Musiqualidade

0

R E S E N H A

Cantora: ANA CAROLINA
CD: “ENSAIO DE CORES – AO VIVO”
Gravadora: SONY MUSIC

Artista das mais profícuas da atualidade, a mineira Ana Carolina é, já de alguns anos para cá, uma das maiores vendedoras de disco do país. Compositora geralmente inspirada e exímia instrumentista (domina violão e pandeiro com maestria), ela é dotada de uma voz de grande potência e extensão. E, embora por vezes exagere nos maneirismos vocais, é, sem sombra de dúvida, uma das grandes intérpretes brasileiras deste início de século.

Chegou recentemente às lojas, através da gravadora Sony Music, o seu novo projeto musical. Trata-se de “Ensaio de Cores”, registro de show com que vem percorrendo o Brasil nos últimos meses ladeada por três instrumentistas: Gretel Paganini (no violoncelo), Lan Lan (na percussão) e Delia Fischer (nos teclados). O conceito básico é o de entremear os caminhos entre música e pintura, duas grandes paixões da artista.
Gravado ao vivo durante show realizado em setembro passado no Citibank Hall, no Rio de Janeiro, o produto está sendo lançado nas versões CD e DVD e se consolida como um dos melhores títulos da discografia sempre crescente de Ana. Composta especialmente para a ocasião, a bossa “As Telas e Elas” é um dos destaques do repertório que reúne canções já gravadas pela cantora, além de releituras de temas alheios e algumas inéditas. Dentre estas, o grande e delicioso momento fica por conta do samba “Pra Tomar Três” (primeira parceria de Ana com Edu Krieger), já entoado pelos fãs de primeira hora a plenos pulmões.

Do início da carreira, ela pescou “Alguém me Disse”, bolero de Evaldo Gouveia e Jair Amorim que parece sempre ter sido composto esperando ser tingido pelas tintas carregadas da vigorosa intérprete. Dentro do conceito abraçado soam, então, totalmente pertinentes as inclusões de “Todas Elas Juntas num Só Ser” (de Lenine e Carlos Rennó) e “Rai das Cores” (de Caetano Veloso). Caetano também se faz presente com “Força Estranha” e Ana ousa ao se acompanhar sozinha ao baixo em “Azul” (de Djavan). Mas nada supera o sublime registro de “O Violão” com as quatro mulheres no palco, cada uma munida do instrumento homenageado.

Já Antonio Villeroy, compositor fornecedor dos maiores hits da carreira de Ana, reforça a costumeira competência em dois ótimos momentos: “Você Não Sabe” e “Stereo”, esta uma canção gravada originalmente por Preta Gil. Como faixa bônus gravada em estúdio surge a mediana “Problemas” (parceria de Ana com Chiara Civello e Dudu Falcão), tema que faz parte da trilha sonora da telenovela global “Fina Estampa”. Ana Carolina mostra fôlego para continuar na linha de frente por muito tempo ainda…

N O V I D A D E S

* Sobrinha da compositora Dolores Duran e filha do cantor Dave Gordon, a cantora paulista Izzy Gordon infelizmente ainda tem sua arte restrita ao público mais antenado do eixo Rio-São Paulo. Dona de timbre belíssimo e emissão perfeita, ela está lançando, através da gravadora Joia Moderna, o CD intitulado “Negro Azul da Norte”, no qual se faz acompanhada somente por piano, baixo e violão/guitarra, ainda que conte com as intervenções preciosas dos músicos Bocato (trombone em “Questão de Gosto” de Leci Brandão) e Walmir Gil (trompete em “New Love”, de Tim Maia). São dez faixas compostas por artistas brasileiros negros que ressaltam o talento de Izzy em ótimos momentos como “Você Merece Samba” (de Carlinhos Brown) e “Minha Verdade” (de Dona Ivone Lara e Delcio Carvalho). Trata-se de um álbum recomendado para ouvintes de gosto apurado que ainda traz, no seleto repertório, temas assinados, entre outros, por Milton Nascimento (“Coisas da Vida”, parceria com Fernando Brant), Paulinho da Viola (“Orgulho”, feita com Capinam) e Agostinho dos Santos (“O Amor Está no Ar”).

* Que o novo CD de Roberta Sá, por questões estratégicas de mercado, teve seu lançamento adiado para o próximo ano, isso já se sabe. A novidade do álbum, que terá a produção assinada por Rodrigo Campello e a capa bolada pelo diretor de arte Giovanni Bianco, é que a cantora incluirá, no repertório, canções assinadas, entre outros, pelo uruguaio Jorge Drexler e pelo carioca João Cavalcanti, um dos filhos de Lenine.

* “Nelson Sargento – Baluarte do Samba” é o segundo título do projeto composto por livro, CD e DVD que chegará às bibliotecas no comecinho do próximo ano dentro da série documental “Memória do Samba”. Luiz Melodia participa interpretando duas canções de Geraldo Pereira (“Ministério da Economia” e “Cabritada Mal Sucedida”). Já Diogo Nogueira pôs sua vez a serviço de “Berço de Bamba” (do próprio Nelson Sargento) e de “Sonho de Bamba” (de João Nogueira).

* A gravadora Biscoito Fino está lançando o primeiro CD da cantora gaúcha Isabela Fogaça, esposa do compositor José Fogaça (que tem canções gravadas por nomes como Fafá de Belém, Emílio Santiago, Olivia Hime, Nara Leão e Mercedes Sosa). Intitulado “Sons da Minha Terra” e com a assinatura de Cau Netto na direção musical e nos arranjos, o bem acabado álbum mostra uma cantora de voz suave e afinada, daquelas que a gente não se cansa de ouvir. As dezesseis faixas do repertório foram escolhidas a dedo entre as canções que fazem parte da memória afetiva da intérprete e talvez por isso mesmo resultam num painel bem costurado e bastante agradável. Entre temas assinados pela dupla conterrânea Kleiton & Kledir (“Besame”) e pelo já citado Fogaça (“Amor Dente-de-Leite”, “Senza Te”, “Noite Azul”, “Samba do Morro da Glória” e “Porto Alegre É Demais”), Isabela também faz questão de registrar o seu lado de compositora (através das graciosas “Pracinha do Amor de Ontem” e “Flor de Laranjeira”, compostas ao lado de Mario Góes e Luiz Coronel, respectivamente). Os melhores momentos ficam por conta de “Em Obras” (de Bebeto Alves), “Um Amor Assim” (de Orlando Moraes e Ricardo Leão) e “Hi Lilli Hi Lo” (de Helen Deutsch e Bronislau Kaper em versão de Haroldo Barbosa). A interessante “Amizade” (de Marcos Valle e Maurício Maestro) surge em duas versões. 

* A caixa “Metamorfoses”, que embala quatorze álbuns e duas coletâneas duplas de Ney Matogrosso cobrindo o período entre 1993 e 2009, já se encontra disponível. Ela complementa o box “Camaleão” que, em 2008, condensou os primeiros trabalhos do versátil artista. Uma das duas coletâneas reúne trinta e uma gravações avulsas feitas por Ney para discos de colegas e projetos diversos e se transforma no chamariz do projeto.

* Filho de Paulinho da Viola e sobrinho de Raphael Rabello, o violonista João Rabello está lançando, através da gravadora Biscoito Fino, o belo CD instrumental “Uma Pausa de Mil Compassos”. O repertório é preponderantemente autoral.

* Dentista há mais de vinte anos, Beto Aquino lança “Na Boa”, seu primeiro CD, através do qual mergulha de cabeça no universo do samba romântico. Chegando ao mercado com a chancela da gravadora Biscoito Fino, o álbum apresenta um bom intérprete que passeia com destreza pelos onze temas assinados por Carlos Colla (quase todos criados ao lado de parceiros como Manuca Almeida, Alexandre Leão e Frank Daielo, entre outros), o qual assina também a direção musical do disco. Irrepreensível como sempre, Elza Soares arrasa nos vocais de “Dr.”. Outros destaques do repertório ficam por conta das faixas “Vendi meu Violão”, “Admita” e “Arsenal de Ilusões”.

* Comemorando seis décadas de vida, Cida Moreira está lançando, através da gravadora Lua Music, o primeiro DVD de sua carreira. Trata-se do registro ao vivo do elogiado show “A Dama Indigna”, realizado no Teatro Fecap em São Paulo. O cantor Thiago Pethit é o único convidado especial e surge em dois momentos (“Surabaya Johnny” e “Youkali-Tango”).

* Dori Caymmi é o filho mais velho de Dorival e está lançando, através da gravadora Acari Records, o CD intitulado “Poesia Musicada”. Trata-se de treze melodias que ele colocou sobre versos de Paulo César Pinheiro, este, sem sombra de dúvidas, um dos maiores letristas de toda a história do nosso cancioneiro nacional. O disco comemora quarenta e dois anos de parceria entre os dois. Dori, um grande violonista, está cantando melhor que nunca com sua voz grave, densa e bem colocada. A sonoridade do álbum é eminentemente acústica, o que ressalta as harmonias elaboradas. Dentre os melhores momentos estão as faixas “Estrela Verde”, “Estrela de Cinco Pontas”, “Vereda”, “Canto Praieiro” e “Marinheiragem”.

* A série Bilogia reedita os dois álbuns mais conhecidos do grupo O Terço: “Criaturas da Noite” (de 1975) e “Casa Encantada” (de 1976). Composto, na época, por Flávio Venturini (teclados, viola e vocal), Sérgio Hinds (guitarra, viola e vocal), Sérgio Magrão (baixo e vocal) e Luiz Moreno (bateria, percussão e vocal), a sonoridade mergulhava na onda progressiva que inundou a cena underground brasileira dos anos setenta.

* Também retorna ao catálogo, desta feita através da gravadora Biscoito Fino, o ótimo DVD “Leny Andrade & César Carmargo Mariano Ao Vivo”, lançado originalmente em 2006 e que eternizou o encontro dos dois artistas no Teatro Guaíra em Curitiba (PR). O repertório reúne pérolas do nosso cancioneiro, a exemplo de “Você Vai Ver” (de Tom Jobim), “A Ilha” (de Djavan) e “Da Cor do Pecado” (de Bororó).

* O duo sergipano The Baggios, formado em 2004 e originário de São Cristóvão, lançou recentemente, através do selo Vigilante da gravadora Deck, o primeiro CD homônimo composto por quatorze faixas autorais. Composto unicamente por dois integrantes (o guitarrista e vocalista Júlio Andrade e o baterista Gabriel Carvalho), os rapazes fazem um rock realmente de qualidade que traz pitadas de blues e certo ar agradavelmente retrô. Júlio canta bem e é um compositor inspirado, notando-se, em suas obras, influências várias, dentre as quais se destaca Raul Seixas. Os melhores momentos do álbum ficam por conta das faixas “Oh Cigana”, “Meu Eu”, “O Azar me Consome” e “Morro da Saudade”, esta contando com a participação especial de Hélio Flanders. Em tempo: The Baggios foi o vencedor na categoria “Rock” do Troféu Catavento 2011, importante prêmio a nível nacional que é organizado pelo crítico musical Solano Ribeiro, o grande realizador dos antológicos festivais de música ocorridos na década de sessenta. É Sergipe entrando de vez no mundo dos grandes da nossa MPB… Salve, salve!

RUBENS LISBOA é compositor e cantor
Quaisquer críticas e/ou sugestões serão bem-vindas e poderão ser enviadas para o e-mail: rubens@infonet.com.br

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais