MUSIQUALIDADE

0

R E S E N H A     1

 

Cantora: FÁTIMA GUEDES

CD: “OUTROS TONS”

Gravadora: ROB DIGITAL

 

Se você é fã de Tom Jobim e acha que já conhecia toda a sua obra musical, prepare-se! Há muita coisa ainda pouco conhecida no vasto baú do maestro soberano.

Uma dúzia dessas canções, compostas entre 1953 e 1964, foi reunida pelo pesquisador musical Marcus Fernando e deu origem ao CD “Outros Tons”, acertadamente ambientado em um clima intimista de boate, o novo trabalho da cantora Fátima Guedes que acaba de chegar às lojas através da gravadora Rob Digital.

Tom é um dos compositores mais gravados da nossa MPB e até hoje, juntamente com Ivan Lins, o autor brasileiro mais conhecido no exterior. Suas canções foram registradas por nomes que vão de Frank Sinatra a Elis Regina e possuem requinte harmônico próprio, o que fica nítido em algumas faixas desse novo álbum como, por exemplo: “Pensando em Você”, “Olha Pro Céu” e “Faz uma Semana” (esta em parceria com João Stockler).

Fátima, por sua vez, já tem seu nome cravado na história do nosso cancioneiro. Surgida no final da década de setenta, teve por um bom tempo seu talento mais associado ao lado de compositora. É realmente uma criadora inspirada e possui rara aptidão para dosar, em medidas certas de beleza, letra e melodia. São de sua autoria pérolas como “Onze Fitas”, “Condenados”, “Flor de Ir Embora” e “A Vida Que a Gente Leva”, gravadas por Elis Regina, Simone, Maria Bethânia e Leila Pinheiro, respectivamente. De alguns anos para cá, todavia, a artista vem investindo de forma mais consistente no seu lado de intérprete. Afinada e dona de um timbre peculiar, mostra-se à vontade no universo jobiniano, especialmente quando resvala para os sambas, como em “Para Não Sofrer”, “Na Hora do Adeus”, “Sonho Desfeito” e “Luar e Batucada”. Alguns dos bons momentos do álbum são “Vida Bela” e “Pelos Caminhos da Vida” (duas parcerias com Vinicius) e “Incerteza” (com Newton Mendonça, a primeira música de Tom a ser gravada). Mas também merecem destaque a toada “A Chuva Caiu” e o samba-canção “Engano” (ambas de Tom e Luiz Bonfá).

O repertório pré bossa-nova cantado por Fátima ilumina um Tom praticamente desconhecido, mas a verdade é que não se trata de um disco fácil para todos. No entanto, todos deveriam ao menos conhecê-lo!

 

 

R E S E N H A     2

 

Cantora: ANA COSTA

CD: “MEU CARVANAL”

Gravadora: ZAMBO DISCOS

 

Freqüentadora assídua, há tempos, dos bares da Lapa no Rio de Janeiro (antes mesmo de aquele bairro voltar à moda), a cantora, compositora e violonista Ana Costa lança, através do pequeno selo Zambo Discos, o seu CD de estréia intitulado sugestivamente de “Meu Carnaval”, esta uma inspirada parceria de Celso Fonseca e Ronaldo Bastos que condensa, em seus versos, o espírito festivo de um grande trabalho.

Ana – acho que nem precisava ressaltar pelo pouco do que já foi escrito – é sambista de primeira linha, moldada nos palcos da vida, tendo acompanhado, como backing, diversos colegas, dentre os quais o compositor Moacyr Luz, que escreveu o emocionado depoimento de apresentação do disco. Mas (garota esperta!) não se restringe unicamente ao universo do samba, mantendo-se antenada com as coisas que lhe acontecem ao redor, fato que justifica a acertadíssima escolha de regravar “Olhos Felizes” (de Marina Lima e Antônio Cícero), transformando a sua inusitada versão em um dos pontos altos desse primeiro álbum.

Compositora inspirada, conforme se pode constatar através das faixas “Felicidade” e “Não Sei o Que Dá” (parceria dela com Zélia Duncan e Mart’nália), Ana também canta bem pra caramba e é dona de um timbre muito bonito. Já o seu lado de intérprete aflora poderoso em belas canções como “Semente do Samba” (Eduardo Medrado e Kleber Rodrigues), “Perdi” (Fred Camacho e Alceu Maia), “Onde Quer Que Eu Vá” (Moacyr Luz e Aldir Blanc) e “Quintal do Céu” (Wilson Moreira e Jorge Aragão).

Junto com as colegas Teresa Cristina e Nilze Carvalho, Ana Costa vem se firmando como uma das grandes representantes do samba atual e comprovando o quanto o nosso país é fértil no campo da música popular.

 

 

N O V I D A D E S

 

·               No dia 29 (quarta-feira próxima), a Orquestra Sinfônica de Sergipe realizará um belíssimo concerto no Teatro Tobias Barreto, o qual se dividirá em dois blocos. No primeiro serão executadas obras eruditas. No segundo, será mostrado um repertório popular que contará, inclusive, com a presença de convidados, como a cantora Gwendolyn Thompson (que interpretará duas canções de Tom Jobim) e a dupla de compositores Irmão e Tonho Baixinho (que aproveitam para comemorar trinta anos de carreira). Imperdível!

 

·               A revista americana DownBeat acaba de divulgar o resultado da mais importante votação dos “melhores do ano” na especialidade jazz. E duas cantoras brasileiras foram eleitas entre as dez melhores do mundo em 2006: a carioca Ithamara Koorax e a paulista Luciana Souza. Ambas ficaram em posições superiores a expressivos nomes internacionais como Norah Jones, Madeleine Peyroux e Jane Monheit. É de se ressaltar que Ithamara, que está em excursão pela Europa, vem marcando presença na concorrida lista desde 2000, quando lançou o premiado disco “Serenade in Blue”. Já o baiano João Gilberto, lenda viva da bossa nova, que acaba de realizar aclamada turnê pelo Japão, ficou entre os melhores cantores. Outros brasileiros presentes na lista são o trombonista Raul de Souza (hoje radicado na França), o trompetista Claudio Roditi e os percussionistas Airto Moreira, Thiago de Mello e Marcelo Salazar. O selo JSR (Jazz Station Records), do produtor Arnaldo DeSouteiro, aparece entre as cinco melhores gravadoras de jazz pelo sexto ano consecutivo. Palmas para eles!

 

· E falando em prêmios, a 7ª edição do Grammy Latino, realizado recentemente em Nova York, consagrou duplamente a cantora Maria Rita. Nas categorias dedicadas à música brasileira, a filha de Elis Regina abocanhou os troféus de Melhor Álbum (com o polêmico “Segundo”) e de Melhor Canção (com a bela “Caminho das Águas”, de Rodrigo Maranhão).

 

·               Depois de estrear no mercado fonográfico com o CD “Recipiente”, já está disponível o segundo trabalho do cantor Zé Guilherme, um lançamento da Lua Music, intitulado “Tempo ao Tempo”. Zé não é um cantor primoroso, mas sabe se cercar de gente que entende do risco e o resultado soa bem bacana. Os arranjos são acústicos, o trabalho gráfico é de primeira e o repertório passeia entre o que há de melhor da nova MPB: Zeca Baleiro, Cris Aflalo, Carlos Careqa e Cezinha Oliveira, por exemplo. Há somente duas regravações: “Caminhos do Coração”, de Gonzaguinha (que conta com a participação especial de Vânia Abreu), e “O Patrão Nosso de Cada Dia”, de João Ricardo, sucesso da extinta banda Secos & Molhados. Dentre os bons momentos estão a faixa-título (de Marcelo Quintanilha) e “A Ilusão da Casa” (de Vítor Ramil), mas a deliciosa canção “Flor Madrinha” (de Péri) é de longe a melhor faixa desse álbum que chega em muito boa hora.

  

·               A excepcional Elza Soares já planeja a gravação de um novo CD para lançar em 2007. O próximo projeto fonográfico da cantora deverá ser um registro ao vivo, em CD e DVD, de seu novo show (“Beba-me”), recém-estreado em São Paulo, e que conta, no roteiro, com sambas gravados pela artista ao longo da carreira.

 

·               A gravadora EMI vai lançar até o final deste ano uma caixa contendo três DVD’s de Elis Regina oriundos de especiais que a cantora gravou para serem exibidos em canais de televisão nos anos setenta. São eles: “Falso Brilhante”, “Na Batucada da Vida” e “Doce de Pimenta”, este último batizado com o nome de uma canção composta especialmente por Rita Lee.

 

·               A trilha da recém estreada novela global “Pé na Jaca” vem recheada com os mais expressivos nomes da MPB da atualidade. Estão presentes, entre outros, Caetano Veloso, Marisa Monte, Milton Nascimento, Zizi Possi e Vanessa da Mata.

 

·               Enquanto isso, a gravadora Som Livre já está lançando mais um produto relacionado ao seriado teen “Malhação”, exibido pela Rede Globo. Trata-se do CD “Malhação Riffs” que reúne vinte temas instrumentais usados incidentalmente na trama. Todas as faixas foram compostas e tocadas na guitarra por Vitor Pozas.

 

· Uma edição com remixes do incensado álbum “Racional” de Tim Maia acaba de chegar às lojas através da gravadora Trama. Max de Castro produziu e arranjou uma nova versão da canção “Bom Senso”, Zegon remixou “Universo em Desencanto”, Bruno E. ficou com “Rational culture”, João Marcelo Bôscoli deu novas cores a “You Don´t Know What I Know” e Mad Zoo trabalhou em “Imunização Racional/Que Beleza”. Para os fãs do síndico, trata-se de um prato cheio!

 

RUBENS LISBOA é compositor e cantor


Quaisquer críticas e/ou sugestões serão bem-vindas e poderão ser enviadas para o e-mail: rubens@infonet.com.br

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais