O que mais querem os PMs?

0

Sabe por que os policiais militares “sindicalistas” não foram punidos disciplinarmente nem criminalmente? Porque estão se desgastando perante a opinião pública e acaba não sendo necessário, por enquanto, que se faça nada contra eles. Os sergipanos sabem que os policiais militares conseguiram avanços expressivos neste governo, que nem o mais raso dos soldados recebe menos que R$ 1.500 e que outras vantagens e benefícios foram concedidos além da melhoria salarial.

 

A Secretaria de Estado da Comunicação está divulgando informações importantes sobre o tratamento que vem sendo dado à corporação. “Vários governos se passaram e nenhum deles teve a verdadeira preocupação de atender uma importante e antiga reivindicação dos Policiais Militares do Estado de Sergipe: as distorções salariais”, informa a Secom.

 

“O atual governo sabia desde o início que não seria uma tarefa fácil, porque o problema vinha se acumulando há muito tempo, mas decidiu encarar o desafio por entender que se trata de uma categoria de grande importância para a sociedade”, continua, lembrando que no atual governo foram investidos R$ 8 milhões no ano de 2007 e mais RF$ 23 milhões em 2008, uma soma de R$ 31 milhões para tentar corrigir as distorções salariais.

 

“Esses recursos elevaram o valor dos vencimentos de todos os membros da categoria dos policiais militares e corrigiram falhas no escalonamento salarial causadas principalmente pelo governo anterior do ex-governador João Alves Filho, que hoje discursa defendendo que foi um bom governante para a PM”.

 

Os aumentos dados pelo atual governo variam de 48,58% a 69,24%, que chegam a ser até seis vezes maiores que a inflação do período medida de Índice de Preços ao Consumidor (IPCA), que ficou em 11,15%.

 

“O atual governo devolveu não apenas aos policiais militares, mas a todos os funcionários públicos, o dinheiro do Funaserp, retirado indevidamente pelo ex-governador João Alves Filho”, lembra a Secom, acrescentando que também foram aumentadas as gratificações de serviço externo e corrigidas as distorções da gratificação de estímulo da atividade militar.

“O atual governo aumentou em 100% o seguro de vida e invalidez dos policiais militares.

O atual governo investiu como nenhum outro em equipamentos e em condições dignas para o desenvolvimento da atividade policial no Estado”, prossegue.

 

“Enfim, o atual governo sabe que muito ainda deve ser feito para melhorar ainda mais a situação da PM, mas sabe também que já deu um grande avanço para a carreira dos policiais militares, principalmente, ao iniciar o processo de organização do plano de carreira da categoria, que servirá como base não apenas para o presente, mas para as conquistas que virão no futuro, que poderão a partir desse governo acontecer de forma ordenada e não mais da maneira confusa que era o que antes causava profundas distorções”, conclui.

 

“A grande grita da categoria atualmente é pela equiparação salarial com os policiais civis que receberam um aumento generoso do atual governo e um plano de cargos e salário que irá deixá-los ainda melhor até o final desse mandato”.

 

A Secom do governo informa que o número de policiais civis (cerca de 700) é 10 vezes menor que o de policiais militares (quase 7 mil). O montante de dinheiro para dar um bom aumento para o primeiro não é o mesmo para dar ao segundo, o que seria demasiado impactante na folha geral do Estado; comprometendo inclusive o limite da Lei de Responsabilidade Fiscal.

 

“Os policiais militares vem recebendo um tratamento muito melhor que nos outros governos e os avanços são reais, devendo ser reconhecidos pela sociedade através dos números apresentados”.

 

Por fim, a Secom informa que o processo de melhorias está em andamento, mas ainda não está nem perto de acabar. “O atual governo reconhece que a PM foi muito sacrificada historicamente e vai fazer a sua parte, dentro dos limites que são impostos para a administração, para atingir o melhor patamar possível ao longo do atual mandato, deixando um plano de carreira organizado, o que não existia antes”.

 

Confirma como eram e como ficaram as remunerações dos policiais militares:

 

Posto ou graduação

Remuneração em dezembro de 2006

Remuneração em janeiro de 2009

Diferença

dez. 2006/jan. 2009

R$

%

CORONEL

6.000,85

9.864,22

3.863,37

 

64,38

TENENTE CORONEL   

5.161,83

8.390,64

3.228,81

62,55

MAJOR

 

4.446,86

7.403,22

2.956,36

66,48

CAPITÃO

 

3.591,87

5.584,35

1.992,47

55,47

1º TENENTE

 

2.889,88

4.500,21

1.610,33

55,72

2º TENENTE

 

2.514,46

3.735,96

1.221,50

48,58

ASPIRANTE

 

2.028,01

3.119,77

1.091,77

53,83

SUBTENENTE

 

1.940,91

3.039,82

1.098,92

56,62

1º SARGENTO

1.726,90

2.812,23

1.085,33

62,85

2º SARGENTO

1.523,87

2.463,64

939,77

61,67

3º SARGENTO

 

1.393,88

2.154,80

760,92

54,59

CABO

1.205,86

1.993,56

787,70

65,32

SOLDADO

1ª CLASSE

 

1.099,90

1.861,51

761,61

69,24

SOLDADO ENGAJADO

 

1.105,38

1.778,42

673,04

60,89

SOLDADO NÃO ENGAJADO

 

1.015,89

1.570,36

554,47

54,58

A remuneração da PM é composta por: Vencimento Básico + Gratificação de Serviço Externo + Triênio (% máximo) + Periculosidade + Gratificação de Atividade Militar

Fonte: Governo de Sergipe

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários