MUDANÇAS E CONVERSAS

0

As lideranças dos partidos que integram o Senado Federal, reunidas quarta-feira passada, resolveram avançar no trabalho para por um fim à verticalização, com o objetivo de facilitar a movimentação eleitoral em seus Estados e regiões. Segundo informações de Brasília, os presidentes dos partidos estão querendo que seja posto um projeto que retira a nacionalidade das legendas, o que as tornam regionalizadas. Com isso estaria eliminada a obrigatoriedade do voto fechado, tendo como parâmetro as candidaturas a presidente da República. Para chegar ao popular, seria o fim ao voto de “cabo a rabo”. Isso resolveria a questão das dissidências partidárias nos Estados e poderia ampliar opções, evitando desastres eleitorais do tipo que aconteceu com Pedrinho Valadares, que teve mais de 80 mil votos e não foi reeleito deputado federal, porque o seu partido, à época PSB, não conseguiu quociente eleitoral em Sergipe. Razão: Antony Garotinho resolveu manter sua candidatura a presidente da República, o que impediu Pedrinho de fazer coligações.

 

A queda na verticalização também vai acirrar disputas políticas intestinas, existentes em alguns partidos, porque praticamente abre perspectivas para uma forma camuflada de se criar sublegendas. Sergipe, por exemplo, terá um problema desse tipo. Serão criados dois ninhos para acomodar tucanos que não se bicam. O senador Almeida Lima, que ingressou no PSDB determinado a assumir o seu comando, dentro de compromissos com a Executiva Nacional, passaria a ter um grupo aliado com um objetivo definido. O ex-governador Albano Franco e o seu grupo não alçariam o vôo de debandada do tucanato sergipano. Manteriam-se bem acomodados, mas colocariam uma densa plumagem vermelha e seguiriam rumo diferente dos seus correligionários azuis. Com certeza, o senador Albano Franco votaria no governador de interesse do grupo que comanda no Estado e pousaria com outra cor no centro da disputa para a Presidência da República, votando no candidato do partido.

 

Mas fica uma pergunta no ar: interessaria ao presidente Lula apenas para votar no candidato a governador do seu partido e tentar derrota-lo na disputa pela reeleição? É um caso a pensar…

 

Mas enquanto em Brasília as lideranças agem em relação à queda da verticalização, em Sergipe está começando o período da reaproximação. O governador João Alves Filho almoçou ontem com vereadores de Aracaju, inclusive o presidente da Câmara, Zeca da Silva (PSB). Lá estavam também alguns prefeitos do interior e o líder e vice-líder do Governo na Assembléia Legislativa, Venâncio Fonseca (PP) e Augusto Bezerra (PFL). Conversou sobre a luta que empreendeu em Brasília para levar a Reforma Tributária à votação no dia 29 próximo. Mas também falou de política e deixou claro que a partir de agora teriam reuniões em períodos mais estreitos. Após o almoço, o governador atendeu os prefeitos individualmente, iniciando um processo de reaproximação com as lideranças do interior. O próximo encontro será com deputados da base governista, a maioria queixosa da falta de atenção. É possível que a partir de agora, algumas medidas políticas sejam adotadas.

 

O prefeito de Aracaju, Marcelo Déda (PT), também está em contato com lideranças políticas e confidenciou para aliados que pretende trazer o PMDB para o seu lado. O presidente do partido, Benedito Figueiredo, ainda não foi procurado, mas o deputado federal Jorge Alberto bateu um bom papo com Déda. Havia um boato de que para a conquista seria oferecida a disputa pela vice-governadoria, mas Alberto desmentiu: “não conversamos nada nesse sentido”. Jorge acrescentou que das eleições para cá quem conversou alguma coisa da política sergipana com o PMDB foi Marcelo Déda, Heleno Silva (PL) e Almeida Lima (PSDB), todos buscando a formação de bloco. Admitiu que o governador João Alves Filho também deverá fazer o mesmo posteriormente. De qualquer forma ninguém está parado e o processo sucessório em Sergipe se acelera nos bastidores, com uma antecipação de dois anos, porque já são conhecidos os nomes dos candidatos majoritários.

 

 

VALADARES

Cerca de 20 prefeitos jantaram quarta-feira com o senador Antônio Carlos Valadares (PSB), em Brasília, em sua residência.

Havia um clima de euforia e a maioria deles falava na candidatura do senador ao Governo do Estado. Foi uma festa política.

 

EVITA

O senador Antônio Carlos Valadares nega que esteja promovendo jantar para lançamento de campanha. Diz apenas que ofereceu se reuniu com amigos que estavam em Brasília.

Segundo um dos prefeitos presente ao jantar, o clima era de euforia com a possibilidade de Valadares ser candidato, “porque o interior o quer”.

 

CONVERSA

O ex-governador Albano Franco (PSDB) voltou a conversar, sábado passado, com o presidente do Congresso, Renan Calheiros (PMDB).

Aconteceu na casa do presidente…

Renan insistiu no convite para que Albano ingressasse no PMDB, acrescentando que “nós temos muita satisfação em tê-lo conosco”.

 

PENSANDO

Albano Franco respondeu que ainda não tem uma posição firmada sobre a mudança de legenda, mas sentiu-se honrado com o convite e disse que iria pensar com carinho.

Ao retornar a Aracaju, Albano Franco comunicou a conversa que tivera com Renan ao presidente regional Benedito Figueiredo (PMDB). Avisou: “caso me filie, entro por aqui”.

 

ALMOÇO

No mesmo dia da conversa com Renan Calheiros, Albano Franco viajou a Goiana e almoçou com o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), em sua chácara.

Segundo Albano, conversaram sobre tudo, mas em nenhum momento foi tocado o problema que o partido passa em Sergipe.

 

TRANQÜILO

O prefeito Marcelo Déda (PT) confidenciou a amigos que está muito tranqüilo em relação ao senador Valadares (PSB): “trata-se de um homem de palavra”.

Para Déda, o projeto do senador Valadares é eleger o filho, Antônio Carlos (PSB), para deputado federal.

 

REFLETIR

Marcelo Déda (PT) aniversaria hoje, mas já disse a amigos que no aniversário do próximo ano vai tirar alguns dias para refletir, fora de Aracaju.

Será por um período de 10 a 15 dias e quando voltar vai ver se realmente é a candidatura ao governo que ele deseja.

 

COMUNICADO

Entretanto, o prefeito Marcelo Déda já comunicou ao presidente Lula da Silva (PT), que será candidato a governador do Estado em 2006.

Avisou que vai iniciar uma série de contatos e antecipou que pretende ser um candidato de grupo definido.

 

CONQUISTA

O governador João Alves Filho (PFL) considerou que a votação da Reforma Tributária para o dia 29 foi uma grande conquista para o Estado.

João Alves disse que valeu a pena o trabalho que ele e alguns companheiros tiveram em Brasília, porque dificilmente essa votação ocorreria agora.

 

RECONHECE

O deputado federal Jorge Alberto (PMDB) reconheceu que o governador João Alves Filho foi muito importante para a votação da Reforma Tributária em 29 de março.

“Pela sua atuação e persistência, João Alves obteve uma boa conquista não só para Sergipe, mas para todo o Nordeste”, reconheceu.

 

SEVERINO

Jorge Alberto acha que a reforma tributária só será votada dia 29 porque o presidente da Câmara, Severino Cavalcanti (PP), pressionou para isso.

Para Jorge, o presidente Severino Cavalcanti conseguiu reverter o vetor: “ao invés do Palácio do Planalto, quem vai levar a votação à frente é o Congresso”.

 

ESPECIAL

A Assembléia Legislativa terá sessão especial segunda feira, para discutir a questão da redução dos vereadores. O requerimento é do deputado Venâncio Fonseca (PP).

Desta sessão devem participar deputados federais e senadores, além de representação dos suplentes que estariam como titular se não houvesse a redução.

 

FABRÍCIO

Representando os suplentes de Sergipe, Fabrício Cardozo (PFL) conversou com o presidente da Câmara, Severino Cavalcanti, levado pelo deputado Cleonâncio Fonseca.

Ouviu de Severino que está na luta para a queda da redução de vereadores e disse que o presidente do PP, deputado Pedro Correia, está cuidando exclusivamente disto.

 

Notas

 

PRESIDENTE

O presidente da Republica, Lula da Silva (PT), ainda não confirmou sua presença a Aracaju neste período de comemorações do sesquicentenário, que já está acontecendo desde o início desta semana. O prefeito Marcelo Déda está esperando para hoje uma sinalização do Planalto, sobre a vinda de Lula.

Dentro das comemorações do sesquicentenário, Marcelo Déda vai condecorar todos os ex-prefeitos vivos, entre eles o governador João Alves Filho, o senador José Almeida Lima e o conselheiro Heráclito Rollemberg.

 

VALADARES

O senador Antônio Carlos Valadares revelou que o seu projeto político maior é fazer um Governo de oposição e trabalhar para eleger uma boa banca estadual e pelo menos um deputado federal. Segundo Valadares, o seu partido, o PSB, tem compromissos com a sua história e com coligação que integra.

Segundo Valadares, seria muito pequeno de sua parte ter um projeto político apenas para eleger o filho deputado federal. O pensamento vai bem acima disso, que é o fortalecimento do PPS em todos os níveis.

 

ALMEIDA

O senador José Almeida Lima (PDT) fez ontem, do Senado, um apelo ao presidente do Supremo, Nelson Jobim, e ao ministro relator Celso Melo, para que julguem a Ação de Inconstitucionalidade contra a redução do número de vereadores nas câmaras municipais. A redução foi precipitada.

“A resolução deve ser revogada não pela sua inconstitucionalidade, mas porque se tornou uma coisa odienta contra os vereadores. Além disso, diversos Estados já deram decisão contrária à resolução do TSE”, disse.

 

É fogo

 

O deputado federal Heleno Silva (PL) foi escolhido vice-líder do seu partido na Câmara Federal. A partir de agora terá mais espaço.

 

O deputado Mardoqueu Bodano (PL) elogiou a ação do governador João Alves Filho em Poço Redondo.

 

Mardoqueu Bodano disse que era da oposição, mas sabia reconhecer quando havia acertos por parte do Governo.

 

O prefeito de Aracaju, Marcelo Déda, está fazendo as comemorações do sesquicentenário com espírito democrático e sem ranço político.

 

O senador Antônio Carlos Magalhães, em um aparte, reconheceu que o senador Almeida Lima estava correto em sua posição.

 

Almeida e ACM tiveram uma discussão pesada no Senado que os deixaram distante. Com o aparte, a coisa muda.

 

O deputado estadual Cleonâncio Fonseca (PP) tem um bom relacionamento com o presidente da Câmara, Severino Cavalcante. É parlamentar forte junto ao correligionário.

 

O problema da água está ficando cada vez mais sério. Já é bom começar em ir pensando nos caminhões pipas para abastecer a periferia.

 

Os prédios da 13 de Julho vão ficar sem abastecimento este final de semana e quem não economizar o reservatório terá problemas.

 

A Chesf vai criar uma subsidiária para executar o projeto de transição das águas do São Francisco. A denuncia é do deputado Augusto Bezerra.

 

O secretário de Comunicação, Carlos Batalha, contabilizou 26 mil notícias veiculadas pela Agência de Notícias em 25 meses.

 

A TAM também entrou na guerra da redução do preço de passagens na semana santa. O desconto médio é de 60%.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais