Metamorfoses da Vida

0

Uma historinha muito interessante circula pela internet. É aquela do cientista que resolveu investigar como acontecia a metamorfose da lagarta em borboleta. Pois é, ele iniciou sua investigação desde quando a lagartinha parou em determinado local de uma árvore, expeliu dois fiozinhos de seda e se pendurou, de forma segura, num determinado local. Logo o cientista percebeu que ela estava sendo envolvida por uma carapaça. Ele anotava, fotografava e filmava tudo. Viu quando aquela membrana rígida a envolveu por completo e a imobilizou. Ela, ao que parece, resignada, ficou paradinha naquela prisão medonha. Em seguida o pesquisador percebeu que havia movimentos no interior do casulo. A lagarta se mexia compassadamente em estágios de espasmos e repousos, todavia, com o passar do tempo, a movimentação se intensificou muito, eram movimentos fortes e constantes ao que parecia a lagartinha não ia resistir…

O tempo passou e aqueles movimentos e paradas permaneciam. Quase do nada apareceu um pequeno e quase invisível furo na casca que a revertia, e de dentro para fora estava havendo um grande trabalho sendo executado para alargar aquela passagem, muito esforço estava sendo empregado naquela operação tudo indicava que ela queria sair dali o quanto antes, só que o progresso era imperceptível a parede do casulo não cedia nada, ao que parecia era que a lagartinha não ia conseguir romper e sair a tempo, – talvez morresse de tanto esforço e sem ar – pensou o cientista: e se eu fizer um pequeno corte alargando esta passagem? Foi o que fez, com um minúsculo estilete cortou um pouquinho de um lado do furo, imaginava ele, agora ela sairá e voará para a liberdade como deve ser, ela saiu. Saiu, mas nunca voou, suas asas estavam formadas, mas, sem firmeza, frágeis e emboladas.

A lagarta que sairia dali como um ser voante, voltou a rastejar e logo morreu. Aqueles espasmos e o tempo/demora para romper a parede da prisão que a encarcerava ofereciam exatamente a resistência e o exercício físico, necessário e indispensáveis para a plena formação da musculatura daquelas frágeis asas. A ajuda do cientista tirou o tempo e o esforço, facilitou e antecipou a sua saída. Ela não estava no ponto de sair. Não estava “madura”, aquela que seria mais uma linda borboleta a borboletear no mundo, não voou, voltou a se arrastar pelo chão… Você já percebeu que nós, seres humanos, também passamos por metamorfoses? Aliás, as metamorfoses humanas acontecem quase que diariamente, como diz Mário Quintana, no poema, O Tempo: “A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa. Quando se vê, já são seis horas! Quando se vê, já é sexta-feira! Quando se vê, já é natal… Quando se vê, já terminou o ano”… Nascemos crianças indefesas e dependentes que sequer rastejam, nos transformamos em rastejantes, andantes e, sobretudo, pensantes.

A exemplo da lagarta, nós também passamos pelas mesmas dificuldades, enfrentamos obstáculos quase instransponíveis, únicos, exclusivos e individuais, etapas e processos que somente a pessoa individual e sozinha pode passar se verdadeiramente quiser ir em frente, pois as opções em não ultrapassá-los não são das melhores. A primeira é não evoluir, não adquirir conhecimentos, continuar “rastejando” ao enfrentar o resto das metamorfoses que virão; a outra é ficar pelo caminho, ou seja, morrer. Não existem outras saídas. E, se não há outro caminho e, nem como arrodear, por que não cumprir coordenadamente as etapas? No início da vida isso só acontece se houver uma educação, em casa, que ofereça algumas “dificuldades”, o mínimo necessário de obrigações a serem desenvolvidas, conforme a idade, criando “obstáculos” que devem ser ultrapassados, organizadamente, e com empenho pelo agente, que é a criança. Atenção a estas tarefas e “obstáculos” a serem transpostos, como aquele furinho na carapaça da crisálida que prendia a lagartinha, é tarefa exclusiva da criança.

Nada de aparecer um “cientista maluco” e alargar a passagem, fazendo por ela, o que deverá somente por ela ser feito. O adulto (cientista), pode até ajudar, orientar, educar, não pode e nem deve “fazer”, nenhuma mãe, por mais que queira, poderá andar por seu filhinho, somente ele poderá andar, com o sacrifício que parece ser demasiado para ele que nunca andou. De igual modo, nenhum dos pais, professor ou amigo poderá ler, aprender ou fazer nenhuma tarefa exclusiva do aluno. Como tudo o que for necessário incorporar ao seu universo educacional deve ser operacionalizado por ele exclusivamente, com assistência e orientação, é claro.

A criança tem que aprender a superar os obstáculos próprios da sua idade sozinha, acertar, errar e aprender. Creio ser um equivoco evitar decepções e frustrações, elas fazem parte da vida e, somente o enfrentamento fortalece o caráter e conduz ao desenvolvimento mais harmonioso. Com certeza, lá na frente eles irão encontra-las e vão ter que resolver, sozinhos, então é melhor que já as tenham experimentado. Como diz Madre Tereza de Calcutá: “Ensinarás a voar… Mas não voarão o teu voo. Ensinarás a sonhar… Mas não sonharão o teu sonho. Ensinarás a viver… Mas não viverão a tua vida. Ensinarás a cantar… Mas não cantarão a tua canção. Ensinarás a pensar… Mas não pensarão o teu pensamento. Porém, saberás que cada vez que voem, sonhem, vivam, cantem e pensem… estará a semente do caminho ensinado e aprendido!”

Acredito que sempre há uma oportunidade de APRENDER a APRENDER. Por tal razão transcrevo aqui, o prático e simples Método Montessori, que fala sobre o que as crianças podem fazer para ajudar em casa se educando para a vida, desde muito cedo: dos 2 aos 3 ano a criança já pode: guardar seus sapatinhos no lugar definido, tirar seu prato da mesa e levar para a pia, colocar a sua roupa suja no cesto, tirar a própria roupa, colocar guardanapo na mesa, pegar frutas e legumes na fruteira… dos 4 aos 5 anos: arrumar a cama, colocar sua roupa suja na máquina de lavar, guardar as suas roupas limpas, guardar parte da louça, ajudar a por a mesa, separar lixo, tirar pó de superfícies acessíveis, regar plantas… dos 6 aos 8 anos: lavar louça, por e tirar a mesa, tirar o lixo da casa, varrer, passar o aspirador, guardar as compras, pendurar roupas no varal do chão… dos 9 aos 11 anos: preparar lanches rápidos, limpar móveis, limpar espelhos, trocar roupa de cama, cuidar de animais de estimação, ajudar no preparo do jantar, guardar louças, fazer listas de mercados… dos 12 aos 14 anos: limpar banheiros, por roupa para lavar, passar pano no chão, cuidar das plantas, cuidar dos irmãos mais novos, preparar pequenas refeições, fazer compras rápidas, separar contas a pagar…

Acredite, se assim criar seu filho, você vai ter a grande possibilidade de ver, no futuro: uma pessoa que com mais facilidade resolverá problemas do cotidiano, pensa por si mesma, com bom caráter, um bom pai, um comprometido marido, um bom profissional, um bom brasileiro cidadão.

Mas, se você não acreditar e, com o seu “estilete” do orgulho disser que seus filhos não podem e nem devem “trabalhar” nem ter “obrigações.” Há grandes chances de lamentações no futuro bem próximo. Pense nisso. A educação, o conhecimento e os bons costumes são, sem duvidas, as melhores heranças que você poderá deixar para um filho.

Comentários