MUSIQUALIDADE

0

M U S I Q U A L I D A D E

 

 

L A N Ç A M E N T O

 

Cantor: CHICO PINHEIRO

CD: “CHICO PINHEIRO”

Gravadora: BISCOITO FINO

 

Chico Pinheiro é tão jovem quanto transparece ser a sua aparência. Natural de São Paulo, é compositor, arranjador e violonista. Iniciou-se profissionalmente em 1991, como guitarrista em estúdios e produtoras de trilhas de São Paulo. Logo depois, passou a trabalhar com artistas como Daniela Mercury, Rosa Passos e Jair Rodrigues. Conquistou, em 1994, o 1º lugar do Prêmio “Projeto Nascente”, promovido pela USP em parceria com a Editora Abril, na categoria de “Compositor” e, três anos depois, graduou-se em performance e arranjo na Berklee College of Music (Boston/EUA).


Retornando ao Brasil, conquistou, em 2000, o 2º lugar do III Prêmio Eldorado Visa “Edição Compositores”, estreando, em 2002, o seu primeiro show solo, realizado no “Supremo Musical”, no qual lançava duas novas intérpretes convidadas: Maria Rita e Luciana Alves. A primeira, que dispensa comentários, todo mundo sabe o que aconteceu: um estouro nacional, alardeado pelo fato de ser filha de Elis Regina. A outra, que canta tão bem quanto mas que parece ter um carisma menor, é a responsável por alguns bons momentos deste recém-lançado CD de Chico, o segundo de sua carreira.


No seu álbum inaugural, o artista não cantava. Apenas executava o seu vigoroso violão e mostrava as suas composições nas vozes de alguns intérpretes (além das duas cantoras já citadas, havia participações de Lenine, Ed Motta e Chico César). Já no novo disco, Chico arrisca-se como cantor em algumas faixas. Sua voz não é das mais privilegiadas nem ajuda a entender as suas melodias pouco convencionais e as suas ousadas harmonias. Mas também não chega a comprometer.


Com alguns inspirados temas instrumentais, duas faixas cantadas pela novata Tatiana Parra, outras quatro pela já citada Luciana Alves e a participação especial de João Bosco na faixa “Tocador de Violão”, Chico Pinheiro construiu um disco agradável de ouvir, porém é difícil que venha a emplacar algum hit radiofônico. Com qualidades inquestionáveis, sua música é, de fato, um tanto complexa para o ouvinte médio. Os destaques ficam com a excelente “Se Depender de Mim” e com a balançada “Desfile de Afoxé”, ambas parcerias com o sempre competente Paulo César Pinheiro.

 

 

N O V I D A D E S

 

·                      Enquanto a cantora Isabella Taviani, devidamente contratada pela Universal, já registrou em CD e DVD, semana passada, o show “Foto Polaroid”, Simone grava ao vivo, no fim deste mês, espetáculo a ser realizado no Teatro João Caetano, no qual vai receber convidados como Milton Nascimento. Por sua vez, a banda Barão Vermelho deixou para o mês de agosto a gravação de disco ao vivo no Circo Voador e o grupo Cordel do Fogo Encantado concordou, enfim, com o registro de sua obra em DVD encomendado para a série “MTV Apresenta”.  


·                    
Alavancada pelo sucesso alcançado, junto ao público jovem, da Vagabanda, grupo criado para a novelinha “Malhação”, a Globo Universal resolveu investir na atriz Marjorie Estiano e está pondo no mercado o primeiro CD da bonitinha. O disco é bem produzido, mas fica difícil esconder o caráter rasteiro das canções, feitas para embalar conflitos adolescentes. O mais chato de tudo é que as músicas são muito parecidas umas com as outras e o resultado final soa cansativo. Variar os compositores gravados poderia ser uma boa opção para amenizar isso. Já Marjorie cumpre seu papel com destreza: embora não possua uma grande voz, canta legal e sem afetação, passando segurança, o que é um mérito próprio, uma vez que se trata de seu primeiro trabalho na área musical. Há influências de cantoras nacionais e estrangeiras no seu canto, embora isso se trate de arestas que decerto serão aparadas no futuro. Mas o álbum poderia ser bem melhor…


·                    
A cantora Simony, que foi revelada nos anos 80 através do grupo infantil Balão Mágico, está comemorando os seus 25 anos de carreira. Para tanto, estará lançando, até o final do mês, o seu novo CD intitulado “Celebração”, no qual faz dueto com Sandra de Sá na faixa “Joga Fora” e regrava hits de Cazuza (“Codinome Beija-Flor”) e Djavan (“Samurai”).


·                    
O cantor Marcelo Vianna, depois de resgatar inéditas do avô no CD “Teu nome, Pixinguinha”, se debruça atualmente sobre o baú de outro ícone da música brasileira: Baden Powell. No seu próximo disco, Marcelo terá dois sambas inéditos de Baden em parceria com Paulo César Pinheiro: “Pai” e “Encosta Pra Ver Se Dá”, que deu origem à canção “Cai Dentro”, sucesso na voz de Elis Regina.


·                    
Agendado pela EMI para ser lançado em outubro, o novo CD de Marisa Monte já começa a ser formatado. Além de pôr letra (com Arnaldo Antunes) em melodia inédita de Paulinho da Viola, Marisa também iniciou parceria com festejado Seu Jorge.


·                    
Depois de vários anos sem lançar CD, a cantora Rosemary prepara o lançamento do álbum “Mulheres da Mangueira”. Produzido por Milton Maranhães, o disco vai contar com as participações especiais de Alcione, Beth Carvalho, Lecy Brandão e Zeca Pagodinho, além de Chico Buarque que fará dueto com a loira na faixa “Chão de Esmeraldas”, uma parceria sua com Hermínio Bello de Carvalho. Erasmo Carlos é o autor do samba que dá título ao álbum.


·                    
Já tem nome definido o novo e esperado CD de Gal Costa: “Hoje”, que é o título da canção composta especialmente para a baiana por Moreno Veloso, seu afilhado e filho primogênito de Caetano. A alardeada primeira parceria de Chico Buarque com Zé Miguel Wisnik também já foi batizada: “Embebedado” deverá ser a primeira faixa de trabalho do disco que tem lançamento previsto para setembro, mês em que a cantora vai completar 60 anos. Falando em Gal, ela aceitou convite e vai gravar a canção “Feito um Estranho” no segundo disco de Rômulo Fróes.


·                    
Para quem aprecia o velho e bom rock, uma boa pedida é o CD de estréia da banda Galaxy, formada por Beto Lee (filho de Rita Lee), González e Edu Salvitti. Lançado pela Astronauta/Tratore, o disco se concentra no trio guitarra-baixo-bateria e faz um som bem bacana. Beto já havia lançado anteriormente um CD solo, mas fica claro que se sai melhor trabalhando em conjunto. É óbvio que há alguma influência do som feito pela mamãe roqueira que, inclusive, é co-autora da faixa “Vamos Combinar”, uma das melhores do álbum, mas os garotos têm pegada própria, conforme se contata em “Um Pouco de Mim” e “Procurando”, outros dois destaques do CD. Entre inéditas escrachadas como “Bucets”, há interessantes regravações, caso da suingada “Agora Ninguém Chora Mais” (de Jorge Benjor) e da politicamente incorreta “Dicionário Brasileiro” (parceria de Otto e Apollo 9). 


·                    
A sambista Teresa Cristina lançará, em breve, o CD e DVD ao vivo gravados recentemente no Teatro Municipal de Niterói. Embora o roteiro do show tenha priorizado as músicas do seu segundo disco, o ótimo “A Vida Me Fez Assim”, há também releituras para clássicos de Chico Buarque (“O Meu Guri”) e de Paulinho da Viola (“Onde a Dor Não Tem Razão”). A única inédita mesmo é a canção “Pra Encobrir a Solidão”, primeira parceria da cantora com Zé Renato.


·                    
Pelo selo Duncan, pertencente à cantora Zélia Duncan, está sendo lançado o CD “Paralelo”, composto por 12 parcerias da matogrossense Alzira Espíndola (irmã de Tetê) com a paranaense Alice Ruiz, viúva do poeta Paulo Leminsky.  


·                    
Com o objetivo de marcar os 15 anos da morte do grande compositor Gonzaguinha, seu filho, Daniel Gonzaga, irá lançar, em 2006, um CD no qual regravará a obra de um dos maiores artistas da nossa MPB de todos os tempos. Daniel (que, anos atrás, já revisitou a obra do avô, o inesquecível Rei do Baião, Luiz Gonzaga) já selecionou o repertório do disco que receberá o título de “Comportamento Geral”. “Gás Neon”, “Desenredo”, “Recado” e “Moleque” são algumas das canções confirmadas. Mas haverá também duas inéditas.


·                    
Juliana Diniz é neta do sambista Mauro Diniz e se encontra em fase de finalização de seu primeiro CD que está sendo produzido por Rildo Hora e Zeca Pagodinho e deverá ser lançado em agosto. Do repertório constarão, dentre outras, “Amor Proibido” (de Manacéa) e “Eu Sonhei com Você” (de Marisa Monte e Arnaldo Antunes). É uma promessa aguardada!


Rubens Lisboa é compositor e cantor

Quaisquer críticas e/ou sugestões serão bem-vindas e poderão ser enviadas para o e-mail: rubens@infonet.com.br

Comentários