MUSIQUALIDADE

0

R E S E N H A     1

 

Cantor: CHICO SARAIVA

CD: “SARAIVADA”

Gravadora: BISCOITO FINO

 

Natural de Florianópolis (SC), o compositor e violonista Chico Saraiva chega ao seu terceiro CD intitulado “Saraivada”, um lançamento da gravadora Biscoito Fino, aventurando-se também na arte de cantar. É claro que isso seria apenas uma questão de tempo. Como tantos outros bons compositores, chega a hora em que a ficha cai e a vontade de poder mostrar a arte com mais freqüência passa pela necessidade de ter que também soltar a voz. A de Chico não é das mais emblemáticas. No entanto, embora pequena e sem maiores brilhos, não faz feio em meio às intrincadas construções melódicas do compositor, este, sim, cada dia mais afiado.

Chico iniciou-se ao violão ainda na adolescência e desde então tem como grande influência Heitor Villa-Lobos. Outras tantas iriam surgir ao longo de sua carreira, como é o caso do também ótimo violonista Guinga, assumida por ele de forma explícita na dedicatória da bela faixa instrumental que dá nome ao CD ora em tela (das treze faixas, três são instrumentais). Não fosse isso dessa forma, a ascendência daquele que chama de mestre torna-se incontestável em pelo menos uma faixa do novo trabalho, a criativa “De Butuca na Cozinha”, parceria com Mauro Aguiar e que conta com a participação especial do excepcional cantor Marcelo Pretto.

Alternando apresentações em que predominava o repertório erudito com outras onde empunhava guitarra acompanhando bandas de rock, Chico veio a se apaixonar também pela chamada “música de raiz”, tornando-se, em 1998, um dos fundadores do grupo “A Barca”. Seguindo um trabalho idealizado e iniciado pelo poeta e escritor Mário de Andrade, o grupo ainda percorre o país em busca das riquezas musicais, encontrando uma infinda vastidão rítmica e poética.

No ano seguinte, Chico gravou “Água”, o seu primeiro disco solo, inteiramente instrumental, muito bem recebido pela crítica, e que contou com as presenças ilustres de Benjamin Taubkin (piano) e Mané Silveira (sax). Em 2003, como resultado da conquista do Prêmio Visa – Edição Compositores –, pôs no mercado o álbum “Trégua”, considerado um dos grandes lançamentos daquele ano.

Vendo o seu nome ser consolidado entre a nata da MPB, Chico chega ao recém-lançado CD abrindo o seu leque de parceiros. Além do já citado Mauro, há músicas em que divide com Paulo César Pinheiro, Luiz Tatit, Makely Ka e Chico César.

Dentre os convidados, há ainda as iluminadas presenças de Ceumar e Verônica Ferriani que brilham no suave afoxé “Pássaro-flor” e no etéreo samba “Canto de Rei”, respectivamente, dois bons momentos do CD. Mas há outros destaques, como é o caso da inspirada “O Tamanho da Tristeza” e da inteligente “Subentendido”. Nada disso houvesse, o trabalho já valeria a pena somente pela inclusão de “Na Virada da Costeira”, uma dessas canções que já nasce antológica. Belíssima!

Certamente, Chico Saraiva é um nome que ainda vai ser muito comentado: talentoso e criativo como poucos, ele merece ver o seu trabalho cada vez mais reconhecido.

 

 

R E S E N H A     2

 

Cantora: ANGELA EVANS

CD: “UM POUCO DE MORRO OUTRO TANTO CIDADE SIM”

Gravadora: BISCOITO FINO

Se dependesse apenas das apresentações, feitas de forma efusiva, constantes da abertura do encarte do primeiro CD da cantora mineira Angela Evans, a garota estaria feita! É que ela caiu nas graças de três grandes nomes do samba nacional: Nei Lopes, Cláudio Jorge e Hermínio Bello de Carvalho. Este último, inclusive, é o “padrinho” da nova edição do disco de estréia da cantora, lançado inicialmente de maneira independente, e que agora chega às lojas através da gravadora Biscoito Fino.

Tendo a assinatura do competente maestro Cristóvão Bastos na direção musical, Angela soube se cercar de músicos de ponta, a exemplo de Carlos Bala e Jurim Moreira (bateria), Bororó (baixo), João Lyra (violão) e Ovídio Brito (percussão). A produção é azeitada e no trabalho gráfico podem-se ver fotos de vários nomes que influenciaram a carreira de Angela, tais como Martinho da Vila, Roberto Ribeiro, Noel Rosa, Dona Ivone Lara, Paulinho da Viola e outros. As músicas escolhidas para constarem do disco (composto por treze faixas) trazem os melhores compositores do gênero. A moça canta muito bem, com um timbre claro e é bem afinada, embora ainda se constate, em alguns momentos, uma certa timidez própria de trabalhos inaugurais. O disco, no entanto, mesmo depois de repetidas audições, não soa, de fato, um grande produto. O que faltaria, então?

Falta, decerto, um repertório mais interessante. E aqui se pode entender surgir um paradoxo. Como assim, se lá estão presentes autores do porte de Ruy Quaresma, Eduardo Gudin, Elton Medeiros, Wilson das Neves e Paulo César Pinheiro?

A questão é que as canções pinçadas não estão incluídas entre as mais inspiradas desses compositores. Não que não sejam músicas bem acabadas. Mas, na sua grande maioria, não chegam a arrebatar o ouvinte, razão porque, ao final, o CD soa mesmo morno.

É claro que há alguns bons momentos: “Sete Saias” (de Wilson Moreira e Nei Lopes), por exemplo, permite a Angela mostrar um gingado interessante, bem como a bela releitura de “Favela” (de Padeirinho da Mangueira e Jorginho Peçanha). Entre afetivas participações especiais (os já citados Wilson das Neves, apropriado em “Ao Nosso Amor Maior”, dele em parceria com Luiz Carlos da Vila, e Hermínio Bello de Carvalho, cavalheiro em “Valha-me Deus”, dele e Baden Powell), Angela Evans construiu um CD apenas correto. Que venham outros para que ela possa efetivamente vir a se destacar entre as tantas vozes femininas que pipocam semanalmente por este imenso Brasil!

 

 

N O V I D A D E S

 

·               O novo CD de Adriana Calcanhotto encontra-se em fase final de produção e deverá chegar ao mercado no próximo mês. Intitulado “Maré” (parceria da gaúcha com Moreno Veloso), o aguardado álbum foi produzido por Arto Lindsay e trará diversas canções inéditas.

 

·               Há sete anos longe do mercado fonográfico, o cantor e compositor Edu Lobo estará lançando, até o final do ano, um novo CD que chegará ao mercado através da gravadora Biscoito Fino. 

 

·               Com o intuito de comemorar seus 30 anos de existência, a ECAD, instituição nacional arrecadadora de direitos autorais, está lançando o “CD de Ouro”, cujo repertório resultou de seleção feita por diversos profissionais do meio musical. Dentre as dez canções presentes encontram-se pérolas como “Anos Dourados”, “Carinhoso”, “Travessia” e “Eu Sei Que Vou Te Amar”.

 

·               O grupo de samba Batuque na Cozinha lançará, em breve, o seu primeiro DVD, registro de show recentemente realizado em casa noturna da Lapa (RJ). Leila Pinheiro, Luiz Melodia e Ana Costa estão presentes em participações especiais.

 

·               Para comemorar os oitenta anos de Miltinho, a gravadora EMI está pondo nas lojas a coletânea dupla “Samba e Balanço”. São 28 fonogramas extraídos dos 16 LP’s e numerosos compactos gravados pelo cantor carioca entre 1966 e 1976.

 

·               O quarto disco da cantora Fernanda Porto já começa a ser formatado e nele a artista vai retornar à música eletrônica, centrando o repertório do trabalho em drum”n”bass, house e tecno.

 

·               Em surdina, o paraibano Zé Ramalho finaliza as gravações do CD que marcará a sua estréia na gravadora EMI. Trata-se de um álbum no qual o artista verterá para o português grandes sucessos da carreira de Bob Dylan.

 

·               O projeto (CD e DVD) que marcará a volta de José Augusto ao mercado fonográfico já se encontra no forno e deverá chegar às lojas no comecinho do mês de maio. Conta com as participações especiais das cantoras Fafá de Belém e Alcione e dos grupos Roupa Nova e The Originals.

 

·               O baixista Rodolfo Stroeter, o baterista Tutty Moreno, o pianista André Mehmari e os saxofonistas Nailor Proveta e Teco Cardoso se reúnem no álbum “Nonada”, recém-lançado pela gravadora Biscoito Fino. No repertório, há temas de Dorival Caymmi, Ary Barroso e Moacir Santos. Joyce é a convidada especial da faixa “Feijão com Arroz”, baião de sua própria autoria.

 

·               O compositor Nelson Sargento planeja lançar ainda este ano, aos 83 anos, mais um CD no qual extrapolará o universo do samba e interpretará, pela primeira vez, outros ritmos musicais, tais como bolero, valsa e blues. Quem viver, verá…

 

 

RUBENS LISBOA é compositor e cantor


Quaisquer críticas e/ou sugestões serão bem-vindas e poderão ser enviadas para o e-mail: rubens@infonet.com.br

 

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais