MENINOS DE RUA

0

Atualmente nas capitais e nas grandes cidades brasileiras as favelas proliferam-se. A condição sub-humana é uma realidade. A educação, a higiene e as condições de vida são precárias, quase inexistentes.

 

Aí, a família cresce sem planejamento e a conseqüência inevitável são crianças crescendo sozinhas, famintas, maltrapilhas e, muitas vezes, doentes.

 

E o futuro da maioria dessas crianças?

 

Grande número delas, por nada ter recebido da vida e nem ter em vista um mundo melhor para elas entrega-se ao vício, à prostituição, à droga, ao roubo, à violência e à marginalidade.

 

Este é, sem dúvida, um dos maiores problemas sociais que o país enfrenta.

 

Diante deste quadro o que deve ser feito? Aguardar que o governo faça alguma coisa?

 

Esta não parece ser a atitude mais sábia. Este é um problemas que atinge  toda sociedade brasileira e se o governo, por falta de condições ou de vontade política, nada faz, nós devemos fazer.

 

Eu, tu, cada um de nós individualmente pouco pode fazer, mas se nos unirmos veremos o quanto podemos fazer.

 

Desde 1993, de acordo com notícia publicada no Jornal do Brasil de 17/09/93, empresários paulistas, convocados pela Fundação ABRINQ (Associação Brasileira de Fabricantes de Brinquedos) estão contribuindo para manter durante todo o dia em instituições assistenciais, as crianças retiradas das ruas. Nessas instituições elas recebem moradia, alimentação, educação e cursos profissionalizantes.

 

Em Sergipe, algo semelhante não poderia ser feito por alguma entidade para tirar os jovens das ruas e colocá-las nas salas de aula?

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários