NOSSAS ESTRADAS E O MEIO AMBIENTE

0

O Brasil é, sem dúvida, um país de dimensões continentais e tem nas rodovias o mais importante elo de ligação entre seus Estados e Municípios. Por outro lado, somos ainda um povo carente de educação e, por isto mesmo, desconhecemos o quanto com nossas atitudes podemos prejudicar a natureza. A conjugação desses dois fatores faz com que sejamos obrigados a ver, às margens de nossas estradas, vegetação e mesmo matas serem destruídas pela ação vândala e irresponsável nossa ao, inadvertidamente, atirar pelas janelas dos veículos pontas de cigarro acesas.

 

Enquanto não for possível garantir uma atitude responsável e de respeito à natureza por parte daqueles que transitam por nossas estradas o ideal seria ao longo delas, a exemplo do que ocorre com a Polícia Rodoviária, existissem também Postos de Proteção ao Meio Ambiente com patrulha móveis, que de moto próprio ou por solicitação de terceiros, estivessem sempre presentes para evitar que incêndios alcançassem proporções que prejudicassem as nossas matas.

 

Sabedor, também, da escassez de recursos públicos para contratação desses serviços e da intenção de continuar privatizando a administração de nossas estradas, a adoção de seguinte sugestão poderia ser adotada:

 

A – Enquanto a administração dessas estradas for de responsabilidade do governo, as Forças Armadas, principalmente no período de secas e estiagens, poderiam prestar este serviço.

B – Nos editais de novas concorrências deveria existir esta obrigatoriedade e nos casos em que já houve privatização, uma nova negociação com os responsáveis atuais pela administração dessas rodovias, em benefício de todos inclusive deles mesmos, dotar esses trechos desta proteção.

 

Paralelamente, o Poder Público deverá aumentar a campanha de conscientização à população, porque sabemos que um povo educado é muito mais fácil de ser orientado e, em assim sendo, os resultados almejados poderão ser obtidos com um custo muito menor.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários