O dia em que eu conheci o Millôr

0

História de uma entrevista

Conheci  Millôr Fernandes em 1990. Acabava o curso de Comunicação Social e, como todo jovem da década de 80, queria resgatar a liberdade perdida, queria ser ouvido, chamar a atenção, ser contra, exercitar o debate.

Passávamos as madrugadas discutindo a tirinha do Henfil, o texto do Moacyr Werneck de Castro e a coluna do Millôr.

Na época o Pasquim era a trincheira da liberdade e o Jornal do Brasil a referência do jornalismo livre.

Entre um “frelancer” e outro surgiu o projeto de escrever um livro de entrevistas O QUE ELES PENSAM ( Edições Tagore 1991 ) com personalidades da vida brasileira.

Parti com a cara, coragem e o gravador para arrancar dos entrevistados suas reminiscências, lembranças do passado remoto, trajetórias de vida, fracassos, sucessos, sonhos sepultados e projetos guardados.

Eu conhecia o Geraldinho Carneiro – que já havia entrevistado antes. Ele era amigo do Millôr. Pedi para o Geraldinho fazer a ponte e marcamos para domingo no final da tarde.

O encontro foi no seu estúdio em plena cobertura em Ipanema, na Vieira Souto. Uma vista inesquecível.

A simplicidade, o jeito despojado, bermuda e chinelo contrastavam com a exuberância do lugar.

Conversamos por mais de 4 horas. Millor foi uma personalidade aberta e carinhosa. Ele que já havia sido um estagiário, um garoto do Méier, subúrbio do Rio, abria espaço para falar com o jovem jornalista que insistia em cumprir a pauta da extensa entrevista.

Depois que a entrevista foi publicada ele teve um gesto que guardo até hoje.

Naquele tempo não tínhamos as facilidades da internet, email. O carteiro bate na minha porta e entrega o envelope bonito, papel fino, sofisticado. Ao abrir um cartão do Millôr de próprio punho, com desenho e assinatura.

O artista foi fiel a si mesmo. Abriu as portas do seu estúdio, estendeu a mão e depositou esperança nos olhos e flores nas mãos do jovem, aprendiz, iniciante ( como no desenho que fez e enviou ).

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais