MUSIQUALIDADE

0

R E S E N H A

Cantor: ARNALDO ANTUNES
CD: “ACÚSTICO MTV – ARNALDO ANTUNES”
Selo: ROSA CELESTE

Na época áurea do rock nacional, lá pelos idos da década de oitenta do século passado, uma das bandas que mais se destacou no cenário nacional foi Titãs. Certamente, quem pertence àquela época deve se lembrar de que o seu integrante mais exótico era Arnaldo Antunes, paulista que, com penteado gótico e voz gutural, chamava a atenção de imediato. Arnaldo participou da banda de 1982 a 1992, período em que foram lançados sete discos, sendo de sua autoria (em parceria com alguns dos outros componentes) grandes sucessos, tais como “Comida”, “Miséria” e “Bichos Escrotos”.

Quando optou por desenvolver uma carreira solo, iniciada com o disco-livro-vídeo “Nome”, lançado em 1993, ele era ainda tido somente como um letrista inspirado e a maioria o olhava com certa reticência quanto ao quesito cantor. De fato, Arnaldo mais falava do que propriamente encadeava notas musicais, mas com o passar do tempo e a cancha adquirida nos estúdios e nos shows, terminou desenvolvendo um estilo todo próprio, de forma que, hoje, já pode ser considerado um intérprete interessante.

Tendo suas canções gravadas por gente do porte de Maria Bethânia, Gilberto Gil, Rita Lee, Gal Costa, Ney Matogrosso, Adriana Calcanhotto e outros, Arnaldo alcançou o topo nas listas de vendagem e execução quando, em 2002, unindo-se a Marisa Monte e Carlinhos Brown (dois de seus mais constantes parceiros), gravou o CD “Tribalistas”. De lá para cá, vem lançando álbuns com frequência, os quais, via de regra, apresentam criativas canções.

Numa espécie de resumo de sua carreira, ele acaba de pôr no mercado através de seu próprio selo musical, o Rosa Celeste, o CD “Acústico MTV – Arnaldo Antunes”, composto por dezoito faixas (o qual também se encontra disponível em DVD, com quatro faixas adicionais: “Pedido de Casamento”, “Socorro”, “Hereditário” e “Passe em Casa”). Como o próprio título já entrega, o artista revisita alguns temas autorais em formato mais enxuto. Acompanhado por uma banda formada por Marcelo Jeneci, Edgard Scandurra, Chico Salém, Betão Aguiar e Curumin e com a produção sob a responsabilidade do experiente Liminha, Arnaldo confere novas e belas tintas a canções que já receberam tratamento sonoro mais pesado, a exemplo de “A Casa É Sua” (parceria com o pernambucano Ortinho), “Consciência” (feita com Scandurra) e “Sem Você” (criada ao lado de Brown, a qual ganha citação de “Preta Pretinha, canção seminal de Moraes Moreira e Luiz Galvão). Por outro lado, o originalmente belo choro “De Mais Ninguém” (parceria com Marisa Monte) ganha uma versão mais acelerada, perdendo muito do brilho. Caso análogo ocorre com “Alma” (parceria com Pepeu Gomes), uma canção que, alicerçada na ótima letra mas de melodia monocórdia, já ganhou o seu registro definitivo na versão original de Zélia Duncan.

Outros temas, contudo, encaixam-se adequadamente ao formato ora escolhido, como as delicadas “Dentro de um Sonho” (parceria com Marcia Xavier), “Até o Fim” (parceria com César Mendes) e “O Seu Olhar” (parceria com Luiz Tatit). Há de se destacar que as duas últimas contam, nos vocais, com as participações especiais de Moreno Veloso e Nina Becker, respectivamente.

Alguns dos melhores momentos do repertório apresentado ficam por conta da inteligente “Debaixo d'Água”, da pulsante “Fora de Si” e da deliciosa “Pop Zen” (pinçada do repertório da banda baiana Lampirônicos). Trata-se de mais um bom trabalho do polivalente Arnaldo Antunes que segue com talento e inventividade ímpares. É para ouvir e cantar junto!

N O V I D A D E S

* Martinho da Vila acaba de lançar um novo CD através da gravadora Sony Music. Trata-se de “4.5 Atual”, o qual traz, na realidade, o mesmo repertório do disco de estreia do sambista, lançado em 1969, adicionado da canção “Menina Moça”, marco inicial de sua trajetória musical, dois anos antes, quando participou do III Festival de Música da TV Record. O título do recém-lançado trabalho alude, portanto, aos quarenta e cinco anos de carreira do artista que, de fato, merecem ser comemorados efusivamente posto que Martinho, autor dos sambas enredos mais famosos da Vila Isabel, já marcou o seu nome dentre os grandes do samba da história da nossa música popular. Adornadas com novos arranjos capitaneados pelo competente produtor Rildo Hora, o ouvinte se deparará com canções que fazem parte do inconsciente coletivo nacional, a exemplo de “Casa de Bamba”, “O Pequeno Burguês”, "Yá Yá do Cais Dourado”, “Quem É do Mar Não Enjoa” e “Pra Que Dinheiro?”. Com sua voz manemolente e um estilo bastante peculiar de dividir as palavras ao cantá-las, Martinho ainda encontra espaço para presentear os seus inúmeros fãs com três boas músicas inéditas: “Pãozinho de Açúcar”, “Partido-Alto de Roda” e “Samba dos Passarinhos”, esta uma parceria com Moacyr Luz. Em tempo: Martinho, para quem não sabe, foi o primeiro sambista a ultrapassar a marca de um milhão de cópias com o álbum “Tá Delícia, Tá Gostoso” lançado em 1995.

* O cantor Pedro Mariano, filho do meio de Elis Regina, anuncia que, em breve, estará lançando um tributo especial para marcar as três décadas do falecimento da mãe. O artista convocará vários intérpretes masculinos para revisitar algumas canções gravadas por Elis em um show espetáculo que será gravado ao vivo para posterior edição em CD e DVD.

* Através da gravadora Biscoito Fino, chegou recentemente às lojas o segundo CD da cantora carioca Alexia Bomtempo. Trata-se de “I Just Happen To Be Here”, um álbum composto por dez faixas compostas em inglês por Caetano Veloso e que tem a produção assinada pelo baixista Dé Palmeira ao lado de Felipe Abreu. Alexia canta suave e muito bonito e a ideia é realmente bastante interessante. Os arranjos de clima etéreo receberam a adesão de músicos de ponta da atual cena musical brasileira, a exemplo de Rodrigo Campello (guitarra), Mu Carvalho (piano), Kassin (baixo), Domenico Lancellotti (percussão) e Dadi (violão e bandolim). Há as participações especiais de Frejat (dobro em “In The Hot Sun of a Christmas Day”, parceria de Caetano com Gilberto Gil) e de Letieres Leite & Orkestra Rumpilezz (metais em “Nine Out of Ten”). Entre canções mais conhecidas como “London, London” e ”It’s a Long Way”, os destaques do repertório ficam por conta de “Shoot Me Dead” e “You Dont’t Know Me”.

* O álbum gravado por Fernanda Takai, a vocalista da banda mineira Pato Fu, com Andy Summers, o guitarrista britânico projetado no extinto grupo inglês The Police, já tem título: “Fundamental”. Composto por onze músicas inéditas compostas por Summers (cinco delas vertidas para o português por Fernanda, John Ulhoa e Zélia Duncan), o CD será lançado em breve no Brasil pela gravadora Deck, mas sairá concomitantemente no Japão, nos Estados Unidos e em alguns países da Europa.

* O compositor e cavaquinista João Callado está lançando seu novo CD. Intitulado “Nova Dança” e produzido pelo próprio artista ao lado do violonista Luís Filipe de Lima, o álbum, que é composto por doze faixas inéditas e autorais (nove delas instrumentais), tem como conceito o desdobramento de ritmos dos gêneros musicais brasileiros, geralmente formatados no compasso binário (como o samba), em tempos ternários. As três faixas letradas são interpretadas por Soraya Ravenle (“Samba em 3”, feita ao lado de Edu Krieger), Pedro Miranda (“Falta Alguma Coisa”, criada com Julio Dain) e Marcos Sacramento (“Só Você”, parceria entre Callado e Sacramento). Dentre os destaques do repertório estão as faixas “Explode o Salão!”, “Par ou Ímpar?” e “2 Pra Lá, 3 Pra Cá”.

* O quarto CD de Preta Gil deverá chegar ao mercado no próximo mês e se intitulará “Sou Como Sou”, canção que lhe foi presenteada por Alex Góes. O pai, Gilberto Gil, estará presente no repertório com o inédito tema “Praga”.

* O cantor e compositor paulistano Rodrigo Campos está lançando, através do selo YB Music, o segundo CD, sugestivamente intitulado de “Bahia Fantástica”. Bastante elogiado pela crítica especializada quando lançou o seu disco de estreia (“São Mateus Não É um Lugar Tão Longe”, em 2009), Rodrigo apresenta, nesse novo trabalho, uma dúzia de canções inéditas e autorais: são temas geralmente curtos, uma característica do artista enquanto autor, que também opta por contar histórias com personagens definidas, como Andreza, a garota que entrou no mar depois de comer em demasia e acaba se afogando (em “Princesa do Mar”) ou Mino, um escravo que assassina a cabrocha amada depois que a vê dançando com outro (em “Ribeirão”, canção que conta com o super-elogiado Criolo nos vocais principais). A morte, aliás, é tema recorrente na obra de Rodrigo e se faz presente em mais momentos, como em “Aninha” e “Capitão”. Outras participações especiais ficam a cargo de Juçara Marçal (em “Jardim Japão”, parceria com Vicente Barreto) e Luísa Maita (“Morte na Bahia”). A terra do Senhor do Bonfim é também explicitamente citada em algumas músicas como “Cinco Doces” e “Sou de Salvador” e o antenado Rodrigo soube se cercar de bons nomes da cena indie paulista para ajudá-lo na concepção do álbum, a exemplo de Kiko Dinucci, Marcelo Cabral e Romulo Fróes. Vale a pena conhecer!  

* Gravado recentemente ao vivo no Terreirão do Samba, no Rio de Janeiro, o novo projeto musical de Arlindo Cruz, “Batuques do meu Lugar”, será disponibilizado em breve nos formatos CD e DVD. O talentoso sambista contou com as participações especiais de Zeca Pagodinho, Alcione, Caetano Veloso e Sombrinha.

* A gravadora EMI acabou de pôr no mercado a série “Super Divas” que contempla coletâneas avulsas de Ângela Maria, Maysa, Cláudia, Waleska, Maria Alcina, Aracy de Almeida, Rosana Toledo, Elizeth Cardoso, Eliana Pittman, Carmélia Alves, Leny Eversong, Dalva de Oliveira e Ademilde Fonseca. Um panorama vasto e diversificado da nossa música popular na segunda metade do século passado que merece ser pesquisado.

* E para quem já estava com saudade de um disco de inéditas de Zé Ramalho, aí vai uma notícia bem bacana: o artista paraibano estará lançando em julho um novo CD recheado de material quentinho. Produzido por ele próprio ao lado de Robertinho de Recife, o álbum de doze faixas se intitulará “Sinais dos Tempos” e contará com a participação de João Ramalho, filho de Zé com a cantora Amelinha. Quem viver, ouvirá!

RUBENS LISBOA é compositor e cantor
Quaisquer críticas e/ou sugestões serão bem-vindas e poderão ser enviadas para o e-mail: rubens@infonet.com.br

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais