Número de eleitores indecisos é muito alto

0

Nas eleições de 1994 os institutos de pesquisa eram unânimes em indicar a vitória do então candidato a governador, Albano Franco, ainda no primeiro turno para o adversário Jackson Barreto. Nos dias que antecederam o primeiro turno da eleição alguns institutos chegavam a indicar mais de 60% das intenções de voto para Albano. Ao abrir das urnas o resultado foi invertido, Jackson saiu na frente de Albano no primeiro turno. Guardo comigo ainda hoje recortes de jornais com entrevistas de diretores dos institutos de pesquisa se esforçando para explicar a dissonância dos números com as urnas.

 

Uma das explicações dada, à época, foi que o eleitor “escondeu a intenção de voto, porque tinha que ser identificado”. Essa explicação foi quase unânime entre os institutos de pesquisas que tornaram seus números públicos. No segundo turno das eleições daquele ano a pesquisa de boca de urna feita por um desses institutos deu a vitória de Jackson sobre Albano. Ao abrir das urnas o resultado foi inverso. Aquela eleição foi totalmente atípica. No transcurso dos últimos dez anos tivemos outros erros de medição eleitoral.

 

Este ano, salvo má interpretação do momento político que vivemos, parece que estamos diante de outro processo eleitoral atípico. Muitas denúncias de corrupção e pouca comprovação. Essa aparente contradição da vida política local e nacional tem deixado parcela considerável do eleitorado atônito. Meio sem saber o que fazer. Talvez por isso as pesquisas indiquem tão alto índice de indefinição. Segundo o Dataform que ouviu 2.130 eleitores em 21 dos 75 municípios sergipanos de 08 a 12 deste mês, nada menos que 18,5% não sabem em quem votar para governador, enquanto 23,3% não sabem em quem votar para senador, 79,5% não sabem em quem votar para deputado estadual e 80,4% não sabem em quem votar para deputado federal. É exatamente no Congresso nacional onde se vive o maior mar de lama de nossa história.

 

Em resumo, ou os eleitores estão usando da mesma “sabedoria” de 1994, quando as pesquisas apontavam numa direção e eles seguiam em outra; ou estão realmente cada vez mais frustrados com a maioria dos homens públicos brasileiros. Como diria o filosofo, “o tempo é o senhor da razão”.

 

Leia Também:

 

Eleitores indecisos em 15 municípios

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais