MOVIMENTO DA SUCESSÃO

0

O deputado estadual Walmir Monteiro (PFL) telefonou para o deputado federal Heleno Silva (PL) e lhe comunicou: “fiz um pronunciamento na Assembléia e lancei uma chapa ao governo do estado, colocando você como candidato a vice-governador”. Heleno escutou e fez algumas ponderações com o parlamentar, do ponto de vista partidário. Mas Walmir insistiu: “é que as conversas com o ex-prefeito Jerônimo Reis estão se aprofundando, e nós preferimos que seja você e não ele”. Em Lagarto, o ex-prefeito Jerônimo Reis (PTB) não confirma qualquer conversa e diz que vai disputar uma vaga na Câmara Federal, embora o seu nome seja lembrado pelo deputado federal Jackson Barreto (PTB), como candidato a vice-governador na chapa do prefeito Marcelo Déda (PT). Enquanto os aliados vinculam nomes a possíveis chapas, os dois candidatos em potencial – João Alves Filho e Marcelo Déda – ainda não confirmaram candidatura, embora o façam entre os correligionários mais próximos.

 

Paralelamente vem surgindo o senador José Almeida Lima (PSDB). Esse não esconde sua candidatura ao governo do estado e já anunciou isso aos quatro cantos, inclusive através da imprensa. Até mesmo sua filiação junto aos tucanos teve como compromisso a disputa pelo governo, porque a legenda terá candidato a presidente da República e vai precisar de palanques nos estados. Dentro do PSDB, entretanto, há uma certa tensão e receio do pessoal que pretende formar o partido, porque até o momento ainda não está com Almeida o comando do tucanato em Sergipe.Realmente comenta-se que a partir do próximo mês isso acontecerá, mas o pessoal anda receoso do Diretório Nacional não cumprir sua parte, porque há uma exigüidade de tempo, que pode prejudicar até mesmo a candidatura. Não se credencia um partido político, que tenha todos os entraves, como o PSDB de Sergipe, em menos de 12 meses. Se o comando chegar em maio, Almeida Lima terá apenas quatro meses para consolidar a legenda sob seu comando e atrair novos filiados, para conseguir condições de se lançar candidato a governador, com disposição para enfrentar nomes como João Alves Filho e Marcelo Déda.

 

De Brasília chega a notícia de que a verticalização vai cair. O deputado federal Heleno Silva confirmou e antecipou que um parlamentar do PFL esta apresentando decreto legislativo para derrubar esse instrumento que foi posto pelo governo anterior. A mesma fonte de Brasília garante que se isso acontecer o ex-governador Albano Franco não deixará a legenda e poderá ser candidato ao Senado, batendo chapa com qualquer outro nome sugerido pelo grupo sob o comando de Almeida Lima. Não será bom, porque Albano mantém um bom número de aliados no ninho tucano e se conseguir esse objetivo, entra na chapa majoritária sem compromissos como o candidato a governador e votando no candidato a presidente que for conveniente ao seu grupo. Evidente que não dirá isso, mas uma dissidência desse tamanho, aberta dentro de um partido que está se consolidando, dificulta muito o projeto de chegar ao comando do estado.

 

O ex-governador Albano Franco tende para o grupo que se vincula ao prefeito Marcelo Déda. Isso lhe trás algumas dores de cabeça, porque o pessoal do interior o aconselha a não seguir o rastro petista. Paralelamente, dentro do PT e de partidos aliados, o nome de Albano Franco pode até encontrar algum tipo de simpatia, mas publicamente o pessoal declara que a sua presença no bloco seria um retrocesso. O deputado federal Jackson Barreto disse isso em uma rádio local, quando sugeriu uma chapa formada por Marcelo Déda, Jerônimo Reis e José Eduardo Dutra. Na opinião de um homem de marketing, que não pode aparecer, há muita possibilidade de Albano e Valadares formarem um grupo, porque é assim que alguns prefeitos do interior desejam. Lembrado da fidelidade de Valadares a Marcelo Déda, o marqueteiro foi rápido: “se tiver recursos para a campanha, o senador Valadares monta no cavalo”.

 

METROPOLITANA

O projeto da nova secretaria Metropolitana ainda não chegou na Assembléia Legislativa, mas já tem um nome cotado para ser o seu titular. O ex-prefeito de Pirambu, André Moura (PFL), só não assumirá se não quiser, mas já foi conversado pelo governador João Alves Filho.

 

NÃO REJEITA

Durante o encontro que o governador teve com prefeitos e André Moura, declarou que ia lhe oferecer uma secretaria: “duvido que ele recuse”. Pelo nome a nova pasta deve cuidar de toda a região metropolitana de Aracaju, para um trabalho forte na capital.

 

IPES

O novo presidente do Ipes é Massashi Morita, que era diretor técnico do Prodase. Ele foi nomeado ontem pelo governador João Alves Filho. A posse já está marcada para segunda-feira, pela manhã. José Lima agora fica apenas na Secretaria da Saúde.

 

JERÔNIMO

O ex-prefeito de Lagarto, Jerônimo Reis (PTB), continua com a sua posição de disputar a Câmara Federal. É o candidato do grupo… Jerônimo Reis concorda que o seu correligionário Jackson Barreto não precisa dos seus votos para reeleger-se: “ele tem voto suficiente”, disse.

 

PETROBRAS

Um forte grupo político de São Paulo está de olho na Petrobras. Segundo um parlamentar do bloco oposicionista, quer a empresa em troca do apoio ao presidente Lula. Segundo a mesma fonte, José Eduardo Dutra vive sob a mira de outros estados e se sustenta pela influência do prefeito Marcelo Déda.

 

CONSELHO

O mesmo parlamentar acrescentou que já existem conselhos para que Dutra deixe a empresa e se dedique à sua candidatura ao Senado. É verdade que São Paulo quer a Petrobras, mas também disputam a empresa o Rio de Janeiro e Minas Gerais.

 

NEPOTISMO

O deputado federal José Carlos Machado (PFL) é contra o nepotismo, mas acha que o projeto que o extingue tem alguns exageros. Dá como exemplo a questão do filho de algum político não poder ser empregado em nenhum dos três poderes.

 

SALÁRIOS

Delegados, procuradores, defensores públicos e agentes fiscais podem ter salários igual ao de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). A lei já foi aprovada na Câmara Federal e trará dificuldades aos governadores de estado, porque é um grupo de servidor que estão acima do nível salarial dos estados.

 

PROGRAMA

O governador João Alves Filho (PFL) fará algumas revelações importantes no programa do partido, que vai ao ar na próxima segunda-feira. João Alves vai se referir a algumas ações políticas, mas pretende se fixar no montante de obras que estão sendo executadas em Sergipe.

 

DOMINGO

João Alves Filho vai se dedicar todo o dia de amanhã à elaboração do programa, inclusive fazendo algumas gravações, para concluir na segunda-feira. O governador viajou ontem a São Paulo, de onde deve retornar hoje, para tratar de assuntos relacionados à família.

 

LUCIANO

O empresário Luciano Barreto falou, enfim, sobre a questão da licitação da Sergipe Tec, ontem ela manhã, no auditório da OAB. Entre uma série de afirmações importantes, Barreto lamentou que “95% das obras de Sergipe são realizadas por empresas de fora”.

 

NILSON

O secretário das Finanças do município, Nilson Lima, que pretende disputar uma vaga de deputado federal, está conversando com lideranças política. Diz que o PT está desencadeando uma discussão de eleições internas e, além de tratar da questão organizativa, também fala das eleições de 2006.

 

BOSCO

O deputado Bosco Costa (PSDB) acha que para ele, caso haja necessidade de trocar de partido, a melhor legenda é o PL. Acha que o PMDB está bem loteado em Sergipe e em Brasília e as chances dele conquistar alguma coisa são as mínimas possíveis.

 

DOCUMENTO

Algumas entidades sociais de Sergipe, inclusive clubes de serviços, estão enviando um documento ao governador João Alves Filho (PSDB), sobre a segurança no estado. O pessoal está relacionando os últimos acontecimentos em Aracaju, com assaltos e seqüestros relâmpagos, que estão intranqüilizando a sociedade sergipana.

 

Notas

 

PROMOTORES

Os promotores de Justiça que pretenderem participar das eleições gerais de 2006 terão que deixar definitivamente seus cargos no Ministério Público. A situação dos integrantes do MP é idêntica a de juizes e membros dos TCs que são obrigados a deixarem funções, para dedicar-se à atividade político-partidária. A respeito da possibilidade daqueles promotores que ingressaram na carreira antes da promulgação da emenda nº 45, de terem direito garantido à filiação partidária, o TSE ainda ficou de analisar posteriormente.

 

JUNTOS

Na Assinatura do convenio para a construção da Califórnia II, no alto sertão, na presença de vários prefeitos e lideranças do interior, o governador João Alves Filho (PFL) chamou o deputado Heleno Silva (PL): “venha para cá, quero você perto de mim”. O deputado concordou e ficou do seu lado durante a solenidade. Heleno disse, ontem, que isso não altera nada, porque o PL vai continuar integrando o bloco de oposição e não cogita mudança de aliança: “a não ser que surja algum fato novo em Brasília, que provoque mudança”.

 

RÔMULO

Rômulo Rodrigues é o candidato da tendência PT Classista a presidente do Diretório Regional e está adotando uma postura de tentar a unificação do discurso partidário. Rômulo vem conversando com os demais candidatos, propondo que a disputa seja dentro de um nível que consolide a unidade partidária. Ele considera que há uma necessidade de que alguém ouça todos os segmentos do partido, para que se faça demonstre que dentro do PT há necessidade de unificação, sem que seja perdido o direito de apoiar ou contestar.

 

É fogo

 

“Campanha Política – como ganhar ou perder uma eleição”. O título é do livro de autoria do marqueteiro Jorge Oliveira que já está no prelo e será lançado em Brasília.

 

Jorge Oliveira é quem cuida dos programas de televisão do PSDB em Sergipe e acompanhou o ex-governador Albano Franco e o acompanha até hoje.

 

É possível que o secretário adjunto da Comunicação, Francisco Ferreira, deixe o Governo e se fixe na iniciativa privada.

 

A maioria dos prefeitos do interior pratica o nepotismo de forma escancarada, sob argumento de que exercem cargos em confiança.

 

O deputado Antônio dos Santos retornou às suas atividades normais, depois de ter passado uma semana em Brasília, acompanhado de vereadores suplentes.

 

A maioria dos vereadores suplentes do país está animada com a possibilidade real de retornar às Câmaras Municipais.

 

O prefeito de São Cristóvão, Zezinho da Everest (PTB), oferece hoje almoço à imprensa, depois de mostrar o que já realizou nos 100 dias de Governo.

 

O deputado Gilmar Carvalho (PSB) está pedindo ao Ministério Público que entre com uma ação na justiça e torne nulos os atos dos guardas municipais de trânsito.

 

A senadora Maria do Carmo Alves (PFL) acompanhou de perto todos os passos dos suplentes de vereador que lutam para assumir o mandato.

 

O deputado federal Cleonâncio Fonseca (PP) também tem trabalhado muito em favor dos suplentes de vereador.

 

O número de servidores municipais cresceu quase 18% de 1999 para 2002, passando de 3,4 milhões para 4 milhões de pessoas em todo o Brasil.

 

A economia do Brasil teve um desempenho bom, no último ano, em grande parte como resultado das políticas fiscal e monetária.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários