, o Sintese solicitasse à população que atribuísse uma pontuação para às atividades dos educadores. Com certeza, muitos seriam reprovados por falta de atenção à profissão que abraçaram.

Liberem a via

Com a proibição do aterro do Rio Sergipe pela Justiça Federal, bem que a Prefeitura de Aracaju deveria liberar ao trânsito aquele trecho da avenida Beira Mar, entre o Iate Clube e a avenida Anízio Azevedo. O grande volume de enormes pedras colocadas no asfalto comprovou que não há qualquer risco de afundamento da via. Aliás, a Justiça também deveria exigir que as pedras jogadas no rio fossem imediatamente retiradas.

Minirreforma

Uma das novidades trazidas pela Minirreforma Eleitoral diz respeito à propaganda em veículos. De acordo com a nova regra, apenas fica permitido colar adesivos microperfurados até a extensão total do para-brisa traseiro e, em outras posições, pode-se afixar adesivos até a dimensão de 50 cm por 40 cm. A minirreforma também fixou a medida de 50 cm por 40 cm como a máxima para a impressão de folhetos, adesivos, volantes e outros impressos.

Tapa na macaca

Desde terça-feira passada estão liberadas a produção e comercialização de maconha. Calma, estamos falando do vizinho Uruguai, onde a lei permitindo o ‘tapa na macaca’ foi sancionada pelo presidente José Pepe Mujica. Será que o ato presidencial foi comemorando à base de marijuana?

Não quer

Eliane Aquino, viúva do governador Marcelo Déda (PT), não deseja disputar as próximas eleições. Quer uma prova? Entrevistada recentemente pela jornalista Ricardo Marques, da TV Sergipe, ela foi clara ao ser questionada se pretende ser política: “Com mandato, não”, respondeu.

Protegido

Um magistrado dizia ontem achar muito difícil o vereador aracajuano Agamenon Sobral (PP) ser condenado pelas críticas feitas aos professores da rede pública. Por causa dos pesados ataques à categoria, a quem chama de gazeteira e descompromissada com a educação, o vereador responde algumas dezenas de processos. Segundo o juiz de Direito, a imunidade parlamentar protege Agamenon por tudo que ele diz na tribuna da Câmara.

Do baú político

A coluna se socorre hoje com o jornalista Sebastião Nery, que em seu livro ‘350 Histórias do Folclore Político’ publicou o seguinte: “Joel Silveira, nos tempos de Diretrizes, era um repórter terrível. Conquistou logo a fama de maior repórter do país, porque tratava as coisas cruelmente, sem medo e sem piedade. Começou uma série de reportagens sobre velhos dirigentes políticos, gente de antigamente. E acabava sempre dando umas bordoadas nos coitados, que saiam sempre mal nas matérias. Um dia foi procurar o velho Antônio Carlos de Andrada que, depois de governar Minas e presidir a Câmara dos Deputados, foi presidente do Banco Lar Brasileiro. Mal entrou, Joel levou um susto. O velho Andrada começou a falar de Sergipe, do pai dele, dos amigos dele, da geração dele. Depois perguntou como iam os livros de Joel, citou um a um, fez comentários, elogiou as crônicas sobre a FEB, na Itália. Joel ficou encantado, fez a entrevista e, na semana seguinte, Diretrizes publicava uma reportagem de Joel, muito simpática sobre o velho Antônio Carlos. Um amigo, surpreso, perguntou a Andrada como conseguiu aquilo: ‘Muito simples. Passarinho que não pode fugir da cobra fica voando em volta. Eu dei um voo em torno dele, dos livros dele, ele amansou. Jeito, foi só jeito’”.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais