Musiqualidade

0

R E S E N H A

Cantora: LAN LAN
CD: “MI”
Selo: LAB 344

A percussionista Lan Lan tornou-se conhecida quando do incidente que vitimou Cássia Eller. Foi ela uma das pessoas que recolheram Cássia ainda viva, levando-a ao hospital onde veio a falecer. Lan Lan tocava na banda de Cássia há algum tempo e chamava a atenção pelo fato de ser uma mulher à frente de todo um arsenal percussivo.
Seguindo em seu caminho musical (porque o show não pode parar), ela formou, em 2004, junto com a conterrânea cantora baiana Emanuelle Araújo e o guitarrista Toni Costa, a banda Moinho que continua na ativa. Paralelamente a esse trabalho, ela vem desenvolvendo carreira solo, inclusive como cantora, e é por aí que acaba de lançar o segundo CD, intitulado “Mi”, o qual aporta no mercado através do selo Lab 344.
Trata-se de um álbum em que a artista une sua percussão orgânica à batida eletrônica, onda que domina o momento musical atual. A própria Lan Lan assina a produção do álbum, dividindo-a com o DJ Fernando Deeplick, este integrante do coletivo de música eletrônica Batida Nacional ao lado de Alexandre Lima e Robson Nonato. Os três são, de fato, presenças importantes no disco. Deeplick é o responsável pelos teclados e programações, enquanto Robson se destaca como co-autor da faixa “Sereiar” (uma das mais legais e contagiantes de um ótimo repertório de onze faixas autorais) e Alexandre divide os vocais de “Bananeira Song” (canção que lembra as boas criações da nossa Patricia Polayne). Nesta mesma faixa, aliás, o músico Álvaro Guitarreiro, que morou aqui em Aracaju por anos e tocou com muitos dos artistas locais, executa o violão com seu peculiar talento.
Se não é intérprete de grande extensão vocal (e tantas que se notabilizaram nesta seara do canto também não o são e fizerem ou fazem tão bonito, caso, para ficarmos em somente dois exemplos, de Nara Leão e Céu), Lan Lan não compromete. Ao contrário, mostra-se segura e afinada e sua voz de timbre doce possui algo de extremamente agradável.
No quesito compositora, ela sabe se cercar de bons parceiros, os quais ajudam a diversificar sua obra, caso de Carolina Monte (a convidativa “La Mañana” e a instrumental “Hereros”), Paquito (a sensual “7 Sinais de Paixão”) e Sambé (a delicada “Geminiano”, que fez parte da trilha sonora da telenovela global “Amor Eterno Amor”). E enquanto o ator baiano João Miguel é o convidado especial da bem construída “Cosme e Damião”, recitando poema de sua autoria, surgem em outros momentos as bem-vindas participações dos instrumentistas Guga Machado (pandeiro na anordestinada “Babador”), Gretel Paganini (violoncelo na deliciosa “Zum Zum Preguiça”) e Denilson Miller (violão na incentivadora faixa-título).
Em constante evolução, Lan Lan mostra versatilidade e aponta que seguir em frente é sempre o melhor caminho!

N O V I D A D E S

* Às gravadoras, hoje mais que nunca, interessa mesmo é o lucro. E quando um projeto se mostra rentável, ainda mais com emprego de baixo custo, isso se torna reiteradamente concretizado. É aí que se enquadra “Um Barzinho, Um Violão”, idealizado pelo produtor Max Pierre, que já teve edições anteriores e agora chega ao mercado em nova versão (o primeiro dos dois volumes programados, já que o segundo será lançado no começo do próximo ano) através de uma parceria entre a gravadora Universal e o selo Zeca Pagodiscos. Desta feita são reunidos, em dezesseis faixas, temas de telenovelas que foram levadas ao ar durante a década de oitenta do século passado. Gravado ao vivo no Hotel Windsor Barra, no Rio de Janeiro, em junho do corrente ano, o CD (também disponível no formato DVD) tem sonoridade calcada em violões, com eventuais inserções percussivas. O repertório passeia por hits populares como “O Amor e o Poder”, “Anjo”, “Chuva de Prata”, “Deixa Eu te Amar” e “Bye, Bye, Tristeza” que ressurgem nas vozes de Ivete Sangalo, Michel Teló, Paula Fernandes, Xande de Pilares e Thiaguinho, respectivamente, todos eles grandes vendedores de discos na atualidade. Entre momentos interessantes e outros meramente triviais, os destaques ficam por conta de Fernanda Abreu (em “Menino do Rio”), Zeca Pagodinho (em “Corra e Olhe o Céu”), Marina Elali (em “Certas Coisas”), Ellen Oléria (em “Desenho de Giz”) e Sandy (em “Meu Bem, Meu Mal”). Completam o time dos artistas selecionados para o projeto Alexandre Pires (em “À Francesa”), Toni Garrido (em “Charme do Mundo”), Mariene de Castro (em “De Volta pro Aconchego”), Jorge Vercillo (em “Papel Machê”), Guilherme Arantes (em “O Melhor Vai Começar”) e Chitãozinho & Xororó (em “Roque Santeiro”).

* O aguardado CD gravado por Daniela Mercury com o grupo baiano Cabeça de Nós Todos chegará ao mercado no próximo mês. Entre temas inéditos, o repertório inclui oportunamente a regravação de “Paula e Bebeto” (parceria de Caetano Veloso com Milton Nascimento).

* Embora não seja um cantor de recursos vocais extraordinários, o pernambucano Gonzaga Leal sempre se mostrou um intérprete com aguçada sensibilidade, o que ratifica agora com o lançamento de seu novo e bom CD. Intitulado “De Mim”, o álbum produzido por Cláudio Moura é composto por quatorze faixas mais a bônus “Que Falem de Mim”, uma hilária criação de Bidú Reis e ora redescoberta por Gonzaga. Com uma sonoridade simples, mas eficiente, o disco passeia por várias paragens, aportando em compositores conhecidos (Paulo César Pinheiro com “Arco do Tempo” e Adriana Calcanhotto com “Você Disse Não Lembrar” estão entre eles) e outros que ainda estão por merecer uma maior atenção do público (a exemplo de Juliano Holanda com “Ainda Bem que Eu Trouxe a Viola” e Públius com “Da Saudade”). Entre os destaques do repertório estão “Água Serenada” (delicada e bela canção de Déa Trancoso), “Colarzinho de Pedra Azul” (de Junio Barreto) e “Voo Cego” (de Lula Queiroga e Yuri Queiroga). Há as participações especiais de Cida Moreira (em “A Janela da Casa do Tempo”, de Públius em parceria com Xico Bizerra), J. Velloso (em “Sonho Imaginário”, parceria dele com Gonzaga e Guito Argolo) e Marília Medalha (em “Deusa da Lua”, tema de domínio público adaptado por Gonzaga).

* O cantor e compositor carioca Jay Vaquer pretende gravar uma série de discos intitulada “Transversões” em que dará voz a canções de outros autores. O primeiro CD desse projeto, composto por dez faixas, chegará em breve às lojas. Intitula-se “Antes da Chuva Chegar” e é dedicado à obra de Guilherme Arantes.

* Sergio Britto, um dos integrantes da banda Titãs desde o seu surgimento, também vem desenvolvendo, desde 2000, uma paralela carreira solo como cantor e compositor. Através da gravadora Som Livre, acaba de ser lançado o seu quarto CD, o qual recebeu o título de “Purabossanova”. Com a produção dividida entre Guilherme Gê e Emerson Villani, o álbum é composto por doze faixas, nove delas de autoria do próprio artista, dentre as quais “Canção do Exílio” em que ele pôs melodia nos famosos versos do poeta Gonçalves Dias. Entre revisitas a temas do roqueiro argentino Charly Garcia (“Canción para mi Muerte”) e da cantora norte-americana de criação mexicana Julieta Venegas (“Lento”), Sergio recebe seus vários convidados especiais: Alaíde Costa (em “Completamente Triste”), Luiz Melodia (em “Como Iguais”), Marcela Mangabeira (em “Sol e Água Limpa”), Rita Lee (na faixa-título), Roberta Sá (em “Maria”) e a cantora argentina Eugênia Brusa com o violonista uruguaio Toto Mendez (em “La Moma Inquieta”).

* A gravadora Universal lançou recentemente o DVD “Chico & Vinicius para Crianças”, rebobinando os áudios de treze músicas infantis dos cancioneiros de Chico Buarque e de Vinicius de Moraes com inéditas animações em vídeo. Com base nas letras de músicas feitas para os “Os Saltimbancos” e para os dois volumes de “A Arca de Noé”, foram criados personagens animados pelo desenhista Carlos Dubas. Estão lá, entre outras canções, “João e Maria” (com Nara Leão e Chico), “O Pato” (com o MPB-4), “A Foca” (com Alceu Valença), “O Leão” (com Fagner) e “Aquarela” (com Toquinho). Muito legal, especialmente para a gurizada inteligente!

* Assinando, na capa, r/pitta, o cantor e compositor Rodrigo Pitta lançou recentemente o CD “Estados Alterados”. Recheado de programações eletrônicas, synths e beats, o álbum desce redondinho, formatado pelo competente Arto Lindsay que assina a produção. São nove canções (“Metrô” aparece em duas versões, uma delas remixada pelo DJ Mau Mau), todas elas autorais, algumas assinadas ao lado de parceiros como Daniel Carlomagno (“Blue Tuesday”), Patrícia Coelho (“Caos”) e Bruno di Lullo (“Eletroquímico”). Há as participações especiais de Cibelle (em “Água Tudo”) e de Edi Rock (em “Sambas Urbanos”, um dos melhores momentos do repertório e que faz parte da trilha sonora da telenovela global “Amor à Vida”). Outros destaques ficam por conta da faixa-título e de “Minha Cabeça, Meu Avião”.

* Caberá a Erasmo Carlos lançar em seu próximo CD (intitulado ”Gigante Gentil” que será lançado no começo do próximo ano) a primeira parceria dele com Caetano Veloso. Intitulada “Sentimentos Complicados”, a canção será o destaque do repertório que trará também novas parcerias do Tremendão com Arnaldo Antunes e Nelson Motta.

* Esta semana completam mais um ano de vida a cantora Dóris Monteiro (hoje, segunda-feira, dia 21), o compositor e violonista Roberto Menescal (na sexta-feira, dia 25) e os cantores e compositores Belchior e Milton Nascimento (ambos no sábado, dia 26). A todos esses aniversariantes, paz, saúde e muita música de qualidade!

RUBENS LISBOA é compositor e cantor.
Apresenta o quadro "Musiqualidade" dentro do programa "Canta Brasil”, veiculado pela Aperipê FM todas as sextas-feiras, às 10 horas.
Quaisquer críticas e/ou sugestões a este blog serão bem-vindas e poderão ser enviadas para o e-mail: rubens@infonet.com.br

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais