O ASSUNTO É VIOLÊNCIA

0

Em setembro estive em Florianópolis, Santa Catarina e num encontro com amigos da empresa em que trabalhei, a violência, que está presente em nossos dias, foi um tema preponderante em nosso bate-papo.

 

Procurando explicações para o porquê de tanta violência, alguém comentou o que tinha lido em um jornal daquela cidade: na cidade de Santa Cruz, no Rio Grande do Sul, quatro ladrões renderam dezoito parentes de uma aposentada de 91 anos, que era velada naquela cidade. Um dos bandidos chegou a ameaçar atirar no cadáver. Um outro acontecimento comentado foram as cenas de violência num arrastão que ocorreu nas praias de Ipanema e Leblon, na cidade do Rio de Janeiro.

 

Para uns, estas ações são conseqüências da exclusão das vítimas do modelo econômico; de gente rejeitada por preconceitos. Para outros, isto ocorre porque não existe punição para quem nos agride sem escrúpulos, nem razões.

                    

A advogada, Juçara Mazza Zaramella, numa mensagem pela Internet, assim se expressou sobre o tema: “apesar de ser uma cidadã brasileira tenho consciência de que a Constituição deste país não me abrange, posto que só tenho obrigações, tais como: pagar impostos, tributos, e ser qualificada classe média alta. Quanto aos direitos, esses são privilégio dos excluídos. Este país não me deu educação, saúde, segurança – princípios fundamentais consagrados na “Carta Magna”.

 

SEGURANÇA????? Isso é utopia. Direitos humanos só para aqueles que, anteriormente à era “politicamente correta” eram qualificados como  marginais.

 

Nós, os pobres mortais, não temos direitos humanos e sim, o dever de permanecer TRANCAFIADOS em edifícios, pagando módicas taxas de condomínio que incluem portões, câmaras internas e demais sistemas de proteção que nos são impingidos a título de ilusória sensação de segurança.

 

Tudo o que as autoridades legitimamente constituídas, às quais é constitucionalmente outorgado o chamado “poder de polícia” fazem por nós é divulgar o procedimento adequado a ser adotado em situações adversas: NÃO REAGIR quando os “EXCLUÍDOS” nos agridem para apropriar-se de nossas vidas e pertences”.

 

A realidade é que a violência tornou-se prioridade para os órgãos de comunicação. Na televisão, nos jornais falados, qual é o maior destaque? Não é a violência? Ela chega tão constantemente às nossas salas, que se tornaram tão comum, que nada mais nos choca.

 

Tudo isto se dá porque a impunidade e a defesa dos direitos humanos para quem cometeu um delito é um estímulo à violência.

 

Está na hora de reagirmos e exigir de nossos governantes a tomada de ações concretas para punição daqueles que com descaro, desrespeitam a sociedade.

 

Edmir Pelli é aposentado da Eletrosul e articulista desde 2000
edmir@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários