O ELEITOR PROVOCA

0

O ex-deputado estadual Nelson Araújo, já sem mandato há vários anos, discorda de comentário publicado neste mesmo local, no início desta semana. Acha que aconteceu uma inversão quando o colunista se referiu ao comércio lamentável do voto: “não é o candidato que quer comprar, mas uma parte significativa do eleitorado que quer vender”. Araújo acha que o Brasil – “com milhões de eleitores analfabetos” – ainda não atingiu a consciência da importância da escolha de bons nomes para representá-los nas Câmaras, Assembléias e no Congresso. O ex-deputado admite que tem muita gente que disputa mandatos, seria bom parlamentar, mas não consegue uma vaga entre a elite representativa do povo, caso não tenha uma boa grana para negociar mandatos com chefes políticos que cobram caro para ceder as pessoas que o seguem, cegamente, durante os pleitos.

É verdade isso. Mas também é verdadeiro que essa comercialização se arraigou de tal forma, que o candidato sequer imagina entrar numa intricada disputa política, se não tiver uma gorda conta bancária. Qualquer pessoa ouve com naturalidade as transações feitas por candidatos, através de redutos eleitorais. È comum um candidato a deputado estadual permutar votos com o que vai tentar o mandato federal. Ontem mesmo, a noite, duas lideranças políticas jantaram para que um cidadão que tenta a Assembléia Legislativa apóie um outro que pretende a Câmara Federal, através de uma negociação de votos. Seria seis municípios de médio porte, por três de maior densidade eleitoral. A reforma na mentalidade política de um estado (ou de um país) se faz pela renovação de quem está à frente da representação do povo. Como isso acontece de forma extremamente lenta, percebe-se que as Assembléias e o Congresso são comandados sempre por um bom número de velhas figurinhas repetidas, apoiadas por um “pequeno clero” imenso, que também muda quase nada.

É possível que em Sergipe haja alguma mudança na representação em Brasília – pelo menos dois  nomes já estão fora da disputa – mas a renovação pode trazer apenas uma ou duas caras novas, porque parte que tem boa chance de entrar é formada por personagens que tradicionalmente circulam pela cúpula política de Sergipe. E a manutenção do quadro acontece exatamente pela conivência do eleitorado pouco esclarecido, que forma uma fatia generosa daqueles que vão às urnas a cada quatro ano. O PPS fez uma campanha na televisão, para saber se algum eleitor sabia em quem votara para deputado federal nas eleições anteriores. Ninguém lembrou. Lógico que pode ter sido o roteiro do filmete, mas há um pouco de verdade. Só quem vota conscientemente, de forma seletiva e qualitativa é que lembra a quem deu o voto. Esses, inclusive, fiscalizam o seu representante e, quando não dão certo, partem para uma nova tentativa. Mas esse tipo de eleitor tem compromissos sérios com o futuro do país, que o beneficia diretamente. Quanta gente voltará a teclar o número de vários mensaleiros, que não foram cassados pela conivência de muitos e o sentimento corporativista de outros? E farão isso sem o mínimo sentimento de que estão escolhendo o pior. Certamente serão bem pagos para isso…

Qual seria a melhor forma de acabar com isso? Nenhuma. Por mais que se aprove leis e substitutivos para tornar as eleições mais corretas, sem interferências do poder econômico e com chances para todos, a compra ilegal de votos permanecerá sempre em todas as campanhas que se façam no país. De deputado estadual a presidente, de vereador a prefeito. Não tem jeito: só se elege quem tem dinheiro suficiente para enfrentar a concorrência ou integre algum grupo forte que consiga os tais redutos eleitorais e usem o parlamentar como instrumento para seus interesses. É exatamente por isso que o deputado vota de acordo com a consciência de quem o financia ou a dele próprio, quando tem condições de comprar o mandato. O método não tem ideologia e nem tendência política. É uma regra que tem honrosas exceções. Quem tem consciência percebe exatamente os que estão exercendo a sua atividade política em benefício da sociedade e na luta contra todos os vícios que se cometem em um poder que a cada Medida Provisória vai se descaracterizando e perdendo sua força.

 

 

PROJETO

O governador João Alves Filho (PFL) vai entregar ao candidato do PSDB a presidente, Geraldo Alckmin, sexta-feira, um projeto amplo de desenvolvimento do Nordeste.

Nele se incluem propostas como agricultura irrigada, geração de empregos, industrialização e revitalização do rio São Francisco. São dezenas de páginas que fazem um estudo real da região.

 

ENCONTRO

O governador João Alves Filho viajou a Brasília e tinha agenda marcada com assessores de Geraldo Alckmin, para tratar de sua visita a Sergipe.

Um detalhe muito importante: Alckmin deve ver como trata a questão do São Francisco. Falar em transposição não dará certo.

 

CONVERSA

A permanência do governador João Alves Filho em Brasília foi muito rápida. O suficiente para uma conversa com o líder do PFL no Senado, José Agripino Maia.

João Alves Filho também conversou com a senadora Lúcia Vânia (PSDB), mas sobre a visita que Alckmin fará em Aracaju amanhã.

 

ALTERAÇÃO

A programação de visita do candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, a Aracaju sofreu alterações. Alckmin desembarca por volta das 13:30 horas.

Do aeroporto ele segue em carreata até a sede do partido e lá terá encontro com prefeitos, deputados e lideranças política da coligação PFL/PSDB.

 

ESTRELA

O deputado federal Bosco Costa (sem partido) avisou hoje que não se filiará em nenhuma outra legenda que tenha “estrela maior como o PSDB, PFL e até o PT”.

Bosco diz que vai ficar sem mandato, mas que está tranqüilo com ele mesmo: “não fui derrotado, apenas não me candidatei”, disse.

 

LEGÍTIMO

Depois de se afastar do PSDB, Bosco Costa conversou apenas com o líder do partido na Câmara, Jutahy Magalhães. Ele considerou legítimo o direito de disputar o Senado.

Bosco não falou com a Direção Nacional porque “se veio o rolo compressor de Sergipe, não adiantaria falar com o presidente nacional do PSDB, Tasso Jereissati”.

 

COM DÉDA

Bosco Costa tem conversado com o candidato do PT Marcelo Déda: “vou votar nele. Pedir voto para ele e a partir de agora, tudo que vier é lucro”.

O deputado alfinetou: “aqueles que vivem há 50 anos usufruindo cargos públicos é que devem ficar preocupados”.

 

ALMEIDA

O senador José Almeida Lima (PMDB) viajou ontem para o interior de São Paulo, onde descansa por cinco ou seis dias.

A princípio não pretende participar da campanha eleitoral em Sergipe, mas pretende fazer declaração nesse sentido futuramente.

 

COMENTOU

O senador Almeida Lima fez um comentário rápido sobre o seu projeto político anterior, quando previu que tudo isso iria acontecer.

Ele chegou a conversar com pessoas que hoje estão em situação eleitoralmente difícil, mas não quis revelas nomes.

 

REYNALDO

O candidato a deputado federal Reynaldo Morais (PV), participa em Brasília de reunião da Executiva Nacional para lançar campanha de arrecadação de recursos.

O presidente nacional do PV, José Luiz Penna, acha fundamental para o objetivo do PV de obter 5% dos votos de deputado federal em todo Brasil, superando a cláusula de barreira.

 

PESQUISAS

As coligações estão fazendo pesquisas para consumo interno e acompanha a situação nos municípios. Os resultados não podem ser divulgados.

Uma delas, entretanto, feita na região centro sul e na capital deixou um dos candidatos a governador muito mais otimista.

 

REUNIÃO

Candidatos proporcionais do bloco de oposição reuniram-se ontem com os candidatos majoritários, Marcelo Déda (PT), Belivaldo Chagas (PSB) e José Eduardo Dutra (PT).

O objetivo foi incentivar os candidatos a fazerem mobilização para a carreata que a coligação fará no sábado, a partir das 9 horas. A reunião de ontem aconteceu no Sindicato dos Bancários.

 

MATERIAL

Durante a reunião foi acertada a distribuição de material de campanha para quem ainda não tem e o candidato a governador Marcelo Déda fez um apelo para que todos compareçam em massa.

Na passeata podem ser usados bandeiras e adesivos nos carros, inclusive com cartazes contendo fotos dos candidatos.

 

Notas

 

COMITÊ-1

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já encaminhou 18.575 registros de candidatos e de comitês financeiros à Secretaria da Receita Federal. Desse total, a Receita já forneceu 18.393 CNPJs. Segundo a Receita, apenas 179 registros foram devolvidos, em virtude de irregularidades constatadas nos CPFs de alguns candidatos.
Somente dois pedidos tiveram a inscrição vedada pela Receita porque os CPFs indicados, de candidato ou de responsável por comitê, estarem cancelados. A iniciativa atende ao disposto na Instrução Normativa Conjunta do TSE e Receita.

COMITÊ-2
Pela instrução, cabe à Secretaria de Tecnologia da Informação do TSE encaminhar, em cada eleição, à Receita Federal, a relação dos candidatos e dos comitês financeiros para que se faça a inscrição no cadastro. Com o CNPJ, os comitês e os candidatos farão abertura de contas para arrecadar de fundos para campanha.
Os partidos políticos têm até amanhã para constituir os comitês financeiros. Já o prazo final para que os partidos registrem, perante o TSE e os TREs (Tribunais Regionais Eleitorais), os comitês financeiros termina no dia 19.

DEBATE

As emissoras de radio e televisão têm até o dia 28 de setembro para promover debates entre os candidatos aos cargos majoritários e aos cargos proporcionais, em disputa nas eleições gerais de outubro próximo. Os debates devem as regras às regras estabelecidas na Lei das Eleições, que põe os debates mais rígidos.

A lei estabelece que as emissoras convidem para os debates todos os candidatos cujos partidos tenham representação na Câmara dos Deputados. O convite aos candidatos sem representação é facultativo e fica a critério das emissoras.

 

 

É fogo

 

O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, descartou ontem a necessidade de reajustes nos preços dos combustíveis no mercado brasileiro agora.

 

Segundo ainda o presidente José Sérgio Gabrielli, “a Petrobras não considera que tenha que mover nos preços nesse momento”.

O deputado federal José Carlos Machado (PFL) trabalha sua reeleição a todo vapor e enfrenta uma onda de boatos sobre o Tribunal de Costas do Estado.

 

O deputado Augusto Bezerra (PFL) está fechando parceria com o médico Eduardo Amorim em alguns municípios sergipanos.

 

Os matemáticos de plantão estão calculando que Albano Franco (PSDB) e Eduardo Amorim (PSC) vão estourar nas urnas.

 

O deputado federal Bosco Costa (sem partido) trabalha para que seu sobrinho Marcos Costa (Vandinho), do PTB, seja a surpresa como candidato a deputado estadual.

 

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já definiu os horários em que serão veiculados os programas partidários nas emissoras de radio e televisão.

 

O horário eleitoral gratuito começa no dia 15 de agosto e vai até o dia 28 de setembro em cadeia nacional de rádio e TV.

 

O radialista Fábio Henrique (PTB) continua trabalhando sua candidatura a deputado estadual nas cidades do interior e bairros de Aracaju.

 

Três pessoas foram indicadas pela Justiça Federal americana por roubar informações confidenciais da Coca-Cola, incluindo a formula de uma nova bebida, para vendê-las à Pepsi.

 

Apesar do fracasso da seleção brasileira na Alemanha, o jogador Ronaldo continuará sendo garoto propaganda da Nike.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários