Musiqualidade

0

R E S E N H A     1

Cantor: PAULO NETO
CD: “DOIS ANIMAIS NA SELVA SUJA DA RUA”
Gravadora: INDEPENDENTE

País onde predominam belas vozes femininas, o Brasil se sente de fato feliz quando ocasionalmente surge um cantor de voz marcante que possa vir a se juntar ao time do qual fazem parte Emílio Santiago, Ney Matogrosso, Carlos Navas, Oswaldo Montenegro, Zé Renato e alguns poucos outros. Assim, é alvissareiro constatar a chegada ao mercado do CD “Dois Animais na Selva Suja da Rua”, o segundo trabalho fonográfico de Paulo Neto, um pernambucano que reside em São Paulo desde 2006 (o primeiro disco foi “SambaEuCanto”, lançado em 2010 com distribuição artesanal e restrita).

Gravado em apenas duas noites de setembro do ano passado no Studio Curumim, na capital paulista, produzido por Thiago Marques Luiz e com a direção artística a cargo do DJ Zé Pedro, o álbum é composto por onze faixas com predominância das releituras (e é aí que reside o único senão: um projeto com maior número de canções inéditas decerto que abriria maiores possibilidades interpretativas).

Distante dos universos do frevo e do mangue beat que costumam marcar o repertório dos artistas advindos de Pernambuco, Paulo mergulha de cabeça na chamada MPB tradicional e mostra que sabe beber de fontes díspares que podem ir do rebuscado Belchior (“Tente Outra Vez”) ao popular Odair José (“Eu Vou Tirar Você Desse Lugar”). Em qualquer dos casos, o artista consegue imprimir sua própria digital, o que lhe confere o mérito de transparecer ser um intérprete pronto, talhado, inclusive, para vôos mais altos.

Os arranjos do disco trazem a marca do contemporâneo e foram concebidos para ressaltar a bela voz de Paulo. Dono de um timbre muito bonito, destacam-se também a afinação precisa e a emissão correta. Das três músicas inéditas, faz-se aconselhável escutar com atenção “Prova de Resistência” (de Isabela Moraes) e “Ninguém Pode Entender” (de Cléo Galanth). Já no campo das regravações, os melhores momentos ficam por conta, além da faixa-título, de “O Patrão nosso de Cada Dia” (de João Ricardo, do repertório do lendário trio Secos & Molhados), “Sinto-me Bem” (de Ataulfo Alves) e “Com Mulher Não Quero Mais Nada” (de Noel Rosa e Silvio Pinto). Noel, aliás, não é um compositor estranho ao universo musical de Paulo vez que foi ele o vencedor do concurso “Vale Cantar Noel”, promovido em 2011 na 22ª edição do Prêmio de Música Brasileira.

Enfim, trata-se de um cantor que merece ter o talento rapidamente reconhecido. Seu CD é do tipo super recomendável para todos os que apreciam música de qualidade!

R E S E N H A     2

Artistas: NINA BECKER & MARCELO CALLADO
CD: “GAMBITO BUDAPESTE”
Gravadora: YB MUSIC/BOLACHA DISCOS

A cantora Nina Becker é uma das vocalistas da Orquestra Imperial, grupo de músicos da cena indie que vem agitando o cenário carioca e que, ainda este mês, estará lançando o segundo álbum, mas também desenvolve carreira solo, tanto que em 2010 pôs no mercado dois discos: “Azul” e “Vermelho”. Já o baterista Marcelo Callado faz parte da banda Cê que acompanha Caetano Veloso há alguns anos e também integra a Do Amor.

Parceiros na vida (estão a esperar o nascimento da filha Cora), os dois resolveram se unir também na arte e acabam de lançar, através de uma parceria entre as gravadoras YB Music e Bolacha Discos, o CD intitulado “Gambito Budapeste”, o qual, sob a produção de Carlos Eduardo Miranda, é composto por treze faixas. Destas, doze são autorais e inéditas (Marcelo é o autor solitário de três, Nina assina sozinha quatro e outras três são fruto da parceria entre eles), figurando no campo da releitura somente o interiorano baião “Armei a Rede” (de Assis Valente e Arsênio Antônio), um dos destaques do repertório apresentado.

Em resumo, trata-se de um álbum que desce redondinho, mostrando o perfeito entrosamento do casal, ainda que um ou outro momento soe demasiadamente psicodélico, experimental ou menos inspirado (casos de “Blues”, “Nuvem” e “Packing to Leave”, respectivamente).

Nina possui voz doce e envolvente que se encaixa com perfeição em temas como “Cadê Você?” (maravilha pop que, se selecionada para a trilha de alguma telenovela global, certamente estouraria no Brasil inteiro), “Sem Lei” e “De Cor, Coração” (esta, se ouvida por alguém menos atento, fá-lo-ia ter a sensação de estar escutando Gal Costa no começo da carreira). Marcelo, que agora se aventura também pela arte de cantar, cumpre direitinho o riscado seja quando assume sozinho tal função (como em “Futuro”, que traz ecos dos Mutantes misturados aos Novos Baianos, ou em “Saudade Vem”, tema de delicadeza ímpar), seja quando divide os vocais com Nina (na bonita “Só” e na sutil “Tucanos”),
Outros ótimos momentos do disco ficam por conta da animada “Essa Menina” (faixa que conta com a bem-vinda adição de coro e palmas de amigos) e da contagiante “Marco Zero” (saboroso rock que dá vontade de cantar junto e ouvir por repetidas vezes).

Enfim, o CD é uma delícia e, por assim ser, merece ser bem ouvido e comentado. Eu, se fosse você, corria atrás!

N O V I D A D E S

* A cantora Renata Jambeiro lançou, há pouco tempo, o seu segundo CD, o qual chegou ao mercado de maneira independente. Intitulado “Sambaluayê Estúdio”, veio a reboque do DVD homônimo, resultado de um registro ao vivo. Era hora de as gravadoras que estão tentando encontrar a todo custo uma sucessora para Clara Nunes prestarem atenção nessa moça que traz em sua alma o samba verdadeiro, oriundo dos terreiros e repleto de influências ancestrais. Renata canta bonito e de forma segura e, sob a produção competente de Fernando César e Leander Motta, apresenta um enxuto mas primoroso repertório composto por dez faixas. Entre os melhores momentos estão “Preceito” (de Toninho Geraes e Roque Ferreira), “Mãe África” (de Sivuca e Paulo César Pinheiro), “Segredos de Mulher” (de Leandro Fregonesi e Rafael dos Santos), “Xamego de Crioula” (de Zé Di) e “Se É Pra Fazer, Faz Direito” (de Marcelinho Moreira, Fred Camacho e Cassiano Andrade). Altamente recomendável!

* A trilha sonora da telenovela global “Guerra dos Sexos” já está no forno e deve chegar às lojas no máximo dentro de um mês. Dentre os fonogramas selecionados estão “Simplesmente Aconteceu” (com Ana Carolina), “Comigo É Assim” (com Elis Regina), “Anjo” (com Deborah Blando), “Guerra do Sexo” (Eduardo Dussek e Elza Soares), “Te Amo” (com Wanderléa), “Viva” (com A Cor do Som), “Rapaz” (com Rita Lee) e “Nosso Amor” (com Célia). Ecletismo para satisfazer a todos os gostos!

* Ótima notícia para os fãs de Ângela Ro Ro: a artista carioca registrou o show realizado semana passada no Theatro Net Rio, no Rio de Janeiro, para lançamento futuro em CD e DVD. O projeto vai contar com as participações especiais de Maria Bethânia, Diogo Nogueira, Moska, Frejat, Jorge Vercillo e Sandra de Sá. E o melhor de tudo é que o repertório será praticamente formado por músicas inéditas.

* Caberá à gravadora Deck o lançamento do registro ao vivo do show da turnê “Elétrico” com que Lobão vem percorrendo o país. Intitulado “Lindo, Sexy & Brutal”, o projeto sairá em CD e DVD que foram masterizados nos estúdios de Abbey Road, em Londres, na Inglaterra. O repertório alinha algumas canções inéditas com vários de seus sucessos.

* Já estão sendo finalizadas em um estúdio paulista as gravações do CD que marcará o centenário de nascimento do compositor Herivelto Martins. Com os arranjos criados pelo violonista Ronaldo Rayol, o projeto contará com a participação de diversos artistas, a exemplo de Cida Moreira, Filipe Catto e Verônica Ferriani.

* Será lançado até o final deste ano o primeiro CD do cantor, compositor e ator Leandro Léo. Intitulado “Rei da Palavra”, o álbum conterá quatorze faixas e trará a participação especial da amiga Maria Gadú que também assina a produção. O repertório majoritariamente autoral apresentará parcerias de Leandro com gente como Dani Black, mas há ainda a regravação de “Firmamento”, hit da banda Cidade Negra.

* “Los Sebosos Postizos Interpretam Jorge Ben Jor” é o título do trabalho que Dengue, Jorge Du Peixe, Lucio Maia e Pupillo (quatro músicos da Nação Zumbi) estão lançando nos formatos CD e vinil. Produzido por Mario Caldato Jr., o disco traz entre as faixas “Os Alquimistas Estão Chegando”, “O Telefone Tocou Novamente”, “O Homem da Gravata Florida” e “Rosa, Menina Rosa”.

* Efetivamente lançado pela gravadora Universal em agosto deste ano para marcar os setenta anos do filho mais famoso de Dona Canô, o CD “A Tribute To Caetano Veloso” fez bem menos alarde do que o esperado. Uma audição apressada do produto idealizado pelo produtor Paul Ralphes pode realmente passar uma impressão equivocada de um álbum que foi gravado por artistas de várias nacionalidades para saudar o nobre compositor baiano. São dezesseis faixas pinçadas entre temas mais conhecidos (como “Qualquer Coisa” com Qinho, “Eclipse Oculto” com Céu e “Força Estranha” com o espanhol Miguel Poveda) e lados B da obra do artista, o que, por si só, já qualifica o projeto que poderia somente se concentrar nas canções de maior sucesso, o que certamente resultaria em “mais do mesmo”. Não é o caso. Embora não soe homogêneo, o CD apresenta ótimos momentos, a exemplo de “You Don’t Know Me” (com The Magic Numbers), “De Manhã” (com Marcelo Camelo), “Araçá Blue” (com Mariana Aydar) e especialmente “Janelas Abertas nº 2” (com a portuguesa Ana Moura). No time nacional também se fazem presentes Seu Jorge, Tulipa Ruiz, Mutantes, Luísa Maita e Momo. Vale comemorar com o grande Caetano! E em tempo: seu novo CD de inéditas chegará ao mercado no próximo mês através da gravadora Universal e já tem o título definido: “Abraçaço”.

RUBENS LISBOA é compositor e cantor
Quaisquer críticas e/ou sugestões serão bem-vindas e poderão ser enviadas para o e-mail: rubens@infonet.com.br

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais