Musiqualidade

0

R E S E N H A

Cantora: JOYCE MORENO
CD: “TUDO”
Gravadora: BISCOITO FINO

O primeiro disco da cantora e compositora Joyce (que, de uns tempos para cá, vem assinando artisticamente Joyce Moreno) data do já distante ano de 1968, mas foi preciso que se passassem doze anos para que o Brasil pudesse efetivamente conhecer o talento dessa grande artista. Tal se deu com o estouro nacional de “Clareana”, uma das finalistas do Festival MPB 80, realizado pela Rede Globo. Prolífica, ela vem, desde então, compondo e gravando com uma frequência acima da média e, nos anos noventa, viu sua música estourar nas pistas de dança da Europa, principalmente Inglaterra, desencadeando um ressurgimento da música brasileira no exterior voltada para um novo público, algo vagamente batizado de "new bossa" ou "drum'n'bossa".

Através da gravadora Biscoito Fino, acaba de chegar às lojas brasileiras mais um interessante álbum joyciano. Trata-se do CD intitulado “Tudo”, composto por treze faixas inéditas e autorais e que foi por ela produzido ao lado do baterista (e marido) Tutty Moreno (que, juntamente com o pianista Hélio Alves e o baixista Rodolfo Stroeter, costura os arranjos das canções), o qual, inclusive, já foi lançado, no ano passado, no Japão, país onde ela possui considerável espaço.

A sonoridade da obra de Joyce é bastante característica e facilmente identificável: uma boa mistura de samba e jazz predomina em meio a versos que tanto podem ser confiados a parceiros como escritos por ela própria, mas havendo sempre espaço para delicadezas ímpares. E se a pertinente “Quero Ouvir João” (composta com Paulo César Pinheiro) e a instrumental “Tringuelingue” (costurada com vocalises) se enquadram à perfeição no primeiro caso, “Estado de Graça” (feita ao lado de Nelson Motta e que faz alusão a “Só Tinha de Ser com Você”, de Tom Jobim e Aloysio de Oliveira) e “Aquelas Canções em Mim” são exemplos de belos momentos mais suaves.

Como compositora, Joyce faz do violão o complemento de seu corpo. Sua batida ora bossa, ora samba, pulsa na batida do coração e faz revelar que é ela também uma exímia instrumentista. Enquanto cantora, sua voz de considerável alcance continua a soar impecavelmente afinada. Dona de um timbre límpido e de uma pronúncia irretocável, ela não soa repetitiva, o que – convenhamos – para alguém com tanto tempo de estrada é um mérito e tanto!
O CD conta com as participações especiais do coletivo Segunda Lapa (composto por Alfredo Del Penho, João Cavalcanti, Moyseis Marques e Pedro Miranda) em “Puro Ouro” e do sempre competente Zé Renato em “Dor de Amor É Água” (aliás, este se faz presente também como parceiro na inspirada “Pra Você Gostar de Mim”). Joyce ainda apresenta uma nova colaboradora, a sambista Teresa Cristina (juntas, as duas compuseram a ótima “Sem Poder Dançar”). Outros destaques do repertório apresentado ficam por conta da pegada nordestina de “Boiou”, das tintas luminosas de “Claude et Maurice” e da oportuna “Choro do Anjo” em que é exposto o tema da liberdade de crença.
Apresentando bem-vindas novidades musicais, Joyce Moreno corrobora com a constatação de que o tempo se lhe fez um bom companheiro. Continuando a mandar muito bem no balanço e na elegância musical, ela soube construir um dos bons títulos de sua vasta discografia. Palmas para ela!

N O V I D A D E S

* O cantor e compositor carioca Gabriel Moura, flamenguista e mangueirense inveterado, começou sua carreira tocando em bares da zona norte do Rio de Janeiro ainda na adolescência, acompanhando-se apenas ao violão. Com a música no sangue (é sobrinho do grande e saudoso clarinetista e maestro Paulo Moura), ele abandonou a Construção Civil e passou a trabalhar também no teatro, assinando várias direções musicais. Foi tocando na noite que ele conheceu Seu Jorge e, de pronto, uma empatia recíproca se deu. Juntos, fundaram a banda Farofa Carioca que pontificou no cenário do Rio por anos. Atualmente, além de desenvolver carreira solo, Gabriel é o vocalista da Orquestra Saga e integra o grupo 4 Cabeça ao lado de Baia, Luis Carlinhos e Rogê. Ele, que lançou o seu primeiro e independente álbum (“Brasis”) em 2005, viu, de lá para cá, suas canções caírem no gosto popular (várias delas fruto de parcerias com Seu Jorge), embora geralmente em vozes outras como, por exemplo, as de Zeca Pagodinho, Paula Lima e Ana Carolina. É tentando fazer com que seu nome ganhe uma maior projeção nacional que ele acaba de lançar, através da gravadora Som Livre, o seu segundo CD. Trata-se de “Karaokê Tupi 2”, produzido pelo próprio artista ao lado de Ivo Senra, o qual se faz composto por onze faixas autorais assinadas ao lado de parceiros como Pretinho da Serrinha, Jovi Joviniano, Mu Chebabi, Pierre Aderne e Leandro Fab, entre outros. Acompanhando a apetitosa sonoridade de pop-funk-balada, são utilizados efeitos na voz do cantor, o que contribui para que ele se mostre à vontade nas suingantes canções, algumas com toques que remetem a Lulu Santos e Jorge Ben Jor. Entre temas inéditos e as releituras de “Doidinha” (originalmente gravada pelo Farofa) e do mega sucesso “Mina do Condomínio”, o disco se torna, de fato, bastante recomendável. Quanto aos destaques do repertório, estes ficam por conta das faixas “Felicidade”, “Garota do Méier” (resgatada do disco anterior), “Quero Ver Você no Baile” e especialmente “Vou te Pegar”, faixa que conta com a bem-vinda participação especial de Gabi Amarantos. O outro convidado do álbum é o multicitado Seu Jorge que surge em “Miss Favela” com sua costumeira voz tonitruante.

* A gravação ao vivo do elogiado show “Abraçaço” de Caetano Veloso acontecerá em agosto no Rio de Janeiro e esse registro será lançado até o final do ano nos formatos CD, DVD e blu-ray dentro da série Multishow ao Vivo.

* Sob a produção do tecladista Misael da Hora, a cantora Lu Carvalho acaba de lançar, de maneira independente, o seu primeiro CD. Intitulado “O Samba que Eu Sei”, o álbum é composto por quatorze faixas, sendo três assinadas pela própria artista (aqui, o destaque fica por conta de “Quero Mais É Viver Feliz”). De searas alheias Lu colhe canções criadas por grandes compositores do samba da atualidade, a exemplo de Toninho Geraes, Nelson Rufino e Toninho Nascimento. A ficha técnica traz nomes de talentosos instrumentistas como Mauro Diniz (no cavaquinho), Pretinho da Serrinha (na percussão), Jamil Joanes (no baixo) e Dirceu Leite (na flauta e clarinete). Sem arroubos na interpretação, Lu canta o repertório selecionado de forma agradável e se mostra bem à vontade no terreno que escolheu: o samba tradicional. Os melhores momentos do disco recaem sobre “Devotos do Samba” (de Rodrigo Leite e Sérgio Meriti), “Não me Responsabilizo” (de Alceu Maia e Marcelo Guimarães) e “Receita de Prazer” (de Dayse do Banjo, Gerson da Banda e Rogerinho). Nesta faixa, Lu recebe como convidada a tia Beth Carvalho. Há também as participações especiais de Arlindo Cruz e Diogo Nogueira em “Áh, Se Eu Soubesse” e “Quero Ter Você”, respectivamente. Bom começo!

* O multi-instrumentista mineiro Gabriel Guedes pôs no mercado recentemente um CD homônimo por ele próprio produzido e composto por quinze faixas, apenas uma não autoral (“Prelúdio em G”, de Bach). Predominantemente instrumental, o álbum ganha vozes somente em três momentos (“Júlia”, cantada por Milton Nascimento e Marina Machado, “Countress Days”, interpretada por Jasmin Godoy, e “Estrela Cadente”, gravada pelos integrantes do Clube da Esquina: Milton, Beto Guedes, Lô Borges, Flávio Venturini, Toninho Horta e Tavinho Moura). A sonoridade é bem bacana!

* A cantora Paula Lima confirma para o segundo semestre o lançamento de “O Samba É do Bem”, seu novo CD que traz a assinatura de Leandro Sapucahy na produção. Dedicado inteiramente ao samba, o álbum trará participações dos cantores Péricles e Xande de Pilares.

* Trazendo na capa um selo informando se tratar de um produto feito para comemorar os cinquenta anos da carreira de Marcos Valle, o novo CD do cantor e compositor acaba de chegar às lojas através da gravadora Sony Music. O álbum é dividido com a cantora norte-americana de jazz Stacey Kent e se faz composto por quatorze faixas autorais, algumas mais conhecidas, caso de “Samba de Verão”, “Pigmalião 70” e “Preciso Aprender a Ser Só”, e outras resgatadas de lados B da obra do talentoso artista, a exemplo das ótimas “Passa por Mim” e “Batucada Surgiu”. Gravado ao vivo durante apresentação realizada em abril do ano passado na casa de shows carioca Miranda, o projeto é quase todo cantado em inglês (mas há passagens em português e francês, além de temas instrumentais) e conta com a luxuosa participação especial do saxofonista Jim Tomlinson, marido de Stacey. Esta – ressalte-se – canta muito bonito, com seu timbre suave e bastante envolvente. Vale a pena conhecer!

* Sob a produção de André Agra e através da gravadora Sala de Som Records, o aguardado novo CD do cantor e compositor carioca João Pinheiro estará chegando ao mercado ainda este mês, mesclando, no seleto e eclético repertório, regravações de temas assinados por Caetano Veloso (“Muito Romântico”), Taiguara (“Hoje” e “Teu Sonho Não Acabou”) e Marcelo (“De Fogo, Luz e Paixão”, parceria com Ney Costa) com músicas inéditas de autoria do próprio artista. A atriz Hermila Guedes surge em participação especial.

* A cantora Susana Dal Poz estreia no mercado fonográfico com o CD “Só Sambas”, um lançamento da gravadora Fina Flor que traz a assinatura de Bernardo Dantas na produção. Composto por uma dúzia de faixas, o álbum peca somente por não apresentar nada de inédito no repertório já que a voz de Susana é bem legal e os arranjos foram formatados para dar novo gás a temas bastante conhecidos como “Pra Que Discutir com Madame?” (de Janet de Almeida e Haroldo Barbosa), “Falsa Baiana” (de Geraldo Pereira) e “Alegria” (de Assis Valente e Durval Maia). No geral, são canções pra lá de batidas com exceção de “A Mais Nova Conquista” e “Vou Matar Você de Raiva” (ambas de Wilson Moreira).

* No próximo dia 29 de agosto, o cantor e compositor Edu Lobo estará completando sete décadas de vida e para marcar esta data ele vai realizar, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, um grande show que se transformará em DVD e CD ao vivo, os quais serão lançados ainda este ano. Estarão presentes em participações especialíssimas Chico Buarque, Maria Bethânia, Mônica Salmaso e Bena Lobo. Sorte de quem puder assistir in loco a essa grande festa!

RUBENS LISBOA é compositor e cantor.
Apresenta o quadro "Musiqualidade" dentro do programa "Canta Brasil”, veiculado pela Aperipê FM todas as sextas-feiras, às 10 horas.
Quaisquer críticas e/ou sugestões a este blog serão bem-vindas e poderão ser enviadas para o e-mail: rubens@infonet.com.br

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais