O lado bom

0

 

     Desde a última terça-feira está coluna está avaliando por vários ângulos a decisão tomada pelo PSDB. Se a decisão tomada pelo ex-governador Albano Franco foi pouco corajosa, foi muito inteligente no sentido da disputa para uma das vagas da Câmara dos Deputados. É bom lembrar que Albano não quis ser candidato ao Senado numa coligação branca com o PT, porque para o Senado Federal existiria apenas uma vaga e dois fortíssimos pretendentes, que seria ele (se aceitasse) e a senadora Maria do Carmo, que faz um trabalho à frente da Secretaria de Combate a Pobreza que reverte em percentuais expressivos nas pesquisas eleitorais.

  Já para a Câmara Federal existem oito vagas e disputam com boas chances essas vagas, os seguintes candidatos: José Carlos Machado, Mendonça Prado, Pedrinho Valadares, Jerônimo Reis, Cleonâncio Fonseca, Ivan Paixão, Jorge Alberto, Eduardo Amorim, Zezinho Guimarães, Valadares Filho, Heleno Silva, Nilson Lima, Jackson Barreto, Iran Barbosa, Carlos Pina Júnior, Fabiano Oliveira, ou seja, 16 pretendentes.

  Ocorre que por conta das coligações que serão formadas é provável que ocorram desistências de candidatos que ao consultarem a máquina calculadora, acabem descobrindo que as possibilidades antes existentes desapareceram. Enquanto que, outros candidatos que estejam participando de “chapões”, sobrarão na curva, porque os partidos poderão lançar quatro ou cinco candidatos para eleger apenas dois. E é exatamente aí onde Albano sabe que no final da história sua vaga de deputado federal estará praticamente assegurada.

  Numa análise fria, notasse que dos pretendentes que apóiam o atual governador é possível que sejam eleitos apenas quatro. E lá se vão mais quatro pro banco da suplência. Do outro lado, dos quatro que apóiam a candidatura de Marcelo Deda é possível que sejam eleitos apenas dois e  lá se vão mais dois para o mesmo banco. Observem que depois de toda essa matemática, estariam eleitos apenas seis parlamentares e dessa forma sobrariam duas vagas onde uma seria de Albano e a outra seria da coligação que apresentar melhor desempenho para beneficiar-se da sobra ou até mesmo de alguém que apareça no pleito de última hora para surpreender a todos.

 

Candidato

O presidente do Diretório Municipal do PSB em Aracaju Valadares Filho informou ontem que a candidatura a deputado federal é pra valer. Valadares Filho disse que por conta da clausula de barreira o PSB precisa de votos em vários Estados e, além disso, a pré-candidatura dele vem recebendo apoios importantes e tem o respaldo da Direção Nacional. A informação foi prestada por conta de algumas noticias que vêm circulando dando conta da desistência da candidatura.

 

Maldade I

Na política existe uma coisa chamada caixa de maldades e quando ela começa a ser aberta é difícil conseguir o seu fechamento. Um dia após o anúncio da decisão do PSDB, já tinha um tucano especulando que a decisão do ex-governador Albano Franco (PSDB) em disputar uma cadeira para a Câmara Federal foi estimulada pelo comportamento de dois pré-candidatos: Primeiro pela insistência de Jackson Barreto (PTB) em propagar o apoio ao nome de José Eduardo, mesmo sabendo que Albano ainda estava mantendo conversações com a cúpula do PT.

 

Maldade II

Segundo foi a ousadia do ex-secretário de Finanças, o economista Nilson Lima (PT) cristão novo na política, em declarar na imprensa que o PT não poderia ficar esperando pela decisão de Albano. Mas há quem afirme que a decisão de Albano foi uma maneira de mostrar aos pré-candidatos do PSDB José Teles e Jorge Araújo que em política é preciso ter paciência. As declarações dos deputados Jorge Araújo e Ulices Andrade desaconselhando uma aliança com o PFL no momento em que os dois partidos travavam entendimento, contrariou bastante o ex-governador ao ponto de Pedro Barreto ter sido orientado a informar que o empresário Ricardo Franco poderia disputar um mandato de deputado estadual.

 

Experiência I

Política é um jogo para profissionais. Após a decisão anunciada pelo PSDB, a avaliação mais profissional foi a do governador João Alves Filho quando revelou que continuará buscando entendimentos com o PSDB. A questão é de pura habilidade de quem sabe que o jogo só termina aos 45 do segundo tempo e mesmo assim com direito a alguns minutos de acréscimo.

 

Experiência II

A decisão de independência anunciada pelo PSDB, não alterou em nada a situação em que o partido se encontrava, ou seja, o PSDB continua livre para apoiar o PT e livre para formalizar uma aliança com o PFL. até porque decisão irreversível é a que estiver constando em ata após registro no TER. Portanto até o dia trinta tudo pode acontecer e não tenham dúvidas de que as conversações continuarão acontecendo.

 

 

O TRE VIU? I

Se o TRE tinha dúvidas de que o governador de Sergipe estava utilizando as ações de governo para promover campanha eleitoral antecipada, o programa eleitoral do PFL apresentado no último dia 19  foi a prova necessária para que o Tribunal Regional Eleitoral possa adotar uma reação a altura do descumprimento à legislação eleitoral. No programa é mostrado um evento aparentemente promovido pela Secretaria Estadual de Educação envolvendo os alunos da rede pública e contando inclusive com a presença do secretário Lindberg Lucena.

 

O TRE VIU? II

No evento dois jovens em dupla cantam um rap com homenageando as ações governamentais, enaltecendo os investimentos feitos pelo governo na área da educação e recomendando indiretamente o voto em “João” para que a continuidade dos investimentos seja assegurada. Mas o detalhe que despertou a atenção da classe política foi que os jovens estavam vestidos em camisas com o número “25” e nome “João”. A menina para ser um pouco mais discreta usava o famoso “Chapéu de couro”.  Se alguém do TRE assistiu ao programa, vai ser um azar danado pro PFL.

 

Leitor

Um dos comentários recebidos sobre o artigo de ontem “Seria um blefe?”. Um leitor disse que “das coisas que gosto dessa vida, uma delas é o pôquer e a outra é a política, no entanto não tinha experimentado as duas coisas ao mesmo tempo. Acredito  que nesse jogo tanto Deda blefou ao oferecer a Albano o que ele não tinha que era o Senado da República, como o governador por insinuar a vontade de ter o apoio e não se esforçar para consegui-lo. O ex governador Albano “Franco” não pagou pra ver, preferindo prejudicar os seus companheiros de partido tanto a nível estadual como a nível nacional, a se arriscar em uma eleição que o mesmo teria que gastar, e não gastar, o nosso dinheiro e sim o dele”. Esta coluna só divulga o nome do leitor, quando ele pede no e-mail enviado.

 

PSDB/PDT

A maioria das avaliações políticas, principalmente entre os freqüentadores do senadinho da 13 de julho, na antiga “Mercearia da Luciene” dois assuntos têm predominado no ambiente. O primeiro é qual será o próximo passo de Albano e o segundo é o isolamento em que se meteu o PDT. Alguns analisam essa segunda questão demonstrando uma certa tristeza com o futuro reservado para um jovem que se apresentava como um fenômeno na política sergipana. Mas como esse ano a coisa não anda bem para o lado dos fenômenos, não se pode fazer quase nada para mudar esse quadro a não ser que Parreira invente uma solução.

 

 

Frase do Dia

“Escolha um trabalho que você ame e não terás que trabalhar um  único dia em sua vida”.Confúcio.

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários