Musiqualidade

0

O S     1 2     M E L H O R E S    C D s     D E     2 0 1 4

Mais um ano se findou recentemente e nele a música popular brasileira ganhou (esparsos) bons lançamentos. Alguns são os selecionados abaixo, mas é claro que, em qualquer listagem deste tipo em que o principal motor é o gosto do freguês, pode ter ficado de fora um ou outro que mereceria destaque. Enfim, sigamos com a certeza de que dias melhores virão (em todos os sentidos)! Para 2015, está previsto que cheguem às lojas os novos CDs de Gal Costa, Roberta Sá, Chico César, Leila Pinheiro e Elza Soares, por exemplo, o que já traz uma baforada de esperança para aqueles que ainda acreditam na canção de qualidade.

01 – “A CARNE DAS CANÇÕES” – Marcelo Pretto e Swami Jr.
Estreando no mercado fonográfico nacional depois de anos de estrada (ele até então somente havia lançado um DVD), Marcelo Pretto, o líder do grupo A Barca e do aclamado Barbatuques, se uniu ao virtuoso violonista Swami Jr. e, juntos, lançaram o CD do ano, um projeto acústico em que a voz do atual maior cantor brasileiro passeia com maestria entre as cordas de um violão mágico, abordando um repertório que priorizou novas canções de compositores ligados a São Paulo.

02 – “CAMINHOS DE MIM” – Ninah Jo
Paranaense, a cantora e compositora Ninah Jo lançou “Caminhos de Mim”, o seu primeiro CD, o qual teve os arranjos e a direção musical a cargo do violonista Pedro Braga e jogou luzes sobre a bela voz da artista: grave, encorpada e afinada ao extremo, seu timbre límpido se equaciona à grande extensão e à projeção perfeita, transformando-a numa das nossas melhores intérpretes. Também compositora, ela apresentou três canções criadas com Paulo César Feital, mas a maior parte do repertório abrigou regravações de temas assinados, entre outros, por Milton Nascimento, João Bosco, Sérgio Sampaio e Guilherme Arantes.

03 – “MEUS QUINTAIS” – Maria Bethânia
Em mais um projeto temático, a grande diva da nossa MPB mergulhou no seu lado interiorano, abordando com tons mais leves que os por ela utilizados em grande parte de sua carreira um repertório em que alinhou temas bastante conhecidos com músicas inéditas fornecidas por colegas que admira, como é o caso de Chico César, Roque Ferreira e Adriana Calcanhotto. Prestes a comemorar meio século de trajetória, a baiana mostrou se encontrar em plena forma vocal e sempre atuante.

04 – “ANDANDO NO AR” – Rubinho Jacobina
Em seu segundo CD, o cantor e compositor Rubinho Jacobina mostrou segurança e avanço na formação de uma identidade musical. Produzido por Moreno Veloso e Pedro Sá, o álbum, predominantemente autoral, registrou duas ótimas parcerias entre Haroldo Barbosa e Luís Reis e contou, na ficha técnica, com a presença de vários dos mais cultuados nomes da atual cena indie nacional. A sonoridade pop e suingante do projeto permitiu a abertura de múltiplas possibilidades, conferindo-lhe um colorido todo especial, já explicitado, inclusive, na arte gráfica.

05 – “COLHEITA” – Mariene de Castro
Vendida pela gravadora Universal como o grande nome feminino do samba atual, a baiana Mariene de Castro vem consolidando o seu espaço entre as atuais múltiplas cantantes deste país em que preponderam as mulheres. Dona de voz grave e potente, ela, mesmo tendo se rendido a algumas concessões mercadológicas, realizou um disco bacana que contou, inclusive, com as participações especiais de Beth Carvalho, Maria Bethânia e Zeca Pagodinho.

06 – “O VENTO NA MADRUGADA SOPROU” – ZR Trio
Gravado em apenas dois dias e ao vivo em estúdio, o ótimo CD ratificou a versatilidade dos seus três integrantes, o cantor Zé Renato, o baterista Tutty Moreno e o baixista Rômulo Gomes. Com uma sonoridade pra lá de especial que namora o samba e beira as apropriações do jazz com arranjos muito bem construídos tão somente com violão, bateria e contrabaixo acústico, o álbum apresentou parcerias de Zé com Pedro Luís, Lenine, João Cavalcanti e Joyce Moreno, além de ter revisitado temas de nomes de ponta do nosso cancioneiro, tais como Paulinho da Viola, Cartola, Baden Powell e Vinicius de Moraes.

07 – “ABSTRAIA, BABY” – Luciano Salvador Bahia
Luciano Salvador Bahia é cantor, compositor e multi-instrumentista e vem confirmando, trabalho a trabalho, ser bastante talentoso e criativo. Dono de voz agradável, ele se utilizou de programações eletrônicas para criar a atmosfera desse seu novo álbum autoral. Entre o pop rock e batidas brasileiras, soube destilar sensações várias, sempre recobertas com inspiração, indo do samba ao blues, passando por tango e bolero, revelando, assim, uma muito bem-vinda pluralidade musical. O projeto contou com as participações especiais de Eduardo Dussek e Ava Rocha.

08 – “NA PANELA PRA DANÇAR” – Arranco de Varsóvia
O Arranco de Varsóvia sempre teve como principal identidade um repertório ligado ao samba. E foi com essa pegada que o grupo vocal, atualmente composto por Andréa Dutra, Cacala Carvalho, Elisa Queirós e Paulo Malaguti Pauleira (este o responsável pela direção musical do disco e também o autor de três das faixas), formatou seu novo CD no qual se aliaram canções inéditas a regravações em um repertório que deu voz a grandes autores da nossa MPB, a exemplo de Lenine, Danilo Caymmi, Paulo César Pinheiro, Mauro Diniz e Arlindo Cruz.

09 – “PEDRA DE RIO” – Dhenni Santos
Em seu segundo CD, o cantor e compositor carioca Dhenni Santos mergulhou de cabeça no repertório de Luhli e Lucina, duas grandes compositoras e cantoras que, juntas ou com outros parceiros, já nos presentearam com várias belas canções. Ousado, o artista não economizou nem na quantidade de faixas selecionadas (vinte no total) nem na grandiosidade dos arranjos (assinados por Daniel Drummond e Felipe Radicetti, ambos responsáveis também pela produção musical). O álbum, que conta com as participações especiais das homenageadas, comprovou o talento de Dhenni, dono de bonita e incomum voz.

10 – “SOUVENIR” – Silvia Machete
A carioca Silvia Machete se transformou rapidamente em uma das mais interessantes intérpretes da atualidade, posto que sabe dominar o palco como poucas e se joga de cara nas invencionices que costuma criar para cativar o público. O mais recente projeto musical, produzido por ela ao lado de Fabiano França, é outra prova de sua criatividade. Dentro do espírito bem humorado e provocador, a artista, dona de belo timbre vocal, agudo e afinado, escolheu canções de pegada pop, compondo um repertório legal que integra Eduardo Dussek, Moraes Moreira e Chico Buarque.

11 – “CANÇÕES DE PRIMEIRA” – Juca Novaes
Compositor versátil, Juca é o organizador, há anos, do FAMPOP, talvez o mais famoso festival de música ora realizado no Brasil, o qual ocorre anualmente em Avaré (SP). Também um ótimo cantor, ele teve a grande sacada de reunir canções que se destacaram naquele evento, algumas criadas por nomes como Lenine, Zeca Baleiro e Jorge Vercillo, e realizou um bonito CD que contou com as participações especiais de Ceumar, Chico César e Dani Black.

12 – “RAINHA DOS RAIOS” – Alice Caymmi
Após lançar um primeiro CD que praticamente passou despercebido, a cantora Alice Caymmi (terceira geração do famoso clã musical iniciado com Dorival), vê seu nome ser comentado de norte a sul do país com grande estardalhaço por conta de seu segundo e aclamado álbum, produzido com maestria por Diogo Strausz. Exótica no visual, a artista de fato também se mostrou corajosa na escolha do repertório desse novo trabalho, reunindo compositores aparentemente díspares como Caetano Veloso e Michael Sullivan. Com bela voz de timbre grave, Alice já se consolida como uma das grandes promessas deste ano que ora se inicia.

RUBENS LISBOA é compositor e cantor.
Apresenta o quadro "Musiqualidade" dentro do programa "Canta Brasil”, veiculado pela Aperipê FM todas as segundas-feiras, às 10 horas.
Quaisquer críticas e/ou sugestões a este blog serão bem-vindas e poderão ser enviadas para o e-mail: rubens@infonet.com.br

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais