Obras paralisadas: publicizar motivos

0

“O jornalismo é o exercício diário da inteligência e a prática cotidiana do caráter.” Cláudio Abramo.

Um dos maiores gargalos hoje na administração pública é o volume de obras paralisadas em todo país. Os motivos são os mais

Obra do canal 3, no Augusto Franco, um dos exemplos.

variados e muitas vezes a comunidade que seria beneficiada pela obra, ou seja, a principal interessada não tem a informação correta.

E foi em boa hora, que em Aracaju, o vereador Max Prejuízo, apresentou um projeto obrigando a Prefeitura a colocar placas informativas nas obras paralisadas, para que a comunidade seja informada do motivo.

Na justificativa ele deu alguns exemplos, como o caso da Avenida Canal 3, no conjunto Augusto Franco, cuja paralisação, segundo ele foi informado pelos órgãos municipais se deu em razão da ausência de documentos para o recebimento dos recursos por parte da primeira empresa contratada, ocasionando a rescisão do contrato e posterior realização de nova licitação.

Sem falar em outras obras, como a drenagem e pavimentação do Barroso, no Bairro Farolândia, numa parceria PMA/Deso. Ele deu um exemplo também de uma obra onde foi colocada uma placa informando a paralisação, a do calçadão da 13 de Julho, por conta do licenciamento ambiental.

É um projeto simples, mas que deveria ser copiado por todos os municípios. É o mínimo de respeito que deve-se ter com a comunidade.  Além de esclarecer com o real motivo, acabar com as especulações políticas.

Aracaju, sairá na frente, mas com certeza nos outros municípios, vereadores devem encaminhar a proposta que é benéfica para todos.

FAPITEC I
A decisão do governador Jackson Barreto de exonerar a diretoria da Fundação de Apoio à Pesquisa e à Inovação Tecnológica do Estado de Sergipe – FAPITEC, formada por pesquisadores respeitados, para colocar em seu lugar o ex-vereador de Neópolis José Heriberto Pinheiro Vieira, indicado pelo PRB, partido a quem foi entregue a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedetec), causou forte reação junto à comunidade científica sergipana.

FAPITEC II
Durante toda a semana foi intensa a mobilização para a subscrição de um abaixo assinado pedindo ao governador para reverter essa decisão, considerada por eles como equivocada e reprovável, que já conta com cerca de 2 mil assinaturas, segundo os líderes do movimento. Eles entendem que a partidarização da FAPITEC, assim como vem ocorrendo com a Sedetec e com o ITPS, trará invevitáveis prejuízos, uma vez que os gestores desconhecem a área e não têm a necessária e indispensável interlocução com a comunidade científica e tecnológica.

FAPITEC III
Entidades representativas do setor empresarial, membros do Fórum Empresarial de Sergipe, também encaminharam ofício ao governador manifestando igual preocupação. Os líderes empresariais acreditam que  a ocupação de cargos estratégicos – sobretudo na área do desenvolvimento econômico – por indicados que desconhecem a temática do setor, produz visível perda de dinamismo e descontinuidade de importantes programas.

FAPITEC IV
Ainda segundo os líderes do movimento, até agora o governador não respondeu aos pedidos de agenda para que, em audiência, a preocupação e o apelo pela reversão da decisão sejam reforçados. Ignorar uma mobilização de um setor com grande capacidade de formar opinião já está gerando um grande e evitável desgaste para o governo.

SMTT e o privilégio que nem todos tem. JC publica foto do espaço público privatizado para o Senac
E o privilégio que a SMTT deu ao Senac, privatizando duas vagas no centro da cidade (ao lado do cacique Chá) começa a

JC: privilégio do Senac. 

repercutir nos jornais. O JC publicou a foto ao lado com o texto sobre as críticas dos outros motoristas e com um carro na vaga pública privatizada com uma placa de vende-se. Ou seja, alguém do Senac aproveitou para vender o carro no espaço privatizado.

Gestores Sergipe contas rejeitadas. Sem surpresas na lista TCU
Sem surpresas na lista de Sergipe encaminhada ao TSE pelo TCU com os nomes dos gestores públicos que não podem ser candidatos este ano. Entre as figurinhas carimbadas, alguns que ainda tentam ser candidatos este ano, como Armando Batalha  e Sukita . Os nomes de Sergipe estão nas páginas de 357 a 366. A relação por Estado:http://www.tse.jus.br/hotsites/tcu/2016/ResponsaveisContasJulgadasIrregularesEleicoes2016_UF.pdf

Fora Temer
O presidente estadual do Partido dos Trabalhadores em Sergipe, Rogério Carvalho, fez forte discurso em ato promovido contra Temer, na Praça General Valadão, no centro de Aracaju, na sexta-feira, 10.Rogério pontuou que quem conhece a história da presidenta Dilma, sabe que se trata de uma história que tem em seu DNA as palavras “lealdade e dignidade”, e é assim que ele diz ver a presidenta: leal e digna.

Denúncias de corrupção
Foi firme no discurso, aplaudido em vários momentos pelos vários grupos políticos e sociais, e cobrou um tratamento justo nas coberturas da mídia sobre denúncias de corrupção. “O que antes era um escândalo, agora não merece quinze segundos nos noticiários. Esse esquema do Renan Calheiros, do José Sarney, do Romero Jucá, do Valdir Raup, do Edison Lobão, do Eunício Oliveira… esse esquema… é um esquema de mais de um bilhão de reais desviado das estatais brasileiras”, disse Rogério, denunciando que se fosse um petista, apenas a suposição de desvio ganharia imensas manchetes, mas que no caso do governo Temer, é tratado sem qualquer gravidade. Nem suspeita.

Mobilização da sociedade
Já o secretário nacional de Finanças do PT, Márcio Macêdo, que também participou do ato, defendeu a mobilização da sociedade para que a presidente Dilma Rousseff possa retornar ao comando do país."É preciso que a população compreenda que o projeto de Michel Temer rompeu com dois pactos recentes: o pacto da democracia, firmado na Constituição de 1988, e o pacto da pacificação das classes, inaugurado por Lula, quando, a partir do seu primeiro mandato, todos ganharam e cresceram no país. Precisamos resgatar o governo que foi eleito nas urnas com mais de 54 milhões de votos", afirmou.

Juiz federal determina suspensão de cobrança de taxa de Marinha
Na quinta-feira, 9, o juiz federal Edmilson Pimenta determinou a suspensão da cobrança da taxa de terrenos de Marinha em Sergipe, que tinha vencimento para sexta-feira, 10. Além disso, ele determinou a redução dos valores das taxas. É importante ressaltar que a decisão do juiz federal Edmilson Pimenta saiu após ação civil pública proposta pelo PSDB de Sergipe contra a União, pela SPU, através do advogado Pedro Celestino Pascoal.

IBGE
Em sua decisão, Edmilson Pimenta determinou à União Federal, através da SPU, que proceda à atualização de tais preços com base nos índices que melhor refletem a inflação no momento de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

Valores
Ele disse ainda que deveriam ser cancelados os documentos de arrecadação já expedidos e emitidos outros com valores corrigidos para recolhimento da taxa de ocupação e foro relativos ao exercício de 2016, no prazo de 15 dias.

Nova diretoria da Fendepol
Na noite de quarta, 08, na sede da Adepol Brasil, em Brasília, foi empossada a nova diretoria da Federação Nacional dos Delegados de Polícia – Fendepol, para o triênio 2016-2019. Diretores de sindicatos e associações de delegados de polícia de todos os estados estiveram presentes ao evento.

Estratégia
O novo presidente da Fendepol, Dr Rodolfo Laterza, ressaltou a importância da entidade no desenvolvimento de uma estratégia nacional voltada à valorização da categoria, ao lado da Adepol Brasil e as entidades de âmbito estadual.

Atuação
O presidente da Adepol e Sindepol de Sergipe, delegado Paulo Márcio, destacou a atuação do Dr Rodolfo Laterza  junto ao Congresso Nacional, apresentando propostas, notas técnicas e colaborações as mais diversas em defesa da carreira e da Polícia Civil.

Iniciada a recuperação do Terminal da Zona Oeste
Na quinta-feira,9,  a Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) iniciou o trabalho de recuperação do Terminal de Integração Leonel Brizola, mais conhecido como Terminal da Zona Oeste. Através da empresa MWG, em caráter emergencial, está tomando todas as medidas necessárias para o reparo de toda a estrutura metálica para oferecer segurança e conforto aos usuários do transporte coletivo.

Ferrugem
Inicialmente os reparos estão concentrados na área mais crítica: a plataforma 10, que apresentou pontos de ferrugem nas estruturas metálicas elevando o risco de desabamento comprometendo toda a segurança. Agora todo o trabalho está sendo feito para reforçar os pilares, as bases de concreto, as tesouras (chapas metálicas) e a substituição dos cabos de aço que sustentam toda a parte superior do terminal. Na substituição das estruturas foi utilizado o material em aço de carbono que tem a durabilidade maior diminuindo o desgaste natural das peças.

Banese participa da I Feira de Empreendedorismo da Fanese
O Banco do Estado de Sergipe (Banese) é um dos participantes do Balcão Financeiro da I Feira de Empreendedorismo da Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe (Fanese), que está sendo realizada em Aracaju. O Banese montou um estande no local da feira para divulgar os produtos e serviços da instituição, entre os quais empréstimos consignados, títulos de capitalização e seguros, além do “Banese Clube +”, que oferece aos correntistas do banco diversas vantagens como descontos em cinemas e medicamentos, assistência a viagens e sorteios de até R$ 20 mil, entre outros benefícios.

Estandes
A I Feira do Empreendedorismo da Fanese foi aberta na noite da última quinta-feira, 9, e vai até este sábado, 11. Paralelamente à exposição dos estandes localizados no hall do andar térreo da Fanese, onde os empreendedores e empresas que participam do evento fazem a apresentação dos seus produtos, serviços e oportunidades de negócios, estão sendo realizadas diversas palestras sobre empreendedorismo, histórias de vida empreendedora, abertura de empresas e qualificação profissional.

Negócios
Os três dias da Feira possibilitam oportunidades de negócios, novos contatos e de conhecer outras profissões. De acordo com os organizadores, o evento tem como objetivo estimular a atividade empreendedora entre os alunos dos cursos de graduação da Fanese, empresários e a comunidade do entorno da Faculdade, no bairro Santo Antônio, em Aracaju.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Cancelamento: 1ª Palestra ‘Conhecendo o Método Montessoriano de Ensino’
A CGM Consultoria e Gestão informa que por motivo de força maior, a 1ª Palestra ‘Conhecendo o Método Montessoriano de Ensino’, que estava programada para este sábado, 11, em Aracaju, foi cancelada. A palestrante principal Lêlian Bittencourt, que possui experiência de 25 anos em Educação Montessoriana, estava à caminho da capital sergipana, mas teve que retornar a Salvador devido a um sério problema familiar. Assim, pedimos desculpas a todos os interessados e aos já inscritos para a palestra, que será realizada em uma data a ser definida posteriormente. O valor pago pelos já inscritos será devolvido prontamente pela CGMV.

ARTIGO

Complexo, ou labirinto viário das palmeiras?  Por Clarkson Moura

Sabe-se, com todo o grau de certeza e toda a amplitude notória, que Aracaju padece de um defeito congênito de concepção urbanística: o quadrado "tabuleiro de xadrez" do pouco futurólogo Sebastião Pirro.

Mesmo assim, aqui, na nossa "Cápi", originalmente deficiente, as eleitoreiras intervenções urbanas, além de pontuais, precárias e paliativas, têm sido, para a atual Gestão Municipal, soluções pioneiras, revolucionárias, eficientes e radicais.

Tanto que o ponto de convergência de duas vias públicas – mercê do milagre da multiplicação, operado pelo competente setor técnico da SMTT, com a onerosa consultoria especializada do gloriabundo Escritório do decíduo urbanista paranaense Jaime Lerner, fora tão multifurcado em curtos e polidirecionais segmentos de vias, por sua vez, subdivididos em diversas faixas de trânsito, que fez por merecer, de seus criadores, a oportuna denominação de "Complexo Viário das Palmeiras". A menos que o termo complexo não esteja na acepção de "complicado", "confuso".

Salvo melhor juízo, a expressão "complexo viário" designa, na precisa terminologia técnico-urbanística, um conjunto de vias de comunicação  entrelaçadas e convergentes entre si por viadutos e pontes, que lhes garantem a continuidade do fluxo de veículos.

Por isso, para fácil compreensão dos usuários leigos na matéria, faz-se imperiosa a seguinte observação: por "Complexo Viário das Palmeiras" entenda-se "Labirinto Viário das Palmeiras".

Não bastasse o equívoco ou a mistificação destacada, minha irrequieta intuição quis saber o porquê do vocábulo "Palmeiras" na expressão que dá nome à referida obrinha de fachada.

E não é que, de pronto, matei a "charada"! Se não, vejamos:

Partindo das verdadeiras premissas de que o "verde", além de uma das cores do DEM (antigo PFL), é a cor-símbolo das campanhas do cacique e eterno candidato a cargos majoritários neste Sergipe d'El-Rey, cujo nome dispensa citação, e que a Palmeira é uma espécie da família vegetal "Arecaceae", muito utilizada no paisagismo urbano, cujo pigmento característico, a exemplo da maioria das espécies vegetais, é o verde presente na clorofila, cheguei à inevitável e lógica conclusão subsequente.

Ei-la: subentende-se que a locução "Complexo Viário das Palmeiras" se relaciona subliminarmente ao capcioso "marketing" político-eleitoral de tradicional liderança do vetusto cenário político sergipano.

Quem não se lembra das recorrentes "ondas verdes" que invadem as campanhas eleitorais e enverdecem obras públicas, a exemplo de edificações, equipamentos urbanos, logradouros públicos, etc?

Para remate deste modesto e apropriado escrito, aflora, de per si, a pergunta pertinente que não se consegue sufocar: "Que é das obras estruturais – ou, como se diz nesta Terra, estruturantes – da infraestrutura de mobilidade urbana, tão prometidas pelo Alcaide desta Capital, durante a última campanha em que se sagrou vencedor?

Como o Povo tem memória curta!

ARTIGO

Os terminais horrendos que o doutor João esqueceu por Joseilton Nery Rocha

em dívidas a SMTT faz um bom trabalho de comunicação, divulgando as atividades e eventos relacionados àquela Superintendência. Nos últimos dias, noticia e publica imagens da recuperação das vias internas e da sinalização dos terminais de integração do transporte coletivo da nossa região metropolitana.

Porém, queria ver também a recuperação das áreas de embarque e desembarque de usuários do transporte coletivo, pisos, tetos, sanitários, iluminação, quiosques, assentos, placas indicativas de destinos e itinerários etc, etc, etc.

Quem é passageiro do transporte coletivo gerenciado pela SMTT, quem é concessionário dos quiosques, quem é ambulante nesses terminais de integração, entende muito bem o que estou escrevendo. São quase 4 anos de terminais sujos, escuros, cheio de gambiarras, tetos com goteiras, sem sinalização e desorganizados. Puxadinhos de quiosques pra lá e pra cá, ambulantes tomam os lugares dos usuários, pisos esburacados, passageiros desavisados e atordoados sem saber o local de embarque e o itinerário das linhas etc, etc, etc.

E aqui uma ressalva: tive o prazer de conhecer o senhor Nelson Felipe, o superintendente da SMTT; Um cara afável, que dialoga, receptivo às críticas, esforçado, mas que ao longo desse tempo não recebeu do "prefeito" João Alves (DEM) a merecida atenção, o compromisso e a vontade política de priorizar o transporte da nossa Aracaju. Todos sabemos quem manda na cidade são os empresários do transporte, além dos poderosíssimos donos de construtoras. Ah, se a Lava Jato chegasse aqui também!

A maioria dos aracajuanos, em 2012, votou no Doutor João, para resolver os problemas da cidade. Então, a grande culpa e a responsabilização pela tragédia do transporte coletivo, incluindo os imundos terminais, cabe ao "prefeito" de Aracaju, que não envidou esforços, nem garantiu os recursos orçamentários necessários, para cumprir o mínimo de suas promessas eleitorais.

Graças a Deus, outubro está chegando e os aracajuanos haverão de escolher outro modelo de gestão para a nossa bela cidade..

Blog no twitter: http://www.twitter.com/BlogClaudioNun

Frase do Dia
“Houve um tempo no Brasil em que ninguém tinha dinheiro. É hoje.”
Max Nunes, humorista, médico e polímata brasileiro, morreu em 11 de Junho de 2014 (n. 1922).

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários