Musiqualidade

0

R E S E N H A

Cantora: MARCIA CASTRO
CD: “DAS COISAS QUE SURGEM”
Gravadora: SONY MUSIC

Precoce, a cantora baiana Marcia Castro iniciou sua carreira aos dezesseis anos. O pontapé para a gravação de seu primeiro CD, “Pecadinho”, o qual, produzido por Luciano Salvador Bahia, chegou ao mercado cercado de rasgados elogios da crítica em 2007, se deu quando ela conquistou, um ano antes, o Braskem de Cultura e Arte, o maior prêmio do cenário independente da música baiana. Em seguida, a artista se mudou para São Paulo e começou a colher os frutos de seu talento: foi indicada ao Prêmio Tim em 2008 (como melhor cantora pop-rock), participou de shows da cantora argentina Mercedes Sosa e apareceu como convidada em discos de alguns colegas. Seu segundo álbum saiu em 2012: “De Pés no Chão”, produzido por Guilherme Kastrup e Rovilson Pascoal, veio comprovar que ela se tratava mesmo de uma intérprete personalíssima que deveria ser observada com atenção pelo público que aprecia música de qualidade.
No final do ano passado, após um período considerável de maturação, Marcia pôs nas lojas, através da gravadora Sony Music, o seu terceiro disco. Intitulado “Das Coisas que Surgem”, o projeto foi produzido pelo paulista Gui Amabis (uma indicação da agitadora cultural Patrícia Palumbo) e contou com a participação especial da cabo-verdiana Mayra Andrade em “Na Menina dos meus Olhos” (de Monsueto Menezes e Flora Mattos).
Emoldurado por um projeto gráfico caprichado, o qual seguramente pode ser encaixado como um dos mais belos de 2014, o disco marcou a estreia de Marcia como compositora. Ela, que até então apenas se tinha apresentado como intérprete, assinou cinco das onze faixas, abrindo, assim, parceria com o poeta arrudA. Destas, inclusive, merecem ser ressaltadas as bonitas ”Atalhos”, “Beijos de Ar” e “Sem Mistério”, todas com grandes chances radiofônicas.
Quem acompanha o trabalho de Marcia, sabe que o ecletismo e uma alegria inata marcaram os seus dois primeiros CDs. Por isso, um certo estranhamento inicial com o novo disco é natural. Com uma sonoridade pop formatada por Gui, um dos mais talentosos representantes da atual geração indie nacional, em que programações possuem um papel fundamental nos arranjos, ele se distancia mesmo dos anteriores. Isso mostra que Marcia não é definitivamente uma artista que gosta de repetir fórmulas. É como já foi escrito antes: o inquieto até erra, mas quando acerta chega a momentos geniais.
Outro aspecto a ser observado é que, desta vez, ela surge cantando de forma bem mais suave que o de costume, o que termina por colocar à frente a sua bonita voz grave, de timbre claro e aveludado.
A ficha técnica contempla a participação de músicos que vêm se destacando pela intimidade com os seus instrumentos, caso de Regis Damasceno e Dengue (ambos no baixo), Thiago França (no sax e flauta), Samuel Fraga (na bateria), Juninho Costa (na guitarra) e Toca Ogan (na percussão).
Outros bons momentos do repertório apresentado ficam por conta das releituras da recente “Partículas de Amor” (de Lucas Santtana e Gui Amabis) e da já antológica “Três da Madrugada” (de Torquato Neto e Carlos Pinto, lançada originalmente por Gal Costa em 1973).
Entre os temas alheios selecionados há ainda mais dois, ambos assinados pelo já citado Gui (“Esculacho” e “Um Bom Filme”, este trazendo como destaque o cello de Jaques Morelenbaum) e uma parceria entre Arnaldo Antunes e Alice Ruiz (“Mau Caminho”).  
Trata-se de um CD que merece uma maior atenção do ouvinte para ser degustado como merece. Os que se predispuserem a isso, certamente irão ficar bastante satisfeitos. Corra e ouça!

N O V I D A D E S

* Como já é costume entre os medalhões da MPB, depois de lançar o CD de estúdio se põe no mercado um registro ao vivo do show homônimo. Gilberto Gil não fugiu à regra e assim fez com “Gilbertos Samba – Ao Vivo”, elastecendo o set list do projeto que originalmente revisitou canções gravadas por João Gilberto. O CD duplo (que chegou recentemente às lojas através da gravadora Sony Music e também se encontra disponível em DVD) contempla um total de vinte e uma faixas, computada a inclusão de “É Luxo Só” (de Ary Barroso e Luiz Peixoto), colhida durante passagem de som. Com direção artística do próprio Gil (que parece estar se recuperando dos problemas vocais) e com a produção musical dividida entre o filho Bem Gil e Moreno Veloso, o álbum tem sua sonoridade formatada tão somente com a presença dos músicos Mestrinho (acordeão) e Domenico Lancellotti (bateria), além de Gil e Bem. Quanto ao repertório, este agora também se abre a temas autorais, a exemplo dos sambas “Rio Eu Te Amo”, “Ladeira da Preguiça”, “Máquina de Ritmo”, “Mancada” e “Meio de Campo”.

* Além de Elza Soares e Adriana Calcanhotto, também Gal Costa deverá lançar este ano um disco totalmente voltado ao cancioneiro de Lupicínio Rodrigues. Antes disso, no entanto, a baiana porá nas lojas, neste primeiro semestre, o seu aguardado novo álbum de inéditas.

* E assim como Gal, Elza Soares sairá com dois produtos fonográficos este ano: o registro do show em que canta músicas de Lupicínio, como informado acima, e um disco que, sob a produção de Guilherme Kastrup, albergará, no repertório, músicas assinadas por vários nomes da cena paulistana contemporânea, a exemplo de Cacá Machado, Celso Sim, Kiko Dinucci, Marcelo Cabral e Romulo Fróes.

* O cultuado Thiago Pethit lançou, quase no final do ano passado, seu terceiro e independente CD. Trata-se de “Rock’n’Roll Sugar Darling”, álbum produzido a quatro mãos pelos disputados Kassin e Adriano Cintra que apresenta onze novos temas autorais. Bom cantor, o paulistano Pethit lança mão de uma sonoridade moderna para revestir as suas criações bilíngues (em português e inglês) que se alternam entre o rock e a balada. De fato superior aos trabalhos anteriores do artista, o recém-lançado projeto traz como destaques, além da faixa-título, as músicas “Romeo” (parceria com Hélio Flanders), “Quero Ser seu Cão” e “Story in Blue”.

* Erasmo Carlos vai registrar ainda em janeiro, para futuro lançamento em CD e DVD através da sua gravadora Coqueiro Verde Records, o show em que canta músicas menos conhecidas de seu cancioneiro autoral. O espetáculo estará sendo realizado na casa Tom Jazz, em São Paulo.

* Registro da turnê referente ao 25º Prêmio da Música Brasileira que homenageou o samba, o CD homônimo reúne, no repertório de vinte e duas faixas (o DVD contempla três números adicionais), nomes já consagrados (Beth Carvalho, Dudu Nobre e Arlindo Cruz) e artistas de uma safra mais recente (Mariene de Castro, Xande de Pilares e Péricles), contando também com as participações de Beatriz Rabello (filha de Paulinho da Viola) e da cantora africana Angelique Kidjo. O set list abrange canções atemporais criadas por Assis Valente, Adoniran Barbosa, Candeia, Cartola e Ataulfo Alves, entre outros. Entre os bons momentos estão “Não Deixe o Samba Morrer”, “Menino Deus”, “Me Deixa em Paz”, “A Voz do Morro” e “Vou Festejar”.

* “Tudo Está Dito” é o título do segundo CD de Bruno Capinan, cantor e compositor baiano radicado em Toronto, cidade do Canadá. Recheado de sambas autorais, a ficha técnica alberga músicos da cena contemporânea carioca, a exemplo do baixista Bruno Di Lullo e do baterista Domenico Lancellotti. A faixa “Sambolento” surge com a participação especial de Mallu Magalhães.

* A cantora Rhaissa Bittar, que passou a infância cantando com seu microfone de plástico roxo, veio a participar, aos dezesseis anos, de montagens musicais, ganhando prêmios de melhor atriz e, aos dezoito, partiu para a China, onde, durante um ano, teve aulas de música, canto e dança, lançou, no segundo semestre de 2014, o CD “Matéria Estelar”, o sucessor de seu disco de estreia, “Voilà”, o qual chegou às lojas em 2010. Trata-se de um álbum bastante particular que foge do lugar comum, especialmente no que tange às letras das canções, a maioria personificando uma situação vivida por um objeto, coisa ou fruta. Com a direção musical a cargo do violonista Daniel Galli que também assina a maioria das quatorze faixas, o projeto mostra ter sido muito bem planejado e concretizado, o que se torna incontestável quando se observa desde o detalhado projeto gráfico até os caprichados arranjos que revestem as canções. Rhaissa é ótima intérprete e mergulha com verdade nos sentimentos exigidos pelos versos das canções. Dona de voz de timbre quase infantil, mostra-se afinada e parece saber, de fato, o que quer. Entre os melhores momentos do repertório encontram-se “Lamúrias de uma Pera”, “Artifício” e “Gotas sobre um Velho Tamborim”. Vale a pena ficar ligado nesse nome!

* “Feliz de Quem se Dá por Inteiro” é o título do novo álbum da cantora alagoana Wilma Araújo, um produto independente que chega ao mercado sob a direção musical do violonista Jorge Simas, também o produtor e arranjador do disco. O alegre repertório conta com músicas de autoria de Capiba, Dorival Caymmi, Edu Krieger, João Cavalcanti, Délcio Carvalho, Moacyr Luz e Junior Almeida, entre outros.

* Repentinamente de volta ao ar como a Cora da telenovela global “Império”, a atriz Marjorie Estiano está a lançar também o seu terceiro e melhor CD, “Oito”, produzido pelo multi-instrumentista André Aquino, o qual mostra uma artista em considerável evolução musical. Cantora de timbre claro e bonito, ela se revela afiada nas interpretações das onze faixas, oito delas autorais (daí o título do álbum): uma composta solitariamente, “Me Leva”, e as demais assinadas com parceiros, a exemplo do já citado André, além de Maurício Oliveira, Daniel Lopes, Alexandre Castilho e Márcio Mello. Há a regravação (muito inspirada, aliás) da conhecida marcha carnavalesca “Ta-Hi” (de Joubert de Carvalho), faixa que se consolida como um dos melhores momentos do repertório, junto com “Por Inteiro” (de Jau, Tenison Del Rey e Paulo Vascon), “Donde Estás”, “Ele” e “Alegria Maior Não Tem”. O projeto conta ainda com as participações especiais de Gilberto Gil em “Luz do Sol” e Mart’nália em “A Não Ser o Perdão”. Vale a pena conferir!

RUBENS LISBOA é compositor e cantor.
Apresenta o quadro "Musiqualidade" dentro do programa "Estúdio Aperipê”, veiculado pela Aperipê FM todas as segundas-feiras, às 11 horas.
Quaisquer críticas e/ou sugestões a este blog serão bem-vindas e poderão ser enviadas para o e-mail: rubens@infonet.com.br

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais