Marketing: captar cidade e meio político

0

“O jornalismo é o exercício diário da inteligência e a prática cotidiana do caráter.” Cláudio Abramo.

No período eleitoral todo eleitor, principalmente os mais próximos dos candidatos dão palpites sobre o marketing eleitoral. É como o torcedor apaixonado pelo time de futebol, o técnico vai do amor eterno ao inferno de um jogo para o outro.

No marketing eleitoral é fato: não existe uma receita que pode ser levada de uma eleição para outra, de um candidato para outro. Cada eleição

 tem suas peculiaridades e o eleitor se comporta não só de acordo com os problemas de sua cidade, mas com o momento atual.

E numa campanha acirrada os erros de marketing e de comunicação podem prejudicar em muito um candidato. Muitas vezes quem monta uma campanha de um candidato escolhe uma equipe de fora, que sabe produzir, mas tem – e nem procurar saber – das peculiaridades da cidade e, principalmente, do meio político. Se ao lado desta equipe não for colocada uma coordenação firme com pessoas que têm conhecimento político e o imediatismo da resposta às ações e ataques, o candidato sai prejudicado.

E são muitas as campanhas que foram vitoriosas não pelo marketing eleitoral, mas pelo alto desempenho nas ruas, principalmente chegando aos chamados grotões e o carisma e o desempenho do candidato. E ainda tem os marqueteiros que mesmo sabendo que o trabalho foi horrível e não foi eficaz numa campanha eleitoral que foi vitoriosa coloca o trabalho no portfólio dele. Esquecendo-se do principal: a eleição foi ganha pelo desempenho e o carisma do candidato. Se dependesse do marketing a campanha empacava.

O marketing é muito mais do que ideias e produção, tem que sentir e captar a essência do meio político e da cidade, para saber o que o eleitor deseja.

Laranjeiras: Paulinho das Varzinhas consegue vitória na Justiça
O prefeito eleito de Laranjeiras, Paulo Hagenbeck, o Paulinho das Varzinhas, conseguiu uma importante vitória na justiça, onde o juiz de direito

 A decisão de ontem, 27, que beneficiou Paulinho das Varzinhas.

 José Amintas Júnior concedeu tutela de urgência antecipada, suspendendo o decreto legislativo que rejeitou as contas dele da Prefeitura de Laranjeiras do ano 2001. Com a decisão, o juiz pede que comunique o TCE e o TRE para que o nome do prefeito eleito saia da lista dos inelegíveis. A decisão foi de ontem, 27.

No TCE, pleno decidiu não bloquear contas da PMA
E ontem, 27, o procurador do MP Especial de Contas, Sérgio Monte Alegre teve negado o pedido de medida cautelar para bloquear as contas da Prefeitura de Aracaju para garantir o pagamento dos servidores da ativa, aposentados e pensionistas. Foi por unanimidade, mas Sérgio Monte Alegre foi aplaudido pelos servidores presentes. Ele iniciou a sustentação com o texto da música história “…vem vamos embora que esperar não é saber, quem sabe faz a hora não espera acontecer…”

Homicídios em Aracaju
Um membro da cúpula da SSP conversando em off com o titular deste espaço revelou a preocupação com o alto índice de homicídios. Deu como exemplo Aracaju que já ultrapassou os números de homicídios no final de outubro de 2016, os números de todo o ano de 2015.

Delegada lança livro
No próximo dia 7 de novembro, a delegada de Polícia Civil, Daniela Lima, lançará o livro “Direito Penal dos Vulneráveis: uma análise crítica da busca do reconhecimento por meio do Direito Penal”. A obra traz as reflexões da autora a respeito das relações entre o Direito Penal e os grupos vulneráveis em sua busca por reconhecimento. O evento acontece às 18h30, na Livraria Escariz da Avenida Jorge Amado.

Câmara Aracaju: Pedrinho Barreto assume hoje
O presidente da Câmara Municipal de Aracaju, vereador Vinicius Porto (DEM) dará posse ao suplente de vereador Pedrinho Barreto (PSC), que recorreu à Justiça para ter direito a assumir a vaga de um dos vereadores afastados da função sob a acusação de malversação de verbas indenizatória. A solenidade está marcada para às dez horas desta sexta-feira (29).

Decisão judicial
“Fomos oficialmente comunicados da decisão na manhã de hoje e já marcamos para amanhã a posse do novo vereador, Pedrinho Barreto, a quem quero abraçar, desejar plena sorte e um mandato profícuo”, afirmou Vinicius, lembrando que, pessoalmente, não tem competência legal para convocar suplente, uma vez que os titulares não foram cassados ou tiveram os seus mandatos extintos. “Mas, quando houver determinação da Justiça nesse sentido, cumprirei, imediatamente, tão logo nos seja dada ciência oficial”, avisou.

Sargento Vieira
Vinicius Porto ainda não foi oficiado sobre a decisão do juiz Ancelmo de Oliveira, do Tribunal de Justiça de Sergipe que concedeu igual direito ao, também, suplente Sargento Jorge Vieira (PDT).

Mendigos voltam a tomar conta da rotula da Adélia Franco
E moradores das adjacências da rótula que divide as Avenidas Hermes Fontes e Adélia Franco, no Bairro Grageru estão preocupados porque a rótula situada no local voltou a ser invadida por moradores de ruas que estão morando e abordando as pessoas que passam no local. Com o fim de ano se aproxima eles devem ficar no local para receber presentes e doações. E a Prefeitura nada faz. 

Valor destaca Sergipe
O Estado de Sergipe foi referência em uma matéria publicada na edição de ontem, dia 27, no jornal Valor Econômico. No texto, o presidente da General Eletric (GE) para a América Latina, Rafael Santana, destaca que a empresa americana fechou um contrato de US$ 900 milhões no Brasil, graças a uma encomenda para o projeto da termelétrica Porto de Sergipe. A usina será a maior a gás natural da América Latina.

Equipamentos
De acordo com ele, o negócio envolve todos os equipamentos necessários para a construção da usina, desde as turbinas até as máquinas responsáveis pelas obras civis, passando pelos sistemas de integração e monitoramento digitais. “A General Eletric ainda fará a montagem e instalação dos equipamentos”, ressaltou Rafael Santana.

Consórcio
A termelétrica pertence à Centrais Elétricas de Sergipe (Celse), empresa criada pela EBrasil Energia e pela Golar Power para executar o projeto. Segundo o presidente da GE, o escopo desse contrato marca uma inovação do modelo de contratos da empresa. “Se a gente voltasse um ou dois anos atrás, seria comum a GE fornecer basicamente os equipamentos das turbinas. O valor do contrato seria de um terço do que temos hoje”, pontua.

Campanha antirrábica em Areia Branca
A prefeitura de Areia Branca, através da Secretaria Municipal de Saúde, está realizando mais uma campanha Antirrábica na comunidade. O objetivo dessa etapa agora é atingir a imunização de mais de dois mil animais, entre cães e gatos. A Pasta conta com auxílio de 20 profissionais, que estão engajados na tarefa de proteger a população de possíveis doenças que os animais possam transmitir ao ser humano, entre elas a raiva.

1.700 animais
Os profissionais da Saúde já conseguiram imunizar cerca de 1.700 animais. A ação também agirá com a visita aos domicílios da comunidade. “Ainda faltam 604, para alcançarmos a meta de 2.317 cães e gatos em Areia Branca. Estamos agindo também durante os finais de semana e, provavelmente, terminaremos ainda nos próximos dias os números estimados para essa etapa”, explica a secretária municipal de Saúde, Eliana Oliveira, informando que a campanha irá até o dia 11 de novembro.

Receita
O líder do governo Michel Temer na Câmara dos Deputados, André Moura (PSC), se reuniu na quarta-feira com o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, o secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, e o relator do PL 5864/16, dispõe sobre a Carreira Tributária e Aduaneira da Receita Federal e institui o Programa de Remuneração Variável do órgão, como também a definição salarial dos auditores fiscais, do relator deputado federal Wellington Roberto (PR/PB), para discutir o parecer da matéria que deverá ser votado nos próximos dias pela Comissão Especial.

Consenso
O acordo, segundo o líder André, sinaliza interesse em buscar consenso para destravar a votação na comissão e pautar o texto no Plenário, além de dar uma melhor finalidade às chamadas aduanas [serviço de fiscalização, cobrança de tributos e apreensão de mercadorias indevidas]. 

PL
Durante encontro, o líder do governo reconheceu a importância da aprovação do PL, contudo ressaltou que é preciso haver concordância de todas as partes envolvidas para, só assim, terem um resultado positivo para ambos os lados. “Precisamos que a matéria passe pela votação na Casa. Entendemos o real comprometimento e desempenho dos auditores para a economia brasileira e, por isso, vamos trabalhar pelo entendimento de todos”, disse.

Patrimônio cultural. Tramitam no Senado quatro propostas em defesa da vaquejada
Agência Senado: Em defesa da vaquejada, três projetos (PLS 377/2016, PLS 378/2016 e PLC 24/2016) classificam a atividade como patrimônio cultural brasileiro e uma proposta de emenda à Constituição (PEC 50/2016) assegura sua continuidade, desde que regulamentada em lei específica que assegure o bem-estar dos animais envolvidos.

Sem crueldade
Autor da PEC, o senador Otto Alencar (PSD-BA) quer encerrar a controvérsia em torno da vaquejada incluindo no texto constitucional permissão para “as práticas culturais de natureza imaterial que integram o patrimônio cultural brasileiro e comprovadamente não submetam os animais à crueldade”.Ele também é relator de um dos projetos sobre o tema (PLC 24/2016), que reconhece o rodeio e a vaquejada como manifestações culturais nacionais e patrimônios culturais imateriais.

Normas
Em voto favorável ao projeto, Otto Alencar argumenta que a atividade já segue normas estaduais que tratam da segurança dos animais, como a utilização exclusiva de bois adultos, o uso de cauda artificial, a abolição de esporas e a disposição de um mínimo de cinquenta centímetros de areia no local das provas, para amortecer a queda dos animais.

Adiamento
O projeto tramita na Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) e chegou a entrar em pauta, mas manifestações contrárias dos senadores Antonio Anastasia (PSDB-MG) e Cristovam Buarque (PPS-DF) resultaram em pedido de vista, adiando a decisão sobre a proposta.Na discussão da proposta na CE, Lídice da Mata (PSB-BA) e Roberto Muniz (PP-BA) apoiaram o projeto. Após passar pela comissão, o texto ainda precisa ser votado pelo Plenário do Senado.

600 mil empregos em risco
Também tramitam na CE o PLS 377/2016, do senador Raimundo Lira (PMDB-PB), e o PLS 378/2016, de Eunício Oliveira (PMDB-CE). Ambos reconhecem a vaquejada como manifestação da cultura nacional e aguardam designação de relator.O primeiro projeto atribui como competência do Poder Público assegurar o reconhecimento e a valorização da vaquejada como bem cultural imaterial.

600 mil empregos em risco II
Como argumento, Lira afirma que a criação de gado e a figura do vaqueiro marcaram a ocupação das terras do sertão nordestino. Ele ressalta que a vaquejada, originalmente, representava o encerramento festivo do trabalho de marcar e castrar o gado.“Era a festa da apartação. Feita a separação, acontecia a vaquejada, com provas que mostravam a habilidade dos vaqueiros na lida com o gado”, disse.

600 mil empregos em risco III

Com o tempo, observa Raimundo Lira, a atividade se tornou uma tradição, uma prática cultural, o que justificaria sua manutenção. Além do valor cultural, ele argumenta que vaquejada e rodeio geram 600 mil empregos no país.O reconhecimento da vaquejada como manifestação da cultura popular também é defendido no projeto de Eunício Oliveira. No texto, ele classifica a prática como atividade recreativa ou competitiva e determina que esteja submetida a normas da defesa sanitária animal.

Medidas de proteção para os animais
O projeto torna obrigatório aos organizadores da vaquejada a adoção de medidas de proteção à saúde e à integridade física do público, dos vaqueiros e dos animais.Obriga, durante a prática da vaquejada, a presença de um médico veterinário, que atuará com árbitro de bem-estar animal, impedindo maus tratos. Esse profissional poderá suspender a participação de animais que tiverem sua integridade física colocada em risco.O projeto trata ainda do transporte dos animais, do espaço físico para realização das competições e da segurança do público e dos competidores.

PELO TWITTER

www.twitter.com/alanbarretoso  Difícil é não acreditar!

www.twitter.com/reynan_rj  "Não gosto de bandido e quem pensa que, ao utilizar minha permissão de andar armado irá angariar votos, vai perder com isso” @capsamuel.

www.twitter.com/ThalesBrandao  O Ministério Público está pedindo o bloqueio das contas da Prefeitura de Aracaju. Sabe o que vão encontrar lá? Dívida!

www.twitter.com/WalterCosta_aju  Com o tempo cada coisa começa a se encaixar e podemos perceber que tudo na vida tem um preço. — se sentindo pensativo.

www.twitter.com/ValadaresPSB  Usando ataque rasteiro e baixaria covarde @EdvaldoNogueira mente ao dizer que Sergio Monte Alegre foi nomeado por mim quando fui governador.

ARTIGO

*João Batista: o ilusionista. Por Antonio Moraes*

Em entrevista ao SE TV 2a edição, de 26/10, o secretário de Segurança Pública, João Batista, a propósito de minimizar as causas do assassinato do dono do bar Salomé, na bairro Atalaia, tentou convencer a sociedade de que a culpa do total descontrole social, dos altos índices de violência e criminalidade é da legislação, que, segundo ele, permite o retorno dos presos ao convívio social, e da fragilidade do sistema penitenciário.

Em momento algum, o secretário admitiu a pífia ou nenhuma atuação preventiva dos órgãos de Segurança Pública sergipanos.

O que leva os meliantes agirem livremente na via pública? A ausência total e notória da atuação preventiva dos órgãos de Segurança Pública.

A Polícia Civil, um imenso cartório inútil. Os  Policiais Militares, agindo como novos capitães do mato, perseguindo marginais APÓS a ocorrência dos crimes. Ninguém vê patrulhamento ordinário, diário e regular. Basta uma simples observação.

João Batista repete a ILUSÃO midiática de que as Polícias estão prendendo mais pessoas e apreendendo mais armas como se isso fosse a grande missão da SSP.

Na cabeça dele, e de seu fiel escudeiro, Alessandro Vieira, atual Delegado Geral da PC, o papel dos órgãos de defesa social é tão somente reprimir. Afinal reprimir não demanda grandes esforços intelectuais.

Aracaju, 26 de novembro de 2016.

*Policial Civil sergipano com vergonha alheia.

NOTA DE REPÚDIO AO POSICIONAMENTO DO DIRETOR DO SINPOL/SE, ANDRÉ MACHADO:

É estarrecedor que um diretor sindical possa falar em "levantar a bunda dessa zona de conforto" com TODA A CATEGORIA POLICIAL CIVIL enquanto muitos de nós passamos boa parte do dia em cadeiras desconfortáveis atendendo as demandas da sociedade e dirimindo até problemas do cotidiano, tentando descansar por 30, 40min no plantão entre um flagrante e outro, comendo biscoito, bebendo água e urinando dentro de uma garrafa por ter que passar 4, 5, 6, 7h dentro de uma viatura SEM AR CONDICIONADO , fazendo campana, como já vi muitos dos meus colegas fazerem.

Eu que trabalho em uma equipe que realizou quase 80 prisões em pouco mais de 6 meses, e não integro nenhuma especializada, como fala o diretor, não posso imaginar de que polícia inerte ele está falando. Mas por falar em inércia, deve ser um comparativo com a atual gestão sindical que infelizmente nos representa. Talvez o "levantar a bunda dessa zona de conforto" se refira a algum conflito interno entre os dirigentes sindicais, pois ao que me parece, as instalações do Sinpol são bem confortáveis, totalmente fora da realidade das delegacias do interior e até mesmo das delegacias metropolitanas.

Os corpos moles podem ser bem observados nas assembleias onde muitos falam, mas em nada nos convencem.

Quem coloca culpa na PM não somos nós, agentes e escrivães, desta categoria tão importante, porém desmobilizada. Se algum dia houve alguém que se posicionou contra os nossos coirmãos militares não fomos nós da base. Inclusive, os militares trabalham muito mais do que os nossos representantes de corredores. Jamais poderíamos culpá-los pela incompetência dos nossos pares. Essa só pode ser uma manobra de quem de fato só alimenta discórdia, agora até dentro de casa, nova modalidade de agradar o governo.

As demandas que devem ser prioridade para a categoria passam longe de aumento salarial. Se os nossos representantes não sabe a diferença entre reposição inflacionária e aumento salarial nós estamos mesmo vivendo aquele ditado popular: é o poste mijando no cachorro.

Como perguntar não ofende, TODA A POLÍCIA CIVIL está querendo saber a quem interessa colocar a população contra nós, que também somos integrantes da sociedade e sofremos a violência duas vezes mais que qualquer outra pessoa? O que leva um diretor sindical a se posicionar de modo a ofender, achincalhar e humilhar a sua categoria?

Nem todo mundo quer aumento, alguns, como os policiais civis que trabalham em condições insalubres no CIOSP, só querem um pouco mais de dignidade.

Nem todo mundo quer aumento, mas todos querem receber o salário em dia e não ter que arcar com as consequências das irresponsabilidades dos nossos gestores/representantes.

Nem todo mundo quer aumento, mas todos exigem tratamento respeitoso, digno e cordial.

Quando não tiverem condições de falar algo que agregue valor ético, moral e até mesmo motivacional à categoria, permaneçam em silêncio, pois mais ajuda quem não atrapalha.

"O homem que se vende recebe mais do que vale"
Barão de Itararé

Gessica Santana
Escrivã de Polícia que não faz corpo mole, não reclama da grama do vizinho, revoltada e indignada com esse picadeiro.

Blog no twitter: http://www.twitter.com/BlogClaudioNun

Frase do Dia
“Nossas ações são as melhores interpretações de nossos pensamentos.” John Locke, filósofo inglês, morreu em 28 de Outubro de 1704 (n. 1632).

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários